Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Corrupção no Hospício Ocidental: as razões do escândalo de corrupção ‘Quatargate’ em Bruxelas

Se você folhear as páginas dos jornais de qualquer país europeu nos úlyimos dias, encontrará em todos os lugares a história do que é amplamente chamado de escândalo “Qatargate”. Nesta história, pelo menos quatro personagens são acusados ??de corrupção, cujas imagens já estão praticamente por toda parte. Para quem não conhece Bruxelas e os círculos das instituições europeias, certamente é útil saber que se há um lugar onde todos os políticos têm um preço, é certamente a capital da União Europeia, Bruxelas.

Corrupção no Hospício Ocidental: as razões do escândalo de corrupção ‘Quatargate’ em Bruxelas

Fonte: La Cruna dell’Ago – por Cesare Sacchetti

Estamos falando de Eva Kaili, a loura e atraente eurodeputada grega vice-presidente do Parlamento Europeu, Francesco Giorgi, ex-instrutor de vela, adjunto do Parlamento Europeu e companheiro da primeira, juntamente com Antonio Panzeri, ex-deputado eleito entre o PD e Luca Visentini, secretário da Confederação Mundial dos Sindicatos.

Todos estão envolvidos a vários níveis na investigação do procurador federal de Bruxelas que levanta a hipótese de pagamento de propinas por parte do governo do Catar aos suspeitos que, em troca desses benefícios, teriam aceitado “lavar” a imagem do Catar perante os chamados direitos humanos antes do início da Copa do Mundo.

Ora, o que mais surpreende nesta investigação é sobretudo o timing, e menos ainda a hipocrisia com que os meios de comunicação habituados a levar a cabo esta prática a tratam. Para quem não conhece Bruxelas e os círculos das instituições europeias [ditos de “primeiro mundo . . .], certamente é útil saber que se há um lugar onde todos os políticos têm um preço, é certamente a capital da União Europeia, Bruxelas.

Um exército de lobistas perambulam como bandos de ratos por Bruxelas. São pelo menos 30.000 e trabalham para os grupos bancários, financeiros e farmacêuticos mais poderosos do mundo. Eles são os verdadeiros árbitros [donos] da Comissão e do Parlamento Europeu.

São eles que decidem quais as diretivas que devem ser aprovadas e quais não, e não é de estranhar que o que as instituições europeias produzem acabe por ser uma expressão direta deste amontoado de poderes não eleitos por ninguém.

O rio de dinheiro que corre sob os edifícios do Berlaymont, sede da Comissão Europeia, e do Espace Leopold, sede do Parlamento Europeu, ascende a milhares de milhões de euros. E é este rio de lama pútrida da corrupção que comanda a capital Bruxelas.

Novamente para ficar no tema da hipocrisia, a Comissão Europeia para tornar tudo mais “transparente” decidiu criar um registro de lobistas com o qual se registraram pelo menos 1229 ONG, mas, aparentemente, não há nenhuma obrigação específica de aderir a esses registros para poder fazer lobby.

Muitas empresas e multinacionais recusam-se a aderir e continuam a pagar generosamente deputados e comissários para proteger melhor os interesses dos grupos que representam.

Para dizer a verdade, nem faz muita diferença se você está registrado ou não, porque estar presente nesse registro não limita de fato a atividade do lobista, que seria obrigado a observar um rigoroso código de conduta que nem mesmo preve sanções específicas para quem a violar.

A essência e os princípios que regem Bruxelas são os do maior lance. Aqueles que passam pelas instituições europeias como comissário ou deputado certamente não são os interesses dos povos dos vários países europeus que eles têm no coração, mas sim os daqueles que abrem suas carteiras e fazem transferências substanciais talvez para alguma conta corrente na Suíça ou algum outro refúgio do Caribe.

Se a promotoria federal belga, que tem um escritório dedicado à corrupção, tivesse realmente que processar todos os casos de corrupção envolvendo a UE, teria que prender na prática grande parte do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia.

Ele não o fez porque esta investigação é suspeita não apenas por causa de seu momento, mas por causa de seu alvo: o Catar. Sabe-se que recentemente o Catar entrou repentinamente na lista “ruim” de certas potências atlantistas dos oligarcas de sempre. E as razões dessa reviravolta repentina podem ser encontradas na geopolítica. Até alguns anos atrás, quase ninguém tinha nada a dizer sobre o Catar.

Nos anos que vão aproximadamente de 2013 a 2017, nenhuma mídia internacional levantou a questão dos direitos humanos em relação ao Catar. Ninguém estava interessado em aplicar o padrão liberal do hospício ocidental de direitos humanos contra Doha, porque naqueles anos o dinheiro de Doha era bastante conveniente e, claro, sempre bem vindo.

Foram os anos em que explodiu o conflito sírio e em que o atlantismo se empenhou em derrubar de todas as formas o presidente sírio Bashar al-Assad.

E espalhando morte e terror por toda a área estavam os assassinos do ISIS, cujos financiadores eram principalmente a Arábia Saudita e o Catar, na época ambos firmemente leais à Anglosfera, assim como ao resto do Golfo Pérsico, exceto, é claro, ao Irã, por anos em no topo da lista negra sionista dos onipresentes judeus khazares.

Qatargate compromete credibilidade da União Europeia - 13/12/2022 - Mundo -  Folha

E os emires do Catar estavam entre os financiadores mais generosos do terrorismo islâmico, para o qual enviaram milhões de dólares apenas para continuar a aterrorizar toda a área na esperança de derrubar o governo do presidente sírio. A tentativa falhou principalmente graças à firme oposição da Rússia e o apoio explícito de Putin a Assad.

Agora, porém, o mapa da geopolítica internacional está mudando e assumindo novas conotações. O mundo multipolar está questionando todos os pilares da Anglosfera do hospício ocidental e seus psicopatas russófonos e está destruindo alianças que duraram décadas em poucos meses.

É assim que Riad olha com crescente interesse para a China, cujo presidente Xi foi recebido na capital saudita com todas as honras enquanto Joe Biden é até rejeitado ao telefone quando tenta ligar para os Sauditas .

E foi assim que o Catar assinou recentemente um acordo com a própria China para fornecer a Pequim 4 milhões de toneladas de gás natural.

O Catar é um país estratégico para o abastecimento de gás natural por estar situado em enormes bacias que contêm esse recurso, sendo o segundo maior produtor mundial deste valioso e estratégico recurso energético. Tê-lo ao seu lado, portanto, muda muito os equilíbrios geopolíticos e econômicos em nível internacional.

Não é de estranhar, portanto, que a aproximação de Doha com os BRICS tenha causado algumas irritações em Bruxelas, sede da UE e da OTAN, que agora decidiu lançar sua campanha de boicote contra o país. O livro dos direitos humanos, antes empoeirado e lacrado, abriu e o que o leitor provavelmente já sabe aconteceu.

Embaraçosos “jornalistas” esportivos da RAI lançando acusações contra o Qatar acusado de não querer se submeter aos ditames do lobby LGBTQ+ durante a copa do mundo. Acusações que obviamente não foram proferidas quando o Catar sediou o mundial de ciclismo em 2016. Na época, os catarianos eram “bons”, lembremos disso.

Esta investigação parece, portanto, ter uma razão mais geopolítica destinada a criar um casus belli de modo a poder acusar Doha de ter interferido de alguma forma nos assuntos da comunidade e assim justificar uma ruptura definitiva das relações com o Qatar e um possível boicote internacional ao mesmo.

Já esta semana as consequências do escândalo se fizeram sentir no que diz respeito à votação no Parlamento Europeu de uma liberalização da concessão de vistos aos cidadãos do Qatar. E isso é provavelmente apenas o começo. Se o objetivo final for desencadear uma guerra econômica em Doha, a investigação se expandirá para permitir que a Comissão possa lançar possíveis sanções contra o país.

E é por isso que agora vemos página após página dos jornais pre$$tituta$ dedicadas à mala cheia de dinheiro com a qual o pai da atraente loira grega Eva Kaili estava prestes a fugir e outros detalhes que a mídia se detém para instigar o ódio da opinião pública contra os personagens envolvidos no escândalo.

Em outras palavras, o estado profundo europeu decidiu sacrificar alguns peões para atingir um objetivo mais importante. Isso não quer dizer que os personagens da comédia, ou tragédia, dentro do hospício ocidental, não tenham aceitado subornos do Catar.

Isso significa que o promotor belga está claramente agindo para investigar o que é um pedaço microscópico da imensa corrupção europeia e o faz por razões de natureza política e certamente não motivadas por nobres intenções de justiça.

Se ele realmente quisesse agir com base neste último, teria que abrir outras investigações nos últimos anos e, em vez disso, nunca levantou um dedo contra todos os lobistas do cartel farmacêutico, por exemplo, que pagam a comissários e deputados por anos para servir aos interesses dos primeiros.

E é precisamente aqui que se desenrola um grande e gravíssimo escândalo que o procurador belga nunca investigou. É tudo sobre o que Ursula Von der Leyen e o contrato da vacina da Pfizer tratam em trocas de e-mail.

E é sobre esse escândalo das vacinas [no hospício ocidental] que contaremos aos leitores nos próximos dias. Os escândalos dos quais nada se vê nas páginas dos jornais são os que mais incomodam o poder, enquanto os que são contados nos mínimos detalhes são os que quase sempre são vazados pelo próprio poder para melhor perseguir os seus objetivos e àqueles que se opõe a obedecer à sua agenda.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *