Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Crepúsculo do Rio Tigre: o poderoso rio da Babilônia, hoje o Iraque, está secando

Diz-se que foi o rio que regou o Jardim do Éden [Suméria] bíblico e ajudou a dar origem à própria civilização humana [ocidental] na Terra. Mas hoje o rio Tigre está morrendo e secando. A atividade humana e as mudanças climáticas sufocaram seu fluxo de água outrora poderoso através do Iraque, onde – com seu rio gêmeo, o Eufrates – fez da Mesopotâmia [Suméria] o berço da civilização há milhares de anos.

Crepúsculo do Rio Tigre: o poderoso rio da Babilônia, hoje Iraque, está secando

Fonte: Phys.org.news – Por Aymen Henna

“E o sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates [gêmeo do Tigre]; e a sua água secou-se, para que se preparasse o caminho dos reis do oriente”. – Apocalipse 16:12 :

O Iraque pode ser rico em petróleo, mas o país é atormentado pela pobreza após décadas de guerra e por secas e desertificação.

Atingido por um desastre natural após o outro, o Iraque é um dos cinco países mais expostos às mudanças climáticas, segundo a ONU. A partir de abril, as temperaturas ultrapassam os 35 graus Celsius (95 graus Fahrenheit) e tempestades de areia intensas costumam deixar o céu laranja, cobrindo o país com uma camada de poeira.

Pôr do sol no Tigre: o pescador iraquiano Naim Haddad navega no Shatt al-Arab perto de Basra
Sol se pondo no Tigre: o pescador iraquiano Naim Haddad navega no Shatt al-Arab perto de Basra.

Verões infernais levam o mercúrio nos termômetros a atingir 50 graus Celsius – perto do limite da resistência humana – com frequentes cortes de energia desligando o ar-condicionado de milhões de cidadãos. O rio Tigre, a linha de vida que liga as cidades históricas de Mossul, Bagdá e Basra, foi sufocado por barragens, a maioria delas rio acima na Turquia, e diminuição das chuvas caindo.

Um jornalista de vídeo da AFP viajou ao longo do curso de 1.500 quilômetros do rio através do Iraque, desde o norte curdo escarpado até o sul do Golfo Pérsico, para documentar o desastre ecológico que está forçando as pessoas a mudar seu antigo modo de vida.

Norte curdo: ‘Menos água todos os dias’

A jornada do Rio Tigre pelo Iraque começa nas montanhas do Curdistão autônomo, perto das fronteiras da Turquia e da Síria, onde a população local cria ovelhas e planta batatas.

“Nossa vida depende do rio Tigre”, disse o agricultor Pibo Hassan Dolmassa, 41, vestindo um casaco empoeirado, na cidade de Faysh Khabur. “Todo nosso trabalho, nossa agricultura, depende disso”.

Antes, a água caía em torrentes”, disse ele, mas nos últimos dois ou três anos “há menos água a cada dia”. O governo do Iraque e os agricultores curdos acusam a Turquia, onde o Tigre tem sua nascente, de reter água em suas represas, reduzindo drasticamente o fluxo para o Iraque.

De acordo com estatísticas oficiais iraquianas, o nível do Tigre entrando no Iraque caiu para apenas 35% de sua média no século passado. Bagdá pede regularmente a Ancara que libere mais água.

Mas o embaixador da Turquia no Iraque, Ali Riza Guney, exortou o Iraque a “usar a água disponível de forma mais eficiente”, tuitando em julho que “a água é amplamente desperdiçada no Iraque”. Ele pode ter razão, dizem os especialistas. Agricultores iraquianos tendem a inundar seus campos, como têm feito desde os tempos antigos sumérios, em vez de irrigá-los, resultando em enormes perdas de água.

Planícies Centrais: ‘Vendemos tudo’

Tudo o que resta do rio Diyala, um afluente que encontra o Tigre perto da capital Bagdá nas planícies centrais, são poças de água estagnada pontilhando seu leito ressecado. A seca secou o curso de água que é crucial para a agricultura da região.

Este ano, as autoridades foram forçadas a reduzir pela metade as áreas cultivadas no Iraque, o que significa que nenhuma plantação será cultivada na província de Diyala, que já foi atingida. “Seremos forçados a desistir da agricultura e vender nossos animais”, disse Abu Mehdi, 42, que usa um manto branco de djellaba.

Fomos deslocados pela guerra” contra o Irã na década de 1980, disse ele, “e agora vamos ser deslocados por causa da água. Sem água, não podemos viver nessas áreas.”

O agricultor se endividou para cavar um poço de 30 metros (100 pés) para tentar obter água. “Vendemos tudo”, disse Abu Mehdi, mas “foi um fracasso”. O Banco Mundial alertou no ano passado que grande parte do Iraque provavelmente enfrentará um destino semelhante.

“Até 2050, um aumento de temperatura de um grau Celsius e uma diminuição de 10% na precipitação causariam uma redução de 20% na água doce disponível”, afirmou. “Nessas circunstâncias, quase um terço da terra irrigada no Iraque não terá mais água.”

A escassez de água que atinge a agricultura e a segurança alimentar já estão entre os “principais impulsionadores da migração rural-urbana” no Iraque, disseram a ONU e vários grupos não-governamentais em junho.

O rio Tigre no Iraque
Mapa do Iraque mostrando o rio Tigre e densidade populacional. (Pela AFP via phys.org)

E a Organização Internacional para as Migrações disse no mês passado que “fatores climáticos” deslocaram mais de 3.300 famílias nas áreas central e sul do Iraque nos primeiros três meses deste ano. “A migração climática já é uma realidade no Iraque”, disse a OIM.

Bagdá: bancos de areia e poluição

Neste verão, em Bagdá, o nível do Tigre caiu tão baixo que as pessoas jogaram vôlei no meio do rio, mergulhando na água até a cintura. O Ministério de Recursos Hídricos do Iraque culpa o lodo por causa do fluxo reduzido do rio, com areia e solo, uma vez levados rio abaixo, agora se acomodando para formar bancos de areia.

Até recentemente, as autoridades de Bagdá usavam maquinário pesado para dragar o lodo, mas com o caixa apertado, o trabalho diminuiu. Anos de guerra destruíram grande parte da infraestrutura hídrica do Iraque, deixando muitas cidades, fábricas, fazendas e até hospitais para despejar seus resíduos diretamente no rio.

“Seremos forçados a desistir”: o agricultor Abu Mehdi às margens do seco rio Diyala, no centro do Iraque.

À medida que o esgoto e o lixo da Grande Bagdá despejam no Tigre, que está encolhendo, a poluição cria uma sopa tóxica concentrada que ameaça a vida marinha e a saúde humana. As políticas ambientais não têm sido uma alta prioridade para os governos iraquianos que lutam com crises políticas, de segurança e econômicas.

A consciência ecológica também permanece baixa entre o público em geral, disse o ativista Hajer Hadi, do grupo Green Climate, mesmo que “todo iraquiano sinta a mudança climática por meio do aumento das temperaturas, chuvas mais baixas, queda do nível da água e as tempestades de poeira”, disse ela.

Sul: água salgada, palmeiras mortas

“Você vê essas palmeiras? Eles estão com sede”, disse Molla al-Rached, uma agricultora de 65 anos, apontando para os esqueletos marrons do que já foi um palmeiral verdejante. “Elas precisam de água! Devo tentar regá-las com um copo de água?” ele perguntou amargamente. “Ou com uma garrafa?”

“Não há água fresca, não há mais vida”, disse o agricultor, com um lenço bege keffiyeh enrolado na cabeça. Ele mora em Ras al-Bisha, onde a confluência dos rios Tigre e Eufrates, o Shatt al-Arab, deságua no Golfo Pérsico de tanta história, perto das fronteiras com o Irã e o Kuwait.

Na vizinha Basra – outrora apelidada de Veneza do Oriente Médio – muitas das vias navegáveis ??esgotadas de água agora estão entupidas de lixo.

Ao norte, grande parte dos outrora famosos pântanos da Mesopotâmia – o vasto pântano que abriga os “árabes do pântano” e sua cultura única – foram reduzidos a desertos desde que Saddam Hussein os drenou na década de 1980 para punir sua população.

Mas outra ameaça está impactando o Shatt al-Arab: a água salgada do Golfo está subindo cada vez mais à medida que o fluxo de água doce do rio diminui. A ONU e os agricultores locais dizem que o aumento da salinização já está afetando os rendimentos agrícolas, em uma tendência que deve piorar à medida que o aquecimento global aumenta o nível do mar.

Al-Rached disse que precisa comprar água de caminhões-tanque para seu gado, e a vida selvagem agora está invadindo áreas povoadas em busca de água.

Desbaste e poluído: o rio Tigre corre sob a ponte Ahrar no centro de Bagdá
Desgastado e poluído: o rio Tigre corre sob a ponte Ahrar no centro de Bagdá.

“Meu governo não me fornece água”, disse ele. “Quero água, quero viver. Eu quero plantar, como meus ancestrais.”

Delta do rio: a situação de um pescador

De pé descalço em seu barco como um gondoleiro veneziano, o pescador Naim Haddad o conduz para casa enquanto o sol se põe nas águas do Shatt al-Arab. “De pai para filho, dedicamos nossas vidas à pesca”, disse o homem de 40 anos segurando a pouca pesca do dia.

Num país onde a carpa grelhada é o prato nacional, o pai de oito filhos orgulha-se de receber “sem salário do governo, sem subsídios”. Mas a salinização está cobrando seu preço ao expulsar as espécies de água doce mais valorizadas que são substituídas por peixes oceânicos. “No verão, temos água salgada”, disse Haddad. “A água do mar sobe e vem até aqui.”

No mês passado, as autoridades locais relataram que os níveis de sal no rio ao norte de Basra atingiram 6.800 partes por milhão – quase sete vezes o da água doce.

Haddad não pode mudar para a pesca no mar porque seu pequeno barco não é adequado para as águas agitadas do Golfo, onde ele também arriscaria desentendimentos com as guardas costeiras iranianas e kuwaitianas.

E assim o pescador fica à mercê dos rios do Iraque que encolhem, o seu destino ligado ao deles. “Se a água vai embora”, disse ele, “a pesca também vai. E o nosso sustento também.”


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus ender eços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *