browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Decisão da Suprema Corte dos EUA sobre ‘Emissões de Carbono’ Afetará o mundo inteiro

Posted by on 05/07/2022

A Suprema Corte dos EUA [SCOTUS] emitiu uma série de decisões que perturbam seriamente o estado de direito na América. Mais notavelmente, o tribunal retirou os direitos das mulheres ao aborto em nível federal. Outras decisões sobre questões como controle de armas e secularismo restringiram o “liberalismo” do país. Tudo isso prejudica [??] seriamente a sociedade civil dos EUA. Mas outra decisão mais recente da Suprema Corte sobre as mudanças climáticas afetará o mundo. (e a AGENDA globalista)

Ao derrubar regulamentações ambientais em nível federal, o tribunal da Suprema Corte dos EUA mina a confiabilidade global de Washington, já muito abalada pelo demais países do mundo. [Este é MAIS UM PREGO no caixão do Deep State.]

Fonte: Rússia Today

Em decisão recente da Suprema Corte sobre as mudanças climáticas afetará o mundo. Em 30 de junho , o tribunal decidiu que a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) não tem autoridade para limitar amplamente as emissões de carbono das usinas elétricas existentes. 

Este é um grande golpe na luta global contra as mudanças climáticas e desafiará o poder administrativo nos EUA no futuro, afetando questões como segurança alimentar e direitos dos trabalhadores. 

A justificativa desta decisão, escrita sob parecer do presidente da Suprema Corte, John Roberts, é que o público e seus representantes devem ter a palavra final sobre o poder executivo. Roberts disse que limitar as emissões de carbono a ponto de forçar uma transição nacional do carvão pode ser “sensato”, mas que “não é plausível que o Congresso tenha dado à [agência] EPA [U.S. Environmental Protection Agency] autoridade para adotar por conta própria esse esquema regulatório”.

“Uma decisão de tal magnitude e consequência cabe ao próprio Congresso, ou a uma agência agindo de acordo com uma delegação clara desse órgão representativo”, escreveu ele.

O que é mais surpreendente sobre a decisão da Suprema Corte, mesmo aceitando este caso para começar, é que não há regulamentação nacional da EPA atual nos livros sobre este tema. Central para a batalha legal foi uma interpretação da Lei do Ar Limpo de 1963, que só havia sido interpretada para introduzir regulamentações estaduais em seu auge sob a administração do ex-presidente Barack Obama e, em seguida, reduzida a plantas individuais sob a administração do ex-presidente Donald Trump. . 

Isso quer dizer que o tribunal emitiu uma decisão sobre um “regulamento hipotético” da EPA, que estava em discussão pelo presidente Joe Biden e sua equipe, o que é uma séria ruptura com a tradição do tribunal antes deste caso. 

A Suprema Corte normalmente opta apenas por emitir decisões sobre assuntos existentes, deixando discussões políticas e cenários hipotéticos para o Congresso. Essa decisão agora retira o poder administrativo dos outros ramos do governo federal, subvertendo o poder administrativo executivo e o mandato do legislativo emitido sob a Lei de Política Ambiental Nacional de 1969.

Como mencionado anteriormente, isso agora tem implicações para todas as agências reguladoras federais, como a US Food and Drug Administration (FDA) e a Occupational Safety and Health Administration (OSHA).

Isso deve ser absolutamente aterrorizante para os EUA e seus cidadãos. Isso dará início a um desastre ambiental para muitas comunidades, principalmente as de cor. Sem dúvida, abrirá as portas para a degradação dos padrões de segurança alimentar, regulamentos de segurança do trabalhador e proteção de dados pessoais. O dano que isso pode causar às pessoas comuns é essencialmente ilimitado. 

Sobre a questão específica em questão, levanta seriamente a questão de como os EUA podem ser considerados um parceiro confiável na luta internacional contra as mudanças climáticas se seu governo essencialmente não tem poder para limitar as emissões na sua própria casa. 

De fato, os EUA já ficaram muito atrás de países comparáveis ​​em termos de implementação de regulamentações relevantes ou transição para uma economia verde – mas esse é um cenário de pesadelo. 

Por exemplo, o atual governo do presidente Joe Biden usou as mudanças climáticas como um elemento central de suas discussões diplomáticas com países ao redor do mundo. Isso é compreensível porque aparente e provavelmente seria a questão mais importante do nosso tempo, pelo menos para todos os países além dos EUA. Como o governo dos EUA pode ser considerado um ator relevante agora após essa decisão da sua Suprema Corte? 

Note que esta não é a primeira vez que algo assim acontece. Diplomatas de Washington foram seriamente prejudicados depois que o Congresso não conseguiu aprovar a agenda climática de Biden. Agora, o último ramo remanescente do governo dos EUA derrubou uma política climática mínima. 

Isso é extraordinariamente embaraçoso para os EUA como [pseudo]líder global e ressalta a necessidade de uma liderança global democratizada. Como um dos líderes em emissões globais, os EUA têm o dever para com o planeta de reduzir as suas emissões. 

A decisão do tribunal superior dos EUA será sentida em todo o mundo – não apenas em Washington.  Deve haver consequências para uma governança tão irresponsável e temerária, e é por isso que a comunidade global deve agir independentemente de Washington na questão do clima.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.