Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Denunciante da Boeing é encontrado morto por “Suicídio” em uma caminhonete

A última reviravolta no que só pode ser descrito como uma série de notícias horríveis em torno da Boeing – ou talvez uma misteriosa conspiração está tentando desencadear um pânico nas ações para que possam comprar a empresa por centavos de dólar – veio esta tarde, quando soubemos que um funcionário importante e denunciante da empresa, um ex-gerente de controle de qualidade que levantou preocupações sobre os padrões de produção da Boeing, foi encontrado morto após um aparente suicídio.

Denunciante da Boeing é encontrado morto em um caminhão por “Suicídio

Fonte: Zero Hedge

John Barnett, um ex-funcionário veterano da Boeing há 32 anos, faleceu devido a um ferimento auto infligido em 9 de março, conforme confirmado pelo legista do condado de Charleston, de acordo com a BBC que deu a notícia na noite dessa segunda-feira.

O advogado de Bartnett disse que ele foi encontrado morto em um caminhonete perto do estacionamento de um hotel na Carolina do Sul devido a um suposto ferimento “auto infligido”, com o Breaking 911  chamando-o de ferimento de “bala” e a BBC, o Gateway Pundit e várias outras fontes. referindo-se a isso como uma ferimento ‘auto infligido’. 

Barnett estava envolvido em um processo de denúncia contra a Boeing, alegando sérias preocupações de segurança na fábrica de North Charleston, onde gerenciava a qualidade da produção do 787 Dreamliner Boeing estava em Charleston para entrevistas jurídicas relacionadas ao processo quando foi encontrado morto. 

Ele alegou que a pressão pela velocidade comprometeu a segurança da empresa, com o uso de peças abaixo do padrão e uma taxa de falha significativa em sistemas de oxigênio de emergência. Apesar de levantar essas questões, ele sentiu que suas preocupações foram desconsideradas, levando a uma ação legal contra a Boeing, alegando danos à carreira devido à sua denúncia.

A BBC escreveu:

Ele disse que, em alguns casos, peças abaixo do padrão foram até removidas das lixeiras e instaladas em aviões que estavam sendo construídos para evitar atrasos na linha de produção. Ele também afirmou que os testes em sistemas de oxigênio de emergência a serem instalados no 787 mostraram uma taxa de falha de 25% , o que significa que um em cada quatro poderia falhar na implantação em uma emergência na vida real.

A Boeing negou suas acusações, mas a Administração Federal de Aviação-FAA manteve algumas das preocupações de segurança de Barnett em 2017. No momento de seu falecimento, Barnett estava envolvido em processos judiciais relacionados às suas reivindicações.

A FAA disse na semana passada que encontrou “múltiplos casos em que a empresa supostamente não cumpriu os requisitos de controle de qualidade de fabricação”.

“Este não é um problema do 737, é um problema da Boeing”, disse ele durante uma entrevista recente que deu ao TMZ, falando sobre suas preocupações com os aviões Boeing. “Em 2012, a Boeing começou a retirar as operações de inspeção de suas funções”, continuou ele:

“Minha preocupação é com o 737 e o 787”, disse ele. “Porque esses programas realmente abraçaram a teoria de que a qualidade é uma sobrecarga e não agrega valor.”

Nos últimos anos, a atenção do público centrou-se principalmente no avião 737 MAX da empresa, que ficou brevemente parado depois de dois acidentes mortais em 2019, com quase 400 mortos, revelarem uma cultura corporativa mortal de corte de custos e atalhos, o que levou a um colapso no preço das ações e custou ao “acordado” e “DEI” ex-CEO da Boeing Dennis Muilenberg o seu emprego.

No entanto, parece agora que as preocupações com a segurança dos aviões na Boeing devem concentrar-se em toda a sua linha de produção. Ou melhor, alguns já especularam que Bartnett “se matou” para conter os danos.

A notícia chega no mesmo dia em que a rede de TV Al Jazeera postou um vídeo mostrando um passeio pela fábrica da Boeing na Carolina do Sul. Lá, ao perguntar aos funcionários se voariam nos jatos que estão montando, vários funcionários disseram que não voariam. 

“Muitos funcionários da empresa são viciados em drogas e ninguém se importa”, escreveu o repórter. Esse vídeo está aqui. 

Um repórter da Al Jazeera armou-se com uma câmera escondida e visitou uma fábrica da Boeing na Carolina do Sul. Visitou o departamento onde são montados os “dreamliners B-787”. O jornalista perguntou aos funcionários se eles estavam prontos para voar nos aviões que eles próprios estavam montando. Dos 15 entrevistados, 10 disseram não estar preparados. No mesmo material, os trabalhadores da fábrica disseram que a gestão fecha os olhos para 90% dos problemas de produção.

No fim de semana, soubemos que o DOJ estava abrindo uma investigação criminal sobre a empresa: de acordo com o Wall Street Journal, o DOJ iniciou uma investigação criminal sobre o incidente envolvendo o infame voo “conversível” da Alaska Air, durante o qual um plugue de porta explodiu fora de um 737 Max novo em pleno voo. 

Então, no domingo, o secretário de Transportes dos EUA, o ativista LGBTQ+ Pete Buttigieg, juntou-se à Fox News e explicou que a Administração Federal de Aviação iria investigar “rigorosamente” a Boeing. Ele disse que manter a segurança das companhias aéreas exige “um enorme rigor no trato com a Boeing e qualquer questão regulatória”. 

Enquanto isso, a Boeing e os reguladores federais estão ocupados após vários incidentes com aeronaves na semana passada. O mais recente incidente, pasmem, ocorreu nesta segunda, exatamente com uma aeronave Boeing 787-9 Dreamliner da Latam, com 50 passageiros feridos, alguns em estado grave.

Os serviços de emergência na Nova Zelândia trataram 50 pessoas feridas depois que passageiros e tripulantes foram jogados no teto, com uma pessoa em estado grave. Source: NZ Herald

Como James Lavish apontou no Twitter, a empresa está inundada de polêmica desde o início do ano, incluindo os seguintes  incidentes separados  :

  • Porta de passageiro no 737 Max 8 estourada, no ar
  • janela da cabine quebrada, decolagem
  • vazamento de oxigênio, pré-voo (incidente Blinken)
  • passageiro percebe falta de parafusos na asa, antes do voo
  • roda perdida durante a decolagem, voo retornou
  • roda perdida após a decolagem, no ar
  • avião chegou com a porta de carga aberta
  • mau funcionamento do trem de pouso
  • falha do motor durante o voo
  • incêndio na turbina, em pleno voo

Como Lavish observa astutamente no final de seu tweet: “as ações ainda são negociadas a 61 P/E”. Uma vez que qualquer um desses múltiplos incidentes graves se transforme em algo mortal, com dezenas de vítimas, que é uma questão de quando e não se, não será negociado lá por muito tempo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *