browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Derretimento da Antártida é “Seis Vezes” maior do que há 40 anos

Posted by on 16/01/2019

A Antártida experimentou um aumento de seis vezes na perda anual de massa de gelo entre 1979 e 2017, de acordo com um estudo publicado na revista  Proceedings of National Academy of Sciences. Glaciologistas da Universidade da Califórnia, Irvine,do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA e da Universidade Utrecht, na Holanda, também descobriram que o derretimento acelerado fez com que o nível das águas dos oceanos subissem mais de meia polegada (1,27 centímetros) durante esse mesmo período.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Derretimento da Antártida é seis vezes maior do que há 40 anos, revela estudo. Pesquisa mostrou que, entre 2009 e 2017, continente perdeu cerca de 252 bilhões de toneladas de gelo por ano

Irvine, Califórnia — A perda anual de gelo na Antártida já é seis vezes maior do que era há 40 anos e está se acelerando. É o que aponta um dos mais abrangentes estudos de mudanças climáticas produzidos no continente, elaborado pela NASA.

O estudo internacional utilizou fotos aéreas, dados de satélites e modelos climáticos da década de 1970 em todas as regiões da Antártida para obter o quadro mais completo dos impactos das mudanças climáticas até o momento. O derretimento do gelo local já elevou o nível do mar em cerca de 1,3 centímetros desde 1979.  Se mantida a tendência, o descongelamento do continente poderá ser responsável por um maior aumento nos níveis dos oceanos no futuro.

UCI / JPL: Antarctica perdendo seis vezes mais massa de gelo anualmente do que há 40 anos

Pesquisadores da UCI e da NASA JPL recentemente conduziram uma avaliação de 40 anos de balanço de massa de gelo na Antártida, encontrando uma deterioração acelerada de sua cobertura de gelo. Joe MacGregor / NASA

A pesquisa mostrou que, entre 1979 e 1990, o continente perdeu, em média, cerca de 40 bilhões de toneladas de gelo por ano. Entre 2009 e 2017, a perda chegou a 252 bilhões de toneladas por ano. Isso fez com que o nível dos mares aumentasse cerca de 3,6 milímetros a cada década.

“Isso é apenas a ponta do iceberg, por assim dizer”, disse o principal autor Eric Rignot, Donald Bren Professor e presidente da ciência do sistema da Terra na UCI. “À medida que o manto de gelo da Antártida continua a derreter, esperamos que a Antártida nos próximos séculos espere uma elevação de vários metros no nível do mar.”

Para este estudo, Rignot e seus colaboradores conduziram o que ele chamou de a mais longa avaliação da massa de gelo antártico remanescente. Abrangendo quatro décadas, o projeto também foi geograficamente abrangente; a equipe de pesquisa examinou 18 regiões abrangendo 176 bacias, bem como ilhas vizinhas.

Contrariando os ”céticos”

A nova pesquisa fornece uma análise das mudanças na perda de gelo em diferentes locais da Antártida e ajuda a entender a confusão que levou alguns céticos da mudanças climáticas a acreditar que o gelo do continente estaria aumentando, diferentemente do apontado pela pesquisa. Alguns estudos anteriores sugeriram que a cobertura de gelo está aumentando no leste do continente com rapidez suficiente para cancelar as perdas da parte oeste mais visíveis, particularmente na extensão do gelo marinho.

A equipe foi capaz de discernir que entre 1979 e 1990, que a Antártida perdeu uma média de 40 gigatoneladas de massa de gelo por ano. (Um gigaton é  1 bilhão de toneladas.) De 2009 a 2017, cerca de 252 gigatoneladas por ano foram perdidas.

O ritmo de fusão aumentou dramaticamente ao longo do período de quatro décadas. De 1979 a 2001, foi uma média de 48 gigatoneladas por ano por década. A taxa saltou 280 por cento, para 134 gigatoneladas, entre 2001 e 2017.  Rignot disse que uma das principais conclusões do projeto é a contribuição da Antártida Oriental para o quadro de perda total de massa de gelo nas últimas décadas.

“O setor da Terra Wilkes na Antártida Oriental, em geral, sempre foi um participante importante na perda de massa, mesmo nos anos 80, como nossa pesquisa mostrou”, disse ele. “Esta região é provavelmente mais sensível ao clima [mudança] do que tem sido tradicionalmente assumido, e isso é importante saber, porque tem mais gelo do que a Antártida Ocidental e a Península Antártica juntos.”

Ele acrescentou que os setores que perdem mais massa de gelo são adjacentes à água quente do oceano. “À medida que o aquecimento do clima e o esgotamento do ozônio envia mais calor oceânico para esses setores, eles continuarão a contribuir para o aumento do nível do mar da Antártida nas próximas décadas”, disse Rignot, que também é cientista sênior do JPL (Jet Propulsion Laboratory) o Laboratório de Propulsão à Jato da NASA.

Um grupo de quatro geleiras em uma área da Antártida Oriental chamada Baía de Vincennes, a oeste da enorme geleira Totten, reduziu sua altura superficial em cerca de nove metros desde 2008, sugerindo mudanças generalizadas no oceano. Os dados usados ​​para este mapa são uma versão inicial do projeto MEASURE’s ITS-LIVE da NASA e foram produzidos por Alex Gardner, NASA-JPL. Créditos: NASA Earth Observatory / Joshua Stevens

Os co-autores deste estudo são Jeremie Mouginot, pesquisador associado da UCI na ciência do sistema da Terra; Bernd Scheuchl, cientista de projeto associado da UCI na ciência do sistema terrestre; Mathieu Morlighem, professor associado de Ciência do Sistema Terrestre da UCI; e Michiel van den Broeke e Jan M. “Melchior” van Wessem, da Universidade de Utrecht, Holanda. 

O financiamento e o apoio foram fornecidos pelos programas de ciências e medidas criosféricas da NASA, o programa polar da Organização para Pesquisa Científica da Holanda e o Centro de Ciências do Sistema Terrestre da Holanda.

Links Relacionados


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.