Deus, os judeus (Khazares) e nós, os Goyim.

Um contrato civilizacional com base na astúcia e no engano. Os rabinos costumam dizer que o anti-semitismo é o ciúme daqueles que não foram “escolhidos” por “deus” – uma espécie de complexo de Caim. Discordo. Se os Goyim [todos os povos NÃO judeus] são ingratos, pode ser porque, no mais profundo de suas almas, sabem que “foram enganados”.

Fonte: The UnzReview

Eles aceitaram dos judeus um “deus” falso, tirânico, sanguinário, uma falsificação grotesca e malévola. Pior ainda, os judeus [khazares] convenceram a todos os demais [no Hospício do Ocidente] há muito tempo a jogar fora o produto real que sempre tiveram à mão com o advento do Cristo, rejeitado e crucificado pelos próprios judeus.

O conselheiro político francês judeu Khazar Jacques Attali propõe uma variação mais sutil: o anti-semitismo é o ressentimento contra aqueles a quem estamos em dívida .[1] O que os cristãos devem aos judeus? “deus”, é claro! Sem os judeus, não conheceríamos a “deus, e ficamos ressentidos com eles por isso de acordo com Attali.

Nós, cristãos, assinamos um contrato civilizacional que durante dois mil anos nos proíbe de aceder à ideia de deus apenas através da razão, como nos ensinaram os gregos e romanos, e que, em vez disso, exige a nossa adesão à “revelação” dos judeus. ”que deus é o deus de Israel. Os judeus privaram-nos assim da liberdade mais essencial e obtiveram de nós o reconhecimento da sua superioridade metafísica original, um poder simbólico inigualável e imparável.

A civilização da astúcia

Nós deveríamos ter conhecido melhor. Está bastante claro nas escrituras judaicas que a astúcia e o ENGANO é a essência do judaísmo. Foi enganando seu pai, seu irmão e seu tio que Jacó se tornou o fundador homônimo de Israel (Gênesis 25-36). John E. Anderson tentou justificar esta “teologia do engano” hebraica em um livro intitulado “Jacob and the Divine Trickster: A Theology of Deception and Yhwh’s Fidelity to the Ancestral Promise in the Jacob Cycle” (2011).

Como pode deus ser “cúmplice do engano de Jacó”? A resposta de Anderson é que deus tinha que existir, para o propósito mais elevado da “perpetuação da promessa ancestral”.[2]Mas é claro que a pergunta em si é estúpida, a menos que, como Anderson, você seja vítima do engano bíblico central e leve o deus bíblico judeu a sério. Se Yahweh [o Anunnaki Enlil] é apenas “o deus de Israel que finge ser Deus”, então tudo é perfeitamente lógico: como deus, como as pessoas e vice-versa.

A origem deste truque [astúcia e o ENGANO] metafísico parece remontar ao século V a.C., na Babilônia com os judeus cativos, após a destruição do Templo de Salomão, sob domínio persa, quando Esdras publicou a primeira versão da Tanakh (mais tarde revisto pelos hasmoneus).

Como mostrei em De Yahweh ao Sião, o subterfúgio é quase transparente nos Livros de Esdras e Neemias, nos quais a divindade chamada “Yahweh [o Anunnaki Enlil], o deus de Israel” no corpo principal do texto, é chamada de “Yahweh, o Deus do Céu” nos falsos éditos atribuídos aos reis persas que autorizam a reconstrução do templo em Jerusalém: a implicação é que os persas zoroastristas foram induzidos a acreditar que os judeus adoravam o Deus universal.

Esdras vivia na época do rei dos reis persa, Artaxerxes I, que tinha uma política religiosa notoriamente tolerante. É interessante que Heródoto, que viveu no mesmo período, escreveu o seguinte sobre os persas: “Eles consideram a mentira a coisa mais vergonhosa de todas.”

Não está claro até que ponto os persas foram realmente enganados pelos judeus. Mas desde aquele dia, a relação do reino judaico com o Império (e mais amplamente com os gentios/Goyim) tem sido baseada neste mesmo duplo discurso: aos gentios é dito que o Templo de Jerusalém é dedicado ao Grande Deus universal, mas os judeus sabem que é a morada do [minúsculo] deus [Enlil, um Anunnaki] de Israel, onde apenas os israelitas são permitidos.

Este duplo discurso torna-se um duplo significado paradoxal: Yahweh é simultânea [e falsamente] o Deus universal e o deus nacional de Israel. E este duplo significado paradoxal é internalizado pelos próprios judeus, cuja mente é distorcida por esta bobagem cognitiva de geração em geração.

Outra faceta deste estratagema é o duplo significado do judaísmo, que para os judeus significa separação étnica, mas que para os gentios é apresentado como uma fé no Deus universal. O primeiro significado é prático, o segundo é teórico; a prática é para os judeus, a teoria é para os gentios. Mas o duplo significado é internalizado, e os judeus consideram que o que os une é tanto uma religião (Judaísmo) como uma comunidade genética (Judaísmo).

Israel é, portanto, a civilização da trapaça, do engano, do assassinato, da astúcia, do roubo, da corrupção dos gentios/goyim, da linguagem ambígua, da mentira e de qualquer outro sinônimo que você possa encontrar. A astúcia foi inicialmente uma forma de sobrevivência coletiva para os judeus em tempos de exílio ou dispersão, mas ao longo dos séculos tornou-se um modo de vida e uma forma de dominação onde se instalassem após serem aceitos.

A civilização romana baseava-se na cultura grega, centrada na sabedoria, sinônimo de verdade. Embora Roma também tivesse uma paixão pela construção de impérios, esta baseava-se numa paixão pelo direito, que era uma aplicação prática da razão grega. Isto expliquei no meu artigo anterior (“Israel  vs. direito internacional”), onde comparei a lei de Roma baseada na razão humana e no universalismo, com a lei de Israel baseada na revelação divina e no chauvinismo racismo étnico.

Aqui recordarei brevemente os três grandes episódios da luta até à morte entre as civilizações romana e judaica, começando na era helenística e terminando com a conversão de Roma ao cristianismo. Mas primeiro, vamos resolver a questão de deus: os romanos acreditavam em deus? Em outras palavras: precisávamos ser apresentados a deus pelos judeus?

O Deus dos Romanos

Normalmente pensamos no conflito entre Roma e Jerusalém como um conflito entre o politeísmo e o monoteísmo. Isso não é falso. Nenhum povo era mais politeísta que os romanos. Eles eram tão hospitaleiros com os deuses que até adotavam os deuses dos povos vencidos. Mitra é um exemplo disso.

Mas a oposição entre politeísmo e monoteísmo é superficial. Os romanos instruídos acreditavam na unidade do divino, isto é, em um único Deus. Eles reconciliaram este monoteísmo filosófico com o politeísmo popular e cívico de duas maneiras. Primeiro, havia um Deus supremo, a quem chamavam de Júpiter, que significa simplesmente “Deus Pai” (de Diaus e Pater/Júpiter ).

Em segundo lugar, todos os deuses poderiam ser considerados como diversas manifestações ou representações limitadas do supremo divino. Portanto, “Deus” e “os deuses” são expressões indiferentes em Sobre a natureza dos deuses, de Cícero, e em muitos outros textos antigos. (E vamos lembrar que em uma das fontes mais antigas da Bíblia Hebraica, o singular El [deus] e o plural Elohim [deuses] são usados ​​indistintamente.)

Vamos pensar desta forma: por que Deus seria masculino em vez de feminino, e singular em vez de plural? Os gregos, tal como os egípcios, achavam natural imaginar o divino como uma diversidade emanando de uma unidade. O politeísmo era um monoteísmo inclusivo.

A maioria dos romanos instruídos eram ecléticos em suas opiniões filosóficas, mas a escola mais influente era o estoicismo. Teve o favor de Cícero no final da República e de Marco Aurélio no apogeu do Império. Que os estóicos professavam uma forma de monoteísmo está fora de discussão. Num famoso Hino a Zeus, o filósofo estóico Cleanthes (século III a.C.) chamou Deus de “o grande Soberano da Natureza, governando tudo pela lei”, para quem os homens devem voltar suas mentes a fim de viver “a vida nobre, a única riqueza verdadeira”. Cleanthes orou para que as pessoas que praticam o mal pela ignorância pudessem ser iluminadas: “Dispersa, ó Pai, as trevas de suas almas”.

Diz-se que os estóicos confundiram Deus com o Cosmos ou com a Natureza, e por isso foram rotulados nos tempos modernos como “panteístas”. Mas devemos ter cuidado com as palavras gregas e suas traduções: Kosmos significa “ordem”, implicando um “Design Inteligente”, e Natureza ( Phusis ) tem um significado dinâmico: é o princípio animador dentro da Natureza.

Gregos e romanos, porém, não fingiam conhecer a Deus, muito menos o que Deus quer, o que Deus diz ou o que Deus gosta. Tal antropomorfismo era aceitável para deuses, não para Deus. Deus é, para o filósofo, o incognoscível, ou pelo menos o indizível, uma vez que dizer qualquer coisa sobre Deus era impor uma limitação ao infinito. Podemos chamar isso de humildade filosófica, que contrasta com a arrogância teológica [especialmente do “Povo Eleito”].

Mas se Deus é incognoscível, as leis pelas quais Ele governa o Cosmos são parcialmente acessíveis à ciência humana. Estas leis constituem uma espécie de princípio intermediário, o pensamento criativo ou sabedoria de Deus, chamado Logos na tradição platônica, às vezes identificado como a Sophia feminina, a Sabedoria de Deus. O fato de o universo ser regido por leis naturais é prova da existência de Deus, segundo Cícero ( Da natureza dos deuses II.12.34):

Pois quando olhamos para o céu e contemplamos os corpos celestes, o que pode ser tão óbvio e tão manifesto como o fato de que deve existir algum poder possuidor de inteligência transcendente por quem essas coisas são governadas?

O “deus” dos Judeus

Ao contrário dos romanos, que pensavam que Deus era diretamente incognoscível, os judeus consideravam que eles, e somente eles, conheciam deus pessoalmente. Só eles sabem o verdadeiro nome de deus, que ele disse a Moisés numa entrevista pessoal [quando Moises subiu o Monte Sinai e ficou quarenta dias dentro na espaçonave de Yahweh/Enlil, um Anunnaki].

Eles até mesmo sabem o endereço de seu deus: Ele mora em Jerusalém e em nenhum outro lugar (eles o trouxeram do Sinai em uma arca). Somente os judeus estão familiarizados o s,uficiente com deus para saber o que Ele gosta e o que não gosta (Ele gosta do “cheiro agradável” dos holocaustos, por exemplo, Gênesis 8:21), ou o que Ele quer em qualquer momento específico, dependendo de Sua vontade, humor. O deus judeu é um indivíduo, fala, ouve, tem desejos, emoções, etc [e NÃO RESPEITA o LIVRE ARBÍTRIO de ninguém].

O mais importante, claro, é que os judeus sabem que “deus” os escolheu para governar o mundo [ e eles acreditam nisso até hoje]. Deus disse-lhes em Deuteronômio 32:8-9 que depois de criar todas as nações, Ele delegou um pequeno “filho de deus” (anjo?) a cada nação, mas manteve Israel para si mesmo. E outras nações servirão a Israel ou perecerão: “Os reis se prostrarão diante de ti, com o rosto em terra, e lamberão o pó dos teus pés”, enquanto “farei os teus opressores comerem a sua própria carne” (Isaías 49:23- 26). Assim falou Yahweh/Enlil, [o Anunnaki]!

Segundo os greco-romanos, Deus se comunica com os homens através da razão. A razão é a fonte do conhecimento, e o conhecimento é a fonte da virtude, que é uma vida em harmonia com as Leis do cosmos (e com a sua própria natureza ou destino), e a fonte da verdadeira felicidade. Em poucas palavras, isso é estoicismo.

Ao contrário do deus greco-romano, o deus judeu não se conecta com o seu povo pela razão, mas pela lei. “Conhecimento do bem e do mal”, o ponto principal da filosofia grega, é o fruto proibido em Gênesis 3, uma história que é um óbvio ataque polêmico ao helenismo (o que prova a origem tardia desta história). O romano pagão Celso (por volta de 178 d.C.) comentou que o deus judeu é o inimigo da raça humana “já que amaldiçoou a serpente [sabedoria], de quem os primeiros homens receberam o conhecimento do bem e do mal [para se livrarem do jugo de Iahweh/Enlil]”.[3] Não há outro padrão moral na tradição hebraica além de seguir as leis e comandos arbitrários de Yahweh (como matar todos e tudo, [mulheres, crianças, idosos e todos os animais, como em Gaza nos dias atuais] nesta ou naquela cidade).

O Deus supremo é para os romanos, e para os estóicos em particular, um princípio de unidade e, portanto, de harmonia entre os homens. O deus judeu, pelo contrário, traz divisão, guerras e mortes em profusão: a sua Lei (Torá) visa principalmente separar o seu povo escolhido do resto da humanidade. Mesmo antes de Abraão nascer, o deus judeu odiava ver os homens concordarem entre si para realizar grandes coisas, como uma grande cidade com “uma torre cujo topo alcança os céus”. Ele disse a si mesmo: “Desçamos então e confundamos [parece que ele precisou da “ajuda de “outros deuses] ali a sua língua, para que um não entenda o que o outro diz” (Gênesis 11:6-7). Dado que a civilização helenística foi fundada no uso universal da língua grega, podemos detectar nesta história da Torre de Babel, tal como na história do Jardim do Éden, uma declaração de guerra contra o helenismo [a serpente, a sabedoria, pois sendo sábios não precisamos de “deuses”].

Antes de se opor a Roma, Jerusalém se opôs à civilização helenística, que abrangia os reinos selêucida e lágida (ou ptolomaico). E como veremos agora, havia uma dimensão religiosa inconfundível neste choque de civilização, uma vez que o separatismo judaico foi diretamente causado pela afirmação incompreensível dos judeus de que o seu deus étnico era o Deus universal, por outras palavras, que o Deus universal amava apenas os Judeus e queria ser adorado apenas por Judeus, em Jerusalém.

Roma x Jerusalém: o choque de civilizações

Em 167 aC, o rei Antíoco IV Epifânio, acreditando na palavra dos judeus de que Yahweh era o Deus Cósmico Supremo, teve seu templo dedicado a Zeus Olympios. A maioria dos judeus amava a cultura grega e não tinha objeções. Mas, como sempre na história de Israel, uma elite fanática de “eleitos” provocou uma guerra civil e tomou o destino de Israel nas suas próprias mãos (como contado nos Livros dos Macabeus). Este episódio é interessante porque ilustra a natureza fundamentalmente enganosa do monoteísmo judaico. Os judeus não só se recusaram a mostrar respeito pelos deuses de outros povos, destruindo os seus santuários onde quer que pudessem, mas também negaram aos gentios o direito de participar na adoração do seu deus, embora afirmassem que ele era o deus supremo de toda a humanidade. Isto era totalmente incompreensível e absolutamente irracional para os gregos. Durante este período apareceram as primeiras expressões escritas de judeofobia, que incluem várias versões da história de que os judeus não tinham escapado do Egito como alegavam, mas tinham sido expulsos de lá como leprosos físicos e/ou espirituais.

Encontramos esta história, por exemplo, em Diodoro Sículo, que também conta que, quando o rei Antíoco VII Euergetes sitiou Jerusalém em 134 a.C., os seus amigos “aconselharam-no sinceramente a erradicar toda a nação, ou pelo menos a abolir as suas leis, e obrigá-los a para mudar seu antigo modo de vida. Mas o rei, sendo de espírito generoso e de temperamento brando, recebeu reféns e perdoou os judeus: mas demoliu os muros de Jerusalém e recebeu o tributo que lhe era devido” (34.1). Assim, o reino hasmoneu sobreviveu, até que o general romano Pompeu interveio para pôr fim a uma guerra civil e pôr fim à independência judaica (62 a.C.).

Em 66 DC, o imperador Nero enviou seu general Vespasiano e seu filho Tito para subjugar a rebelde Jerusalém. A guerra durou quatro anos e terminou com o saque e a destruição do segundo templo em 70 d.C. pelas legiões comandadas por Tito Vespasiano. Os romanos normalmente acolheriam bem os deuses dos povos vencidos, mas o deus dos judeus, Yahweh, era considerado inassimilável, até mesmo venenoso.

E assim todos os seus objetos sagrados foram tratados como despojos de guerra e, como explica Emily Schmidt, “o povo judeu foi transformado no derradeiro anti-romano: rebeldes ímpios derrotados”. (moedas de prata) por ano para o seu templo, Vespasiano agora os obrigou a pagar esse imposto ao templo de Júpiter no Capitólio. [v] A mensagem não poderia ser mais clara.

Na dinastia seguinte, o Imperador Trajano teve de reprimir as insurreições judaicas em toda a Diáspora, e especialmente no Norte da África (115-117). Seu herdeiro Adriano tentou erradicar a nacionalidade judaica proibindo a circuncisão, sob pena de morte. No entanto, ele teve que enfrentar uma séria revolta messiânica em Jerusalém, liderada pelo autoproclamado messias Shimon Bar Kochba, que conseguiu estabelecer um estado independente durante alguns anos (132-135). A campanha militar romana deixou 580.000 mortos segundo Cássio Dion, que acrescenta:

“Em Jerusalém, Adriano fundou uma cidade no lugar daquela que havia sido arrasada, nomeando-a Aelia Capitolina, e no local do templo do deus judeu, ele ergueu um novo templo para Júpiter.”[vi] Os judeus foram banidos da cidade. O nome de Israel foi apagado e a nova província foi renomeada como Síria Palestina (em memória dos antigos filisteus, de ascendência grega). Como comenta Martin Goodman em Roma e Jerusalém: O Choque de Civilizações Antigas : “Aos olhos de Roma e a mando de Adriano, os Judeus tinham deixado de existir como uma nação na sua própria terra.” [vii]

Devemos, portanto, lembrar que a luta entre Roma e Jerusalém é uma força dialética central na história antiga. Esta realidade tem sido largamente subestimada na historiografia ocidental, herdeira de uma civilização cristã cuja vocação era reconciliar Roma e Jerusalém.

Como Jerusalém colonizou Roma

Israel sobreviveu à tentativa de erradicação de Adriano, graças à cultura talmúdica da diáspora. O ódio a Roma (identificado com Edom, isto é, Esaú) tornou-se parte integrante deste Israel sem terra. Este ódio certamente estava fermentando entre os 97.000 judeus cativos trazidos de volta a Roma por Vespasiano e Tito (de acordo com Flávio Josefo), muitos dos quais foram posteriormente libertados, alguns deles, como o próprio Josefo, até mesmo adotados pela família imperial. Nos primeiros dois séculos da nossa era, este ódio a Roma foi expresso enigmaticamente na literatura judaica apocalíptica, muitas vezes em termos emprestados do Livro de Daniel: Roma era a quarta besta na visão de Daniel, com dez chifres na cabeça, “devoradora e esmagando com seus dentes de ferro e garras de bronze, e pisoteando com os pés o que restava” (7:19-20).

O Livro do Apocalipse, que encerra o cânone cristão, pertence a este gênero literário. Roma é designada como “Babilônia, a Grande, a mãe de todas as prostitutas”, “montando uma besta escarlate que tinha sete cabeças e dez chifres e tinha títulos de blasfêmia escritos por toda parte” (17:3-5). “Caiu Babilônia, caiu Babilônia, a Grande”, grita o anjo; “num só dia cairão sobre ela as pragas: doenças, luto e fome. Ela será totalmente queimada” (18:2-8). Isto é seguido por uma visão do renascimento de “Jerusalém, a cidade santa, que desce do céu da parte de Deus” (21:10).

Como podemos explicar esta demonização de Roma no que se tornaria a religião de Roma no século IV? Ou invertamos a questão: como podemos explicar que Roma se converteu a uma religião cuja profecia programática era a queda de Roma e o renascimento de Jerusalém?

A conversão de Roma ao Cristianismo é um dos maiores enigmas da história humana. Compartilhei algumas reflexões sobre esta questão em Como Yahweh Conquistou Roma e acrescentarei mais algumas aqui.

Devemos partir do fato, dificilmente contestado por alguém, de que o Cristianismo se espalhou pela primeira vez na sociedade romana a partir da base e não do topo. De acordo com o autor pagão Celsus, escrevendo sob Marco Aurélio (161-180 DC), os pregadores cristãos, “que nos mercados realizam os truques mais vergonhosos e que reúnem multidões ao seu redor, nunca se aproximariam de uma assembléia de homens sábios, nem ousam exibir suas artes entre eles.” Eles têm como alvo principalmente pessoas ignorantes e crédulas, escravos e mulheres ( Orígenes, Contra Celsum , III, 50). O Cristianismo foi denunciado pela aristocracia romana como sendo subversivo dos valores romanos.

Isto pode ajudar a explicar por que acabou sendo promovido e depois aplicado pelos imperadores romanos. No século III, os imperadores já não eram senadores romanos, mas comandantes militares estrangeiros: a dinastia Severa (193-235) era de origem síria e púnica [cartaginesa], com forte ligação ao culto sírio de Elagabal (do árabe Ilah Al-Gabal , “deus da montanha”). Depois deles veio Filipe, o Árabe (244-249). As dinastias Constantiniana e Valentiniana eram originárias dos Bálcãs. Teodósio I (379-395) nasceu na Espanha cartaginesa e pode ter sido descendente de púnicos. Todos estes imperadores parecem ter usado a superstição popular cristã contra a classe senatorial romana.

Um episódio revelador ocorreu em 357, quando Constâncio II ordenou a remoção do Altar da Vitória, com a sua estátua da deusa alada segurando um ramo de palmeira, da Câmara do Senado de Roma. Foi restaurado por Juliano, mas removido novamente por Graciano. O importante senador Símaco implorou a Valentiniano II que o restaurasse e, com ele, as “cerimônias ancestrais” que trazem a bênção de Deus a Roma. “Quem é tão amigo dos bárbaros que não exige um Altar da Vitória?” ele perguntou.

Obviamente havia mais aqui do que apenas uma luta entre imperadores cristãos e senadores pagãos. Removendo a deusa da Vitória do Senado Romano! Poderia haver um símbolo mais sinistro? Foi uma retaliação pelo incêndio do templo de Jerusalém?

Jesus realmente matou Roma? Os romanos pagãos pensavam assim. Após o saque da cidade por Alarico em 410, os cristãos foram acusados ​​de arruinar o amor à pátria e a coragem de defendê-la (Maquiavel defenderia o mesmo nos seus Discursos sobre Tito Lívio II.2). Agostinho escreveu A Cidade de Deus em resposta a essa acusação. Ele não negou que os cristãos não se importassem menos com Roma, preocupando-se apenas com a sua cidade celestial. Mas ele queria que os romanos soubessem que tudo o que sofreram durante o saque sangrento da sua cidade – perda de propriedades ou de entes queridos – foi para o seu bem, uma vez que os aproximou de Deus. Quanto às jovens que foram estupradas, não deveriam se preocupar, pois suas almas não foram contaminadas – a menos que experimentassem algum prazer, é claro (I.10)

Embora Roma tivesse esmagado militarmente Jerusalém repetidas vezes, a guerra terminou com a rendição espiritual de Roma. À medida que a cidade de Roma se tornou uma colónia de Jerusalém, com um papa sentado no palácio imperial de Latrão, um novo Império Romano emergiu na Alemanha, e a luta entre essas duas Romas tornou-se a questão central da Idade Média Europeia. Frederico II Hohenstaufen, o homem que alegadamente afirmou que “o mundo inteiro foi enganado por três impostores: Jesus Cristo, Moisés e Maomé” (de acordo com a acusação do Papa Gregório IX), foi uma espécie de Adriano ou Marco Aurélio, e um precursor do Renascimento; os papas o odiaram biblicamente, excomungaram-no três vezes e garantiram que sua descendência fosse exterminada até o último neto .

Dezoito séculos depois de Adriano, o Ocidente cristão devolveu Jerusalém e a Palestina aos judeus. Para resumir uma longa história: a Roma Pagã abominou Israel e destruiu-o, a Roma Cristã venerou este mesmo antigo Israel e recriou-o.

Enquanto isso, o que aconteceu com o deus judeu que adotamos com o cristianismo? Ele está morto. Os europeus rejeitaram esta zombaria blasfema de Deus e agora encontram-se sem Deus. Enquanto isso, o Poder Judaico está vivo e bem, controlando todo o ocidente através dos bancos e do sistema financeiro que eles criaram e controlam . . ..

Notas

  • [1] Jacques Attali, A História Econômica do Povo Judeu, ESKA Publishing, 2010,
  • [2] John E. Anderson, Jacó e o Malandro Divino: Uma Teologia do Engano e a Fidelidade de Yhwh à Promessa Ancestral no Ciclo de Jacó , Eisenbrauns, 2011, p. 1. Obrigado a este comentarista pela fonte.
  • [3] Orígenes, Contra Celso, VI, 28.
  • [4] Emily A. Schmidt, “O Triunfo Flaviano e o Arco de Tito: O Deus Judeu em Roma Flaviana”, em escholarship.org ; também Jodi Magness, “O Arco de Tito e o Destino do Deus de Israel”, Journal of Jewish Studies , 2008, vol. 59, n°2, pp.
  • [5] Martin Goodman, Roma e Jerusalém: O Choque de Civilizações Antigas, Penguin, 2007, p. 454.
  • [6] Ibid ., pág. 484. Eusébio de Cesaréia tem uma cronologia diferente, mas é uma fonte muito posterior.
  • [7] Ibid ., pág. 494.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth