browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mais histórias do “Povo das Estrelas” compartilhadas por nativos americanos: “Eles me disseram para não ter medo”

Posted by on 04/06/2021

A Drª. Ardy Sixkiller Clarke, professora emérita da Universidade Estadual de Montana, uma nativa dos povos Cherokee / Choctaw, tem pesquisado o povo das estrelas [Star People] e colecionado encontros entre eles e índios nativos por muitos anos. Este artigo compartilha um de muitos desses encontros. Nós estamos sozinhos? Se não, quais são as implicações quando o público fica totalmente ciente disso? Como isso mudará a forma como olhamos para a natureza da realidade e como vivemos aqui, e por que vivemos dessa maneira destrutiva?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“Eles me disseram para não ter medo” – Mais histórias sobre o “Povo das Estrelas” compartilhadas por nativos americanos

Fonte:  Collective Evolution  –  Por Arjun Walia

“O meu povo fala de Pessoas Estelares que vieram até nós desde há muitas gerações. O povo Star People trouxe ensinamentos espirituais, histórias e mapas do cosmos e os ofereceram para nós gratuitamente. Eles foram gentis, amorosos e deram um grande exemplo. Quando nos deixaram, meu povo disse que houve uma solidão como nenhuma outra”. ( fonte )

Tenho compartilhado o trabalho da Drª. Ardy Sixkiller Clarke, uma professora emérita da Montana State University que é nativa da nação Cherokee / Choctaw e tem pesquisado o povo das estrelas e colecionado encontros entre eles e índios nativos por muitos anos. Ela aprendeu sobre o “Povo das Estrelas” quando sua avó lhe contou as antigas lendas de seu povo.

Escrevi sobre uma história que ela compartilhou sobre um ancião que contou a história de uma espaçonave que caiu em sua reserva. Você pode ler essa história  aqui. Também escrevi sobre outro ancião que compartilhou a história de um coração alienígena petrificado, que ele alegou pertencer ao Povo das Estrelas, e você pode ler isso aqui .

Escrevi um sobre um ancião que afirmou ter ouvido que os humanos eram uma das quatro espécies violentas do universo, você pode ler isso  aqui . Uma das mais populares foi sobre as histórias contadas por anciãos indígenas sobre o povo estelar que atualmente vive, e vive há muito tempo, em cidades no interior da Terra. Você pode ler essa história aqui .

A última história sobre a qual escrevi foi a história de um nativo americano que afirmou ter tido uma experiência interessante durante uma nevasca do Alasca, você pode ler essa aqui . O presente artigo será mais um relato compartilhando as histórias que a Dra. Clarke compilou em seu livro, Encounters With Star People, Untold Stories of American Indians .

Se você quiser examinar todos os artigos que publicamos sobre esse assunto nos últimos 11 anos, pode fazê-lo visitando a seção de divulgação de nosso site .

O capítulo três é intitulado “Às vezes, eles vêm pelas famílias”. De cara eu acho isso interessante porque eu mesmo sou um pesquisador dos fenômenos há muito tempo, eu sei que a ideia de que alguns desses seres estão ‘levando’ pessoas, famílias inteiras e, em alguns casos, grandes comunidades não é incomum .

Um exemplo que a Dra. Clarke compartilha em seu livro é o seguinte:

“Em 1930, um caçador de peles chamado Arnaud Laurent e seu filho viram uma luz estranha e uma aeronave incomum cruzando o céu do norte em direção ao Lago Angikuni, no norte do Canadá. Os caçadores descreveram o objeto como cilíndrico ou em forma de bala. Pouco tempo depois, Joe Labelle, outro caçador, fez um snowshoot na vila de pescadores esquimó de Angikuni. A vila, onde viviam cerca de 2.000 esquimós, parecia estranhamente silenciosa quando ele chegou. Ele visitou cada cabana e depósito e encontrou potes de ensopado enegrecidos, mas nenhuma pessoa no local.  Inexplicavelmente, ele não encontrou um único rastro humano no assentamento.  Labelle, preocupado com as pessoas desaparecidas, foi diretamente a uma agência telegráfica e relatou o mistério à Polícia Montada Real Canadense. Várias horas depois, os Montados chegaram e ficaram perplexos com o  desaparecimento em massa dos aldeões.

Uma equipe de busca procurou os aldeões desaparecidos, mas eles nunca mais foram encontrados. Os cães de trenó pertencentes aos esquimós foram encontrados enterrados sob um monte de neve de 3,6 metros no perímetro do acampamento. Todos eles morreram de fome. O grupo de busca também descobriu alimentos e provisões intocadas nas cabanas.

Mais tarde, naquela noite, os Mounties olharam maravilhados quando um estranho brilho azul acendeu uma luz constante e pulsante, ao contrário das Luzes do Norte que frequentavam aquela parte do Canadá. Jornais em todo o mundo relataram o desaparecimento desconcertante de 2.000 esquimós. Muitas pessoas acreditaram que haveria uma explicação racional para o desaparecimento, mas o desaparecimento do grupo Anjikuni permanece sem solução. Hoje, as histórias ainda são contadas nas comunidades esquimós sobre o OVNI que sequestrou uma aldeia inteira.

Embora esse evento no Canadá seja raro e incomum, há encontros falados em reservas onde famílias inteiras desapareceram sem deixar vestígios. Assim como no caso do desaparecimento dos esquimós canadenses, esses eventos ocorreram simultaneamente ao surgimento de uma misteriosa luz/espaçonave. Durante o curso de minha pesquisa, fui informado de dois desses eventos. Em certa ocasião, uma família de 14 pessoas desapareceu, deixando para trás pratos que haviam sido servidos na mesa de jantar, uma televisão ligada no quarto e um forno que não havia sido desligado. Apesar de anos de busca, nenhum membro da família jamais foi localizado, mas seus parentes podem mostrar a você um círculo queimado no chão, onde eles acreditaram que uma nave espacial pousou e os levou embora.

Interessante, não é? Existem até civilizações inteiras que desapareceram sem deixar vestígios, como os Maias, por exemplo. O que aconteceu com eles ainda permanece um mistério, e alguns acreditam que também foram ‘levados’. Ao escrever estas linhas neste momento me lembrou do astronauta Alfed Worden da Apollo 12, que compartilhou suas crenças sobre o assunto alguns anos atrás:

“Nós somos os alienígenas, mas apenas pensamos que eles são outra pessoa, mas nós é que viemos de outro lugar. Porque outra pessoa teve que sobreviver, e eles entraram em uma pequena nave espacial e vieram aqui e pousaram e começaram uma civilização aqui, é o que eu acredito. E se você não acredita em mim, vá buscar livros sobre os antigos sumérios e veja o que eles têm a dizer sobre isso, eles lhe dirão de cara. ” (Você pode ler mais sobre isso e vê-lo fazer esse comentário no vídeo com link neste  artigo)

Também é interessante notar o fato de que vários astronautas disseram, sem dúvida, que fomos visitados e ainda estamos sendo visitados, e que eles tiveram o privilégio de estar a par desse tipo de informação. Um grande exemplo seria o Dr. Edgar Mitchell, que foi bastante franco sobre o assunto ao longo de sua vida.  

A Dra. Clarke então descreve um encontro que ela teve com alguém que eventualmente se tornaria seu amigo, um ancião que vivia em uma reserva em Dakota do Norte que teve um suposto encontro com o Povo das Estrelas. Ele explicou como o Povo das Estrelas que visitava a reserva não era incomum quando ele era criança, mas quando o governo entrou e mudou a terra, o Povo das Estrelas parou de visitá-la.

O nome desse homem era Luther. De acordo com ele:

“Às vezes, quando as pessoas desapareciam na reserva, dizia-se que o Povo das Estrelas as havia levado para viver nas estrelas. Uma vez que uma família inteira desapareceu.  Eu era jovem quando a família desapareceu. O desaparecimento aconteceu logo depois que voltei da guerra para casa, provavelmente por volta de 1946 ou 1947, talvez. Eles nunca foram encontrados. Quando seus parentes foram visitar, eles encontraram tudo exatamente como se levantassem no meio do jantar e foram embora. A comida na mesa e tudo parecia estar em ordem, exceto a família. Havia sete deles ao todo: eles haviam partido. Ninguém na reserva os viu novamente. Eles realizaram uma cerimônia e o Santo homem disse que eles foram levados para viver entre o Povo das Estrelas. ”

Ele passou a descrever sua experiência:

Foi logo após a construção da barragem. Cerca de cinco ou seis anos depois do desaparecimento da família. Eu estava perto do lago uma noite. Os cavalos iam lá para beber à noite e eu queria aproveitar e colher amendoins e colocá-lo no celeiro. Era quase o anoitecer. De repente, os pelos do meu corpo se arrepiaram como um choque elétrico.  Eu olhei em volta e foi quando eu vi. Um objeto enorme veio por cima da colina ao norte da propriedade. Veio devagar. Era do tamanho de um navio de guerra.

Sentei-me na beira do lago e observei. Os cavalos fugiram. Eu estava sozinho. A nave moveu-se para o centro do lago e ficou lá sem se mover. Ficou parada suspensa no ar. Em algum momento, comecei a voltar para a cabana. Foi quando eles me viram, eu acho. De repente, uma luz saiu como uma luz de busca e caiu diretamente sobre mim. Eu continuei andando. Eu não sabia mais o que fazer. Quando voltei para casa, entrei.

Entrei no quarto para olhar pela janela e foi quando os vi. Dois deles. Eles estavam no meu quarto. Eu parei, congelada no meu caminho quando os vi. Eles olharam para mim e pareciam tão surpresos quanto eu.

Eles tinham cerca de 7 ou 8 pés [2,10 a 2,5 metros de altura]. Eles estavam vestidos com uniformes de cores claras que brilharam quando a luz da nave os atingiu. Comecei a recuar em direção à porta e eles me disseram que não me machucariam. Eles estavam procurando por algo. Eu entendi que era algo que eles haviam deixado para trás ou deixado aqui, mas não conseguiram encontrar. Quando perguntei o que procuravam, responderam, mas não entendi o que diziam.

Ele passou a descrever como, quando eles voltaram em sua nave e partiram, a nave parou e pairou sobre o local onde a família desaparecida viveu.

A cabana deles foi submersa na água depois que o lago foi construído pelo governo. Assisti por cerca de 30-40 minutos. A espaçonave simplesmente ficou pendurada lá. Nenhum movimento, nenhum som e, de repente, ela se moveu para cima e desapareceu. Eu não vi isso novamente desde então.

Uma coisa que Luther lembra vividamente é o fato de que eles tinham essa “coisa parecida com um bastão”.

Tinha algum tipo de motor, acho, porque me lembro de luzes piscando nele. Máquina mais estranha que já vi. Nunca tinha visto nada parecido e vi muita coisa na Guerra. Eles o seguraram e apontaram ao redor da sala. O bastão deve ter falado com eles ou algo assim, porque assim que o apontaram em todas as direções, eles pareceram satisfeitos por eu não ter o que eles procuravam. Eles então o colocaram em um coldre.

Eles me disseram para não ter medo e eu não tive. Na verdade, eles agiram como se eu nem estivesse na sala. Apenas me ignoraram, por assim dizer. Eles estavam todos ocupados. Eles tinham a forma de humanos. Lembro que eles usavam luvas porque observei aquela máquina de bastão enquanto eles estavam na sala. Ainda me pergunto como ele sabia que não havia nada na sala de algo que eles estavam procurando.

Eu já disse isso e direi novamente, o fenômeno UFO-Extraterrestres realmente não deixa nenhum aspecto da humanidade intocado e expande muito a consciência humana [de acordo com a consciência do indivíduo] e a maneira como percebemos a nós mesmos, o cosmos e a natureza da realidade

Pense em tudo que mudaria em nossa civilização quando considerássemos não apenas a existência de civilizações de outros mundos, mas também a tecnologia que elas usam para chegar até aqui. Talvez outras raças usem sua tecnologia para descoberta, avanço, serviço aos outros e muito mais, em vez de simplesmente usá-la para lucrar de alguma forma, ou usá-la para fazer armamento como nós? Ou para dominar, subjugar outros povos. Eu não sei. 

No final do dia, o que mais precisamos em nosso planeta é questionar a forma destrutiva de como vivemos aqui, o que estamos fazendo aqui e por que vivemos da maneira que vivemos quando temos tanto potencial para criar uma experiência humana onde todos possam prosperar, viver em paz, saudáveis e em abundância .


“NÃO ANDE ATRÁS DE MIM, TALVEZ EU NÃO SAIBA LIDERÁ-LO.

POR FAVOR, NEM ANDE EM MINHA FRENTE, TALVEZ EU NÃO SAIBA SEGUI-LO.

ANDE AO MEU LADO PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CRESCER E GALGAR OS DEGRAUS DA ELEVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.”  –   Provérbio Sioux


Muito mais informações, leitura adicional:


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.