Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Diário de Moscou, a capital do Mundo Multipolar

Em Moscou você não sente crise. Nem efeitos das sanções. Nem desemprego. Nenhum morador de rua nas calçadas. Inflação mínima. Nenhum banco está “com problemas” . . . Quão perspicaz foi Lênin, primeiro modernista, quando refletia: “há décadas em que nada acontece; e há semanas em que acontecem décadas”. Este nômade global [Pepe Escobar] que agora se dirige a você teve o privilégio de passar quatro semanas surpreendentes em Moscou, no centro de uma encruzilhada histórica – culminando com a cúpula geopolítica Putin-Xi no Kremlin.

Diário de Moscou, a capital do Mundo Multipolar

Fonte: Strategic-culture.org

Para citar Xi Jinping, “mudanças que não foram vistas em 100 anos” têm o dom de nos afetar a todos de várias maneiras.

James Joyce, outro ícone da modernidade, escreveu que passamos a vida conhecendo pessoas medianas e/ou extraordinárias, sem parar, mas no final estamos sempre nos encontrando com nós mesmos. Tive o privilégio de conhecer uma série de pessoas extraordinárias em Moscou, guiadas por amigos de confiança ou por coincidências auspiciosas: no final, sua alma diz que elas enriquecem você e o momento histórico abrangente de maneiras que você nem consegue imaginar.

Aqui estão alguns deles. O neto de Boris Pasternak [Nobel de Literatura], um jovem talentoso que ensina grego antigo na Universidade Estadual de Moscou. Um historiador com conhecimento incomparável da história e cultura russa. A classe trabalhadora tadjique reunida em uma chaikhana com o ambiente adequado de Dushanbe.

Chechenos e tuvanos maravilhados fazendo a volta na Grande Linha Central de Moscou. Um mensageiro adorável enviado por amigos extremamente cuidadosos com questões de segurança para discutir assuntos de interesse comum. Músicos excepcionalmente talentosos se apresentando no underground em Mayakovskaya. Uma deslumbrante princesa siberiana vibrante com energia ilimitada, levando o lema anteriormente aplicado à indústria de energia – Power of Siberia – a um nível totalmente novo.

Um amigo querido me levou ao culto de domingo na igreja Devyati Muchenikov Kizicheskikh, a favorita de Pedro, o Grande: a pureza por excelência da Ortodoxia Oriental. Depois, os padres nos convidaram para almoçar em sua mesa comunitária, exibindo não apenas sua sabedoria natural, mas também um senso de humor ruidoso.

Em um clássico apartamento russo abarrotado de 10.000 livros e com vista para o Ministério da Defesa – muitas piadas incluídas – Padre Michael, encarregado das relações do cristianismo ortodoxo com o Kremlin, cantou o hino imperial russo após uma noite indelével de religiosidade e discussões sobre cultura.

Tive a honra de conhecer alguns dos que foram particularmente visados ??pela máquina imperial da mentira [do hospício ocidental]. Maria Butina – difamada pelo proverbial “espião que veio do frio” – agora deputada na Duma. Viktor Bout – que a cultura pop metastatizou no “Senhor da Guerra”, completo com o filme de Nic Cage: Fiquei sem palavras quando ele me disse que estava me lendo em uma prisão de segurança máxima nos EUA, através de pen drives enviados por seus amigos (ele não tinha acesso à internet). A infatigável e obstinada Mira Terada – torturada quando estava em uma prisão nos Estados Unidos, agora dirige uma fundação que protege crianças pegas em tempos difíceis.

Passei um tempo de qualidade precioso e me envolvi em discussões inestimáveis ??com Alexander Dugin – o russo crucial desses tempos pós-tudo, um homem de pura beleza interior, exposto a sofrimento inimaginável após o assassinato terrorista de sua filha Darya Dugina, e ainda capaz de reunir um profundidade e alcance quando se trata de estabelecer conexões em todo o espectro da filosofia, história e a história das civilizações que é praticamente inigualável no Ocidente.

Na ofensiva contra a russofobia

E depois havia as reuniões diplomáticas, acadêmicas e empresariais. Do chefe de relações com investidores internacionais da Norilsk Nickel aos executivos da Rosneft, para não mencionar o próprio Sergey Glazyev da EAEU, lado a lado com seu principal consultor econômico Dmitry Mityaev, recebi um curso intensivo sobre o atual A a Z da economia russa – incluindo problemas sérios a serem resolvidos.

No Clube Valdai, o que realmente importava eram os encontros à margem, muito mais do que os próprios painéis: é quando iranianos, paquistaneses, turcos, sírios, curdos, palestinos, chineses contam o que realmente está em seus corações e mentes.

O lançamento oficial do Movimento Internacional de Russófilos foi um destaque especial dessas quatro semanas. Uma mensagem especial escrita pelo presidente Putin foi lida pelo ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, que então fez seu próprio discurso. Mais tarde, na Casa de Recepções do Ministério das Relações Exteriores, quatro de nós fomos recebidos por Lavrov em audiência privada. Futuros projetos culturais foram discutidos. Lavrov estava extremamente relaxado, exibindo seu senso de humor incomparável.

Este é um movimento tanto cultural quanto político, projetado para combater a russofobia e contar a história russa, em todos os seus aspectos imensamente ricos, especialmente para os países do Sul Global.

Eu sou um membro fundador e meu nome está na carta. Em minhas quase quatro décadas como correspondente estrangeiro, nunca fiz parte de nenhum movimento político/cultural em qualquer lugar do mundo; independentes nômades são uma raça feroz. Mas isso é extremamente sério: as atuais “elites” autodenominadas irremediavelmente medíocres do [Hospício ‘acordado’ do] Ocidente coletivo querem nada menos que cancelar a Rússia em todo o espectro. Eles não pasarán.

Espiritualidade, compaixão, misericórdia

Décadas acontecendo em apenas quatro semanas implicam um tempo precioso necessário para colocar tudo em perspectiva.

O pressentimento inicial no dia em que cheguei, após sete horas de caminhada sob rajadas de neve, confirmou-se: esta [Moscou] é a capital do mundo multipolar. Eu vi isso entre os asiáticos ocidentais no Valdai. Eu o vi conversando com iranianos, turcos e chineses visitantes. Eu vi quando mais de 40 delegações africanas ocuparam toda a área ao redor da Duma [parlamento da Rússia] – no dia em que Xi chegou à cidade. Eu vi isso durante a recepção em todo o Sul Global ao que Xi e Putin estão propondo à esmagadora maioria do planeta.

Em Moscou você não sente crise. Nem efeitos de sanções. Nem desemprego. Nenhum morador de rua nas ruas. Inflação mínima. A substituição de importações em todas as áreas, especialmente na agricultura, tem sido um sucesso retumbante. Os supermercados têm tudo – e mais – em comparação com o Ocidente. 

Há uma abundância de restaurantes de primeira linha. Você pode comprar um Bentley ou um casaco de caxemira Loro Pianna que nem na Itália você encontra. Rimos disso conversando com os gerentes da loja de departamentos TSUM. Na livraria BiblioGlobus, um deles me disse: “Nós somos a Resistência”.

A propósito, tive a honra de fazer uma palestra sobre a guerra na Ucrânia na livraria mais bacana da cidade, a Bunker, mediada pelo meu querido amigo, o imensamente conhecedor Dima Babich. Uma enorme responsabilidade. Até porque Vladimir L. estava na plateia. Ele é ucraniano, e passou 8 anos, até 2022, contando como se fosse mesmo para uma rádio russa, até que conseguiu sair – após ser mantido sob a mira de uma arma – usando um passaporte interno ucraniano. Mais tarde, fomos a uma cervejaria tcheca, onde ele detalhou a sua história extraordinária.

Em Moscou, seus fantasmas tóxicos estão sempre à espreita em segundo plano. No entanto, não se pode deixar de sentir pena dos psicopatas straussianos [judeus khazares] neocons e neoliberais-cons que agora mal se qualificam como os insignificantes órfãos de Zbig “Grand Chessboard” Brzezinski.

No final da década de 1990, Brzezinski doentiamente pontificou que “a Ucrânia, um novo e importante espaço no tabuleiro de xadrez da Eurásia, é um centro geopolítico porque sua própria existência como estado independente ajuda a transformar a Rússia. Sem a Ucrânia, a Rússia deixa de ser um império eurasiano”.

Com ou sem uma Ucrânia desmilitarizada e desnazificada, a Rússia já mudou a narrativa. Não se trata de se tornar um império eurasiano novamente. Trata-se de liderar o longo e complexo processo de integração da Eurásia – já em vigor – em paralelo ao apoio à verdadeira independência soberana em todo o Sul Global.

Deixei Moscou – a Terceira Roma – rumo a Constantinopla – a Segunda Roma – um dia antes do Secretário do Conselho de Segurança Nikolai Patrushev dar uma entrevista devastadora à Rossiyskaya Gazeta, mais uma vez delineando todas as essencialidades inerentes à guerra OTAN vs. Rússia.

Isto é o que particularmente me impressionou:

“Nossa cultura secular é baseada na espiritualidade, compaixão e misericórdia. A Rússia é uma defensora histórica da soberania e do estado de qualquer povo que recorreu a ela em busca de ajuda. Ela salvou os próprios EUA pelo menos duas vezes, durante a Guerra Revolucionária e a Guerra Civil. Mas acredito que desta vez é impraticável ajudar os Estados Unidos a manter sua integridade”.

Na minha última noite, antes de chegar a um restaurante georgiano, fui guiado pelo companheiro perfeito de Pyatnitskaya para um passeio ao longo do rio Moscou, belos edifícios rococó gloriosamente iluminados, o cheiro da primavera – finalmente – no ar. É um daqueles momentos “Morango Silvestre” da obra-prima de Bergman que atinge o fundo da nossa alma. Como dominar o Tao na prática. Ou o insight meditativo perfeito no topo do Himalaia, dos Pamirs ou do Hindu Kush.

Portanto, a conclusão é inevitável. Eu voltarei. Em breve.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *