Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

É Uma Armadilha! A Onda de Repercussões enquanto o Oriente Médio trava ‘A Última Guerra’

Poucas pessoas estão familiarizadas com um pequeno evento por volta de 1200 a.C. chamado Colapso da Idade do Bronze na região conhecida como Levante (hoje conhecida como Oriente Médio). A maioria das pessoas aprende que a história e o progresso viajam em linha reta e que cada geração melhora a cultura e as inovações das gerações anteriores. Essa ilusão é construída em torno de uma visão do passado influenciada pelo Instituto Smithsonian. Na realidade, a história tende a andar em círculos, ou em espiral, com a inovação a conduzir à facilidade, a facilidade a conduzir à preguiça e à corrupção, e a corrupção a conduzir à fraqueza e ao colapso.

É Uma Armadilha! A Onda De Repercussões Enquanto O Oriente Médio Trava “A Última Guerra”

Fonte: Alt-Market.us – Por Brandon Smith

Repetidamente, a humanidade busca o Elysium na Terra apenas para ser derrubada novamente. Os sobreviventes então constroem cabanas de palha no topo das ruínas dos antigos impérios e recomeçam do zero. Por que a catástrofe da Idade do Bronze é importante? Obviamente, porque a história tende a se repetir quando não é aprendida.

O Levante nesta época era rico em civilização e comércio, composto por uma série de reinos que representavam o mundo conhecido, incluindo os Egípcios, Babilônios, Minoicos, Micênicos, Hititas, etc. A proximidade dos reinos permitia relações comerciais tão extensas que este período é frequentemente referido pelos historiadores modernos como a primeira “economia globalizada” (parece familiar?).

O que levou séculos para ser construído foi destruído numa única geração por uma série de “desastres”. Uma “mega-seca” fez com que reinos sem recursos hídricos consistentes perdessem a produção agrícola, levando à fome generalizada e às doenças (sim, o clima pode e muda drasticamente, independentemente da pegada de carbono humana “acordada”)

O comércio foi perturbado por disputas internas, e uma misteriosa invasão de um grupo de invasores itinerantes chamados os “povos do mar” está documentada como o principal fator do colapso final.

O Povo do Mar atacou vários reinos, mas muitos deles também eram refugiados que inundavam a região. Eles perturbaram culturas e economias e arrastaram vários impérios para a poeira. Tudo isso aconteceu em menos de 30 anos. Infelizmente, porque apenas as elites destas civilizações eram capazes de ler e escrever, as línguas e a documentação histórica foram perdidas.

Isso iniciou uma era das trevas que durou séculos. A humanidade retrocedeu, essencialmente, a zero, enquanto arranhava e sobrevivia entre templos e pirâmides de gerações passadas. Eles devem ter olhado para aquelas maravilhas da arquitetura decadente de centenas de anos atrás e se perguntado: “O que diabos aconteceu conosco?”

Nem tudo morreu, é claro. As dinastias egípcias estavam em declínio, mas conseguiram manter-se unidas muito melhor do que as suas homólogas do Levante. No entanto, o evento representou um retrocesso ao conhecimento humano que foi prejudicial. Poderíamos sugerir que, se o colapso da Idade do Bronze nunca tivesse ocorrido, já poderíamos ser uma espécie espacial viajando pelas estrelas.

Então, novamente, talvez essas culturas fossem tão corruptas que precisassem falhar para que algo melhor pudesse ser construído em seu lugar?

O que é que tudo isto tem a ver com o estado atual do Oriente Médio ? Os leitores inteligentes certamente entendem o que quero dizer. As intrincadas relações e mecanismos comerciais da Idade do Bronze conduziram a grande riqueza e prosperidade, mas eram terrivelmente frágeis. Essa mesma interdependência resultou na sua morte, à medida que caíam como peças de dominó, umas sobre as outras.

A globalização e a guerra coletivista de hoje estão a conduzir a uma implosão mundial semelhante. Os nossos laços irracionais com complicações e economias estrangeiras poderiam muito bem destruir novamente a civilização. Considere o que estamos prestes a ver à medida que a guerra Israel/Palestina se desenrola…

Múltiplas Nações Arrastadas para o Conflito

Se você estava se perguntando qual seria a “surpresa de outubro”, pois bem, agora você já sabe. Vou deixar clara a minha posição sobre esta situação – não me importo com nenhum dos dois lados.  Preocupo-me com civis inocentes, mas fora isso a guerra é irrelevante. Eu sou americano e me preocupo com a América. 

O mesmo se aplica à Ucrânia e à Rússia. As suas guerras não são as nossas guerras, e fico muito desconfiado sempre que os nossos líderes políticos tentam induzir-nos a escolher um lado quando os estrangeiros começam a disparar uns contra os outros. Resumindo: todas as guerras são guerras de e pelos lucros dos banqueiros internacionais [na sua imensa maioria judeus khazares, como os Rothschilds].

Os israelenses gostam do nosso dinheiro, mas têm um histórico de operações ilícitas comprovadas para nos atrair para a guerra (USS Liberty, alguém lembra?). Os palestinos e a maior parte do mundo muçulmano desprezam o Ocidente e o cristianismo em geral (e não me interessa realmente quem começou isto, o fato é que as nossas culturas são incompatíveis e isto nunca mudará). 

Só porque encontramos um terreno comum na luta contra a insana agenda transgênero, não significa que estou disposto a aceitar a lei draconiana da Sharia na minha comunidade.

Ambos os lados usam táticas que visam deliberadamente os civis. Não estou falando de danos colaterais como os que vimos no Iraque e no Afeganistão, estou falando de grupos que estão consciente e descaradamente envolvidos em planos de genocídio. Resultado final? Não há “mocinhos” no Oriente Médio com quem se juntar. É um show completo de ódios tribais antigos das quais os ocidentais deveriam ficar longe.

Para aqueles que discordam, perguntem-se o seguinte: vocês estão realmente dispostos a pegar um rifle e voar para Israel ou Gaza para lutar e morrer por qualquer um dos lados? Se sim, então faça isso e pare de exigir que os outros façam isso por você. Se não, então fique em silêncio.

Mas eis o que vai acontecer: o establishment tentará forçar os americanos e os europeus a entrar nestas guerras de qualquer maneira. A mídia corporativa das pre$$titute$ e alguns líderes políticos e falcões da guerra já sugerem que o recente ataque em grande escala a Israel foi planejado por governos fora de Gaza [ o vilão de sempre: o Irã]. 

Alguns acusam o Irã, outros acusam o Líbano e terceiro ambos. Pela extensa quantidade de imagens do ataque que examinei, não tenho dúvidas de que alguém, além dos palestinos, orquestrou o evento. As táticas foram muito avançadas e muito coordenadas; os palestinos nunca foram tão espertos quando se trata de estratégia militar e nunca tiveram tantas armas à sua disposição.

Quem redigiu o ataque é outra questão. Até agora, há muitos rumores, mas nenhuma evidência concreta que leve a qualquer governo específico. Outra grande questão é: como é que os palestinos conseguiram organizar tudo isto e executar a invasão SEM que os serviços de inteligência israelitas soubessem disso? 

O Mossad é conhecido por ser uma das agências secretas mais eficiente, intrusivas e difundidas do mundo, mas foi apanhada completamente desprevenida por este ataque inédito e sem precedentes na história recente? Eu acho que não.

Lembro-me dos acontecimentos do 11 de Setembro e da estranha série de falhas de inteligência que o precederam. Também me lembro das mentiras, da propaganda e da resposta reacionária que levaram a duas décadas de “guerra ao terrorismo” sem sentido levando a destruição do Iraque e à invasão do Afeganistão.

Vou chamá-lo aqui – dentro de algumas semanas ouviremos relatos de que muitos dos soldados envolvidos na incursão NÃO eram palestinos. Eles alegarão que alguns deles são do Irã, Síria, Líbano, etc. Haverá informações que dizem que o Irã foi um grande apoiador do plano (o Wall Street Journal já afirma que este é o caso, mas eles não forneceram nenhuma prova convincente, ainda).

Um grupo de ataque de porta-aviões dos EUA está a caminho da região e isto é apenas o começo [um segundo grupo capitaneado por porta-aviões nuclear também esta sendo enviado]. Os europeus serão pressionados a ir para a guerra, os conservadores americanos, em particular, serão inundados com propaganda que nos diz que um “ataque a Israel é um ataque aos EUA”

Será muito parecida com a retórica que os neoconservadores e os esquerdistas usaram durante a invasão inicial da Ucrânia, mas multiplicada por mil. Para ser claro, tanto Biden como Trump têm brandido sabres e testado as águas da guerra, por isso não pensem que podemos evitar isto simplesmente votando.

Múltiplas Frentes

Israel vai transformar Gaza em um monte de entulho, não há dúvida disso. Uma invasão terrestre encontrará muito mais resistência do que os israelitas parecem esperar, mas Israel controla o ar, fornecimento de eletricidade, água e combustíveis e Gaza é um alvo fixo com território limitado, de apenas cerca de 365 km², com cerca de 2,5 milhões de habitantes [contra o qual Israel precisa da ajuda de duas frotas navais dos seus mercenários dos EUA]. 

O problema para eles não são os palestinos, mas as múltiplas frentes de guerra que se abrirão se fizerem o que penso que estão prestes a fazer (uma tentativa de “higienização”, ou seja um genocídio em Gaza). O Líbano, o Irã e a Síria irão todos envolver-se imediatamente e Israel não será capaz de lutar sozinho contra todos eles – um inferno, tendo em vista que os israelitas apanharam bastante apenas pelo Líbano em 2006.

Isto resultará em exigências inevitáveis ​​de intervenção dos EUA/UE.

Oriente versus Ocidente

Dependendo da extensão da reação ocidental [OTAN], as nações BRICS poderão ser obrigadas a envolver-se. Isso pode não ser no nível cinético, mas há uma chance. A Rússia tem tratados estratégicos de segurança com o Irã e apoia e tem militares e bases na Síria. A China tem numerosos interesses econômicos e influência na região como o maior importador/exportador do mundo.

Estas nações poderão retaliar com o mesmo tipo de guerra financeira que o Ocidente usou contra a Rússia – com a China e os BRICS eliminando o dólar como moeda de reserva mundial. Isso aumentaria a inflação paralisante que já estamos enfrentando.

Ataques terroristas e bandeiras falsas

Se você pensava que as coisas poderiam estar assustadoramente calmas na frente do terrorismo ultimamente, isso acabou. Ficaria chocado se conseguíssemos passar mais seis meses sem múltiplos ataques ligados a grupos islâmicos. Alguns deles serão reais e alguns deles serão encenados, e será difícil dizer qual é qual.

A questão é que as fronteiras abertas no Ocidente e a migração em massa tornaram isso muito mais provável e o sistema sabe disso. Na minha opinião, eles deram as boas-vindas. Se conseguirem que pelo menos um muçulmano louco atire num centro comercial ou exploda um estádio de futebol, terão toda a influência necessária para enganar os americanos e levá-los a outra guerra terrestre no Oriente Médio. Precisamos “lutar contra eles lá para não termos que combatê-los aqui?” Isso é pensamento lixo. Em primeiro lugar, não deveríamos deixá-los vir aqui.

A insana e acordada Europa, em particular, está brincando com fogo. Os governos nacionais e a UE receberam dezenas de milhões de refugiados islâmicos para virem à sua porta e agora enfrentam um sério enigma. Existem comunidades da Sharia em toda a Europa, há milhões de homens muçulmanos em idade militar com todas as oportunidades de causar grandes danos. E há milhões de idiotas esquerdistas acordados atualmente a aplaudi-los, pensando que isto é alguma forma de “descolonização”.

Fechamento do Estreito de Ormuz, aumento vertiginoso dos preços do petróleo

Há muitos anos que venho alertando sobre este cenário; era apenas uma questão de tempo até que as tensões com o Irã lhes dessem uma justificação para fechar o estratégico Estreito de Ormuz e encerrar 30% de todas as exportações de petróleo do Oriente Médio para o resto do mundo. Tenham em mente que a Europa está sofrendo uma extensa inflação energética, em parte devido à crise econômica e também devido às sanções contra a Rússia.

O senil e demente Joe Biden tem tentado esconder a inflação despejando no mercado petróleo das reservas estratégicas, mas agora essas reservas são as mais baixas desde 1983. Convenientemente, isto aconteceu mesmo antes do ataque a Israel. Nossas reservas de petróleo se esgotam à medida que entramos em guerra. Os preços do petróleo e da gasolina explodirão se o Irã estiver implicado no ataque de Israel. 

O Irã, se atacado poderá lançar alguns petroleiros gigantescos no Estreito de Ormuz, afundá-los e tornar o estreito intransitável durante meses. Não se surpreenda se vamos ver o preço de US$ 200 por barril de petróleo no próximo ano, o que se traduzirá em cerca de US$ 7 por galão de gasolina ou mais para grande parte dos EUA.

Um impulso para um novo rascunho

Sejamos honestos, os atuais números de recrutamento de militares nos EUA são uma piada e a transformação “acordada”, LGBTQ+ e Transgênero dos nossos militares está a torná-los mais fracos a cada mês, apesar de mais coloridos e diversificados. 

Nenhum cidadão americano com uma mentalidade legítima de guerreiro ou aptidão para o combate se juntará voluntariamente àquele show de horrores do circo gay e transgênero. O establishment tentará presentear os conservadores e patriotas com visões de “combater o bom combate pela família e pelo país”, mas a maioria não aceitará. Com tentativas de acender múltiplas frentes contra a Rússia, a China e o Médio Oriente, começarão a falar sobre uma novo projeto de sistema.

A minha convicção é que isto irá falhar miseravelmente e iniciaria uma guerra civil nos EUA em vez de preencher as ‘acordadas’ fileiras do Exército ou dos Fuzileiros Navais, mas eles podem ter um esquema para lidar com este resultado…

Será esta a verdadeira razão pela qual as autoridades dos EUA estão encorajando a invasão de migrantes?

A realidade é que a América tem de lidar com a sua própria invasão. Durante o colapso da Idade do Bronze, certos impérios (como o Egito) sobreviveram usando uma tática estranha – em vez de lutar contra as hordas invasoras de refugiados, nômades e povos do mar, eles os contratavam e os introduziam em posições importantes dentro de suas forças armadas. Os governantes autoritários corruptos acabaram por descobrir que enfrentavam mais ameaças dos seus próprios camponeses famintos do que dos estrangeiros, por isso juntaram-se a eles para reprimir rebeliões locais.

Isto pode não ser tão útil na Europa, mas na América pergunto-me se esta era a intenção desde o início; trazer milhões de estrangeiros em idade militar com pouca simpatia pela cultura existente e, em seguida, no meio do colapso e do conflito, oferecer-lhes cidadania automática e benefícios se ingressarem nas forças armadas. Não na pequena escala que o governo federal tem hoje, mas numa escala enorme como nunca vimos.

Talvez o plano sempre tenha sido deixar os portões abertos e permitir a entrada de ilegais para que pudessem atuar como um contingente mercenário para lutar em guerras estrangeiras ou lutar contra cidadãos americanos caso surgisse uma rebelião interna …

Plano C

O momento do conflito em Israel é incrivelmente benéfico para as agendas e intenções dos globalistas, e isto pode explicar o bizarro fracasso da inteligência de Israel. Tal como os líderes dos EUA e da Grã-Bretanha tinham conhecimento prévio de um potencial ataque japonês a Pearl Harbor em 1941, mas não avisaram ninguém porque QUERIAM obrigar os americanos a lutar na Segunda Guerra Mundial, a incursão palestina serviu a um objetivo semelhante.

A pandemia covid e a sua tirania de mandatos não conseguiram obter o resultado desejado de uma tirania médica global. A guerra na Ucrânia também não conseguiu obter os resultados desejados, pois as exigências dos falcões de guerra por tropas no terreno contra a Rússia desmoronaram. Talvez o Oriente Médio em chamas seja apenas o Plano C?

O establishment parece particularmente obcecado em convencer os conservadores e patriotas dos EUA a participarem no caos; há uma série de neoconservadores e até mesmo algumas personalidades da mídia supostamente pró-liberdade, pedindo que os americanos respondam ao chamado de sangue em Israel. Alguns descreveram a próxima conflagração como “a guerra para acabar com todas as guerras”.

Acredito que a verdadeira guerra ainda não começou verdadeiramente, e essa é a guerra para apagar a existência dos globalistas, dos seus políticos lacaios. Eles querem que lutemos no exterior em atoleiros sem fim de sangue humano, na destruição generalizada de cidades inteiras, na esperança de que morramos em grande número. 

E quando obediente e bovinamente o fizermos, não restará ninguém que se oponha a eles. É uma estratégia previsível, mas o seu sucesso é duvidoso. Outro fato interessante sobre o colapso da Idade do Bronze – As elites foram alguns dos primeiros grupos a serem exterminados após o colapso do sistema que controlavam.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *