Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Emissões Zero CO², a Panóplia Digital e o Futuro da Alimentação 

A transição alimentar, a transição energética, a ideologia Emissões Zero CO², as moedas digitais CBDCs programáveis ​​de Banco Central, a censura à liberdade de expressão e a repressão aos protestos. Do que se trata todas essas agendas? Para compreender estes processos, precisamos primeiro de localizar o que é essencialmente uma redefinição social e econômica no contexto de um colapso intencional do sistema financeiro.

Emissões Zero CO², a Panóplia Digital e o Futuro da Alimentação 

Fonte: Off-Guardian.org – por Colin Todhunter

O escritor Ted Reece observa que a  taxa geral de lucro  apresentou tendência de queda, de cerca de 43% na década de 1870 para 17% na década de 2000. No final de 2019, muitas empresas não conseguiam gerar lucro suficiente. Prevaleciam o volume de negócios em queda, as margens reduzidas, os fluxos de caixa limitados e os balanços altamente alavancados.

O professor Fabio Vighi, da Universidade de Cardiff, descreveu como o bloqueio e o encerramento da economia global no início de 2020, sob o pretexto de combater um agente patogénico supostamente novo e imortal, a covid-19, permitiu à Reserva Federal dos EUA inundar os mercados financeiros em colapso (alívio da pandemia COVID) com dinheiro recentemente impresso, sem causar hiperinflação. Os bloqueios sob pretexto da epidemia global restringiram drasticamente a atividade econômica, eliminando assim a procura pelo dinheiro recentemente impresso (crédito) na economia física e evitando o “contágio”.

Segundo o jornalista de investigação Michael Byrant, foram necessários 1,5 Trilhões de euros para lidar com a crise apenas na Europa. O colapso financeiro que enfrentou os banqueiros centrais europeus atingiu o auge em 2019. O “aparecimento” de um “novo vírus” provocando a pandemia proporcionou uma conveniente história de cobertura para a falência do sistema financeiro.

O Banco Central Europeu concordou com um resgate de bancos de 1,31 Trilhões de euros, seguido pela UE com um fundo de recuperação de 750 bilhões de euros para estados e empresas europeias. Este pacote de crédito ultrabarato e de longo prazo a centenas de bancos foi vendido ao público como um programa necessário para amortecer o impacto da pandemia covid nas empresas e nos trabalhadores.

Em resposta ao colapso do neoliberalismo, assistimos agora à implementação de uma Grande Reinicialização autoritária – uma agenda que pretende remodelar a economia e mudar a forma como vivemos e somos governados.

A MUDANÇA PARA MAIS AUTORITARISMO

A nova economia será dominada por um punhado de gigantes da tecnologia, grandes conglomerados globais e plataformas de comércio eletrônico, e novos mercados também serão criados através da financeirização da natureza, que será colonizada, explorada, mercantilizada e comercializada sob a noção de “proteção do ambiente”.

Nos últimos anos, temos testemunhado uma sobreacumulação de capital, e a criação de tais mercados proporcionará novas oportunidades de investimento (incluindo  esquemas Ponzi de compensação de carbono duvidosos ) para os super-ricos estacionarem a sua riqueza e prosperarem.

Esta Grande Reinicialização prevê uma transformação das sociedades ocidentais, resultando em restrições permanentes às liberdades fundamentais e à vigilância em massa. Sendo implementado sob o termo benigno de uma “Quarta Revolução Industrial”, os psicopatas e oligarcas do Fórum Econômico Mundial (WEF) nos dizem que o público acabará por “alugar” tudo o que necessita (lembra-se do vídeo do WEF “não possuirás nada e serás feliz” [comendo insetos e morando numa “cidade 15 minutos]?): privar o direito de propriedade sob o pretexto de uma “economia verde” e sustentada pela retórica do “consumo sustentável” e da “emergência climática”.

A histeria verde do alarmismo climático e o mantra da sustentabilidade têm a ver com a promoção de esquemas para ganhar dinheiro, mais controle e redução da população. Mas também servem outro propósito: o controle social total.

O neoliberalismo seguiu o seu curso, resultando no empobrecimento de grandes setores da população. Mas para atenuar a dissidência e diminuir as expectativas, os níveis de liberdade pessoal a que estamos habituados não serão tolerados. Isto significa que a população em geral estará sujeita à disciplina de um estado de vigilância de um estado policial emergente.

Para resistir a qualquer dissidência, diz-se às pessoas comuns que devem sacrificar a sua liberdade pessoal para proteger a saúde pública da invisível e nova “Doença X”, a segurança social (aqueles terríveis russos, extremistas islâmicos ou aquele bicho-papão designado por Sunak, George Galloway) ou o clima. Ao contrário do velho normal do neoliberalismo, está ocorrendo uma mudança ideológica em que as liberdades pessoais são cada vez mais retratadas como perigosas porque vão contra o “bem maior” coletivo.

A verdadeira razão para esta mudança ideológica é garantir que as massas se habituem a padrões de vida mais baixos, sem liberdade e os aceitem. Consideremos, por exemplo, o economista chefe do Banco de Inglaterra, Huw Pill, que diz que as pessoas deveriam  aceitar” ser mais pobre. E há ainda  Rob Kapito, da maior empresa de gestão de ativos do mundo, a nefasta BlackRock [controlada por judeus khazares], que afirma que uma geração “com muitos direitos” vai ter que lidar com a escassez pela primeira vez nas suas vidas.

Ao mesmo tempo, para turvar as águas mais ainda, a mensagem é que os padrões de vida mais baixos são o resultado do conflito na Ucrânia e culpa da Rússia e dos choques de abastecimento que tanto a guerra como “o vírus” causaram.

A agenda de emissões líquidas zero de carbono ajudará a legitimar padrões de vida mais baixos (reduzindo a sua pegada de carbono), ao mesmo tempo que reforça a noção de que os nossos direitos devem ser sacrificados por um “bem maior”. Você não será dono de nada, não porque os ricos e a sua agenda neoliberal o tenham tornado pobre, mas porque você será instruído a deixar de ser “irresponsável” e a agir para proteger o planeta.

AGENDA LÍQUIDA ZERO

Mas e quanto a esta mudança no sentido de “emissões líquidas zero” de gases com efeito de estufa e ao plano para reduzir as nossas pegadas de carbono? É mesmo viável ou necessário?

Gordon Hughes, antigo economista do Banco Mundial e atual professor de economia na Universidade de Edimburgo, afirma num novo relatório que as atuais políticas de emissões líquidas zero no Reino Unido e na Europa provavelmente levarão a uma maior ruína econômica, pobreza e escassez de alimentos.

Aparentemente, a única forma viável de angariar dinheiro para novas despesas de capital suficientes (em infra-estruturas eólica e solar) seria uma redução de até 10% no consumo privado durante duas décadas. Tal choque nunca ocorreu no último século fora da guerra; mesmo assim, nunca por mais de uma década.

Mas esta agenda também causará grave degradação ambiental. É o que diz Andrew Nikiforuk no artigo The Rising Chorus of Renewable Energy Skeptics, que descreve como o “sonho tecnológico verde” é vastamente destrutivo. Ele lista os impactos ambientais devastadores de um sistema ainda mais intensivo em extração de minerais, baseado em energias renováveis, e alerta que :

“Todo o processo de substituição de um sistema em declínio por uma empresa mais complexa baseada na mineração deverá agora ocorrer com um sistema bancário frágil, democracias disfuncionais, cadeias de abastecimento quebradas, escassez crítica de minerais e geopolítica hostil.”

Tudo isto pressupõe que o aquecimento global é real e antropogênico. Mas nem todos concordam. No artigo “O aquecimento global e o confronto entre o Ocidente e o resto do mundo“, o jornalista Thierry Meyssan argumenta que o zero líquido se baseia na ideologia política e não na ciência. Mas afirmar tais coisas tornou-se uma heresia nos países ocidentais e foi reprimido com acusações de “negação da ciência climática”.

Independentemente de tais preocupações, a marcha em direção ao zero emissões de carbono continua, e a chave para isso é a Agenda 2030 das Nações Unidas para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Hoje, quase todos os relatórios, websites ou brochuras empresariais ou corporativas incluem uma infinidade de referências a «pegadas de carbono», «sustentabilidade», «net zero» ou «neutralidade climática» e à forma como uma empresa ou organização pretende atingir os seus objetivos de sustentabilidade. A definição de perfis emissão zero CO², as obrigações “verdes” e os investimentos “verdes” andam de mãos dadas com a exibição de credenciais e ambições “verdes” onde e sempre que possível [“verdes” aqui esta mais para a cor dos dólares…].

Parece que toda e qualquer pessoa no mundo dos negócios está fincando a sua bandeira corporativa no cume da sustentabilidade do tudo “Verde”. Veja o Sainsbury’s, por exemplo. É um dos “seis grandes” supermercados de varejo alimentar do Reino Unido e tem uma visão para o futuro dos alimentos que publicou em 2019.

Aqui está uma citação deles:

“A otimização personalizada é uma tendência que pode deixar as pessoas conectadas como nunca antes. Um passo significativo em relação à tecnologia vestível usada hoje, o advento de microchips pessoais e laços neurais tem o potencial de ver todos os nossos dados genéticos, de saúde e situacionais registrados, armazenados e analisados ​​por algoritmos que poderiam descobrir exatamente o que precisamos para nos apoiar. num determinado momento da nossa vida. Os varejistas, como a Sainsbury’s, poderiam desempenhar um papel fundamental para apoiar isto, organizando a entrega dos alimentos necessários em trinta minutos – talvez por drone.”

Rastreado, monitorado e chipado – para o seu próprio “benefício”. Empresas que acessam todos os nossos dados pessoais, até o nosso DNA. O relatório está repleto de referências à sustentabilidade e ao clima ou ao ambiente, e é difícil não ficar com a impressão de que foi escrito de forma a deixar o leitor maravilhado com as possibilidades tecnológicas.

No entanto, a promoção de um “admirável mundo novo” de inovação tecnológica que nada tem a dizer sobre o poder – que determina as políticas que levaram a enormes desigualdades, à pobreza, à desnutrição, à insegurança alimentar e à fome e que é responsável pela degradação do ambiente em primeiro lugar – não é novidade.

A essência do controle e o poder é convenientemente encoberta, até porque aqueles que estão por detrás do regime alimentar prevalecente também estão moldando o conto de fadas tecno utópico onde todos vivem felizes para sempre depois de comerem insetos e alimentos sintéticos enquanto vivem num panóplia digital, presos numa cidade de 15 minutos.

Falsa Intenção “VERDE”

O tipo de agenda “verde” que está sendo promovida é uma oportunidade de mercado multimilionária para encher os bolsos dos investidores ricos e das empresas de infra-estruturas [com mais dólares] “verdes” sugadoras de subsídios e também parte de uma estratégia para garantir a conformidade bovina necessária da maioria de desavisados para aderirem ao “novo normal”.

É, além disso, um tipo de utopia “verde” que pretende cobrir grande parte do campo com parques eólicos e painéis solares, sendo que a maioria dos agricultores já não cultivará mais nada. Uma receita para a insegurança e escassez alimentar.

Aqueles que investem na agenda “verde” preocupam-se, acima de tudo, com o lucro dos dólares “verdes”. A extremamente influente BlackRock investe pesado no atual sistema alimentar que é responsável pela poluição dos cursos de água, pelos solos degradados, pela deslocação de pequenos agricultores, por uma crise crescente de saúde pública, pela subnutrição e muito mais.

Também investe nos cuidados de saúde – uma indústria que prospera com as doenças e condições criadas pela ingestão de alimentos de qualidade inferior produzidos pelo sistema atual de alimentos geneticamente modificados. Será que o judeu khazar Larry Fink, o homem “mais importante” da BlackRock, de repente desenvolveu uma consciência e se tornou um ambientalista que se preocupa com o planeta e com as pessoas comuns? Claro que não.

Quaisquer deliberações sérias sobre o futuro da alimentação considerariam certamente questões como a soberania alimentar e cultura dos países, o papel da agroecologia e o fortalecimento das explorações agrícolas familiares – a espinha dorsal da atual produção alimentar global.

O artigo de Andrew Nikiforuk acima mencionado conclui que, se levarmos realmente a sério os nossos impactos no ambiente, devemos reduzir as nossas necessidades e simplificar a sociedade.

Em termos de alimentos, a solução assenta numa abordagem de baixo consumo que fortalece as comunidades rurais e os mercados locais e dá prioridade às pequenas explorações agrícolas e às pequenas empresas e retalhistas independentes, a sistemas alimentares democráticos localizados e a um conceito de soberania alimentar baseado na autossuficiência e em princípios agroecológicos e a agricultura regenerativa .

Envolveria a facilitação do direito ao acesso a alimentos culturalmente apropriados, nutricionalmente ricos devido a diversos padrões de cultivo e livres de produtos químicos tóxicos, garantindo ao mesmo tempo a propriedade local e a administração de recursos comuns como terra, água, solo e sementes.

É aí que começa o ambientalismo genuíno e o futuro da alimentação.

Colin Todhunter é especialista em desenvolvimento, alimentação e agricultura e é pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização em Montreal. Você pode ler seus e-books gratuitos Academia.edu ou a seção de e-books na página inicial do  Centro de Pesquisa sobre Globalização.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *