Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Psicopatia (Insanidade) Bíblica de Israel

Até os dias atuais os judeus não aceitam CRISTO como o seu messias ….

Estou cansado de ler que Netanyahu é um psicopata. Ele certamente não é. Não vejo razão para considerá-lo, ou qualquer outro líder israelense, como psicopatas no sentido psiquiátrico. Eles têm uma psicopatia coletiva, o que é uma coisa muito diferente. A diferença é a mesma que existe entre uma neurose pessoal e uma neurose coletiva. Segundo Freud, a religião (e ele se referia ao catolicismo romano) é uma neurose coletiva. Freud não quis dizer que as pessoas religiosas são neuróticas. 

A Psicopatia (Insanidade) Bíblica de Israel

Fonte: The Unz Review

Pelo contrário, observou que a sua neurose coletiva tende a imunizar as pessoas religiosas da neurose pessoal.[1] Não subscrevo a teoria de Freud, só preciso do seu apoio para apresentar a minha própria teoria: os sionistas judeus, mesmo os mais sanguinários deles, não são psicopatas individuais [podem ser piores do que isto]; muitos deles são pessoas amorosas e até abnegadas dentro de sua própria comunidade [de eleitos]. Pelo contrário, são os vectores de uma psicopatia coletiva, o que significa uma forma especial (podemos chamá-la de “desumana”) pela qual eles coletivamente veem e interagem com outras comunidades humanas.

Este é um ponto crucial, sem o qual nunca poderemos compreender Israel. Chamar seus líderes de psicopatas não ajuda. O que precisamos é reconhecer Israel como um psicopata coletivo e estudar a origem deste caráter nacional único. É uma questão de sobrevivência para o mundo, tal como é uma questão de sobrevivência para qualquer grupo reconhecer o psicopata entre eles e compreender os seus padrões de pensamento e de comportamento.

O que é um psicopata?

A psicopatia é uma síndrome de traços psicológicos classificados entre os transtornos de personalidade. O psicólogo canadense Robert Hare, na esteira de The Mask of Sanity (1941), de Hervey Cleckley, definiu seus critérios diagnósticos com base em um modelo cognitivo que agora é amplamente adotado, embora alguns psiquiatras prefiram o termo “sociopatia” porque ele realmente tem a ver com a incapacidade de socializar de forma genuína.[2] Num esforço para fazer com que todos concordassem, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais sugeriu “transtorno de personalidade anti-social”; mas o termo “psicopatia” ainda é o mais popular e, só por isso, vou adotá-lo.

O traço mais característico do psicopata é a completa ausência de empatia e, como resultado, de falta de inibição moral em prejudicar os outros, combinada com uma sede de poder. A psicopatia também partilha algumas características com o narcisismo: os psicopatas têm uma grande visão da sua própria importância. Para eles, tudo lhes é devido porque eles são excepcionais. Eles nunca estão errados e as falhas são sempre culpa dos outros.

A verdade não tem nenhum valor para o psicopata; a verdade é o que for conveniente para ele em um determinado momento. Ele é um mentiroso patológico, mas dificilmente tem consciência disso. Mentir é tão natural para ele que a questão da sua “sinceridade” é quase irrelevante: o psicopata vence o detector de mentiras.

O psicopata sente apenas emoções muito superficiais e não tem sentimentos reais por ninguém; mas ele desenvolveu uma grande capacidade de enganar. Ele pode ser encantador ao ponto de ser carismático. Ele é incapaz de ter empatia, mas aprende a simulá-la. Seu poder é sua extraordinária habilidade de fingir, enganar, armadilhar e capturar. Embora ele próprio esteja imunizado contra a culpa, ele se torna um mestre em fazer os outros se sentirem culpados.

Como o psicopata é incapaz de se colocar no lugar [empatia] de qualquer outra pessoa, ele não consegue se olhar criticamente. Confiante em qualquer circunstância do seu direito, ele fica genuinamente surpreso com o rancor de suas vítimas – e irá puni-las por isso. Se roubar a propriedade de alguém, considerará o ressentimento dos despojados como ódio irracional.

Embora o psicopata possa ser considerado louco, ele não é louco no sentido clínico, uma vez que não sofre – os psicopatas não visitam psiquiatras a menos que sejam forçados a isso. Num certo sentido, o psicopata está excessivamente ajustado à vida social, se o propósito da vida social for sobreviver individualmente. É por isso que o verdadeiro mistério, do ponto de vista darwinista, não é a existência de psicopatas, mas a sua baixa proporção na população.

A estimativa mais otimista para a população ocidental é de 1 por cento. Não devem ser confundidos com o proverbial 1% que possui metade da riqueza mundial, embora um estudo entre executivos seniores de grandes empresas tenha mostrado que os traços psicopáticos são generalizados entre eles.[3]

Israel como um estado psicopata

O fato de os judeus estarem hoje desproporcionalmente representados entre as elites de qualquer país (eles constituem metade dos bilionários americanos, embora representem apenas 2,4% da população),[4] também não significa que a psicopatia seja mais prevalente entre os judeus. De certa forma, acontece exatamente o oposto: os judeus demonstram entre si, na sua comunidade, um elevado grau de empatia, ou pelo menos solidariedade, muitas vezes ao ponto do auto sacrifício. Mas a natureza seletiva desta empatia sugere que ela se dirige menos à humanidade dos outros do que ao seu judaísmo.

Na verdade, os judeus tendem a confundir judaísmo e a humanidade. Portanto, o que é bom para os judeus deve necessariamente ser bom para a humanidade. Por outro lado, um crime contra os judeus é um “crime contra a humanidade”, um conceito que eles criaram em 1945. Confundir o judaísmo com a humanidade é um sinal de narcisismo coletivo, mas quando se trata de considerar os não-judeus como menos que humanos, torna-se um sinal de psicopatia coletiva.

Coletivamente, os judeus consideram-se inocentes das acusações apresentadas contra eles. É por isso que o pioneiro sionista Leo Pinsker, médico, considerava a judeofobia como “uma aberração psíquica. Como aberração psíquica é hereditária e como doença transmitida há dois mil anos é incurável.” Como consequência, os judeus são “o povo escolhido para o ódio universal” (mesmo os judeus ateus não podem deixar de definir o judaísmo como escolha).[5]

Israel, o Estado Judeu, é o psicopata por excelência entre as nações. Ele age em relação a outras nações da mesma forma que um psicopata age em relação aos seus semelhantes. “Apenas os psiquiatras podem explicar o comportamento de Israel”, escreveu o jornalista judeu Gideon Levy no Haaretz em 2010. No entanto, o seu diagnóstico, incluindo “paranóia, esquizofrenia e megalomania,[6] está errado. Considerando a absoluta hipocrisia de Israel, a desumanização dos palestinos e a sua extraordinária capacidade de mentir, dissimular e manipular, estamos lidando com um psicopata perigoso e nosso vizinho aqui na Terra, cujo deus também é um assassino, além de ser psicopata..

Ao traçar um paralelo entre a psicopatia e a atitude de Israel, não culpo os judeus como indivíduos. Eles fazem parte desta psicopatia coletiva apenas na medida da sua submissão à ideologia psicopata nacional. Podemos fazer uma comparação com outro tipo de entidade coletiva. Em The Corporation: The Pathological Pursuit of Profit and Power, Joel Bakan observou que as grandes empresas se comportam como psicopatas, insensíveis ao sofrimento daqueles que esmagam na sua busca pelo lucro: “O comportamento corporativo é muito semelhante ao de um psicopata.”[ 7]

Minha análise de Israel baseia-se no mesmo raciocínio. Só que Israel é muito mais perigoso do que qualquer empresa gigante (até mesmo a Pfizer), porque a ideologia que causa o seu distúrbio de personalidade é muito mais insana do que a ideologia liberal e social-darwiniana que governa o Mercado de Valores. A ideologia de Israel é bíblica, é fanatismo puro em seu mais elevado grau.

O Vírus da Tanakh, a bíblia judaica

A psicopatia coletiva de Israel não é genética, é cultural, mas foi formada em tempos muito antigos e, portanto, está embutida no subconsciente ancestral (seja lá o que isso for): em última análise, vem do deus ciumento inventado pelos levitas para controlar as tribos famintas que partiram para conquistar a Palestina há cerca de três mil anos. Por nascimento, Israel é a nação do deus psicopata.

Yahweh [o extraterrestres Anunnaki Enlil], o deus de Israel e dos judeus, é um deus vulcânico raivoso e solitário que manifesta por todos os outros deuses um ódio implacável, e acaba por considerá-los como não-deuses, sendo ele, de fato, o “único deus verdadeiro”. Isso o caracteriza claramente como um psicopata assassino entre os deuses.

Em contraste com este deus psicopata judeu, para os egípcios, segundo o egiptólogo alemão Jan Assmann, “os seus deuses são seres sociais”, e a harmonia entre eles garante a harmonia no cosmos.[8] Além disso, havia um certo grau de traduzibilidade entre os panteões de várias civilizações. Mas Yahweh ensinou aos hebreus o desprezo pelas divindades dos seus vizinhos – tornando-os, aos olhos destes vizinhos, uma ameaça à ordem cósmica e social. Yahweh é essencialmente, diz Assmann, um deus teoclástico:

² Destruireis totalmente todos os lugares, onde as nações que possuireis serviram os seus deuses, sobre as altas montanhas, e sobre os outeiros, e debaixo de toda a árvore frondosa; ³ E derrubareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e os seus bosques queimareis a fogo, e destruireis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis o seu nome daquele lugar. ⁴ Assim não fareis ao Senhor vosso Deus; – Deuteronômio 12:2-4

Yahweh pode ser um personagem de ficção, mas seu domínio sobre a mente, alma e psique judaica é, no entanto, muito real. “Apelar a um pai louco e violento, e durante mais de três mil anos, isso é ser um judeu louco!” [9] disse Smilesburger na Operação Shylock de Philip Roth.

Os judeus foram ensinados por Yahweh-Enlil a manterem-se estritamente separados de outras pessoas. As proibições alimentares servem para impedir toda socialização fora da tribo:

  • “Eu te separarei de todos estes povos, para que sejas meu” (Levítico 20:26).
  • A natureza da aliança não é moral. O único critério para aprovação de Yahweh é a obediência cega às suas leis e comandos arbitrários. Massacrar traiçoeiramente centenas de profetas de Baal é bom, porque é a “vontade” de Yahweh (1 Reis 18).
  • Mostrar misericórdia ao rei dos amalequitas é ruim, porque quando Yahweh diz “matem todos”, ele quer dizer “todos” sem exceção, o mesmo que os judeus estão atualmente fazendo em Gaza(1Samuel 15).

Na historiografia bíblica, o destino do povo judeu depende de eles seguirem as ordens de Yahweh, por mais insanas que sejam. Como bem dito por Kevin MacDonald:

A ideia de que o sofrimento judaico resulta do desvio dos judeus da sua própria lei ocorre quase como uma batida constante em todo o Tanakh – um lembrete constante de que a perseguição aos judeus não é o resultado do seu próprio comportamento em relação aos gentios, mas sim o resultado de seu comportamento diante do seu deus.[10]

Se os judeus seguirem a ordem de Yahweh de se alienarem do resto da humanidade, em troca, Yahweh promete fazê-los governar sobre toda a humanidade: “seguir os seus caminhos, guardar os seus estatutos, os seus mandamentos, os seus costumes, e ouvir a sua voz”, e Yahweh te elevará mais alto do que qualquer outra nação que ele criou”; Você fará de muitas nações seus súditos, mas não será sujeito a nenhuma” (Deuteronômio 26:17-19 e 28:12).

Neste mapa uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: O GRANDE ISRAEL: Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”. UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel hoje: “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).

Na verdade, isto parece muito com o pacto que Satanás propôs a Jesus:

“o diabo mostrou-lhe todos os reinos do mundo e o seu esplendor. E ele lhe disse: ‘Eu te darei tudo isso, se você se prostrar aos meus pés e me prestar homenagem’” (Mateus 4:8-9).

Se Israel seguir escrupulosamente a Lei dele, Yahweh promete submeter todas as nações ao domínio de Israel e destruir aquelas que resistirem. “Os reis se prostrarão diante de ti, com o rosto em terra, e lamberão o pó dos teus pés”, enquanto “a nação e o reino que não te servirem perecerão” (Isaías 49:23 e 60:12). As nações devem reconhecer a soberania de Israel ou serão destruídas.

Yahweh, o psicopata por excelência, disse a Israel que identificou “sete nações maiores e mais fortes do que você”, que “você deve colocar sob a maldição da destruição” e “não mostrar qualquer piedade por elas”. Quanto aos seus reis, “apagarás os seus nomes debaixo do céu” (Deuteronômio 7:1-2, 24).

O código de [extermínio] guerra de Deuteronômio 20 ordena exterminar “qualquer coisa viva” nas cidades conquistadas de Canaã. Na prática, a regra é estendida a todas as pessoas que resistem aos israelitas na sua conquista. Foi aplicado por Moisés aos midianitas, embora neste caso Yahweh tenha permitido que seus guerreiros ficassem com as jovens virgens (Números 31).

Foi aplicada por Josué à cidade cananéia de Jericó, onde os israelitas destruíram tudo: “²¹ E tudo quanto havia na cidade destruíram totalmente ao fio da espada, desde o homem até à mulher, desde o menino até ao velho, e até ao boi e gado miúdo, e ao jumento“. – Josué 6:21

Na cidade de Ai, os habitantes foram todos massacrados, doze mil deles, “até que não sobrou nenhum vivo e ninguém para fugir. …Quando Israel terminou de matar todos os habitantes de Ai em campo aberto e no deserto onde os perseguiram, e quando cada um deles caiu à espada, todo o Israel voltou para Ai e massacrou toda a população restante.” As mulheres não foram poupadas. “Como despojo, Israel levou apenas o gado e os despojos desta cidade” (Josué 8:22-27). Depois vieram as cidades de Maqueda, Libna, Laquis, Eglom, Hebron, Debir e Hazor. Em toda a terra, Josué “não deixou nenhum sobrevivente e colocou todos os seres vivos sob a maldição da destruição, como Yahweh, [o sanguinário psicopata] deus de Israel, havia ordenado” (10:40).

Como escreveu o judeu Avigail Abarbanel em “Por que abandonei o Culto judeu”, os conquistadores judeus sionistas da Palestina “têm seguido muito de perto o ditado bíblico de Josué de simplesmente entrar e levar tudo. …Para um movimento supostamente não-religioso, é extraordinário quão de perto o sionismo… tem seguido a Bíblia.”[11] Kim Chernin, outro dissidente judeu, escreveu em “Os Sete Pilares da Negação Judaica”: “Não consigo contar o número de vezes que li a história de Josué como uma história de nosso povo assumindo a posse legítima de sua terra prometida sem parar para dizer a mim mesmo: ‘mas esta é uma história de estupro, pilhagem, massacre, genocídio, invasão e destruição de outros povos’. ‘”[12] Yahweh oferece apenas dois caminhos possíveis para Israel: dominação de outras nações, se Israel mantiver a aliança de separação de Yahweh, ou aniquilação por essas mesmas nações, se Israel quebrar a aliança com ele, não há meio termo:

“Se você [Israel] fizer amizade com o restante dessas nações que ainda vivem ao seu lado, se você se casar com eles, se você se misturar com eles e eles com você, então saiba com certeza que Yahweh, seu deus, deixará de desapropriar essas nações diante de você, e por vocês serão uma armadilha, uma armadilha, espinhos em seus lados e cardos em seus olhos, até que você desapareça deste belo país que lhe foi dado por Yahweh, seu deus. (Josué 23:12-14)

Despojar os outros e dominá-los ou ser despossuído, dominar ou ser exterminado: Israel não pode pensar além dessa alternativa.

O Sionismo é Bíblico

O que isso tem a ver com o Sionismo, você pergunta? O sionismo não é uma ideologia secular? Penso que já é altura de dissipar este mal-entendido. O sionismo é um produto do judaísmo, e o judaísmo está enraizado na Bíblia Hebraica, o Tanakh. Quer o tenha lido ou não, quer o julgue histórico ou mítico, cada judeu, em última análise, baseia o seu judaísmo no Tanakh – ou em tudo o que sabe sobre ele. O judaísmo é a internalização do deus psicopata. Faz pouca diferença se os judeus definem o seu judaísmo em termos religiosos ou em termos étnicos. Do ponto de vista religioso, o Tanakh preserva a memória e a essência da Aliança com deus, enquanto do ponto de vista secular, o Tanakh é a narrativa fundamental do povo judeu e o padrão pelo qual os judeus interpretam toda a sua história subsequente (a Dispersão, o Holocausto, o renascimento de Israel, e assim por diante).

É verdade que Theodor Herzl, o profeta do sionismo político, não se inspirou na Tanakh. No entanto, ele chamou a sua ideologia de sionismo, usando o nome bíblico de Jerusalém [Zion]. Quanto aos sionistas pós-Herzl, e aos verdadeiros fundadores do moderno Estado de Israel, eles estavam mergulhados na Tanakh. “O Tanakh é o nosso mandato”, declarou Chaim Weizmann em 1919, e em 1948 ofereceu a Truman um rolo da Torá pelo seu reconhecimento de Israel. Assim começa a Declaração do Estabelecimento do Estado de Israel:

ERETZ-ISRAEL [(hebraico) – a Terra de Israel, Palestina] foi o berço do povo judeu. Aqui foi moldada a sua identidade espiritual, religiosa e política. Aqui eles alcançaram pela primeira vez a condição de Estado, criaram valores culturais de significado nacional e universal e deram ao mundo o “eterno” Livro dos Livros.

Não há dúvida de que o Estado de Israel foi fundado na afirmação bíblica. David Ben-Gurion, autor deste documento e pai da nação, tinha uma visão bíblica do povo judeu. Para ele, de acordo com o seu biógrafo Dan Kurzman, o renascimento de Israel em 1948 “foi paralelo ao êxodo do Egito, à conquista da terra por Josué, à revolta dos Macabeus”. Ben-Gurion nunca tinha ido a uma sinagoga e comia carne de porco no café da manhã, mas estava mergulhado na história judaica do Tanakh. “Não pode haver educação política ou militar válida sobre Israel sem um conhecimento profundo do Tanakh, a Bíblia Hebraica, costumava dizer.[13] Tom Segev escreve em sua biografia mais recente:

Ele patrocinou uma aula de estudo do Tanakh em sua casa e promoveu dois conceitos para caracterizar o caráter moral do Estado de Israel e seu destino e dever para consigo mesmo e para com o mundo: o primeiro foi [claro” o de] “povo escolhido”, um termo que vem da aliança entre Yahweh e o povo de Israel (Êxodo 19:5-6); a segunda foi o compromisso do povo judeu com os princípios de “justiça e paz” que o tornam uma “luz para as nações”, no espírito dos profetas (Isaías 49:6). Ele frequentemente falava e escrevia sobre esses conceitos.[14]

A mentalidade religiosa de Ben-Gurion tornou-se cada vez mais evidente à medida que envelhecia. Considere, por exemplo, o fato de que, enquanto implorava a Kennedy que deixasse seu povo ficar com a bomba atômica porque os egípcios queriam exterminá-los, ele profetizou na revista Look (16 de janeiro de 1962) que dentro de vinte e cinco anos, [seria em 1987, a agenda esta muito atrasada] Jerusalém “será a sede do Supremo Tribunal da Humanidade“, para resolver todas as controvérsias entre os continentes federados, como profetizado por Isaías.”[15] Ben-Gurion não era louco, ele estava simplesmente pensando biblicamente [e seguindo um plano sionista muito bem elaborado e sendo executado].

Quase todos os líderes israelenses da geração de Ben-Gurion e da geração seguinte compartilham a mesma mentalidade de fanatismo sionista. Moshe Dayan, o herói militar da Guerra dos Seis Dias de 1967, justificou a sua anexação de um novo território num livro intitulado Living with the Bible (1978). Naftali Bennett, enquanto ministro da Educação israelita, também justificou a anexação da Cisjordânia pelo Tanakh.[16] Os sionistas podem encontrar nos seus escritos sagrados todas as justificações de que necessitam:

…para a Faixa de Gaza, eles têm Juízes 1:18-19: “E Judá tomou Gaza com o seu território… Agora Yahweh estava com Judá, e eles tomaram posse da região montanhosa.” Existem agora fanáticos pelo Tanakh no governo israelita, como o Ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, que faz citações do livro todos os dias. “deus [Yahweh] deu a terra de Israel ao povo judeu” é o alfa e o ômega do sionismo judeu, não apenas para os israelitas, mas para os católicos da igreja de Roma que, desde 1917, apoiaram a reivindicação judaica e apoiam Israel hoje.

Ainda mais do que Ben-Gurion, Benjamin Netanyahu pensa religiosamente, e isso também fica cada vez mais claro à medida que envelhece. Ele também sabe que os cristãos não podem argumentar seriamente contra a afirmação bíblica. Em 3 de março de 2015, ele dramatizou perante o Congresso americano a sua fobia do Irã, referindo-se ao livro bíblico de Ester:

Somos um povo antigo. Nos nossos quase 4.000 anos de história, muitos tentaram repetidamente destruir o povo judeu. Amanhã à noite, no feriado judaico de Purim, leremos o livro de Ester. Leremos sobre um poderoso vice-rei persa chamado Haman, que conspirou para destruir o povo judeu há cerca de 2.500 anos. Mas uma corajosa mulher judia, a rainha Ester, expôs a conspiração e deu ao povo judeu o direito de se defender contra os seus inimigos. A trama foi frustrada. Nosso povo foi salvo. Hoje o povo judeu enfrenta outra tentativa de outro potentado persa para nos destruir.[17]

Netanyahu marcou o seu discurso na véspera de Purim, que celebra o final feliz do Livro de Ester – o massacre de 75 mil homens, mulheres e crianças persas.

Em 2019, Netanyahu pronunciou estas palavras durante uma viagem à Cisjordânia: “Acredito no livro dos livros e leio-o como um apelo à ação de que cada geração deve fazer o que puder para garantir a eternidade de Israel”. A Bíblia ocupa uma parte tão grande do seu cérebro que ele quer colocar uma Bíblia na Lua!

Então, por favor, parem de chamar Netanyahu de psicopata. Ou pelo menos chame-o de psicopata judeu religioso, um adorador do deus judeu psicopata Yahweh. E enquanto estiver lá, aprenda a ver a Bíblia Hebraica pelo que ela é: “uma conspiração [de Yahweh/Enlil] contra o resto do mundo”, como disse H. G. Wells. Nos livros judeus da Bíblia [Velho Testamento], “você tem a conspiração clara e cristalina, (…) uma conspiração agressiva, sanguinária e vingativa. … Não é tolerância, mas estupidez fechar os olhos à essa sua qualidade”.[18] Caso contrário POR QUE Jesus Cristo não foi aceito pelos judeus, que pediram e conseguiram, a sua crucificação ?

Notas:

  • [1] Freud developed this theory in three books: Totem and TabooCivilization and Its Discontents and The Future of an Illusion.
  • [2] Robert Hare, Without Conscience: The Disturbing World of the Psychopaths Among Us, The Guilford Press, 1993.
  • [3] Paul Babiak and Robert Hare, Snakes in Suits: When Psychopaths Go to Work, HarperCollins, 2007.
  • [4] Benjamin Ginsberg, The Fatal Embrace: Jews and the State, University of Chicago Press, 1993; J.J. Goldberg, Jewish Power: Inside the American Jewish Establishment, Basic Books 1997.
  • [5] Leon Pinsker, Auto-Emancipation: An Appeal to His People by a Russian Jew, 1882 , on www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/Zionism/pinsker.html
  • [6] Gideon Levy, “Only psychiatrists can explain Israel’s behavior,” Haaretz, January 10, 2010, www.haaretz.com/print-edition/opinion/only-psychiatrists-can-explain-israel-s-behavior-1.261115
  • [7] Joel Bakan, The Corporation: The Pathological Pursuit of Profit and Power, Free Press, 2005. Watch also the documentary of the same title.
  • [8] Jan Assmann, Of God and Gods: Egypt, Israel, and the Rise of Monotheism, University of Wisconsin Press, 2008, p. 47.
  • [9] Philip Roth, Operation Shylock: A Confession, Simon & Schuster, 1993, p. 110.
  • [10] Kevin MacDonald, Separation and Its Discontents: Toward an Evolutionary Theory of Anti-Semitism, Praeger, 1998, kindle 2013, kindle l. 6187–89.
  • [11] Avigail Abarbanel, “Why I left the Cult,” Oct 8, 2016, on https://mondoweiss.net/author/avigail/
  • [12] Kim Chernin, “The Seven Pillars of Jewish Denial,” Tikkun, Sept. 2002, quoted in Kevin MacDonald, Cultural Insurrections: Essays on Western Civilization, Jewish Influence, and Anti-Semitism, Occidental Press, 2007, pp. 27-28.
  • [13] Dan Kurzman, Ben-Gurion, Prophet of Fire, Touchstone, 1983, pp. 17–18, 22, 26–28.
  • [14] Tom Segev, A State at Any Cost: The Life of David Ben-Gurion, Apollo, 2019, kindle l. 286.
  • [15] David Ben-Gurion and Amram Ducovny, David Ben-Gurion, In His Own Words, Fleet Press Corp., 1969, p. 116.
  • [16] “Israeli minister: The Bible says West Bank is ours” on www.youtube.com/watch?v=Png17wB_omA
  • [17] “The Complete Transcript of Netanyahu’s Address to Congress,” on www.washingtonpost.com.
  • [18] Herbert George Wells, The Fate of Homo Sapiens, 1939 (archive.org), p. 128.

0 resposta

  1. Não são argumentos ou refutações. Parece um histérico ofendendo princípios judaicos, tão-somente… Mas não é razoável, e apela para ofensas e subjetivações de modo não há como convencer ou dialogar nesta toada…A Bíblia jamais disse que não existem deuses, apenas destacou para os creem no Deus de Israel que ele é o único a quem os cristãos deverão conversar, invocar, pediu e dialogar…mas culturalmente se compreende sim a existência de muitas crenças, deidades, e que o ocultismo opera e domina este mundo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *