Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Escalada da Guerra em Gaza: Aviões dos EUA e Aliados bombardeiam Houthis no Iêmen

Os EUA e seus aliados lançaram na quinta-feira ataques aéreos e com mísseis contra alvos rebeldes Houthis em todo o Iêmen, depois que a milícia apoiada pelo Irã realizou vários ataques de drones e mísseis contra navios que atravessavam o Mar Vermelho. O ataque conjunto, que envolveu aeronaves, navios, porta aviões e submarinos dos EUA, ocorreu depois de os Houthis ignorarem semanas de avisos de Washington e dos seus aliados para parar os seus ataques a navios na hidrovia comercialmente importante. Os EUA e o Reino Unido, com o apoio da Austrália, Canadá, Holanda e Bahrein, conduziram os ataques.

Escalada da Guerra em Gaza: Aviões dos EUA e Aliados bombardeiam Houthis no Iêmen

Fontes: PolíticoZero HedgeRússia Today

A Reuters e a VOA estão relatando que aviões de guerra dos EUA e do Reino Unido com o apoio da Austrália, Canadá, Holanda e Bahrein, começaram a atacar alvos Houthi no Iêmen, no que marca o primeira grande expansão regional da guerra de Gaza. De acordo com o Politico:

Os EUA e o Reino Unido, com o apoio da Austrália, Holanda, Bahrein e Canadá, conduziram ataques conjuntos esta noite contra alvos Houthi no Iêmen, segundo oficial do DOD. Os ataques envolveram aeronaves, navios e submarinos dos EUA.

O The Telegraph também informou que caças e navios britânicos estão participando da ação militar contra os Houthis. Há relatos de grandes ataques aéreos nas principais cidades do Iêmen. Vídeos não verificados começaram a chegar nas redes sociais. O vídeo abaixo não está confirmado neste estágio inicial:

Um correspondente do Oriente Médio observa que “passamos dos EUA priorizando o fim da guerra em Iêmen para os EUA e seus aliados atacando rebeldes que controlam o Iêmen. As ramificações regionais das guerras no Iêmen e em Gaza estão em plena exibição, com grandes prejuízos para o comércio e a navegação marítima.”

A Al Arabiya informou que há “ataques aéreos violentos nas proximidades da cidade de Hodeidah” e Sanaa também foi bombardeada. Há relatos emergentes de que as bases dos EUA no Iraque podem estar sob ataque. Além disso, os Houthis dizem que estão contra-atacando os navios de guerra ocidentais no Mar Vermelho. 

“A resposta da “comunidade internacional” [G-7 e Bahrein]] a estes ataques imprudentes foi unida e resoluta”, disse o presidente [‘Dementia’ Joe] Biden. “Estes ataques direcionados são uma mensagem clara de que os Estados Unidos e os “nossos parceiros” não tolerarão ataques ao nosso pessoal nem permitirão que atores hostis ponham em perigo a liberdade de navegação numa das rotas comerciais mais críticas do mundo.

Os ataques tiveram como alvo sistemas de radar, bem como locais de armazenamento e lançamento de drones, mísseis de cruzeiro e balísticos em “uma grande área do Iémen”, segundo um funcionário do Departamento de Defesa, a quem foi concedido anonimato para discutir a operação antes do anúncio. Os alvos foram escolhidos “para degradar a capacidade dos Houthi de continuar a pôr em perigo os marinheiros no Mar Vermelho”. Nenhum civil foi avaliado como presente nos locais, disse a autoridade.

A apresentadora da CNN (e esposa de um banqueiro do Citigroup) @ErinBurnett está comemorando abertamente os ataques dos EUA ao Iêmen esta noite “Finalmente!” Ela exclamou aos convidados, enquanto as tropas dos EUA se preparavam para a Terceira Guerra Mundial

Os ataques aéreos ocidentais no Iémen visam aumentar as tensões no Oriente Médio, disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova. Durante a noite, os EUA e os seus aliados atacaram dezenas de alvos, que identificaram como recursos militares Houthi.

A ação militar surgiu em retaliação às tentativas do movimento xiita de interromper o tráfego marítimo no Mar Vermelho para prejudicar Israel. Os Houthis atacaram navios que alegaram estarem ligados ao Estado judeu em resposta ao cerco de três meses a Gaza.

Embora várias nações tenham participado nos ataques, Zakharova destacou os EUA como a principal força por trás da ação. Numa publicação nas redes sociais na manhã de sexta-feira, ela descreveu-os como um exemplo do “total desrespeito pelo direito internacional em nome da escalada da situação para objetivos destrutivos [ocidentais]”. Ela prometeu entregar uma declaração mais detalhada sobre a situação no final do dia.

Moscou acusou os EUA de impedirem os esforços internacionais para acabar com o conflito no Oriente Médio, bloqueando qualquer proposta de resolução do Conselho de Segurança da ONU que apelasse a um cessar-fogo em Gaza.

Israel iniciou a campanha em retaliação a uma incursão mortal do grupo militante palestiniano Hamas no início de Outubro, e afirma que o seu objetivo é destruir esta ameaça. Washington forneceu apoio militar à operação militar israelita, apesar de expressar preocupação com o elevado número de vítimas civis.

Pelo menos cerca de 20 mil pessoas, a maioria mulheres e crianças foram mortas no enclave palestino, segundo autoridades locais – cerca de 1% da sua população.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *