Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Porque Medvedev Está Livre para se tornar totalmente no modo ‘Born To Be Wild’

Washington está dividindo ativamente a UE em favor de um eixo furiosamente russofóbico Lituânia-Polônia-Ucrânia. O mundo tem de estar grato ao vice-presidente do Conselho de Segurança Russo, Dimitri Medvedev. Parafraseando aquela icónica série de anúncios da era da Guerra Fria sobre uma cerveja que refresca as partes que outras cervejas não conseguem, Medvedev, com sua retórica do Armagedom Nuclear, refresca aquelas partes – sensíveis – que o Kremlin e o Ministério dos Negócios Estrangeiros, por razões diplomáticas, não conseguem alcançar.

Porque Medvedev Está Livre para se tornar totalmente no modo ‘Born To Be Wild’

Fonte: StrategicCulture.org

Enquanto mudanças tectônicas surpreendentes continuam virando a Geopolítica e a Geoeconomia de cabeça para baixo, e o Anjo da História olha para o Leste enquanto os Estados Unidos, corroídos por dentro, se agarram desesperadamente aos restos de seu  domínio cada vez menor de Espectro Total, Medvedev não esconde o quanto ele gosta de “Luzes e Fumaça”, sem falar no “trovão de heavy metal”.

O que Medvedev disse é algo para sempre. Merece uma citação completa – completa com uma tradução colorida em inglês:

“Os políticos ocidentais que cagaram nas calças e os seus generais medíocres na OTAN decidiram mais uma vez assustar-nos. Lançaram os maiores exercícios militares desde a Guerra Fria.

Estas envolvem 90 mil soldados de 31 países da Aliança e “quase bloqueiam” a Suécia, cerca de 50 navios de guerra, 80 aeronaves, 1.100 veículos de combate terrestre, incluindo 133 tanques.

Espera-se que algumas etapas tenham lugar nos países mais abertamente russofóbicos e mais repugnantes para nós, como a Polônia, a Letônia, a Lituânia e a Estônia, ou seja, nas proximidades das fronteiras da Rússia.

Os tagarelas da OTAN tinham medo de dizer diretamente contra quem estes exercícios se destinavam e limitaram-se a conversas vazias sobre “praticar planos de defesa e dissuadir potenciais agressões dos adversários mais próximos”.

Mas é bastante óbvio que esta convulsão dos músculos flácidos ocidentais é um aviso para o nosso país. É como se estivessem dizendo: não deveríamos ameaçar adequadamente a Rússia e mostrar ao ouriço russo um gordo traseiro transgênero europeu.

Acabou não sendo assustador, mas muito significativo.

Afinal, se a própria Aliança decidiu realizar exercícios deste nível, significa que tem realmente medo de alguma coisa.

E mais ainda, eles não acreditam não apenas na vitória, mas em quaisquer sucessos militares do podre regime neonazista de Kiev. Além disso, é claro, estão elaborando a agenda anti-Rússia para fins políticos internos, consolidando o seu eleitorado insatisfeito.

No geral, esta é uma brincadeira muito perigosa com MUITO fogo.

Forças significativas foram reunidas. E exercícios desta escala não são realizados desde o século passado. Então eles são uma coisa velha e bem esquecida.

Não vamos atacar nenhum país deste bloco. Todas as pessoas razoáveis ​​no Ocidente entendem isso. Mas se agirem demasiado e invadirem a integridade do nosso país, receberão instantaneamente uma resposta adequada.

Isto significará apenas uma coisa – uma grande guerra, da qual a OTAN não se afastará mais.

A mesma coisa acontecerá se qualquer país da OTAN começar a fornecer os seus campos de aviação aos apoiantes de Bandera ou a alojar as suas tropas com neonazistas. Eles certamente se tornarão um alvo legítimo das nossas Forças Armadas e serão impiedosamente destruídos como inimigos.

Todos aqueles que usam capacetes com símbolos da OTAN, que hoje agitam arrogantemente as suas armas não muito longe das nossas fronteiras, devem lembrar-se disto”.

Derrota humilhante ou guerra total

O trovão do ‘heavy metal’ Medvedev é complementado por uma excelente análise de Rostislav Ishchenko, que tive o prazer de conhecer em Moscou anos atrás.

Estas são duas conclusões principais:

  1. “Hoje, a preparação dos exércitos dos membros europeus da OTAN para uma guerra real é inferior à do exército russo no momento mais difícil ‘dos ​​anos 90’”.
  2. Ishchenko traça claramente a escolha do Ocidente, “entre o reconhecimento de uma derrota vergonhosa, com uma derrota no campo de batalha das próprias unidades da OTAN, e o início de uma guerra total com a Rússia, que os exércitos europeus não podem travar, e os americanos não têm força para tanto, pois eles vão se envolver na China.”

A conclusão inevitável: toda a Arquitetura norte-americana de “Contenção da Rússia” está “desmoronando”.

Ishchenko observa corretamente que “o Ocidente não é capaz de travar uma guerra por procuração contra a Rússia para além de 2024” (o Ministro da Defesa Shoigu, oficialmente, já disse no ano passado que o SMO terminará em 2025).

Ishchenko acrescenta: “Mesmo que consigam resistir não só até ao outono, mas até dezembro de 2024 (o que é muito duvidoso), o fim da Ucrânia ainda está próximo e, para substituí-los, o Ocidente não foi capaz de preparar mais [um marionete] alguém que queira morrer pelos Estados Unidos numa guerra por procuração com a Rússia.”

Bem, eles estão tentando. Duro. Por exemplo, arregimentando um bando de hienas para o  golpe dos Três Mares. E dando liberdade ao querido Budanov da CIA em Kiev para realizar ataques terroristas em série dentro da Federação Russa.

Entretanto, um memorando confidencial elaborado pela London School of Economics sugere uma cooperação estreita entre o governo alemão, a USAID e a Fundação Friedrich Ebert para construir uma espécie de “nova Singapura em Kiev”: isto é, uma “reconstrução” que beneficie a Alemanha corporativa a partir de um inferno de baixos salários.

Bem, ninguém sabe que tipo de “Kiev” sobreviverá e de que forma após sua rendição. Portanto não haverá nenhum “Singapura” remixado.

Não haverá compromisso

O analista alemão Patrik Baab apresentou uma  análise meticulosa  dos principais fatos subjacentes à explosão de Medvedev.

É claro que ele precisa citar Stoltenberg da OTAN, que já confirmou eliptica e oficialmente, que esta não é uma guerra de agressão “não provocada” – a OTAN de fato a provocou; além disso, é uma guerra por procuração, essencialmente sobre a expansão da OTAN para leste.

Baab também reconhece corretamente que após as negociações de paz em Istambul em Março/Abril de 2022, implodidas pelos EUA e pelo Reino Unido, há zero confiança do Kremlin – e do Ministério dos Negócios Estrangeiros – sobre os políticos coletivos do [Hospício do] Ocidente.

Baab também se refere a uma das fontes do Deep State de Sy Hersh:

“A guerra acabou. A Rússia venceu.”

Ainda assim, o ponto chave – que não escapa à atenção de Medvedev – é que “não se devem esperar quaisquer concessões em Washington. O confronto militar continua. A guerra tornou-se uma batalha de desgaste.” Isto está de acordo com o fato de Medvedev já ter tornado explícito que Odessa, Dnipropetrovsk, Kharkov, Mykolaev e Kiev são “cidades russas”.

Portanto, “um compromisso está, portanto, de fato descartado”.

O Conselho de Segurança da Rússia compreende claramente como o  conceito estratégico adotado pela OTAN  na cimeira de Madrid de 2022 militariza totalmente a Europa. Baab: “Propõe o combate em vários domínios contra um concorrente com armas nucleares. Em outras palavras, guerra nuclear. Diz: ‘O alargamento da OTAN foi um “sucesso” histórico.’”

Essa é a retórica reiterada incessantemente por Stoltenberg, saída directamente do think tank da OTAN, o Atlantic Council.

Sentindo o pulso em Moscou, numa série de intercâmbios profundos, torna-se claro que o Kremlin está preparado para uma terrível guerra de desgaste que poderá durar anos – para além dos ctuais e Furiosos Anos 20. Tal como está, a música permanece a mesma na Ucrânia: um cruzamento da técnica do caracol e do inelutável moedor de carne.

O fim do jogo, como Baab entende claramente, é que “Putin procura um  acordo de segurança fundamental  com o Ocidente”. Embora todos saibamos que isso não irá acontecer com os neoconservadores khazares a ditarem políticas em Washington DC, os fatos no terreno – geoeconômico – são inequívocos: a Rússia sancionada até à morte já ultrapassou a Alemanha e o Reino Unido em sua economia e é agora a economia mais forte da Europa.

É revigorante ver um analista alemão citando  o historiador Emmanuel Todd  (“A Terceira Guerra Mundial já começou”) e o excelente analista militar suíço  Jacques Baud , que explicou como tem havido “uma sofisticada filosofia de guerra na Rússia desde os tempos soviéticos”, incluindo econômica e considerações políticas.

Baab também se refere ao inimitável robusto do Conselho Científico do Conselho de Segurança, Sergei Karaganov, numa  entrevista  à  Rossiyskaya Gazeta :

“A Rússia completou a sua jornada europeia… As elites europeias e especialmente as alemãs estão num estado de fracasso histórico. A base do seu domínio de 500 anos – a superioridade militar sobre a qual foi construído o domínio econômico, político e cultural do Ocidente – foi-lhes arrancada (…) A União Europeia está movendo-se… lenta mas seguramente em direção à desintegração. Por esta razão, as elites europeias têm demonstrado uma atitude hostil em relação à Rússia há cerca de 15 anos. Eles precisam de um inimigo externo.”

Em caso de dúvida, leia Shelley

É agora absolutamente claro como Washington está dividindo ativamente a UE em favor de um eixo furiosamente russofóbico Vilnius-Varsóvia-Kiev.

Entretanto, o “não-compromisso” na Ucrânia é profundamente determinado pela geoeconomia: a UE precisa desesperadamente de acesso ao lítio da Ucrânia para a fraude da “descarbonização”; a vasta riqueza mineral; o rico solo de terra negra (agora propriedade principalmente da BlackRock, Monsanto e companhia); as rotas marítimas (assumindo que Odessa não reverte ao seu estatuto de “cidade russa”); e, acima de tudo, a mão de obra ultrabarata.

Aconteça o que acontecer a seguir, o diagnóstico de Baab para a UE e a Alemanha é sombrio: “A União Europeia perdeu a sua função central” e “historicamente, falhou como projecto de paz”. Afinal de contas, agora é o eixo Washington-Vilnius-Varsóvia-Kiev que “dá o tom”.

E fica pior: “Estamos tornando-nos não só o quintal dos Estados Unidos, mas também o quintal da Rússia. Os fluxos de energia e o tráfego de contentores, os centros econômicos estão movendo-se para leste, formando-se ao longo do eixo Budapeste-Moscou-Astana-Pequim.”

Assim, à medida que cruzamos Medvedev, Ishchenko e Baab, a conclusão inevitável é que a guerra por procuração no país 404 [Ucrânia] continuará indefinidamente – em inúmeros níveis. As negociações de “paz” estão absolutamente fora de questão – certamente não antes das eleições de Novembro nos EUA.

Ishchenko compreende como “esta é uma catástrofe civilizacional” – talvez não “a primeira desde a queda do Império Romano”: afinal, várias civilizações entraram em colapso em toda a Eurásia desde o século IV. O que é flagrantemente claro é que o Ocidente coletivo, tal como o conhecemos, está flertando rapidamente com um bilhete só de ida para o caixote do lixo da História.

E isso nos leva à genialidade de Shelley encapsulada em um dos sonetos mais devastadores da história da literatura, Ozymandias, publicado em 1818:

Conheci um viajante de uma terra antiga,
Que disse: “Duas pernas de pedra vastas e sem tronco
Estão no deserto. . . . Perto delas, na areia,
Meio afundado jaz um rosto despedaçado, cuja carranca,
E lábio enrugado, e sorriso de comando frio,
Diz que seu escultor bem leu aquelas paixões
Que ainda sobrevivem, estampadas nessas coisas sem vida,
A mão que zombou delas, e o coração que alimentou;
E no pedestal aparecem estas palavras:
Meu nome é Ozymandias, Rei dos Reis;
Olhai as minhas obras, ó poderosos, e desesperai!
Nada além permanece. Ao redor da decadência
Daquele naufrágio colossal, ilimitado e nu
As areias solitárias e planas estendem-se ao longe .

À medida que continuamos em busca de luz na escuridão da insanidade [do Hospício Ocidental]– completada com um genocídio que ocorre 24 horas por dia, 7 dias por semana – podemos visualizar o pedestal no meio de um vasto deserto, pintado por Shelley com algumas aliterações sublimes, “sem limites e vazio” e “solitário e nivelado”.

Trata-se de um vasto espaço vazio que reflete um vazio político negro: a única coisa que importa é a obsessão cega pelo Poder Total, o “desdém do comando frio” que afirma a perpetuidade de uma nebulosa “ordem internacional baseada em regras”.

Ah, sim, este é um soneto de trovão de heavy metal que dura mais que Impérios – incluindo o “naufrágio colossal” do “império” desaparecendo diante de nossos olhos.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *