Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Encontro EUA – China em San Francisco, ‘Dementia’ Joe x Xi Jinping

De um lado da mesa, um arquiteto do Sul Global multipolar no topo do seu jogo. Do outro lado, uma múmia e marionete demente que vende a ilusão de que é o “líder do mundo livre”. A reunião de cúpula estava fadada a um momento de angústia e terror – antes, durante ou depois do crucial encontro bilateral envolvendo as duas maiores potências do mundo, visando a distensão entre ambos países.

Encontro EUA – China em San Francisco, ‘Dementia’ Joe x Xi Jinping

Fonte: Sputnikglobe.com

Mas já durante os comentários introdutórios, o secretário de Estado dos EUA, Tony Blinken, sentado do lado direito da múmia e marionete demente, estava tão aterrorizado quanto James Stewart, com medo de altura no filme “Vertigem” de Hitchcock – pressentindo que a desgraça de ‘Dementia’ Joe surgiria a qualquer segundo.

Então aconteceu – na prensagem final. ‘Dementia’ Joe Biden, o ator que interpreta A Múmia, após um sorriso proverbial, disse que o presidente chinês Xi Jinping é “um ditador”. Porque ele é o líder de um país comunista.

Todos aqueles planos elaborados e polidos anteriores foram esfarelados num piscar de olhos. Um cenário provisoriamente otimista se transformou em um filme noir. A resposta do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês foi tão contundente como uma frase de Dashiell Hammett – e contextualizada: isto não foi apenas “extremamente errado”, mas “uma manipulação política irresponsável”.

“Depois de hoje, você ainda se referiria ao presidente Xi como um ditador?” pergunta um repórter. “Olha, ele é. Ele é um ditador no sentido de que é um cara que dirige um país que é um país comunista que se baseia em uma forma de governo totalmente diferente da nossa”, diz o Pres. Biden.

Tudo o que foi dito acima, é claro, presumia que a múmia demente sabia onde ele estava e do que estava falando, “de improviso”, e não ditada por seu fone de ouvido onipresente dos seus manipuladores.

A Casa Branca revela a trama

O drama Xi-Biden, que durou pouco mais de duas horas, não foi exatamente um remake de “Vertigo”. Washington e Pequim pareciam bastante confortáveis, prometendo conjuntamente a proverbial promoção e fortalecimento do “diálogo e cooperação em vários campos”; um diálogo intergovernamental sobre desenvolvimento da IA; cooperação no controle de drogas; a volta das  conversas de alto nível entre militares; um “mecanismo de consulta sobre segurança marítima”; aumentar significativamente os voos até o início de 2024; e “ampliar os intercâmbios” nos círculos de educação, estudantes internacionais, cultura, esportes e negócios.

O Hegemon estava longe de ter um falcão maltês (“a matéria de que os sonhos são feitos”) de valor inestimável para oferecer a Pequim. A China já está solidificada como a principal economia comercial do mundo através da PPP. A China está avançando a uma velocidade vertiginosa na corrida tecnológica, mesmo sob as duras sanções dos EUA. O poder brando da China em todo o Sul Global/Maioria Global aumenta a cada dia. A China está co-organizando com a Rússia o esforço concertado rumo à multipolaridade.

leitura da Casa Branca , por mais branda que possa parecer, na verdade revela a parte principal da trama. Biden – na verdade o seu interlocutor – sublinhou o “apoio a um Indo-Pacífico livre e aberto”; a defesa dos “nossos aliados do Indo-Pacífico”; o “compromisso com a liberdade de navegação e sobrevoo”; “aderência ao direito internacional”; “manter a paz e a estabilidade no Mar da China Meridional e no Mar da China Oriental”; “apoio à “defesa da Ucrânia contra a agressão russa”; e “apoio ao direito de Israel de se defender contra o terrorismo”.

Pequim compreende detalhadamente o contexto e as implicações geopolíticas de cada um destes compromissos. O que a leitura não diz é que os manipuladores de Biden também tentaram convencer os chineses a parar de comprar petróleo de seu parceiro estratégico, o Irã, seu parceiro no BRICS+6 à partir de janeiro.

Isso não vai acontecer. A China importou uma média de 1,05 milhões de barris de petróleo por dia do Irã durante os primeiros 10 meses de 2023 – e aumentando.

O Think Tankland dos EUA, sempre se destacando na desinformação e na manipulação, acreditou em sua própria projeção infantil de Xi bancando o durão contra os EUA na Ásia, sabendo que Washington não pode se permitir um terceiro caso de amor, desculpe, terceira frente de guerra no topo da Ucrânia e Israel /Palestina.

O fato é que Xi sabe tudo o que há para saber sobre as frentes imperiais e rotativas da Guerra Híbrida, além de outras que podem ser ativadas com o toque de um interruptor. O imperialismo do Hegemon continua a provocar perturbações não apenas em Taiwan mas nas Filipinas, no Japão, na Coreia do Sul, na Índia, e continua a flertar com possíveis revoluções coloridas na região da Ásia Central.

Ainda não houve um confronto direto entre os EUA e a China, graças à experiência diplomática milenar chinesa e à visão de longo prazo dos chineses. Pequim sabe em detalhes como Washington está simultaneamente em modo de Guerra Híbrida Total contra a BRI (a Iniciativa do Cinturão e Rota)  e os BRICS – que em breve se tornará BRICS+6.

Apenas duas opções para a China e os EUA

Um repórter sino-americano, após as observações introdutórias, perguntou a Xi, em mandarim, se ele confiava em Biden. O Presidente Chinês compreendeu perfeitamente a pergunta, olhou para ela e não respondeu.

Essa é uma reviravolta fundamental na história. Afinal, Xi sabia desde o início que estava conversando com os manipuladores que controlavam um fone de ouvido da múmia demente. Além disso, ele estava plenamente ciente de que Biden, na verdade seus manipuladores, qualificava Pequim como uma ameaça à “ordem internacional baseada em regras”, sem mencionar as acusações implacáveis do “genocídio de Xinjiang” mais o tsunami de contenção.

Não por acaso, em Março passado, num discurso a personalidades do Partido Comunista, Xi declarou explicitamente que os EUA estão empenhados numa “contenção, cerco e repressão abrangentes contra nós,a China”. O acadêmico Chen Dongxiao, residente em Xangai, sugere que a China e os EUA deveriam envolver-se num “pragmatismo ambicioso”. Esse foi exatamente o tom da principal conclusão  de Xi em São Francisco:

“Existem duas opções para a China e os EUA na era de transformações globais nunca vistas há um século: uma é aumentar a solidariedade e a cooperação e unir forças para enfrentar os desafios globais e promover a segurança e a prosperidade globais; e a outra é apegar-se à mentalidade de soma zero, provocar rivalidade e confronto e conduzir o mundo à turbulência e à divisão. As duas escolhas apontam para duas direções diferentes que decidirão o futuro da humanidade e do Planeta Terra.”

Isso é o mais sério possível. Xi adicionou contexto. A China não está envolvida na pilhagem colonial; não está interessado no confronto ideológico; não exporta ideologia; e não tem planos de superar ou substituir os EUA. Portanto, os EUA não deveriam tentar suprimir ou conter a China.

Os manipuladores de Biden podem ter dito a Xi que Washington ainda segue a política de Uma Só China – mesmo que continue a usar Taiwan como arma sob a lógica distorcida de que Pequim pode “invadir”. Xi, mais uma vez, forneceu o argumento conciso: “A China acabará, inevitavelmente, por ser reunificada” com Taiwan.

Quatro semanas atrás, Biden cambaleou para falar com a imprensa no Força Aérea Um, quando agarrou seu rosto, olhou para o chão, e depois cuspiu uma salada de palavras sem sentido sobre tiroteios em massa entre longas pausas geriátricas.

US$ 40 mil para jantar com Xi

Em meio a toda a tensão mal disfarçada, o alívio em São Francisco veio na forma de negócios. Todos e os seus vizinhos empresariais – Microsoft, Citigroup, ExxonMobil, Apple – estavam ansiosos por se reunirem com líderes de vários países da APEC. E especialmente da China.

Afinal, a APEC representa quase 40% da população global e quase 50% do comércio global. Isto tem tudo a ver com a Ásia-Pacífico – e não com o “Indo-Pacífico”, uma estratégia vazia de “ordem internacional baseada em regras” sobre a qual ninguém sabe nada, muito menos utiliza em qualquer parte da Ásia. A Ásia-Pacífico será responsável por pelo menos dois terços do crescimento global em 2023 – e continua a aumentar.

Daí o grande sucesso de um jantar de negócios no Hyatt Regency, com ingressos custando entre US$ 2.000 e US$ 40.000, organizado pelo Comitê Nacional de Relações Estados Unidos-China (NCUSCR) e pelo Conselho Empresarial EUA-China (USCBC). Xi, inevitavelmente, foi a estrela do show.

Os chefões empresariais sabiam de antemão que os EUA optaram por sair do Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP); e que a nova aposta comercial, o chamado Quadro Econômico Indo-Pacífico (IPEF), é basicamente D.O.A. A IPEF pode lidar com questões da cadeia de abastecimento, mas não atinge o cerne da questão: tarifas mais baixas e amplo acesso ao mercado.

Portanto, Xi estava lá para “vender” aos investidores não só a China, mas também uma grande parte da Ásia-Pacífico. Um dia depois do encontro de São Francisco, o centro da ação mudou para Xangai e uma conferência Rússia-China de alto nível; esse é o tipo de reunião em que a parceria estratégica formula caminhos a seguir na Longa Marcha para a Multipolaridade.

Em São Francisco, Xi fez questão de sublinhar que a China respeita a “posição histórica, cultural e geográfica” dos EUA, ao mesmo tempo que espera que os EUA respeitem o “caminho do socialismo com características chinesas”.

E é aqui que a trama do filme noir se aproxima do tiroteio final. O que Xi espera que nunca aconteça com os psicopatas neoconservadores judeus khazares que controlam a política externa dos EUA. E isso foi totalmente confirmado pela Múmia, também conhecida como Joe “Dementia” Biden.

Isto é o que diz o praticante da realpolitik Joseph “soft power” Nye, um dos poucos realistas que acredita que a China e os EUA, como James Stewart e Kim Novak em “Vertigo”, precisam um do outro e não devem ser separados. Pois bem, infelizmente, em “Vertigo” a heroína mergulha no vazio e morre.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *