browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Encontros com o Povo das Estrelas: três nativos descrevem um encontro com Extraterrestres

Posted by on 25/01/2021

A Drª. Ardy Sixkiller Clarke, professora emérita da Universidade Estadual de Montana, Cherokee / Choctaw, tem pesquisado o “povo das estrelas” e colecionado encontros entre eles e índios nativos da América do Norte por muitos anos, publicados em seu livro Encounters With Star People, Untold Stories of American Indians. Este artigo compartilha um de muitos. Estamos sozinhos? Se não, quais são as implicações quando o público ficar totalmente ciente disso? Como isso mudará a forma como olhamos para a natureza da realidade extraterrestre e como vivemos aqui, e por que vivemos dessa maneira?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Encontros com o Povo das Estrelas: três nativos da América do Norte descrevem um encontro com Extraterrestres

Fonte:  Collective Evolution

A Drª. Ardy Sixkiller Clarke , professor emérito da Universidade Estadual de Montana, Cherokee / Choctaw, pesquisou o povo das estrelas e colecionou encontros entre eles e índios nativos por muitos anos. Em seu livro, “Encounters With Star People, Untold Stories of American Indians” ela detalha muitas dessas histórias e explica como seu fascínio pelo “Star People”, o Povo das Estrelas veio de histórias contadas a ela por seus parentes mais velhos, como sua avó, quando ela era uma criança. Não deixe de visitar o site dela para saber mais sobre seu trabalho.

Já faz algum tempo que leio o livro e tenho muita dificuldade em terminá-lo, porque toda vez que me deparo com uma nova história, quero compartilhá-la com nossos leitores.  Escrevi vários artigos que usam trechos de seu livro. Até agora, escrevi sobre uma história que ela contou sobre um ancião que contou a ela sobre uma espaçonave que caiu em sua reserva. Você pode ler essa história  aqui .

Eu escrevi sobre outro ancião que compartilhou a história de um coração alienígena petrificado, que ele alegou pertencer ao Povo das Estrelas, e você pode ler isso  aqui . Eu escrevi um sobre um ancião que afirmou ter ouvido que os humanos eram uma das quatro espécies violentas do universo, você pode ler isso  aqui. Eu escrevi sobre uma história fascinante a respeito de um homem que teve um encontro durante uma nevasca no Alasca, você pode ler isso aqui , e outra em que um cavalheiro foi dito “para não ter medo”. Você pode ler isso aqui .

Esta história particular vem de três índios americanos que são veteranos militares. Todos os três estavam estacionados juntos em uma base da Força Aérea quando este evento ocorreu. Um encontro do “primeiro tipo” refere-se a um avistamento de OVNI nas proximidades.

Arlan:

A Drª. Clarke conheceu Arlan 15 anos antes de ele lhe contar sua história. Ela descreve como eles se conheceram quando ele serviu no comitê de entrevistas estabelecido por sua escola (Montana State University) na contratação de um novo cargo de professor que recrutaria estudantes índios americanos e lecionaria na Faculdade de Educação. Arlan estava no comitê de contratação e, depois que a Drª. Clarke foi contratada, ela manteve contato com ele e tornou-se parte de sua extensa família :

“Ele frequentemente passava por meu escritório na Universidade em sua viagem mensal a Helena para se encontrar com o representante do governador para Assuntos Indígenas. Em uma dessas visitas, estávamos sentados em meu escritório discutindo política tribal, quando percebi que ele estava olhando para o pôster pendurado na parede. Ele retratava um OVNI com palavras abaixo que diziam: “Eu acredito”. “Você acredita?” ele perguntou, apontando para o pôster. “Sim”, respondi. “Eu também acredito”, ele comentou”.

“Quando eu estava no serviço militar, estava na Força Aérea, a maioria dos índios entrou no Exército, mas eu entrei na Força Aérea. Uma noite, toda a base estava em alerta. Um objeto não identificado apareceu no radar. Estava indo direto para a base. Vários caças a jato começaram a persegui-lo. Eles voltaram, mas a base permaneceu em alerta. Isso significava que estávamos todos com uniforme de combate completo e espalhados pelos perímetros. ”

Essa história corrobora com informações que agora foram desclassificadas por vários governos e agências de inteligência em todo o mundo. É um fato bem conhecido do que quando um OVNI, ou como eles são denominados agora, “Fenômeno Aéreo Não Identificado” (UAP) é rastreado no radar, os militares enviam jatos para dar uma olhada mais de perto. Um (entre milhares de casos semelhantes) grande exemplo vem de um caso que compartilhei várias vezes. Este incidente ocorreu na noite de 18 de setembro de 1976. Um relatório da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos e da NSA descreve o encontro em detalhes. Além disso, os dois pilotos envolvidos discutiram o evento anos depois.

Moradores da cidade de Teerã, Irã notaram um grande objeto brilhante no céu. O controlador de tráfego do aeroporto também notou, “era um objeto intensamente brilhante que não deveria estar lá”. A Força Aérea iraniana foi contatada e despachou dois caças F-4 para verificar o objeto.

Ambos os pilotos interceptores dos caças F-4 relataram ter visto o objeto visualmente, ele também foi rastreado em seu radar de bordo. Ambos os aviões experimentaram instrumentação crítica e a eletrônica ficou offline a uma distância de vinte e cinco milhas do objeto. Aqui está um trecho do relatório :

“Conforme o F-4 se aproximou de um alcance de 25 milhas náuticas, ele perdeu toda a instrumentação e comunicações. Quando o F-4 se afastou do objeto e aparentemente não era mais uma ameaça para ele, a aeronave recuperou todos os instrumentos e comunicações. Outro objeto fortemente iluminado saiu do objeto original. O segundo objeto voou direto para o F4″.

De volta à história original. Eu só queria dar um breve exemplo.

Arlan continua seu relato:

Por volta das 2 da manhã, uma espaçonave apareceu. Ele pairou sobre a base por uns bons 30 minutos. Havia janelas onde você podia ver as sombras [dos tripulantes] se movendo, como alguém andando por aí. Todos nós ficamos lá, nossos rifles prontos para disparar. A ordem nunca veio. O OVNI apenas pairou ali, sem se mover, sem fazer barulho. Um aviador tolo rompeu a fila e correu na direção da nave, gritando e agitando seu rifle no ar. Um feixe de luz saiu da nave. Ele ficou congelado no local. Quando a luz se retraiu, ele caiu de cara no chão. Alguns segundos depois, a nave voou para longe. Duas horas depois, fomos chamados e informados que era um teste e ordenados a não falar sobre o evento. Eu nunca falei nada. Eu mantive isso em segredo até este momento”.

“Por que falar agora?” A Drª Clarke lhe perguntou.

É aquele pôster. Essa nave parecia idêntica à que vimos naquela noite. “Depois do incidente, você conversou com seus amigos sobre isso?” Eu perguntei. Eu nunca fiz. Poucas horas depois do avistamento, fui transferido para uma base diferente. Meus amigos foram transferidos no mesmo dia. Deram-nos 12 horas para nos prepararmos para as nossas transferências. Havia muita papelada. Não tivemos muito tempo para falar sobre as transferências ou sobre o OVNI. Alguns de nós trocamos endereços residenciais, mas você sabe como é quando tem 18 anos. Você acha que vai escrever, mas nunca escreve. Nunca mais vi ou ouvi falar de nenhum desses caras.

Arlan, entretanto, sabia os nomes e endereços dos homens quando eles foram alistados, e através disso a Drª. Clarke foi capaz de rastreá-los para uma conversa. Lembre-se de que esse incidente ocorreu décadas atrás.

Max:

A Drª. Clarke perguntou a Max sobre o incidente com o OVNI.

“Sim eu lembro. A chefia nos disse para nunca falarmos sobre isso. Na verdade, eles disseram que se falássemos, eles viriam atrás de nós. Eles nos disseram que havíamos testemunhado um “teste ultrassecreto” para determinar como reagiríamos em situações incomuns e estressantes. Eu nunca acreditei neles. Era uma mentira descarada, e eles pensaram que éramos tão inexperientes e idiotas que compraríamos qualquer coisa … Eles disseram que era uma nave experimental. Foi tudo mentira. Nem mesmo os “meninos grandes” sabiam o que era aquela embarcação ou de onde se originava. Eles estavam tremendo em suas botas e a última coisa que eles queriam era que a história fosse espalhada”.

A ideia de que isso poderia ser algum tipo de tecnologia / arte experimental que os militares possuem não é tão improvável. Existem documentos, por exemplo, que mostram que o Reino Unido estava “desesperado” para colocar as mãos na tecnologia OVNI. Existem declarações interessantes de pessoas interessantes, como o astronauta da Apollo 14, Dr. Edgar Mitchell, que uma vez disse que “sim, houve acidentes de espaçonaves e corpos [extraterrestres foram] recuperados.”

Até mesmo um artigo do New York Times do ano passado cobriu a história sobre a recuperação de “veículos de fora do mundo não feitos nesta Terra” de maneira séria. (Você pode ler mais sobre a “divulgação  da mídia convencional de OVNIs”  aqui .)  Em seu livro, “Ciência Proibida 4”, o Dr. Jacques Vallee explica como ele veio com documentos de posse que mostram que “abduções por OVNIs” forçadas foram conduzidas pela CIA como experimentos de guerra psicológica.

Obtive um documento da sala de leitura eletrônica da CIA que detalha uma história sobre um famoso engenheiro alemão, George Klein, descrevendo sua experiência com a tecnologia “Disco Voador” na Alemanha, alegando que o desenvolvimento de tecnologia extraterrestre está em operação desde 1941.

A questão é que há muitas informações por aí sugerindo que os governos, ou mesmo instituições mais poderosas, tiveram e têm esse tipo de capacidade [engenharia reversa de tecnologia extraterrestre]. Mas, por alguma razão, acredito em Max neste caso. Apesar de todas as evidências que sugerimos que parte dessa tecnologia está em nossa posse, a tradição dos OVNIs está repleta de histórias como esta de bases militares e instalações de armas nucleares.

Max continua:

Arlan, Hank e eu – fomos enviados para proteger a entrada da base. Tomamos nossas posições e esperamos por um inimigo desconhecido. Devíamos estar lá há mais de uma hora. Eu estava com frio e meus dentes batiam. Foi então que aconteceu. A nave surgiu do nada. Nem um som. De repente, ela apenas apareceu pairando silenciosamente sobre a base. Não sabíamos o que fazer. Estamos todos nervosos como o diabo. Nosso comandante nos disse para não atirar, mas para estarmos prontos para responder se algo acontecesse. Esse cara, não sei se ele enlouqueceu ou o quê, saiu correndo na direção da nave atirando. Uma luz saiu da nave e ele ficou parado por um momento, como se estivesse paralisado, e então ele caiu no chão inconsciente. Alguns momentos depois, a nave moveu-se silenciosamente para cima e desapareceu na noite. ”

Alguns anos depois, depois que me alistei novamente, encontrei um dos médicos que estava de plantão no hospital naquela noite quando o OVNI apareceu. Ele me disse que o cara estava queimado em todo o rosto e corpo. Ele disse que ouviu um médico dizer que era radiação. Ele disse que eles o mantiveram em um coma induzido pelo sono por um tempo, e então deixaram a natureza seguir seu curso. Ele morreu um mês após o incidente”.

Isso é interessante e também corrobora com outros incidentes semelhantes relatados. Stefan Michalak, por exemplo, esteve envolvido em um incidente com OVNIs em Manitoba, Canadá. É conhecido como “Incidente do Lago Falcon” e é bastante famoso entre os pesquisadores canadenses de OVNIs. Stefan também sofreu queimaduras graves das espaçonaves que encontrou.

De acordo com o filho de Stefan, Stan Michalak, que é co-autor de um livro que detalha o encontro de seu pai intitulado  When They Appeared “Lembro-me de vê-lo na cama. Ele não parecia nada bem. Ele parecia pálido, abatido. . . .Quando entrei no quarto havia um fedor enorme na sala, como um cheiro horrível de enxofre e motor queimado. Estava impregnando tudo em volta e saindo de seus poros. Foi ruim.”

Na imagem abaixo você pode ver as marcas de queimadura deixadas pelo encontro. Stefan é um dos muitos que tiveram este tipo de ‘evidência’ deixada em seus corpos após um suposto encontro. Abaixo está um esboço feito por Stefan da nave que ele encontrou. Você pode ler mais sobre esta história aqui .

Voltemos ao relatório de Max :

Clarke pede a Max para descrever a nave.

Era enorme. Maior do que tudo que eu já tinha visto. Simplesmente ficou pendurada lá no céu. Como se estivesse suspenso por cordas. Não fazia nenhum som. Eu diria que provavelmente tinha cerca de 15 ou 18 metros de diâmetro. Talvez de 8 a 12 metros de altura. Havia janelas, mas não dava para ver através delas. Janelas muito pequenas, mas apenas uma luz fraca emitida delas. A nave era de metal cinza, perfeitamente lisa. Sem ângulos retos. Seu formato era apenas um círculo perfeito. Estava escuro, mas todas as luzes da base estavam acesas, então tínhamos uma boa visão. Não consegui ver nenhuma costura na embarcação. Isso era incomum. Era como se fosse uma única peça ou houvesse uma pele esticada sobre ela para fazer com que parecesse assim. Eu vi luzes azuis e brancas quando a espaçonave pairou sobre a base. Havia luzes piscando laranja-avermelhadas que se acenderam quando ela se afastou. Ela voou para cima no início e depois desapareceu no céu noturno em segundos. ”

As marcas de queimadura deixadas pelo encontro com espaçonave.  Stefan é um dos muitos que tiveram este tipo de ‘evidência’ deixada em seus corpos após um suposto encontro com extraterrestres.

Nós os víamos algumas vezes no Vietnã. Freqüentemente, víamos vários de uma vez, mas eles nunca chegaram perto. Eles apenas sobrevoavam, às vezes, em formação. Era como se estivessem observando a guerra. Os pilotos conversaram entre si. Aqueles de nós que trabalhavam nos aviões ouviam suas conversas. Os pilotos estavam preocupados com os OVNIs. No início, eles pensaram que eram algum tipo de aeronave comunista enviada para nos assustar para fora do Vietnã. Havia histórias de jatos que caíram quando os perseguiam, mas a maioria dos pilotos sabia o que todos nós sabíamos: essas espaçonaves não eram deste planeta. Nós não éramos páreo para eles.

Clake prossegue para encontrar o terceiro homem, Hank, e ele conta exatamente a mesma história de Max e Arlan. Se você quiser ler mais histórias como esta, certifique-se de verificar o livro. O link está no topo deste artigo.

Conclusão : Eu já disse muito antes em outras postagens, então peço desculpas se isso é uma repetição para você, mas vou dizer novamente, o fenômeno ET realmente não deixa nenhum aspecto da humanidade intocado e expande muito a consciência humana e a maneira como nós percebemos o cosmos e a natureza da realidade.

Pense em tudo que mudaria quando considerássemos não apenas a existência de civilizações de outros mundos, mas também a tecnologia que elas usam para chegar até aqui. Talvez outras raças usem sua tecnologia para descoberta, avanço, “serviço aos outros”[ou escravizam outros] e muito mais, em vez de simplesmente usá-la para lucrar de alguma forma, ou usá-la para fazer armamento como nós? Eu não sei.

No final do dia, o que mais precisamos em nosso planeta é questionar a forma como vivemos aqui, o que estamos fazendo aqui e por que vivemos da maneira que vivemos quando temos tanto potencial para criar uma experiência humana onde todos possam prosperar .


Foto da capa: Billy Meier. Suposta foto autêntica de um OVNI de extraterrestres das Plêiades com os quais ele manteve contato regular.

Sobre a Drª Ardy Sixkiller Clarke: Ela trouxe para o campo da ufologia diplomas em história, inglês, psicologia e liderança educacional e uma experiência como professora, professora universitária, e administradora de universidade, psicóloga terapeuta licenciada e pesquisadora de ciências sociais. Como professora emérita na Montana State University e ex-diretor do Centro de Educação Bilíngue / Multicultural, a Dra. Clarke, que é uma nativa Cherokee / Choctaw, trabalhou com povos indígenas durante a maior parte de sua carreira. Seu primeiro livro no campo da ufologia foi o best-seller  “Encounters With Star People: Untold Stories of American Indians”Ela também é autora de doze livros infantis e do texto acadêmico mais vendido: “Sisters in the Blood: The Education of Women in Native America”. Ela mora no meio das Montanhas Rochosas em Big Sky no estado de Montana.


“NÃO ANDE ATRÁS DE MIM, TALVEZ EU NÃO SAIBA LIDERÁ-LO.

POR FAVOR, NEM ANDE EM MINHA FRENTE, TALVEZ EU NÃO SAIBA SEGUI-LO.

ANDE AO MEU LADO PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CRESCER E GALGAR OS DEGRAUS DA ELEVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.”  –   Provérbio Sioux


Muito mais informações, leitura adicional:


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.