Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Entrevista com um Extraterrestre – Capítulo 15

alien-entrevista-bannerLivro “ALIEN INTERVIEW” – Entrevista com um alienígena. Baseado em notas pessoais e transcrição de entrevistas de Matilda O’Donnell MacElroy.

Se você estudou o fenômeno UFO, você já está familiarizado com a infame transmissão de rádio de “Guerra dos Mundos, e a invasão de Marte” de Orson Welles feita em 30 de outubro de 1938. Esta dramatização de rádio fictícia de um invasão da Terra por “extraterrestres” incitou uma histeria mundial sobre OVNIs e aliens um pouco antes da queda do UFO perto de Roswell, NM, no ano de 1947.

Livro “ALIEN INTERVIEW”  (Entrevista com um alienígena)

Fonte: https://www.bibliotecapleyades.net/vida_alien/alieninterview/alieninterview.htm

Capítulo Quinze do livro “ALIEN INTERVIEW” – Entrevista com um alienígena – Meu Interrogatório – Chapter Fifteen – My Interrogation

Transcrição oficial da entrevista TOP SECRET – Força Aérea do Exército dos EUA, Base do Exército ROSWELL Airfield, 509  Bomb Group: ASSUNTO ENTREVISTA ALIEN

Capítulo Quinze – Meu Interrogatório

(Nota pessoal Matilda O’Donnell MacElroy): “Na manhã seguinte, eu fui escoltada dos meus aposentos, sob a guarda de quatro policiais do exército (MPs), para a sala de entrevista. A cadeira estofada de Airl tinha sido removida da sala e substituída por uma pequena mesa e várias cadeiras de escritório. Fui convidada para sentar-me e esperar para ser entrevistada. Depois de alguns minutos o Dr. Wilcox entrou no escritório junto com um outro homem vestindo um terno de negócio simples. o homem se apresentou como John Edward Reid. 

Airl-Matilda-alien-entrevista

O Dr. Wilcox explicou-me que o Sr. Reid tinha sido vindo de Chicago, a pedido de meus oficiais superiores para realizar um teste de detector de mentiras em mim! Minha surpresa com esta declaração foi tão óbvia, que o Dr. Wilcox percebeu que eu estava obviamente muito surpresa, e insultada, com a insinuação de que eu tivesse mentido sobre qualquer coisa!

No entanto, o Sr. Reid começou a configurar seu dispositivo de polígrafo na mesa ao lado da minha cadeira, enquanto o Dr. Wilcox continuou a explicar, em uma voz calma, que o teste estava sendo administrado para minha própria proteção. Uma vez que todas as entrevistas com o ser alienígena tinha sido conduzido telepaticamente, e Airl recusou-se a ler e atestar que as transcrições datilografadas eram precisas, que a verdade e exatidão das afirmações contidas nas transcrições dependia inteira e somente da minha palavra pessoal e só.

Não havia outra maneira para se testar a precisão e a confiança das transcrições, sem me submeter a uma bateria de testes e exames psicológicos para determinar, na opinião de “especialistas”, ou seja, ele próprio, se as transcrições deviam ser levadas a sério, ou não. O tom de sua voz disse muito claramente, “ou admitidos como apenas retórica delirante de uma simples mulher!”

Reid começou a amarrar um tubo de borracha ao redor do meu peito, bem como um manguito de pressão arterial comum ao redor do meu braço. Ele então colocou eletrodos nos dedos e superfícies das minhas mãos. Ele explicou que ele iria ser muito objetivo durante a entrevista, porque ele tinha sido exaustivamente treinado em interrogatório científico. Esta formação deveria fazer do seu interrogatório ser livre de erro humano.

Reid explicou-me que, em resposta às perguntas que ele e o Dr. Wilcox iriam me perguntar, que as pequenas mudanças fisiológicas reais seriam transmitidos através de uma unidade de painel. As leituras, então, seriam acompanhadas em movimento gráfico de papel, que ele colocou ao lado da máquina sobre a mesa. Os gráficos paralelos no papel seria então correlacionados e interpretados pelo sr. Reid, com a assistência do “expert” Dr. Wilcox, para determinar se, eu estava mentindo ou não.

alien-airl-et-entrevista

Tanto o Sr. Reid assim como o Dr. Wilcox me fizeram uma série de perguntas inócuas para começar, que avançou em um interrogatório mais contundente sobre minhas entrevistas telepáticas com a extraterrestre Airl. Aqui está o que eu lembro sobre essas perguntas feitas durante o interrogatório:

P -“Qual é o seu nome?”
“Matilda O’Donnell”, eu respondi.
P -“Qual a sua data de nascimento?”
“12 de junho de 1924”, eu disse.
P -“Qual a sua idade?”
“Vinte e três”.
P -“Onde você nasceu?”
“Los Angeles, Califórnia”, eu disse.
(E assim por diante.)
P – “Você é capaz de se comunicar por telepatia?”
“Não, eu nunca fui capaz de fazer isso com ninguém, exceto Airl.” Eu disse.
P – “Foram qualquer das declarações feitas no taquígrafo falsificados?
“Não”, eu respondi.
P – “Você intencionalmente ou não imaginado ou fabricados qualquer da comunicação que afirma ter tido com o estrangeiro?”
“Não, não é claro”, eu disse.

P – “Você está intencionalmente tentando enganar alguém?”
“Não.”
P – “Você está tentando obstruir este teste?”
“Não.”
P – “Qual a cor dos seus olhos?”
“Azul”.
P – “Você é católico?”
“Sim.”
P – “Quer dizer as mesmas histórias para o seu pároco em um confessionário da igreja católica que você disse para o taquígrafo aqui na base?”
“Sim.”
P – “Você está tentando esconder alguma coisa de nós?”
“Não. Nada.”
P – “Você acredita que tudo o que o estrangeiro comunicada para você?”
“Sim.”
P – “Você se considera ser uma pessoa ingênua?”
“Não.”

matilda-dr-wilcox-entrevista-alien
Matilda se submete ao teste do polígrafo  

As perguntas continuaram dessa maneira por mais de uma hora. Finalmente, eu fui desligada da máquina polígrafo e recebi permissão para retornar aos meus aposentos, ainda sob a guarda de vários MPs. No final da tarde, voltei para a sala de entrevista. Desta vez, a mesa foi substituída por uma maca do hospital. O Dr. Wilcox estava acompanhado por uma enfermeira durante este tempo. Ele me pediu para deitar na maca. Ele disse que havia sido comandado para perguntar-me a mesma série de perguntas que eu respondi para o teste de detector de mentiras.

Desta vez, no entanto, ele gostaria que eu respondesse às perguntas sob a influência de um “soro da verdade”, conhecido como pentotal de sódio. Como enfermeira cirúrgica treinada, eu estava familiarizada com esta droga barbitúrico que era usado às vezes como um anestésico. O Dr. Wilcox me perguntou se eu tinha alguma objeção a submeter-me a tal teste. Eu disse a ele que eu não tinha nada a esconder. Não me lembro de nada sobre esta entrevista.

Eu assumi que quando eu terminei de responder as perguntas eu fui escoltada de volta para o meu quarto pelos soldados MPs, com a sua ajuda neste momento, como eu estava muito instável e tonta por causa da da droga para poder andar sozinha. No entanto, eu tive um sono muito tranquilo naquela noite. Aparentemente nenhum desses interrogatórios produziram quaisquer resultados suspeitos pois eu não foi mais solicitado para responder a perguntas depois disso. Felizmente, eu fui deixada sozinho durante o resto do meu tempo na base em ROSWELL”.


“A exposição à verdade muda a tua vida, ponto final – seja essa verdade uma revelação sobre a honestidade e integridade pessoal ou se for uma revelação divina que reestrutura o teu lugar no Universo. Por esse motivo é que a maioria (a massa ignorante do Pão e Circo) das pessoas foge da verdade, em vez de se aproximar dela”. {Caroline Myss}

“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência de massa. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” Arcanjo Miguel


Mais informações: 


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *