Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Esperando o ‘Fim do Mundo’

Não conseguimos nem imaginar quão profundas e duradouras serão as consequências dessa bomba geopolítica que explodiu o mundo existente: a partir de 2023, Putin e Xi em Moscou, de fato, sinalizam o início do fim da “Pax Americana”. Isso se tornou o anátema definitivo para a hegemonia global das elites anglo-americanas [G-7/OTAN], que durou mais de um século. Uma parceria estratégica assinada, selada e abrangente de dois concorrentes iguais que compartilham uma enorme base de fabricação, dotação superior de recursos naturais, grande produção no agronegócio e perspicácia e sutileza diplomática – com o valor agregado das modernas armas russas.

Esperando o ‘Fim do Mundo’

Fonte: www.vedomosti.ru

  • Estávamos esperando o fim do mundo
    Esperando o fim do mundo, esperando o fim do mundo
    Querido Senhor, espero sinceramente que você esteja vindo
    ‘Porque você realmente começou algo
    ‘. – Elvis Costello, Esperando o fim do mundo, 1977

Do ponto de vista dessas elites anglo-saxões, cujo Plano A sempre foi uma versão degradada da máxima de Júlio Cesar, “Divide et Impera” [Dividir para governar] do Império Romano, isso nunca deveria acontecer. De fato, cegos pela arrogância e prepotência [‘acordados’, inclusivos, LGBTQ+, et caterva], eles nunca viram isso acontecer. Historicamente, isso nem se qualifica como um remix do Torneio das Sombras; é mais como o Império Tawdry deixado na sombra, “espumando pela boca” ( direitos autorais de Maria Zakharova ).

Xi e Putin, com um movimento digno do mestre da guerra Sun Tzu, de orientalismo imobilizado, eurocentrismo, excepcionalismo e, por último mas não menos importante, neocolonialismo. Não é de admirar que o Sul Global tenha ficado fascinado com o que se desenvolveu em Moscou na cúpula entre Xi e Putin.

Adicionando insulto à lesão, temos a China, a maior economia do mundo, de longe, quando medida pela paridade do poder de compra (PPP), bem como o maior exportador. E temos a Rússia, uma economia que, por PPP, é equivalente ou até maior que a da Alemanha –, com as vantagens adicionais de ser o maior exportador de energia do mundo, grande desenvolvedora de novas tecnologias, especialmente em armas e não forçada a se desindustrializar.

Juntos, sincronizados, o urso russo e o dragão chinês estão focados em criar as condições necessárias para contornar o dólar americanoe acabar com o hegemon. Sugira uma das frases cruciais do presidente Putin: “Somos a favor do uso do yuan chinês para negócios entre a Rússia e os países da Ásia, África e América Latina” [que já aderiram ao barco].

Uma conseqüência fundamental dessa aliança geopolítica e geoeconômica, cuidadosamente projetada nos últimos anos, já está em jogo: o surgimento de uma possível tríade em termos de relações comerciais globais e, em muitos aspectos, uma guerra comercial global.

A gigantesca e rica Eurásia está sendo liderada – e amplamente organizada – pela parceria Rússia-China. A China também desempenhará um papel fundamental em todo o Sul Global, mas a Índia também pode se tornar bastante influente, aglutinando o que seria um Movimento Não-Alinhado (NAM) com esteroides. E depois há a antiga nação indispensável “que governa os vassalos da UE e a Anglosfera reunida nos “Cinco Olhos” [todos cegos pela arrogância ocidental].

O que os chineses realmente querem

O Hegemon, sob sua ordem internacional baseada em regras que ele mesmo NÃO segue, “não concordou, e essencialmente nunca fez diplomacia. Dividir e governar, por definição, impede a diplomacia. Agora, sua versão da diplomacia“ degenerou ainda mais em insultos grosseiros por uma série de funcionários intelectualmente medíocres [mas acordados e inclusivos] desafiados e francamente idiotas dos EUA, UE e Reino Unido [os dementes do Hospício Ocidental].

Não é de admirar que um verdadeiro gentleman, o ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov, tenha sido forçado a admitir:

“A Rússia não é mais um parceiro da UE… A União Europeia “perdeu” a Rússia. Mas a própria União Europeia é a culpada. Afinal, os estados membros da UE … declaram abertamente que a Rússia deveria sofrer uma derrota estratégica. É por isso que consideramos a UE uma organização inimiga.”

E, no entanto, o novo conceito de política externa russa, anunciado por Putin em 31 de março, deixa bem claro: A Rússia não se considera um inimigo “do Ocidente” e não busca isolamento.

O problema é que praticamente não há adulto com quem conversar do outro lado da ponte, mas um monte de hienas carniceiras. Isso levou Lavrov a enfatizar mais uma vez que medidas “simétricas e assimétricas” podem ser usadas contra os envolvidos em ações “hostis” contra os interesses de Moscou [e a solução da explosão dos gasodutos Nord Stream 1 e 2 ainda esta na balança].

Quando se trata do Excepcionalistão, isso é evidente: os EUA são designados por Moscou como o principal instigador anti-Rússia na loucura do hospício ocidental, e a política geral coletiva do Ocidente é descrita como “um novo tipo de Guerra Híbrida Total”.

No entanto, o que realmente importa para Moscou são os aspectos positivos mais adiante: integração ininterrupta da Eurásia; laços mais estreitos com centros globais “amigáveis” China e Índia; aumento da ajuda à África; cooperação mais estratégica com a América Latina e o Caribe, as terras do Islã – Turquia, Irã, Indonésia, Arábia Saudita, Síria, Egito – e os países do ASEAN.

E isso nos leva a algo essencial que foi – previsivelmente – ignorado em massa pelas servis pre$$tituta$ da mídia ocidental: o Fórum de Boao para a Ásia, que ocorreu quase simultaneamente com o anúncio do novo conceito de política externa da Rússia.

O Fórum de Boao, iniciado no início de 2001, ainda na era anterior ao atentado [fake de] 11 de setembro, foi modelado em Davos, mas é o Top China completamente, com o secretariado com sede em Pequim. Boao fica na província de Hainan, uma das ilhas do Golfo de Tonkin e hoje um paraíso turístico.

Uma das sessões principais do fórum deste ano foi sobre desenvolvimento e segurança, presidida pelo ex-secretário geral da ONU Ban Ki-moon, que atualmente é presidente do Fórum Boao. Havia algumas referências à Iniciativa de Desenvolvimento Global da China, bem como à Iniciativa de Segurança Global –, que por sinal foi lançada em Boao em 2022.

O problema é que essas duas iniciativas estão diretamente ligadas ao conceito de paz e segurança da ONU e à Agenda 2030 extremamente desonesta sobre o “desenvolvimento sustentável” –, que não se refere exatamente ao desenvolvimento e muito menos “sustentável”: é uma mistura super corporativa dos oligarcas e psicopatas do WEF de Davos. A ONU, por sua vez, é basicamente um refém dos caprichos de Washington. Pequim, no momento, brinca junto.

O primeiro-ministro Li Qiang foi mais específico. Salientando o conceito de marca registrada da comunidade “de um futuro compartilhado para a humanidade” como base para a paz e o desenvolvimento, vinculou a coexistência pacífica entre os povos ao “Espírito de Bandung” – em continuidade direta com o surgimento do NAM em 1955 [Movimento dos países Não Alinhados]: essa deve ser a “Via Asiática” de respeito mútuo e construção de consenso – em oposição ao “uso indiscriminado de sanções unilaterais e jurisdição de longo alcance”, e a recusa de “uma nova Guerra Fria”.

E isso levou Li Qiang à ênfase no esforço chinês de aprofundar o acordo comercial da RCEP no Leste Asiático e também avançar nas negociações sobre o acordo de livre comércio entre a China e a ASEAN. E tudo isso integrado à nova expansão da Iniciativa Cinturão e Rota ( BRI-Nova Rota da Seda), em contraste com o protecionismo comercial.

Assim, para os chineses o que importa, entrelaçado com os negócios, são interações culturais; inclusão; confiança mútua; e uma recusa severa de “choque de civilizações” e confrontos ideológicos.

Por mais que Moscou se inscreva facilmente em todos os itens acima – e, de fato, pratique-os por meio de sutileza diplomática – os psicopatas em Washington ficam aterrorizadas com o quão convincente é essa narrativa chinesa para todo o Sul Global. Afinal, a única oferta do Excepcionalistão no mercado de ideias é a dominação unilateral pelo hegemon; “Divide et Impera” uma regra; e “você está conosco ou contra nós”. E, neste último caso, você será sancionado, assediado, bombardeado e / ou alterado pelo hegemon.

É 1848 tudo de novo na Europa?

Enquanto isso, em territórios vassalos, surge a possibilidade de um renascimento de 1848, quando uma grande onda revolucionária atingiu toda a Europa. Em 1848, essas foram revoluções liberais; hoje temos revoluções anti-liberais (e anti-guerra) populares de agricultores na Holanda e na Bélgica a populistas não reconstruídos na Itália e populistas de esquerda e direita combinados na França.

Pode ser muito cedo para considerar isso uma espécie de revolução estilo “primavera europeia”. No entanto, o que é certo em várias latitudes é que os cidadãos europeus comuns se sentem cada vez mais inclinados a abandonar o jugo da tecnocracia neoliberal acordada, inclusiva e verde e sua ditadura do capital e da vigilância. Sem mencionar o calor da OTAN.

Como praticamente toda as pre$$tituta$ da mídia européia é controlada por tecnocratas, as pessoas não verão essa discussão nos veículos de [des]informação. No entanto, há um sentimento no ar que pode estar anunciando o fim de uma dinastia no estilo chinês.

No calendário chinês, é assim que sempre acontece: o relógio histórico-societal sempre funciona com períodos entre 200 e 400 anos por dinastia.

De fato, há sugestões de que a Europa possa estar testemunhando um renascimento. O período de revolta de seus povos será longo e árduo, devido à necessidade de libertação do jugo de suas elites- devido às hordas de anarco-liberais que são idiotas tão úteis para a oligarquia do hospício ocidental – ou tudo pode vir à tona em um único dia estrondosamente. O alvo é bastante claro: a morte da tecnocracia neoliberal acordada, verde, inclusiva, et caterva.

É assim que a visão Xi-Putin pode fazer incursões em todo o Ocidente coletivo: mostre que essa “modernidade ersatz” (que incorpora cultura de cancelamento e censura raivosos) é essencialmente nula em comparação com o tradicional e conservadores valores culturais profundamente enraizados – seja confucionismo, taoísmo ou ortodoxia oriental. Os conceitos chinês e russo de estado da civilização são muito mais atraentes do que parecem.

Bem, a revolução cultural (não será televisionada; mas pode funcionar seus encantos através de inúmeros canais de Telegram). A França, apaixonada pela rebelião ao longo de sua história, pode muito bem estar pulando para a vanguarda revolucionária – novamente.

No entanto, nada mudará se o cassino,bordel financeiro global não for subvertido. A Rússia ensinou uma lição ao mundo: esteve se preparando [desde 2014], em silêncio, para uma Guerra Total a longo prazo. Tanto que seu contra-ataque calibrado virou a Guerra Financeira de cabeça para baixo – desestabilizando completamente o cassino/bordel ocidental, controlado pelos khazares. Enquanto isso, a China está se reequilibrando e está a caminho de estar também preparada para a Guerra Total, híbrida ou não.

O inestimável Michael Hudson, recém-saído de seu último livro, The Collapse of Antiquity – O colapso da Antiguidade, onde analisa habilmente o papel da dívida na Grécia e em Roma, as raízes da civilização ocidental, explica sucintamente nosso estado atual:

“Os Estados Unidos forçaram uma revolução de cores no topo, na Alemanha, Holanda, Inglaterra e França, essencialmente, onde a política externa da Europa não representa os seus próprios interesses econômicos (…) Os Estados Unidos simplesmente disseram: – Estamos comprometidos em apoiar uma guerra do que eles chamam de (democracia) com a qual eles significam oligarquia, incluindo o nazismo da Ucrânia (contra a autocracia). A autocracia é qualquer país forte o suficiente para impedir o surgimento de controle externo por uma oligarquia credora, como a China impediu a oligarquia credora” de controlar o país.”

Portanto, a “oligarquia do credor”[sempre judeus khazares], de fato, pode ser explicada como a interseção tóxica entre sonhos úmidos globalistas de controle total e domínio militarizado do espectro total.

A diferença agora é que a Rússia e a China estão mostrando ao Sul Global que o que os estrategistas americanos reservavam para eles – você vai congelar no escuro “se você se desviar do que dizemos – não é mais aplicável. A maior parte do Sul Global está agora em revolta geoeconômica franca e aberta.

O totalitarismo neoliberal globalista, é claro, não desaparecerá sob uma tempestade de areia. Pelo menos ainda não. Ainda há um turbilhão de toxicidade pela frente: suspensão dos direitos constitucionais; Propaganda orwelliana; esquadrões; censura; cancelamento cultural; conformidade ideológica; meio-fio irracional da liberdade de movimento; ódio e até perseguição ao povo eslavo – para eles o Untermenschen nazista; segregação; criminalização de dissidência; queima de livros, julgamentos de exibição; mandatos de prisão falsos pelo canguru ICC; Terror no estilo ISIS, et caterva.

Mas o vetor mais importante é que China e Rússia, cada um exibindo suas próprias particularidades complexas – e ambos descartados pelo Ocidente como “Outros não assimiláveis” – são fortemente investidos na construção de modelos econômicos viáveis que não estão conectados, em vários graus, com o cassino/bordel financeiro ocidental e / ou redes da cadeia de suprimentos. E é isso que está deixando os excepcionalistas anglo saxões furiosos e desesperados – ainda mais furiosos [e muito mais loucos] do que eles já são.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas ‘acordados’ da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] pela QUEDA DE UM ASTEROIDE estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7, os ditosPaíses de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal” e “acordado”}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *