Exercícios Táticos de armas nucleares da Rússia têm como objetivo impedir uma intervenção direta da OTAN na Ucrânia

A Sputnik  informou nessa segunda-feira que o Estado-Maior russo está se preparando para realizar exercícios para praticar o uso de armas nucleares táticas, o que segue a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zakharova, alertando  no fim de semana que os exercícios “Defensor Steadfast” da OTAN são possíveis preparativos para a guerra com a Rússia. O jornal italiano  La Repubblica  também informou no fim de semana que a OTAN poderia intervir convencionalmente na Ucrânia se a Rússia atravessasse a fronteira para lá vinda da Bielorrússia ou realizasse “provocações ” contra outros países membros da OTAN.

Exercícios Táticos de armas nucleares da Rússia têm como objetivo impedir uma intervenção direta da OTAN na Ucrânia

Fonte: Andrew Korybko via Substack

Estes desenvolvimentos seguem-se às declarações do vice-chefe do GUR, Skibitsky, que disse  ao The Economist na semana passada que as linhas da frente ucranianas poderão entrar em colapso em breve, o que se alinha com o  pior cenário do Comité de Inteligência Ucraniano que partilharam no final de Fevereiro. 

Também vale a pena mencionar que o marionete Rothschild Macron acaba de reafirmar a sua ameaça desde muito de intervir na Ucrânia ( provavelmente em torno de Odessa ) nesse caso, que a Poloniza  já não descarta fazer o mesmo, e o primeiro-ministro ucraniano apenas disse que poderá solicitar tropas da OTAN .

Não é de admirar, então, que a Rússia tenha interpretado estes sinais como um pré-condicionamento [lavagem cerebral] do público ocidental para aceitar essa possibilidade, razão pela qual o seu Estado-Maior está agora preparando-se para realizar exercícios para praticar o uso de armas nucleares tácticas. 

O relatório do italiano La Repubblica afirmava que 100.000 soldados da OTAN poderiam inundar a Ucrânia se a decisão fosse tomada, sendo que a única forma realista de os impedir de ir além do rio Dnieper e entrar em confronto direto com as tropas russas é a Rússia usar armas nucleares tácticas em autodefesa.

Tudo está avançando tão rapidamente que ninguém pode dizer com segurança exatamente o que irá ou não acontecer [muito por causa de eleições cruciais na União Europeia e nos EUA], mas um lembrete dos interesses de cada lado, tal como os seus decisores políticos os concebem, pode ajudar a obter uma ideia melhor da probabilidade de determinados cenários acontecerem.

A Rússia alega que quer desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia enquanto a OTAN quer detê-los, sem que nenhum deles consiga atingir os seus objetivos máximos a este respeito, mas com a Rússia muito mais próximo de executá-los. A variável que mudará o jogo, no entanto, será o que cada um fará se/quando as linhas de frente ucranianas entrarem em colapso.

A Rússia irá pelo menos avançar no sentido de garantir a plena segurança das fronteiras administrativas das suas quatro regiões recentemente reunificadas, mas poderá ir além disso e potencialmente também abrir mais frentes no norte (seja da Bielorrússia e/ou em torno de Sumy-Kharkov) a fim de alcançar tanto quanto possível dos seus objetivos acima mencionados.

Se isso acontecer, a OTAN poderá entrar em pânico além daquele que já existe, dependendo de quão longe e rapidamente a Rússia avançar Ucrânia adentro, servindo assim para justificar qualquer pretexto que inventem para iniciar uma intervenção convencional na Ucrânia.

O “dilema de segurança” OTAN-Rússia, que enquadra a sequência de acontecimentos acima mencionada, agravar-se-ia sem precedentes, uma vez que a Rússia poderia então entrar em pânico, dependendo da distância e da rapidez com que a OTAN avança.

O bloco europeu poderia simplesmente [tentar ] ocupar tudo a oeste do Dnieper, mas também poderia atravessar o rio e colocar as suas forças em posição de atacar as da Rússia. Qualquer movimento percebido nessa direção, e muito menos os eventos reais, poderia levar a Rússia a antecipar-se a isso com armas nucleares tácticas. Se ogivas nucleares forem usadas, o mundo inteiro mudará.

A forma mais eficaz de neutralizar este dilema apocalíptico de segurança é um terceiro neutro, como a Índia ou o Papa [??!!], mediar entre cada lado e descobrir as suas intenções e transmiti-las ao outro. Se a Rússia não planeja marchar mais uma vez sobre Kiev e a OTAN não planeja cruzar o Dnieper, então nenhum dos dois lados poderá entrar em pânico e reagir exageradamente, cruzando inadvertidamente as linhas vermelhas do outro. Poderia então ocorrer uma retirada militar ucraniana semi-ordenada sobre o Dnieper para  desmilitarizar o leste como zona tampão .

Esse seria o melhor cenário para desescalar estas dinâmicas perigosas, embora, evidentemente, não possa ser dado como certo, uma vez que atualmente ninguém está buscando a moderação e mediação entre elas, e um ou outro pode mentir a quem o fizer, a fim de enganar os seus oponentes.

No entanto, esperamos que “alguém” mais sensato se apresente para tentar antes que a frente entre em colapso e os seus nobres esforços sejam sinceramente bem-vindos por ambos os lados, uma vez que a relutância em fazê-lo poderia condenar o mundo à destruição atômica no pior dos cenários.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth