browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Expansionismo da OTAN sofreu um grande revés com Ucrânia

Posted by on 17/02/2022

As tropas russas estão se afastando da fronteira com a Ucrânia sabendo que alcançaram seus objetivos. A política de expansionismo da OTAN à custa das preocupações de segurança da Rússia sofreu um grande revés. Os membros do bloco europeu nunca pretenderam pressionar a Ucrânia a cumprir seus compromissos com os acordos de Minsk, projetados para acabar com os combates no Donbass, já que a autonomia no leste da Ucrânia desafiaria seu controle no espaço pan-europeu.

Expansionismo da OTAN sofreu um grande revés com Ucrânia

Fonte: Rússia Today

Por  Glenn Diesen , professor da Universidade do Sudeste da Noruega e editor da revista Rússia in Global Affairs. Siga-o no Twitter  @glenn_diesen .

Em vez disso, os países da OTAN e os EUA pretendiam minar o acordo de Minsk mudando a realidade no terreno: a Rússia deveria ser enfraquecida por sanções e a Ucrânia deveria ser fortalecida pelo fornecimento de armas. 

O melhor momento para renegociar o acordo de Minsk ocorreu há menos de um ano, quando as forças ucranianas se mobilizaram ao longo da fronteira de Donbass com a ameaça de retomar a região pela força. A OTAN respondeu prometendo seu apoio às autoridades em Kiev e ameaçou Moscou com sanções devastadoras se a Rússia viesse em defesa das regiões separatistas.

A Rússia mobilizou suas tropas em resposta às pretensões da Ucrânia e OTAN, estabeleceu linhas vermelhas claras que desencadeariam uma intervenção e deixou claro que novas sanções ocidentais apenas intensificariam a dissociação econômica da Rússia da Europa. Então, qual foi o resultado de equilibrar o expansionismo da OTAN? Os estados ocidentais estão finalmente discutindo a segurança pan-europeia, as limitações ou não implantação de sistemas de armas ofensivas e o tópico mais tabu dos últimos 30 anos – reconhecendo que a Rússia tem interesses legítimos de segurança na região. 

Os think tanks [o establishment do Deep State e os seus marionetes] estão discutindo se o expansionismo da OTAN atingiu seu limite e a possibilidade de um status neutro para a Ucrânia, semelhante ao modelo da Finlândia ou da Áustria. O presidente francês até sugeriu que precisamos de uma nova abordagem para a segurança pan-europeia e observou o que deveria ter sido óbvio:

Os EUA também lutarão para que a retirada de Moscou se encaixe em sua narrativa do expansionismo russo. O tão anunciado “dia da invasão” [16 de fevereiro – da máquina de propaganda] de Washington revela a narrativa absurda de que a Rússia está buscando a conquista territorial ou tentando restaurar a União Soviética. Até os europeus parecem estar exaustos com a abordagem conflituosa de Washington e a histeria de uma nova guerra.

Diplomacia contundente contra a “solidariedade da aliança”

É comum contrastar a diplomacia com a força militar. Na realidade, a diplomacia deve muitas vezes ser apoiada pelo poder. A Guerra Fria terminou em 1989 por meio de negociação e compromisso entre dois iguais, embora quando a União Soviética entrou em colapso em 1991, não havia mais necessidade de os EUA acomodarem uma Rússia então severamente enfraquecida na Europa. Também não havia mais necessidade de a OTAN cumprir os acordos existentes ou a lei internacional, e todas as promessas de não expandir a OTAN uma polegada para o leste foram desonestamente descartadas como um  “mito” russo.

Por 30 anos, os esforços russos para negociar um papel para si na segurança pan-europeia foram ignorados e desprezados. Moscou pressionou para tornar a OSCE a principal instituição de segurança pan-europeia, então tanto Yeltsin quanto Putin sugeriram que a Rússia poderia se juntar à OTAN,  Medvedev propôs uma nova arquitetura de segurança europeia em 2008, e então Putin sugeriu uma União UE-Rússia em 2010. Essas propostas nunca mesmo sequer recebeu uma resposta adequada. No entanto, com linhas vermelhas claras apoiadas por um poder militar renovado e credível, a diplomacia russa pode ter sucesso.

Os EUA alegarão que uma agressão russa contra a Ucrânia foi evitada porque a OTAN manteve a solidariedade contra a ameaça russa. Na realidade, o colapso da solidariedade da aliança deu uma chance à paz. Enquanto o bloco for um instrumento de hegemonia coletiva no espaço pan-europeu, a obsessão pela solidariedade da aliança funciona como um grito de guerra para uma política de poder intransigente.

Subsequentemente, a “solidariedade da aliança” da OTAN foi um desastre para a segurança pan-europeia. O expansionismo do bloco violou todos os principais acordos de segurança pan-europeus ao ignorar o princípio da “segurança indivisível”, e estacionar tropas de combate permanentes em novos estados membros violou o Ato Fundador OTAN-Rússia de 1997. Quando os EUA se retiraram unilateralmente da AMB- Tratado em 2002, o Acordo INF em 2019 e o Acordo de Céus Abertos em 2020 – a demanda por solidariedade da aliança significava que os europeus silenciaram suas apreensões ou até culparam a Rússia pelo colapso subsequente dos acordos de segurança pan-europeus.

De volta à estaca zero?

As conquistas da Rússia no atual impasse são limitadas, mas significativas. Um acordo mutuamente aceitável pós-Guerra Fria na Europa não foi alcançado, mas a abertura de discussões sobre segurança pan-europeia implica que podemos finalmente abordar a tola decisão dos anos 1990 de construir uma Europa sem a Rússia.

Na década de 1990, houve inicialmente o reconhecimento de um dilema. Por um lado, a Polônia e outros países europeus orientais procuraram usar a OTAN como uma “garantia de seguro” contra a Rússia, em vez de ter um acordo de segurança pan-europeu inclusivo. Por outro lado, a rivalidade de soma zero com a Rússia seria reacendida movendo as linhas divisórias na Europa em vez de acabar com elas. 

A OTAN escolheu a primeira opção e a máquina de propaganda das pre$$titute$ seguiu fingindo que nunca houve um dilema para começar. A nova narrativa ideológica era que o bloco militar era na verdade uma comunidade pacífica de democracias e a oposição russa ao expansionismo da OTAN significava que era hostil à democracia e, portanto, a OTAN teria que “retornar” à sua missão de conter a Rússia.

O atual impasse produziu uma divisão no Ocidente. Alguns argumentam que o expansionismo da OTAN atingiu seus limites e é necessário um novo formato para a segurança pan-europeia. Outros sugerem que há mais necessidade de uma OTAN forte para combater a “agressão russa”. Vamos torcer para que os warlords, os falcões da guerra sejam finalmente forçados a se aposentar.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Expansionismo da OTAN sofreu um grande revés com Ucrânia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.