Explosões do gasoduto da Rússia Nord Stream 1 e 2, foi dirigido pela CIA e teve como alvo também a Alemanha

O veterano jornalista Seymour Hersh, ganhador do Pulitzer, disse que a Casa Branca queria enviar uma mensagem a Berlim, conforme lhe confidenciou uma fonte da inteligência dos EUA (CIA). Uma fonte de inteligência dos EUA disse ao jornalista Seymour Hersh que o [os manipuladores do] presidente Joe Biden ordenou a destruição dos gasodutos Nord Stream para evitar que a Alemanha voltasse atrás nas suas promessas de abandonar o uso da energia russa barata.

 Seymour Hersh, ganhador do Pulitzer, disse que as Explosões do gasoduto da Rússia Nord Stream 1 e 2, foi dirigido pela CIA e teve como alvo também a Alemanha

Fonte: Rússia Today

Numa publicação no seu blog na terça-feira, o repórter veterano alegou que a economia alemã não era motivo de preocupação para a Casa Branca.

Os gasodutos Nord Stream 1 e 2, que ligavam a Rússia e a Alemanha através do Mar Báltico, foram destruídos numa série de explosões subaquáticas há um ano. Surgiram teorias concorrentes sobre quem era o culpado, com as pres$$tituta$ da grande mídia ocidental culpando uma unidade de comando ucraniana e Hersh alegando que a CIA executou a operação sob ordens diretas de Biden.

Na sua publicação no blog, Hersh alegou que o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, o russofóbico Jake Sullivan, convocou uma série de reuniões no final de 2021, incumbindo os funcionários dos serviços de inteligência de encontrarem um meio de dissuadir o Presidente russo, Vladimir Putin, de enviar tropas para a Ucrânia.

“A política da Casa Branca era dissuadir a Rússia de um ataque à Ucrânia”, disse uma fonte de inteligência a Hersh. “O desafio que deu à comunidade de inteligência foi encontrar uma forma que fosse suficientemente poderosa para fazer isso e fazer uma declaração forte da capacidade americana.”

Em Janeiro, enquanto as forças russas se concentravam na fronteira com a Ucrânia, a CIA tinha “resolvido o problema”, disse a fonte. Com um plano em vigor para plantar explosivos detonados remotamente nos oleodutos sob o Mar Báltico, Biden alertou no início de fevereiro que, no caso de uma ação militar por parte da Rússia, “não haverá mais um Nord Stream 1 e 2. Iremos pôr fim para a eles”.

Após a declaração de Biden, feita ao lado do chanceler alemão Olaf Scholz, a equipe da CIA encarregada de sabotar os oleodutos recebeu novos pedidos, afirmou Hersh. Em vez de destruir imediatamente o Nord Stream, a equipe foi instruída a plantar os explosivos para detonação posteriormente.

“Foi então que compreendemos que o ataque aos oleodutos não era um impedimento porque, à medida que a guerra avançava, nunca obtivemos o comando”, disse um membro da equipe da CIA a Hersh. 

“Percebemos que a destruição dos dois oleodutos russos não estava relacionada com a guerra ucraniana”,  continuou a fonte. “Mas fazia parte de uma agenda política neoconservadora para impedir que Scholz e a Alemanha, com o inverno chegando e os oleodutos fechados, ficassem com medo e se abrissem para a Rússia.” 

De acordo com relatórios anteriores de Hersh, os mergulhadores da CIA plantaram os explosivos no Verão passado com a ajuda da marinha norueguesa, utilizando como cobertura um exercício naval da OTAN na região. Quando as bombas foram detonadas, em Setembro, o fluxo de gás russo para a Alemanha através do Nord Stream 1 já tinha sido reduzido a um mínimo pela Rússia em resposta às sanções ocidentais, enquanto o Nord Stream 2 nunca foi certificado para começar a operar pelo governo de Scholz. No entanto, com a economia alemã fortemente dependente do gás russo, Biden teria temido que Scholz escolhesse apenas uma censura a Moscou em vez do apoio à Ucrânia.

“O Presidente dos Estados Unidos prefere ver a Alemanha congelar do que [ver] a Alemanha possivelmente deixar de apoiar a Ucrânia”, declarou Hersh no início deste ano.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth