Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Genocídio palestino em Gaza: torturas, execuções, bebês deixados para morrer, abuso sexual…

sionismo-israel-apartheid

UNICEF afirma que Israel matou mais de 13 mil crianças em Gaza: Por que é que as PRE$$TITUTA$, os mesmos meios de comunicação ocidentais reaquecem sistemática e obsessivamente alegações de cinco meses contra o Hamas e são tão relutantes em concentrar-se nas atuais e horríveis atrocidades cometidas por Israel em seu genocídio na Faixa de Gaza? Reféns torturados até a morte. Pais executados na frente dos filhos. Médicos espancados. Jornalistas executados. Bebês assassinados. Agressão sexual armada . . .

Genocídio palestino em Gaza: torturas, execuções, bebês deixados para morrer, abuso sexual… A UNICEF afirma que Israel matou mais de 13 mil crianças em Gaza

Fonte: Global Research

Não, não são crimes dos terroristas do Hamas. Isto faz parte de uma lista cada vez maior de atrocidades documentadas cometidas por Israel nos cinco meses desde 7 de Outubro – bem distinta do bombardeamento massivo de 2,3 milhões de palestinos em Gaza e da fome induzida pela obstrução da ajuda humanitária por parte de Israel.

Na semana passada, uma investigação do jornal israelita Haaretz revelou que se sabe que cerca de 27 palestinos capturados nas ruas de Gaza nos últimos cinco meses morreram durante interrogatórios dentro de Israel. A alguns foi negado tratamento médico. Mas é provável que a maioria tenha sido torturado até a morte.

Há três meses, um editorial do Haaretz advertiu que as prisões israelitas “não devem tornar-se locais de execução para palestinos”. Os demais canais de televisão israelitas têm conduzido com entusiasmo os telespectadores judeus em visitas aos centros de detenção, mostrando as condições terríveis em que os palestinos são mantidos, bem como os abusos psicológicos e físicos a que são submetidos.

Um juiz israelita classificou recentemente as jaulas improvisadas em que os palestinos são mantidos como “inadequadas para seres humanos”.

Lembre-se, uma grande proporção dos cerca de 4.000 palestinos feitos reféns por Israel desde 7 de Outubro – provavelmente a grande maioria – são civis, como os homens e rapazes que desfilaram pelas ruas de Gaza ou foram mantidos num estádio despidos antes de serem arrastados para um cela escura em Israel.

Mulheres e meninas palestinas abusadas sexualmente

De acordo com os meios de comunicação israelitas, muitas dezenas de mulheres palestinas – incluindo mulheres grávidas – também foram detidas, mas neste caso fora das câmaras. Presumivelmente, Israel quis evitar minar a sua mensagem cuidadosa de que apenas o Hamas utiliza a violência contra as mulheres como arma.

Mas, de acordo com peritos jurídicos das Nações Unidas, as mulheres palestinas estão sofrendo as formas mais degradantes de abuso por parte dos militares israelitas. Os especialistas observaram que as mulheres e meninas palestinas detidas estariam alegadamente sujeitas a “múltiplas formas de agressão sexual, como serem despidas e revistadas por oficiais do exército israelita do sexo masculino”.

“Pelo menos duas mulheres palestinas detidas teriam sido estupradas, enquanto outras teriam sido ameaçadas de estupro e violência sexual.” Acredita-se também que os soldados judeus tiraram fotos de mulheres detidas em circunstâncias degradantes e depois as carregaram online.

Mulheres e meninas palestinas em Gaza também são relatadas pelas suas famílias como desaparecidas após contato com o exército israelense. “Há relatos perturbadores de pelo menos uma criança do sexo feminino transferida à força pelo exército israelita para Israel e de crianças palestinas separadas dos pais, cujo paradeiro permanece desconhecido”, afirmaram.

Espancamentos, afogamento

Um relatório separado da ONU na semana passada revelou que 21 dos seus funcionários – trabalhadores de ajuda humanitária – foram raptados por Israel. Foram então torturados para extrair confissões, provavelmente falsas, de envolvimento no ataque do Hamas em 7 de Outubro. A tortura incluiu espancamentos, afogamento simulado e ameaças aos familiares.

Homens palestinos presos e despidos pelas forças israelenses em Gaza antes de serem levados para um local não revelado (Screengrab/X)

Estas confissões foram citadas pelos aliados ocidentais como motivo – na verdade, o único motivo conhecido – para cortar o financiamento à agência de ajuda humanitária da ONU Unrwa, a última tábua de salvação para a população faminta de Gaza. Foram estas alegações, extraídas através de tortura, que ajudaram Israel a racionalizar a imposição da fome em Gaza.

Dos 1.000 detidos posteriormente libertados, 29 eram crianças, uma com apenas seis anos, e 80 mulheres. Foi relatado que alguns prisioneiros sofriam de câncer e doenças crônicas, como Alzheimer.

De acordo com a investigação da ONU, os palestinos relataram espancamentos severos, foram enjaulados com cães de ataque e sofreram violência sexual. Evidências físicas – como costelas quebradas, ombros deslocados, marcas de mordidas e queimaduras – ainda eram visíveis muitas semanas depois.

Execuções, Escudos Humanos

É claro que estes horrores não ocorrem apenas em celas e salas de interrogatório dentro de Israel. Gaza está sendo sujeita a níveis surpreendentes de brutalidade e sadismo por parte das tropas israelitas – para além dos bombardeamentos massivos e da fome forçada de civis. Atiradores [snipers] israelenses  dispararam contra civis em hospitais de Gaza, matando equipes médicas e pacientes.

Os militares israelitas usaram os palestinos como escudos humanos, incluindo um homem enviado para um hospital, com as mãos atadas, para anunciar uma ordem israelita para evacuar as instalações. As forças israelenses o executaram à sangue frio quando ele retornou.

Palestinos que tentavam seguir essas ordens de evacuação, agitando bandeiras brancas, foram  alvejados e mortos. Instalações médicas foram repetidamente invadidas pelos militares israelitas, numa violação flagrante do direito internacional. Aqueles que não puderam ser evacuados, como os bebês prematuros, foram deixados à morte sem vigilância, mesmo enquanto os soldados israelitas ocupavam o edifício.

Esta semana, a BBC entrevistou pessoal médico que relatou ter sido torturado, espancado violentamente e ter sido atacado por cães de ataque dentro do hospital Nasser, em Khan Younis, depois de soldados israelitas o terem invadido. Um deles, o Dr. Ahmed Abu Sabha, teve as mãos quebradas. Ele disse à BBC : “Eles me colocaram em uma cadeira e foi como uma forca. Ouvi sons de cordas, então pensei que seria executado.”

Numa outra fase, ele e outros detidos foram espancados na traseira de um caminhão, apenas de roupa interior. Eles foram levados para um poço de cascalho, onde foram obrigados a ajoelhar-se com os olhos vendados. Eles acreditavam que estavam prestes a ser executados. Durante os oito dias como refém, Sabha nunca foi questionado. 

Acredita-se que dezenas de outros médicos estejam desaparecidos, presumindo-se que ainda estejam detidos em Israel.  Fotografias publicadas pela BBC também mostram pacientes no hospital Nasser em camas com as mãos firmemente amarradas acima da cabeça. 

Aqueles que morreram foram deixados em decomposição pelos soldados israelenses. Um médico local, Dr. Hatim Rabaa, disse à BBC: “Os demais pacientes gritavam: ‘Por favor, removam-nos [os cadáveres] daqui’. Eu estava dizendo a eles: ‘Isso não está em minhas mãos’”.

Outros exemplos de crueldade assassina são documentados diariamente. Palestinos desarmados, incluindo aqueles que agitavam bandeiras brancas, foram  mortos a tiros por soldados israelenses. Pais palestinos foram executados a sangue frio na frente dos filhos. Houve repetidos episódios de forças israelenses abatendo em massa palestinos desesperados que tentavam obter ajuda, como aconteceu novamente esta semana. E mesmo alguns reféns israelitas que tentavam escapar aos seus captores foram mortos pelos próprios soldados israelitas a quem tentavam render-se.

Estes são apenas alguns dos casos de sadismo e barbárie israelense que surgiram brevemente na cobertura mediática das PRE$$TITUTA$ ocidentais, e que em breve serão esquecidos.

UNICEF afirma que Israel matou mais de 13 mil crianças palestinas em Gaza

A agência UNICEF [Fundo das Nações Unidas para a Infância] de ajuda infantil da ONU disse no domingo que mais de 13 mil crianças foram mortas na Faixa de Gaza pelos soldados e bombardeios israelenses e que muitas mais poderiam estar mortas sob os escombros.

Neste mapa uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: O GRANDE ISRAEL: Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”. UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel : “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).

“Milhares de pessoas ficaram feridas ou nem conseguimos determinar onde estão. Eles podem estar presos sob os escombros”, disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell , segundo a Reuters . “Não vimos essa taxa de mortalidade entre crianças em quase nenhum outro conflito no mundo.”

O Ministério da Saúde de Gaza afirmou que mais de 31 mil palestinos foram mortos em Gaza e afirmou consistentemente que cerca de 70% das vítimas são mulheres e crianças.

O secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse anteriormente que mais de 25.000 mulheres e crianças foram mortas em Gaza, mas o Pentágono voltou atrás no seu comentário, alegando que ele estava falando de todos os palestinos mortos. Russel disse que visitou uma enfermaria de hospital onde crianças sofriam de desnutrição grave e disse que o local estava tranquilo porque “as crianças, os bebês… nem têm mais energia sequer para chorar”.

Separadamente, a agência de ajuda palestiniana da ONU, UNRWA, afirmou que uma em cada três crianças com menos de dois anos em Gaza está atual e gravemente desnutrida . “A subnutrição infantil está espalhando-se rapidamente e a atingir níveis sem precedentes em Gaza”, afirmou a UNRWA. As crianças já começaram a morrer de fome em Gaza, com dezenas de mortes por desnutrição já relatadas.

Apesar da situação horrível e das contínuas restrições de Israel à ajuda humanitária, os EUA continuam a fornecer ajuda militar incondicional para apoiar a campanha de massacre, genocídio e de fome contra os palestinos em Gaza.

Sobre o autor: Jonathan Cook é autor de três livros sobre o conflito israelo-palestino e vencedor do Prêmio Especial Martha Gellhorn de Jornalismo. Seu site e blog podem ser encontrados em www.jonathan-cook.net


11 respostas

  1. Quem foram atacar o povo de israel foram os terrorista do Inferno hamas ,agora eles nao estao aguentando a guerra estao acusando Israel de genucidas

    1. Vc é retardo mental ou coisa parecida??? Vc não é capaz de enxergar que nao existe nenhum ataque por parte dos que vc e muitos chamam de “terrorista”?
      Isto foram desculpas criadas de inicio para exterminar os palestinos e roubarem territorio. Em 3 meses somente existe um lado de ataque por tanto isto nao é uma guerra e sim um genocidio. Desligue sus televisão e va estudar história !!!

  2. Estive em Gaza e Israel, queria saber com quem vocês pegam essas informações, pois o tempo que estive lá, vi que dentro da Palestina só tem ONG’s suspeitas, ativistas da ONU(suspeita de tráfico de crianças), UNRWA(suspeita de tráfico de crianças e órgãos), jornalistas e terroristas do Hamas, circulando e vi muitas ações, onde Israel passou longe, viu muitas atrocidades, mas na sua maioria era do Hamas contra sua própria gente, usando o povo como escudo enquanto se escondem sob a cidade. O povo palestino de verdade, tentou fugir pelo Egito e o Hamas usou isso para infiltrar sua irmã, mas foram em pedidos, com essa ação as nações do entorno fecharam sua fronteiras. Vi alimentos, água, mantimentos sendo enviados e confiscados pelo Hamas e na sua maioria vinham de Israel. Tenho amigos nos dois lados e eles dizem a mesma coisa, que o inimigo é o próprio povo.
    Não apoio guerras ou lados, mas não aceito mentiras. Esse ativismo doentio progressista/comunista engajado e mantido pelos controladores só serve para dividir e conquistas.

  3. UNICEF existe a decadas e nunca resolveu a fome e a desgraca das criancas no mundo.
    Agora vem querer dar palpites contra Israel. Muita gente ja sabe qual e a verdadeira posicao dessa UNICEF.

  4. Que todos possam tirar suas conclusões, pois, em quem acreditar? Vai aqui um pensamento “sufi”: “Se te perguntarem se acredita Deus, não diga nada, pois, se disser que não acredita, será considerado um ateu, se disser que acredita, suas ações o contradirão.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *