Relatório critica ‘Erros Catastróficos’ pelos Bloqueios Covid-19 e alerta para repetição da Tirania

Foi há quatro anos, em Março de 2020, que as autoridades de saúde declararam a COVID-19 uma pandemia e a América e o mundo começaram a fechar escolas, fechar pequenas empresas, restringir reuniões e viagens, impor o uso de “focinheiras” e outras medidas tirânicas de confinamento para pseudamente “retardar a propagação” do vírus “Mortal”. Para assinalar esse aniversário sombrio, um grupo de especialistas médicos e políticos publicou um relatório denominado “Lições aprendidas sobre a COVID”, que avalia a resposta do governo à pandemia.

Relatório critica ‘Erros Catastróficos’ pelos Bloqueios Covid-19 e alerta para repetição da Tirania

Fonte: The Epoch Times – De autoria de Kevin Stocklin

De acordo com o relatório, essa resposta incluiu alguns sucessos notáveis, juntamente com uma litania de fracassos que afetaram gravemente a população em vários sentidos e direitos.

Durante a pandemia, muitos governos em todo o mundo agiram em sintonia [com ORDENS que “vieram de cima] para prosseguir políticas autoritárias e tirânicas em resposta à doença, confinando populações, encerrando escolas, fechando empresas, cerrando fronteiras, proibindo reuniões e aplicando vários mandatos de “focinheiras” e injeções experimentais mRNA com graves efeitos colaterais.

O que foi inicialmente imposto como mandatos de curto prazo e poderes de emergência atribuídos a presidentes, ministros, governadores e funcionários da saúde rapidamente se estendeu a uma expansão de longo prazo do poder oficial.

“Mesmo que o ponto inicial dos bloqueios temporários fosse ‘retardar a propagação’, o que significava permitir que os hospitais funcionassem sem ficarem sobrecarregados, em vez disso rapidamente se transformou na interrupção dos casos de COVID a todo custo, disse o Dr. Scott Atlas, médico, ex- Membro da Força-Tarefa do Coronavírus da Casa Branca e um dos autores do relatório, afirmou em uma entrevista coletiva em 15 de março.

Publicado pelo Committee to Unleash Prosperity (CTUP), o relatório foi coautor de Steve Hanke, professor de economia e diretor do Johns Hopkins Institute for Applied Economics; Casey Mulligan, ex-economista-chefe do Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca; e o presidente da CTUP, Philip Kerpen. 

De acordo com o relatório, um dos primeiros erros foi a autoridade sem precedentes que os funcionários públicos assumiram para fazer cumprir as determinações de saúde aos americanos. 

Conceder poderes extraordinários às agências de saúde pública foi um grande erro, disse Hanke ao Epoch Times. “Na verdade, concedeu a essas agências uma licença para enganar o público.” Os autores argumentam que as medidas oficiais foram em grande parte ineficazes no combate ao vírus, mas muitas vezes revelaram-se altamente prejudiciais para a saúde pública. 

O relatório quantifica o custo dos confinamentos, tanto em termos de custos econômicos como do número de mortes excessivas não relacionadas com a COVID que ocorreram e continuam a ocorrer após a pandemia. Estima-se que o número de mortes em excesso não relacionadas com a COVID, definidas como mortes que excedem as taxas normais, seja de cerca de 100.000 por ano nos Estados Unidos.

‘Eles tentarão fazer isso de novo’

“Os confinamentos, o encerramento de escolas e os mandatos foram erros catastróficos, impostos com notável fervor pelas autoridades de saúde pública a todos os níveis”, afirma o relatório. Os autores estão céticos, no entanto, de que as autoridades de saúde aprenderam com a experiência.

A minha preocupação é que, se tivermos outra pandemia ou outro vírus, penso que Washington ainda tentará implementar novamente estas políticas falhadas, disse Steve Moore, economista da CTUP. “Não estamos aqui para dizer ‘esse cara errou’ ou ‘aquele cara ou entendeu errado’, mas devemos aprender as lições desses erros muito, muito graves que terão custos não apenas por anos, mas por décadas”. 

Eu garanto que eles tentarão fazer isso de novo, disse Moore. “E o que realmente me preocupa é que as pessoas que cometeram esses erros ainda não admitiram que estavam erradas.”

O Sr. Hanke estava igualmente pessimista. “Infelizmente, o sistema de saúde pública segue o modelo autoritário do Estado”, disse ele. “Todo o seu edifício é aquele em que o Estado, e não a saúde do indivíduo, deve reinar supremo.”

Os autores também criticam o que dizem ter sido uma campanha multifacetada na qual funcionários públicos, os meios de comunicação [as PRE$$TITUTA$] social e as empresas de redes sociais cooperaram para assustar a população para que cumprisse os mandatos da COVID.

Durante a COVID, o sistema de saúde pública… alimentou e amplificou intencionalmente o medo, que sobrepôs enormes danos econômicos, sociais, educacionais e de saúde aos danos do próprio vírus”, afirma o relatório. 

Os autores contrastaram a resposta autoritária de muitos estados dos EUA às políticas adotadas pela Suécia, que, segundo eles, dependiam mais do fornecimento de conselhos e informações ao público do que da tentativa de forçar comportamentos. A constituição da Suécia, chamada “Regeringsform”, garante a liberdade dos suecos de circularem livremente dentro do reino e proíbe bloqueios severos, disse Hanke.

“Ao seguir o Regeringsform durante a COVID, SEM NENHUM TIPO DE BLOQUEIO, com a escolas abertas, bares e restaurantes idem, os suecos acabaram com uma das taxas de mortalidade excessiva mais baixas do mundo”, disse ele.  

Como o governo sueco evitou mandatos rigorosos e foi mais franco e honesto na partilha de informações com o seu povo, muitos cidadãos alteraram o seu comportamento voluntariamente para se protegerem.

“Uma estratégia muito mais sábia do que emitir ordens de bloqueio teria sido dizer a verdade ao povo americano, ater-se aos fatos, educar os cidadãos sobre o equilíbrio dos riscos e deixar os indivíduos tomarem as suas próprias decisões sobre se devem manter os seus negócios abertos, se devem ou não isolar-se socialmente, frequentar a igreja, mandar os filhos para a escola, e assim por diante”, afirma o relatório.

‘Um pretexto para aumentar seu poder’

O relatório CTUP cita um estudo de 2021 sobre o poder governamental e emergências dos economistas Christian Bjornskov e Stefan Voigt, que concluiu que quanto mais poder de emergência um governo acumula durante tempos de crise, “maior será o número de pessoas mortas em consequência de um desastre natural”, ao invés de controlando sua gravidade.

Como este é um resultado inesperado, discutimos uma série de possíveis explicações, sendo a mais plausível que os governos usam os desastres naturais como pretexto para aumentar o seu poder [sobre a população menos consciente, a imensa maioria de ignorantes], afirmam os autores do estudo. “Além disso, quanto mais fácil for declarar o estado de emergência, maiores serão os efeitos negativos sobre os direitos humanos básicos.”

“Todas as coisas que as pessoas fazem em suas vidas… elas têm propósitos”, disse Mulligan. “E se alguém em Washington DC lhes disser para pararem de fazer todas essas coisas, eles não conseguem sequer começar a compreender a perturbação e as perdas”.

“Vemos nas certidões de óbito um grande aumento no número de pessoas que morrem de problemas cardíacos, diabetes e obesidade”, disse ele, enquanto as mortes por alcoolismo e overdoses de drogas “dispararam e não diminuíram”.

O relatório também desafiou a narrativa de que a maioria dos hospitais foi invadida pelo aumento de casos de COVID.

“Quase todas as medidas de utilização hospitalar foram historicamente muito baixas durante o período pandémico, embora tivéssemos todas estas manchetes de que os nossos hospitais estavam lotados e sobrecarregados”, afirmou Kerpen. “A verdade era o oposto, e isto foi provavelmente o resultado de mensagens de saúde pública e ordens políticas, cancelando procedimentos médicos e alimentando intencionalmente o medo, fazendo com que as pessoas cancelassem as suas consultas.”

O efeito disto, argumentam os autores, foi um aumento acentuado nas mortes não relacionadas com a COVID porque as pessoas evitavam os tratamentos e exames necessários.  “Na verdade, houve demissões em massa neste setor em determinado momento”, disse Kerpen, “e mesmo agora, o total de dispensas está bem abaixo dos níveis pré-pandemia”.

Além disso, à medida que os mandatos de saúde se tornaram mais draconianos, muitas pessoas ficaram preocupadas com a expansão do poder governamental e a perda das suas liberdades civis,  especialmente quando as diretivas governamentais – como a proibição de serviços religiosos ao ar livre, mas a permissão de protestos em massa pela justiça social – muitas vezes pareciam irracionais ou politizado. 

O relatório também criticou o foco obstinado nas “vacinas” e o fracasso do NIH e da FDA em realizar ensaios clínicos com medicamentos existentes que eram conhecidos [Ivermectina e Hidroxicloroquina] por serem seguros, baratos e poderiam ter sido eficazes no tratamento de pessoas infectadas com COVID-19.

Como grande parte do processo de aprovação das vacinas experimentais mRNA, dos riscos e benefícios e da notificação de possíveis efeitos secundários foi ocultada ao público, as pessoas não conseguiram dar consentimento informado aos seus próprios cuidados de saúde, disse Kerpen. 

“E quando a administração Biden entrou e começou a obrigá-los, agora você tinha algo que era inerentemente experimental com alguns dados questionáveis, e em vez de dizer: ‘Agora você tem uma escolha, quer queira ou não’, no contexto de um pandemia, eles tentaram obrigá-los à vacinação”, disse ele.

Censura Pandêmica

Os oligopólios tecnológicos [as Big Techs] e os meios de comunicação social, as PRE$$TITUTA$ corporativos também recebem críticas pela sua colaboração com o governo para controlar as mensagens públicas e censurar vozes dissidentes. Segundo os autores, muitos funcionários governamentais e de saúde colaboraram com oligarcas tecnológicos, empresas de comunicação social e até revistas científicas para censurar opiniões críticas sobre a pandemia.

A administração Biden está atualmente se defendendo perante a Suprema Corte contra acusações apresentadas pelos procuradores-gerais da Louisiana e do Missouri, que acusaram os funcionários da administração de pressionarem as empresas de tecnologia a censurar informações que contradiziam as narrativas oficiais sobre as origens do COVID-19, mandatos e tratamento relacionados, bem como censurar o discurso político que criticou o presidente Biden durante sua campanha de 2020. O caso é Murthy v. Missouri .

Hanke afirmou que um relatório anterior de sua autoria, intitulado “Será que os bloqueios funcionaram?”, que criticava os bloqueios, foi recusado por revistas médicas, mesmo quando publicaram artigos de opinião que o criticavam e publicaram vários relatórios pró-bloqueio.

O Dr. Vinay Prasad – médico, epidemiologista, professor da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em São Francisco e autor de mais de 350 artigos acadêmicos e cartas – fez alegações semelhantes de censura por parte de revistas médicas.

“Especificamente, MedRxiv e SSRN têm relutado em publicar artigos críticos ao CDC, aos mandatos de máscaras e vacinas e às políticas de saúde da administração Biden”, afirmou o Dr. Prasad

O aumento das preocupações sobre a censura médica é o “rascunho zero” do tratado sobre pandemia da Organização Mundial da Saúde (OMS) que está atualmente em circulação para aprovação pelos estados membros, incluindo os Estados Unidos. Compromete os membros a procurarem e “combaterem”  conjuntamente o que a OMS considera como “desinformação”.

Uma das consequências duradouras dos anos da COVID é a perda geral da confiança do público nos funcionários públicos, nos especialistas em saúde e nas narrativas oficiais. 

“A Operação Warp Speed ​​foi um grande sucesso, com uma rapidez de desenvolvimento altamente inesperada [de vacinas]”, disse o Dr. Prasad, “Mas as falhas graves centravam-se em não ser aberto ao público sobre as incertezas, particularmente sobre a eficácia e segurança das vacinas.” 

“Um dos resultados da resposta do governo à COVID, repleta de erros, foi que os americanos perderam justificadamente a fé nas instituições de saúde pública”, afirma o relatório. Segundo os autores, se as autoridades de saúde quiserem reconquistar a confiança do público, devem começar com uma avaliação precisa das suas ações durante a pandemia.

“A melhor maneira de restaurar a confiança é admitir que você estava errado”, disse Atlas. “Acho que todos sabemos disso nas nossas vidas pessoais, mas aqui é muito importante porque tem havido uma enorme falta de confiança nas instituições, nos especialistas, nos dados, na própria ciência.’

“ Acho que será muito difícil restaurar isso sem admitir erros”, disse ele.

Recomendações para uma futura pandemia [vem ai a “Doença X”]

O relatório da CTUP recomenda que o Congresso e as legislaturas estaduais estabeleçam limitações estritas aos poderes conferidos ao poder executivo, incluindo as autoridades de saúde, e estabeleçam limites de tempo que exigiriam a prorrogação da legislação. Isto daria ao público uma voz nas medidas de emergência sanitária através dos seus representantes eleitos.

Recomenda ainda que as subvenções à investigação sejam independentes das posições políticas e que o financiamento do NIH seja descentralizado ou concedido em bloco aos estados para distribuição.

O Congresso deve exigir a divulgação pública de todas as discussões e decisões da FDA, CDC e NIH, incluindo declarações de quaisquer pessoas que prestem aconselhamento a estas agências. O Congresso também deveria deixar explícito que as orientações do CDC são consultivas e não constituem leis ou mandatos. 

O relatório também recomenda que os Estados Unidos interrompam imediatamente as negociações de acordos com a OMS “até que sejam alcançadas transparência e responsabilização satisfatórias”.


2 respostas

  1. Os teus idolos Thoth estão todos caindo!O bolsonaro falsificou o Cartão da vacinas do coronavirus só pra entrar nos EUA depois de dar um golpe no Brasil,fora o caso das jóias.O Putin é outro louco que mandou matar o Nalvany só por que era um opositor politico dele,ataca a Ucrânia que são povos irmãos que faziam parte da antiga URSS,o Ministério da saúde deveria bater em cima do teu site,já fecharam aquele site Fórum Anti-nom pq falava mal das vacinas,esse site Thoth3126 é um cancer é ultra-direitista a mesma ultra-direita do Bolsonaro que tentaram dar um golpe no Brasil,esse site só espalha mentiras e fakenews!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth