Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Iêmen está Pronto e Disposto à enfrentar uma nova Coalizão Imperialista do Hegemon

Segundo o jornalista e analista geopolítico brasileiro Pepe Escobar, ninguém jamais perdeu dinheiro apostando na capacidade do Império do Caos, das Mentiras e da Pilhagem, “acordado”, LGBTQ+, Transgênero e satanista (OTAN-G-7) para construir uma “coligação de lacaios” sempre que se deparasse com um dilema geopolítico, especialmente em defesa do “povo eleito” de Israel. A guerra no Oriente Médio começa a se alastrar por toda a região.

Iêmen está Pronto e Disposto à enfrentar uma nova Coalizão Imperialista do Hegemon

Fonte: Sputnik

Em todos os casos, devidamente abrangidos pela “ordem internacional baseada em regras” dominante, o termo “disposto” se aplica aos vassalos e lacaios servis seduzidos por cenouras ou porretes a seguir à risca os caprichos do Império, disse o especialista em geopolítica à Sputnik, se referindo à crescente tensão no mar Vermelho.

Segundo Pepe Escobar, a Operação Guardião da Prosperidade — uma marca registrada das relações públicas do Pentágono — não passa de uma coligação para o genocídio da prosperidade, e muito longe de seu objetivo declarado de “garantir a liberdade de navegação no mar Vermelho“, se traduz como uma “quase declaração de guerra ao Ansar Allah do Iêmen”.

Apesar dos esforços norte-americanos em enviar destróieres para o mar Vermelho, o Ansar Allah não parece se intimidar de forma alguma. Os militantes houthis já sublinharam que qualquer ataque aos ativos iemenitas ou aos locais de lançamento de mísseis do Ansar Allah coloriria todo o mar literalmente de Vermelho, algo que o genocídio palestino por Israel já vem providenciando.

Os militantes houthis iemenitas não só reafirmaram que têm “armas para afundar os seus porta-aviões e destróieres”, mas também fizeram um apelo impressionante aos sunitas e xiitas no Bahrein para se revoltarem e derrubarem o seu rei, Hamad al-Khalifa.

Na segunda-feira (18), mesmo antes do início da operação, o porta-aviões Eisenhower estava a cerca de 280 quilômetros das latitudes mais próximas controladas pelo Ansar Allah. Os houthis possuem mísseis balísticos antinavio Zoheir e Khalij-e-Fars com alcance de 300 a 500 quilômetros.

O membro do Conselho Político Supremo do Ansar Allah, Muhammad al-Bukhaiti, se sentiu compelido a reiterar o óbvio ao afirmar que “mesmo que os Estados Unidos consigam mobilizar o mundo inteiro, as nossas operações no mar Vermelho não pararão a menos que o massacre israelense dos palestinos em Gaza pare. Não abriremos mão da responsabilidade de defender os moustazafeen [os oprimidos] da Terra”.

No entanto, Escobar alerta que “é melhor que o mundo se prepare: ‘Porta-aviões afundado’ pode se tornar o novo 11 de setembro“.

Transporte marítimo no mar Vermelho permanece aberto

“Com um único movimento – um bloqueio marítimo de fato – Ansar Allah provou que o “Rei está Nu”: o pequeno Iêmen fez mais na prática para defender a causa palestina do que a maioria dos principais intervenientes regionais juntos. Aliás, todos eles receberam ordens públicas de [Benjamin] Netanyahu para calarem a boca. E eles obedientemente obedeceram”, disse o analista. Para Pepe, é bastante instrutivo seguir mais uma vez o dinheiro. Israel foi duramente atingido. O porto judeu de Eilat está praticamente fechado e as suas receitas caíram 80%.

gigante marítima taiwanesa Yang-Ming Marine Transport Corporation planejou originalmente redirecionar o transporte da sua carga com destino a Israel para o porto de Ashdod. Depois cortou quaisquer remessas para qualquer destino israelense.

“Não é de admirar que Yoram Sebba, presidente da Câmara de Navegação de Israel, tenha-se revelado intrigado com as táticas ‘complexas’ e os critérios ‘não revelados’ de Ansar Allah que impuseram ‘total incerteza’. A Arábia Saudita, Egito [Canal de Suez esvaziado] e Jordânia também foram apanhados na rede iemenita.”

Manter em perspectiva que o Ansar Allah apenas bloqueia navios que vão para Israel também é fundamental, na opinião do analista, que afirma que a maior parte do transporte marítimo no mar Vermelho permanece aberta.

Digite CTF 153

Na percepção de Pepe, até agora, de um lado temos o pequeno Iêmen sozinho praticamente governando o mar Vermelho. Por outro lado, encontramos o conjunto EAU-Arábia Saudita-Jordânia, sob a forma de um corredor terrestre de carga — alternativo — estabelecido a partir do porto de Jebel Ali, no golfo Pérsico, através da Arábia Saudita até a Jordânia e depois a Israel.

O corredor utiliza de conectividade terrestre baseada em caminhões, reduzindo o tempo de transporte de 14 dias através do mar Vermelho para um máximo de 4 dias na estrada, 300 caminhões por dia, todos os dias. A Jordânia opera o transbordo dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita.

Israel, entretanto, tem promovido com entusiasmo por Netanyahu, um plano cujo objetivo principal é uma ligação com a península Arábica e, sobretudo, com a metrópole tecnológica NEOM que deve ser construída teoricamente até 2039 na província noroeste de Tabuk, na Arábia Saudita, a norte do mar Vermelho, a leste do Egito através do golfo de Aqaba e ao sul da Jordânia.

É nisso que Riad está realmente apostando, muito mais do que no desenvolvimento de relações mais estreitas com o Irã no âmbito do BRICS+ ou ainda no futuro com a Palestina, “aconselhando” Washington a exercer alguma moderação no planejado bloqueio naval do Iêmen.

“No entanto, como poucas coisas são mais importantes para os psicopatas neoconservadores judeus khazares que atualmente dirigem a política dos EUA do que proteger os interesses comerciais no mar Vermelho do seu porta-aviões nuclear Eisenhower na Ásia Ocidental, a decisão de criar uma ‘coligação’ era quase inevitável”, explicou Pepe.

É aí que entra a coligação multinacional de 39 nações estabelecida em 2002 e liderada pela 5ª Frota Naval dos EUA no Bahrein, a Força-Tarefa Combinada 153 (CTF 153, na sigla em inglês), centrada na “segurança marítima internacional e nos esforços de capacitação no mar Vermelho, no estreito de Bab al-Mandeb e no golfo de Áden”.

Os membros da CTF 153 incluem os EUA, Reino Unido, França, Canadá, Noruega, Itália, Países Baixos, Espanha, Seychelles e Bahrein.

Todos a bordo da Rota do Mar do Norte

Se a situação no mar Vermelho ficar realmente difícil, isso deve destruir instantaneamente o cessar-fogo entre Riad [Arábia Saudita] e Sanaa [Iêmen]. A Casa Branca e o Estado Profundo dos EUA simplesmente não querem um acordo de paz de qualquer tipo. Eles querem a Arábia Saudita em guerra com o Iêmen, alega o analista.

“Assim, mais uma vez temos a confirmação gráfica de que o Império do Caos, das Mentiras e da Pilhagem só pede cessar-fogo quando está perdendo muito: veja-se o caso da Ucrânia”, afirmou ele. “No entanto, nenhum cessar-fogo em Gaza – apoiado pela esmagadora maioria dos Estados-membros da ONU – está correndo o risco de se metastatizar em uma expansão de uma guerra mais ampla no Oriente Médio”

Assim, de acordo com a ótica imperial, o único caminho a seguir é uma maior militarização  — do Mediterrâneo ao canal de Suez, ao golfo de Aqaba, ao mar Vermelho, ao golfo de Áden, ao mar Arábico e ao golfo Pérsico. Isto se enquadra exatamente no quadro da Guerra dos Corredores Econômicos.

“Washington prefere apostar em uma possível e profunda recessão global do que simplesmente permitir um cessar-fogo humanitário em Gaza. A recessão poderá muito bem impulsionar um colapso econômico generalizado do Ocidente coletivo e um aumento ainda mais rápido da multipolaridade”, garantiu Pepe Escobar.

Para oferecer o alívio tão necessário a tanta insanidade, o presidente russo Vladimir Putin observou recentemente que a Rota do Mar do Norte está se tornando agora um corredor comercial marítimo mais eficiente do que o Canal de Suez.

Pepe Escobar, é um jornalista brasileiro, correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp