browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

III Guerra Mundial está cancelada: Por que a OTAN não pode ter a Rússia como seu Inimigo

Posted by on 21/07/2022

O mundo está mudando tão rapidamente que o termo ‘novo normal’, que apareceu pela primeira vez no mundo dos negócios e depois enriqueceu a gíria diplomática, foi adicionado ao vocabulário ativo não apenas de todos aqueles que acompanham as notícias, mas também daqueles que não acompanham nada, a imensa maioria. A cúpula da OTAN realizada em Madri, no mês passado, foi rica em informações, afirmando ser um dos principais eventos políticos do verão de 2022. O encontro marcou mais um marco nas tensas relações entre Moscou e Bruxelas, com a continuidade do conflito entre Rússia e o Ocidente o foco principal.

A Terceira Guerra Mundial está encerrada – por que a OTAN não pode se dar ao luxo de ter a Rússia como seu principal inimigo

Fonte: Rússia Today

  • Primeiro, foi lançado um novo Conceito Estratégico para o bloco, no qual a Rússia foi declarada publicamente sua principal ameaça à segurança do mesmo. 
  • Em segundo lugar, foi lançado oficialmente o processo de adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN, confirmando simbolicamente a [pseudo] unidade do campo euro-atlântico. 
  • Em terceiro lugar, foram anunciadas várias medidas e planos que visam “dissuadir” diretamente a Rússia militarmente.

Estes são todos os sinais alarmantes que criam uma impressão deprimente para as pessoas de fora. A reação dos políticos também não acrescenta otimismo. Por exemplo, ao comentar o Conceito Estratégico da OTAN para 2022 , o Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Alexander Grushko, disse: 

“A própria existência de um Estado como a Rússia é reconhecida como uma séria ameaça à aliança. Esta é uma virada muito séria e uma tentativa real de nos confrontar”.

Parece que tudo aponta para um ‘novo normal’ nas relações Rússia-OTAN. Naturalmente, surgem perguntas: Como isso aconteceu? O que Bruxelas [OTAN] fará na prática e como Moscou reagirá? Um confronto estratégico no campo da informação e o acúmulo de meios de dissuasão de ambos os lados podem se transformar em um conflito militar aberto e total?

No entanto, se você olhar mais fundo, as respostas fundamentais não são tão assustadoras quanto parecem.

Como isso aconteceu?

De fato, para interpretar adequadamente esse ‘novo normal’ nas relações Rússia-OTAN, elas devem ser analisadas de uma perspectiva cronológica.

Olhando para o período desde o colapso da URSS e o fim da Guerra Fria, a ofensiva da Rússia na Ucrânia é, de fato, um cenário sem precedentes para a segurança europeia. Naturalmente, o novo documento estratégico da OTAN difere das entradas anteriores da série. O conceito de 1991 observou uma redução na ameaça à segurança devido à mudança no equilíbrio de poder na Europa, mas também observou a necessidade de levar em conta o legado da Rússia do potencial militar da União Soviética.

edição de 1999 caracterizou a Rússia, a Ucrânia e a República da Moldávia como parceiros para o diálogo. A parcela de 2010 finalmente atribuiu importância estratégica às relações com a Rússia e teve como objetivo aprofundá-las em questões de interesse mútuo. Assim, se compararmos o documento de 2022 com seu antecessor imediato, o ‘novo normal’ realmente é novo.

No entanto, 12 anos se passaram desde a adoção do conceito anterior, durante os quais a OTAN enfrentou crises internas e fracassos em alcançar seus objetivos, e a Rússia mudou para uma política externa mais ativa. O ápice de hoje no confronto entre Moscou e Bruxelas resume os acontecimentos desse período. 

As queixas da Rússia contra a OTAN já começaram a se acumular desde os conflitos nos Bálcãs na década de 1990, e aumentaram visivelmente após a cúpula de 2008 em Bucareste, quando a Ucrânia e a Geórgia foram prometidas como membros do bloco. Essa crítica persistiu, ainda que de forma implícita, durante a operação da OTAN na Líbia, bem como no conflito sírio.

As cúpulas da OTAN que ocorreram no País de Gales e em Varsóvia em 2014 e 2016 após a primeira crise ucraniana, por sua vez, formalizaram o início da ‘securitização’ da Rússia. Neste contexto, as partes realmente abandonaram o diálogo e suspenderam o trabalho do Conselho Rússia-OTAN por iniciativa de Bruxelas. Apesar das tentativas de reviver o formato e até usá-lo no início de 2022 para discutir propostas russas de garantias de segurança, ficou claro que a funcionalidade e a eficácia do Conselho foram reduzidas a zero. 

No outono de 2021, a Missão Permanente da Rússia na OTAN, o Bureau de Informações e a Missão de Ligação Militar do bloco em Moscou também suspenderam seu trabalho. Na ausência desses canais de comunicação e, de fato, de qualquer propósito real para eles, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, sucintamente caracterizou as relações de Moscou com Bruxelas como “inexistentes”.

Portanto, se compararmos a realidade após a cúpula de Madri com o desenvolvimento dos eventos antes dela, o ‘normal’ é o mesmo… só que mais claramente formulado.

O que Bruxelas fará e o que Moscou fará?

Uma vez que os ‘i’s são pontilhados e as palavras importantes são ditas, as coisas ficam mais claras. A realidade de hoje torna mais fácil para ambas as partes entender a lógica de seu oponente, bem como seu comportamento no futuro, até certo ponto. Na situação atual, as decisões anunciadas pela OTAN confirmam o retorno do bloco ao regime da Guerra Fria.

Sua liderança sinalizou esse movimento anunciando o envio de tropas adicionais no Leste e sua prontidão para continuar fornecendo assistência militar à Ucrânia, bem como aumentando a frequência e intensidade dos exercícios militares e acelerando a modernização de seu complexo militar-industrial.  É óbvio que, no médio prazo, o bloco se concentrará em fortalecer suas fronteiras leste e sul para conter a Rússia.

Se a Finlândia e a Suécia concluírem com sucesso o processo de adesão, o formato que a OTAN escolher para proteger suas fronteiras com a Rússia, que permanece desconhecido, será fundamental para a reação de Moscou. Há dois grupos de questões aqui – relacionadas às armas convencionais e estratégicas.

Com relação às armas convencionais, tanto as forças dos EUA quanto os batalhões multinacionais como os que operam na Polônia e nos Estados Bálticos podem ser mobilizados para reforçar as tropas nacionais da Suécia e da Finlândia. A probabilidade da segunda opção é maior, pois os próprios líderes dos países nórdicos se manifestaram contra a primeira. 

Nesse caso, será necessário um esforço significativo do lado russo para implantar forças e equipamentos adicionais ao longo de sua fronteira com a Finlândia, bem como para modernizar sua infraestrutura militar nas regiões adjacentes da Carélia e Murmansk. 

No Mar Báltico, a coexistência das frotas russa e da OTAN seria problemática (já que todos os estados com acesso poderão em breve ser membros da aliança) e exigirá medidas de atualização, construção de confiança e prevenção de incidentes.

A comunidade de especialistas também está discutindo as perspectivas de implantação de mísseis de médio e curto alcance, bem como armas nucleares e sistemas de defesa antimísseis, no novo flanco da OTAN. Isso já exigiria um rearranjo das armas estratégicas da Rússia e adicionaria uma nova dimensão à questão da militarização do Ártico, criando um desafio significativo para a segurança estratégica de Moscou. 

No entanto, seria um passo muito arriscado por parte do bloco da OTAN incentivar deliberadamente uma maior escalada em suas relações com a Rússia, de modo que os governos dos países nórdicos descartaram a probabilidade de tal cenário até agora.

De acordo com declarações do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, quaisquer medidas tomadas pela OTAN serão minuciosamente analisadas pelos militares russos, o que significa que a bola está agora no campo da Rússia. Mas de uma forma ou de outra, do ponto de vista prático, os eventos que ocorrem atualmente demonstram que o ‘novo normal’ nas relações Rússia-OTAN é realmente muito antigo… um que resistiu ao teste do tempo em uma era passada.

Haverá uma guerra?

Mas também há notícias potencialmente boas. Apesar da seriedade das medidas tomadas pelo bloco, dada a análise histórica acima, o ‘novo normal’ que será a base das relações Rússia-OTAN no futuro próximo não será uma surpresa para as elites militares e políticas da Rússia , por isso não exigirá nenhuma mudança fundamental de pensamento por parte de Moscou.

Quando o diálogo passa das arenas políticas e diplomáticas para o âmbito militar, muitas vezes ele torna-se mais concreto e pragmático. Um ponto importante na declaração da cúpula de Madri é a preservação do Ato Fundador das Relações Rússia-OTAN de 1997, apesar de a Rússia ter sido  acusada de violá-lo no dia anterior. Isso indica que as partes não estão prontas para abandonar completamente as garantias de segurança e se envolver em conflito aberto. A mesma ideia foi  expressa pelo secretário-geral da OTAN Stoltenberg.

Enquanto os combates na Ucrânia estiverem em uma fase ativa, as partes permanecerão vagas, determinando quais medidas devem ser tomadas para proteger adequadamente suas fronteiras sem desafiar abertamente a segurança de seus oponentes. Assim que as hostilidades terminarem e surgir um modelo pós-conflito, quando novas tropas aparecerem nas fronteiras da Rússia e os detalhes da adesão da Finlândia e da Suécia se tornarem claros, o diálogo será inevitavelmente dedicado a encontrar formas de diminuir a escalada, uma vez que um pico de tensões é sempre seguida por um declínio.

Há outra razão pela qual não é benéfico para a OTAN entrar em conflito aberto com Moscou ou concentrar todos os seus recursos em sua fronteira com a Rússia. Como foi confirmado pelas decisões tomadas durante a cúpula de Madri, o grande confronto do futuro não se concentrará na Europa, mas na região Ásia-Pacífico. E se os Estados Unidos e seus aliados precisam de recursos para combater a China muito em breve, o bloco simplesmente não pode se dar ao luxo de usá-los todos em um conflito aberto com a Rússia.

Por Julia Melnikova Coordenadora do Programa, Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é thoth-3126-1.png

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.