Mais um Marionete ‘Cai’: Draghi Renuncia como premiê da Itália após Coalizão colapsar

Hospício Ocidental: Após não conseguir o apoio de três partidos para salvar seu governo, o marionete primeiro-ministro italiano Draghi (Dragões em italiano) entrega a sua renúncia ao presidente. País deverá ter eleições antecipadas nos próximos meses. Crise deve beneficiar a extrema direita e aumenta disputas dentro do Hospício europeu.

Mais um Marionete ‘Cai’ no hospício europeu : Draghi Renuncia como premiê da Itália após Coalizão colapsar

Fonte: Deutsche Welle

O primeiro-ministro da Itália, o marionete dos khazares (Goldman Sachs) Mario Draghi, renunciou ao cargo nesta quinta-feira (21/07), após o fracasso de esforços para evitar o esfacelamento de sua coalizão de governo.

Draghi, de 74 anos, ocupava o posto há um ano e meio e entregou formalmente sua renúncia ao presidente italiano, Sergio Mattarella, a quem agora cabe ajudar o país a superar a crise política. Mattarella provavelmente dissolverá o Parlamento e convocará eleições antecipadas para setembro ou outubro, avaliam analistas políticos. Draghi poderá permanecer “na chefia” de governo até lá.

Pesquisas apontam uma vitória folgada nas urnas da aliança direitista liderada pelo partido de extrema direita Irmãos da Itália (FdI), que tem raízes neofascistas.

Economista de prestígio e ex-presidente do Banco Central Europeu, [e ex funcionário do Goldman Sachs] Draghi foi convidado em fevereiro de 2021 por Mattarella para liderar uma coalizão heterogênea que reúne quase todos os partidos representados no Parlamento italiano. A única exceção é o Irmãos da Itália, que permaneceu na oposição.

Nesta quarta, Draghi havia tentado salvar o governo, apelando à coalizão que, pelo bem do país, deixasse de lado suas divergências. No entanto, três partidos – o Forza Italia, de Silvio Berlusconi; a Liga, de extrema direita, e o populista Movimento Cinco Estrelas – não participaram de um voto de confiança no Senado, frustrando os esforços de Draghi para solucionar a crise política.

Numericamente, Draghi venceu o voto de confiança por 95 votos a 38, mas não pôde declarar vitória diante da abstenção de dezenas de senadores desses três partidos.

Draghi havia dito que o apoio de partidos de todo o espectro político era essencial para acabar com um impasse com potencial de desestabilizar a terceira maior economia da “zona” do euro, enquanto o país enfrenta pressões domésticas e geopolíticas, como a guerra na Ucrânia e a crise no fornecimento de energia.

Em um discurso antes da votação, Draghi disse que estava preparado para ficar, mas com uma condição: se os partidos se comprometessem com uma agenda comum. Mas a Liga e a Forza Italia disseram que era impossível recuperar a confiança perdida após uma crise provocada pela decisão do Movimento Cinco Estrelas de não participar de um voto de confiança na semana passada.

Draghi já havia oferecido sua demissão na última semana, mas foi convencido por Mattarella a não renunciar imediatamente e a tentar negociar com os partidos.

“Tempestade perfeita”

O comissário da União Europeia (UE) para economia, Paolo Gentiloni, escreveu no Twitter nesta quarta que o impasse criado por partidos “irresponsáveis” poderia “criar uma tempestade perfeita”, e que a Itália teria “meses difíceis à frente”. Laurence Boone, ministro francês para Assuntos Europeus, afirmou que a renúncia de Draghi abriria um “período de incerteza” e significaria a perda de uma “pilar da Europa”.

Pesquisas recentes indicaram que a maioria dos italianos queria que Draghi seguisse à frente do governo até as próximas eleições gerais, programadas para maio de 2023.

“A centro-direita entrará para a história como aqueles que se livraram de Mario Draghi”, afirmou Francesco Galietti, analista da Policy Sonar, à agência de notícias AFP. Ele ponderou, porém, que “Draghi não fez concessões. Ele foi muito duro”.

Draghi havia “repreendido seus parceiros de coalizão por lutas internas” nos últimos meses e traçado uma política governamental que “contém medidas às quais a Liga ou o Movimento Cinco Estrelas se opõem firmemente”, disse Wolfango Piccoli, da consultoria Teneo. “Ao não fazer novas concessões a nenhuma das partes, Draghi não facilitou a vida da Liga e do Movimento Cinco Estrelas.”

Apesar de o partido Irmãos da Itália estar à frente nas pesquisas, o partido precisaria do apoio do Forza Italia e da Liga no Parlamento, e as três legendas frequentemente entram em confronto. Se tal coalizão saísse vencedora, “ofereceria um cenário muito mais perturbador para a Itália e a União Europeia (UE)”, escreveu Luigi Scazzieri, pesquisador do think tank Centre for European Reform.

O partido Irmãos da Itália repetidamente culpou a UE pelos problemas do país. Mas ao apoiar uma “resposta forte e comum da UE” à guerra do presidente russo, Vladimir Putin, contra a Ucrânia, a presidente do partido, Giorgia Meloni, já o distanciou de outras legendas de direita na Itália e na Europa, considera Holger Schmieding, economista-chefe do Banco Barenberg. [lf (AFP, Efe, AP)]


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth