browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Inevitável Golpe nos EUA, ou com Trump [Militar], ou Joe Biden [NWO]

Posted by on 18/01/2021

A América e o mundo numa encruzilhada: ou Trump frustra o golpe ou será a ascensão definitiva da Nova Ordem Mundial: O CEO da My Pillow Company, Mike Lindell, foi localizado na sexta-feira passada perto da Casa Branca. Ele carregava consigo uma série de notas que basicamente mostram a Trump a melhor forma de ativar a chamada Lei da Insurreição, a lei contra insurreições assinada em 1807, e a conseqüente  gestão dos poderes emergenciais que seriam atribuídos ao presidente em um cenário do tipo ao que estamos assistindo se desenrolar nos últimos meses.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A América e o mundo numa encruzilhada: ou Trump frustra o golpe ou será a ascensão definitiva da Nova Ordem Mundial

Fonte: La Cruna dell’Ago

Esta é uma lei que de fato estabeleceria o uso de Tribunais Militares para julgar todos aqueles que participaram de distúrbios e atos de traição que pudessem prejudicar a integridade e estabilidade do pais. Aparentemente, o empresário americano teria tido uma breve entrevista com Trump onde teria apresentado ao presidente a melhor forma de recorrer a esses poderes emergenciais, mas não se sabe se Trump considerou a proposta do administrador de My Pillow.

Após a reunião, Lindell relatou que ele era apenas um meio para transmitir ao presidente uma mensagem de um advogado americano que ele não quis revelar. As notas também traziam o nome do advogado Sidney Powell, que esteve na linha de frente por meses em recursos contra fraudes eleitorais.

É provável que Lindell propôs a Trump atribuir um papel a Powell, especialmente na investigação de irregularidades nas eleições. Estas são certamente horas decisivas para o destino da América e de todo o mundo. Muitos se perguntam por que Trump não agiu antes para impedir o golpe em curso, e muitos ainda se perguntam se a esta altura o presidente está disposto a tomar a decisão decisiva de prender aqueles que tentaram subvertê-lo com fraude eleitoral.

Antes de considerar quais seriam os cenários à disposição de Trump para conseguir impedir o estabelecimento na Casa Branca de uma marionete senil e pedófilo por anos na folha de pagamento da China comunista, é necessário reconstruir as etapas do golpe em andamento nos EUA.

História de um golpe contra a América

Tudo começou na noite de 3 de novembro. Foi aí que a operação começou, quando o establishment percebeu que Trump enfrentava uma fácil reeleição de seu mandato. Uma ordem foi transmitida nos estados-chave da eleição e todos pararam de contar os votos ao mesmo tempo.

Naquele momento, milhares de votos postais ilegais foram despejados nas urnas que chegaram bem depois do prazo final da meia-noite e todos foram estranhamente atribuídos a Joe Biden. Os acessos aos locais de apuração foram barrados e o acesso aos representantes da lista do Partido Republicano foi negado.

Essa circunstância por si só teria sido suficiente para invalidar todas as eleições, pois as leis eleitorais dos diversos estados foram flagrantemente violadas, conforme explica o presidente da comissão eleitoral federal, Trey Trainor. Mas a fraude não se limitou apenas ao uso de cédulas falsas ou votos ilegais por correio.

Houve um nível externo da operação que ocorreu fora das fronteiras dos Estados Unidos e que teve o papel decisivo de uma equipe de hackers cibernéticos que tinha a tarefa específica de transferir os votos de Trump para Biden.

O ciberataque, revelado pelo ex-agente da CIA Bradley Johnson, já estava em andamento em Frankfurt, na estação local da CIA onde são mantidos os servidores da Dominion, empresa ligada a Soros e aos Clintons que foi decisiva para realizar fraude eletrônica.

Nesse ponto, outro país teria entrado em cena e seria a Itália, como já foi explicado nas  contribuições anteriores . Assim que o grupo de TI de Frankfurt percebeu que Trump ainda estava ganhando, apesar da fraude em andamento, decidiu-se envolver o governo italiano na operação.

Na embaixada dos Estados Unidos na Via Vêneto, segundo a versão do próprio Maria Zack e Johnson, o general Graziano teria coordenado o hackeamento realizado por meio da tecnologia militar disponibilizada pela empresa aeroespacial , Leonardo, empresa líder no setor de defesa de propriedade majoritária do governo Italiano.

A este respeito, é interessante notar que os meios de comunicação comuns [da MSM Pre$$titute] se interessaram por este blog, incluindo o La Stampa, o La Repubblica e Il Giornale, e foram rápidos em dizer que tudo isso não seria verdade, mas os mesmos meios de comunicação em questão. em nada assinalaram que nenhum dos protagonistas questionados, exceto o General Graziano e Renzi, mas de forma invulgarmente tímida, negou a versão de Zack e Johnson.

A embaixada americana em Roma e o governo cessante de Conte permaneceram em silêncio, assim como a empresa Leonardo, que ao invés disso viu dez de seus líderes serem presos nos últimos dias por lavagem de dinheiro e corrupção [??], poucos dias após o escândalo de Italiagate que envolveria de fato a empresa líder em tecnologias aeroespaciais italiana.

De fato, uma estranha “coincidência todas estas prisões”. [Assim como o fechamento com tiroteio no aeroporto de Frankfurt no último sábado]

Portanto, a Itália e seu aparato institucional nas mãos do globalismo do Deep State poderiam realmente ter desempenhado um papel fundamental na fraude informática das eleições nos EUA, em todo caso no contexto de uma operação que envolveu vários executivos de todo o mundo envolvidos em um ataque sem precedentes aos Estados Unidos. 

Os países que participaram principalmente direta e indiretamente foram em primeiro lugar a Suíça , como dona do software conectado à Dominion, ou Scytl, já conhecida do governo suíço por sua alta insegurança na contagem dos votos; A China como credor ativo de uma subsidiária da própria Dominion; Canadá, como a sede do próprio Domínio; A Alemanha como país que realizou parte do hackeamento desde Frankfurt, por último, a própria Itália pelo papel que já foi explicado acima.

Em outras palavras, foi um golpe internacional contra a soberania dos Estados Unidos e da reeleição de Donald Trump realizado por governos que estão todos firmemente nas mãos da grande potência financeira global e do Deep State. O que foi perguntado em várias ocasiões é por que Trump permitiu aos governos que são seus inimigos tudo isso, aparentemente, sem tentar tomar as contra-medidas necessárias.

O presidente certamente estava perfeitamente ciente de que eles tentariam derrubá-lo ilegalmente, e ele havia preparado uma ordem executiva muito precisa contra a interferência estrangeira nas eleições dos Estados Unidos em 2018.

A ordem nunca foi ativada porque muito provavelmente a comunidade de inteligência que redigiu o relatório sobre essas interferências deu ao presidente um relatório contraditório e não único sobre a óbvia interferência estrangeira nas eleições americanas. O sistema sabotou o presidente, até agora privando-o da possibilidade de usar essa arma.

A ordem executiva ainda poderia ser ativada no último momento se Trump já estivesse de posse de um elemento decisivo e incontestável justamente quanto à possível interferência da Itália na fraude eletrônica. Enquanto isso, os tribunais que foram virtualmente cooptados pelo establishment se recusaram a considerar qualquer outra evidência mostrada pelos advogados de Trump.

As evidências estavam e estão lá, mas nenhum tribunal foi encontrado que estivesse realmente disposto a considerá-las.

O ataque ao Congresso: o ato subversivo final contra Trump

O golpe de estado, portanto, continuou até 6 de janeiro, dia em que o Congresso de fato certificou eleições ilegais, portanto culpadas de cumplicidade em fraude eleitoral. Antes desse ato subversivo e inconstitucional, houve os infames tumultos no Capitólio que viram hordas de apoiadores definidos como “pró-Trump” pela imprensa italiana (incluindo os chamados trumpianos na frente) e internacional, invadindo o Congresso.

Na semana passada, ficou claro que esses ativistas não eram de forma alguma atribuíveis ao campo de Trump. Ao contrário, já foram presos vários participantes do assalto ao Capitólio que se revelaram nada mais que integrantes do grupo terrorista Antifa, financiado em grande parte pelo especulador americano de origem khazar George Soros.

Tratava-se, portanto, de uma chamada “falsa bandeira”, expressão que no jargão dos serviços secretos significa “falsa bandeira”, e que identifica a preparação de um evento elaborado por grupos de inteligência cuja culpa ou responsabilidade é então imputada aos inimigos desses grupos na tentativa de desacreditá-los e comprometê-los aos olhos do público.

A insurreição, portanto, de fato ocorreu, mas não é obra de Trump de forma alguma, e sim de seus inimigos, que o acusaram falsamente de ter preparado o cerco. Essa operação foi fundamental para justificar a segunda acusação e pedido de impeachment da Câmara dos Representantes presidida por Nancy Pelosi contra o presidente.

É a primeira vez na história que um presidente dos EUA foi submetido a “impeachment” duas vezes durante seu mandato. Na primeira ocasião, as falsas acusações foram baseadas na farsa Russiagate, a tentativa de conluio de Trump com o Kremlin.

Entre outras coisas, os documentos recentemente desclassificados de Trump sobre isso confirmam que toda a investigação sobre ele foi nada mais do que uma exploração política do FBI dirigida por Comey, que sob a égide do ex-presidente Obama deu vida a esta operação de espionagem ilegal. Em ambos os casos, a diretora da operação foi Nancy Pelosi, que agora está em grande parte fora do perímetro constitucional e já é culpada de subversão e traição.

A essa altura, Trump teria todos os elementos para acusar o Congresso de ter certificado uma eleição ilegal e Pelosi de alta traição, dada sua reiteração ao querer recorrer à acusação como meio político para destituir o presidente. Outro aspecto que nos deixa muito perplexos nessa história é a pressa frenética do sistema em proceder com o impeachment de um presidente em final de mandato.

O argumento proposto de evitar que Trump volte a ser candidato em 2024 não faz sentido, porque Trump não teria mais nenhuma chance real de vencer de qualquer maneira. O estado profundo, o poder do estado profundo dos lobbies militares e financeiros, não vai mais permitir que ele ganhe eleições legalmente de forma alguma, como já demonstrou em 2020.

As razões parecem ser diferentes aparentemente. O establishment parece revelar de alguma forma o medo de que o presidente faça alguma coisa, caso contrário toda essa pressa não teria nenhuma razão de existir. Assim que o ato subversivo de Pelosi contra Trump começou, as redes sociais, ao mesmo tempo, cortaram as comunicações do presidente em exercício.

Pela primeira vez desde que essas plataformas de Midia social existem, um chefe de estado foi expulso de cada uma delas. A sensação é que o sistema queria cortar todas as comunicações do presidente ao mesmo tempo com os seus apoiadores. O motivo pode estar em um dos últimos tweets de Trump em que ele capitaliza que os americanos terão uma “VOZ GIGANTE” no futuro.

O presidente Trump afirma os 75 milhões de pessoas que votaram ...

O termo é utilizado no jargão militar para identificar as transmissões de emergência que são feitas pelas Forças Armadas em caso de eventos extraordinariamente graves que requeiram o acionamento deste sistema de comunicações para alertar a população civil [especialmente se a INTERNET for derrubada pelo próprio governo, tirando todas as MÍDIAS SOCIAIS do ar e restringindo a ação de resistentes].

Então, o presidente queria enviar uma mensagem codificada aos seus partidários sobre uma possível ativação da lei marcial e/ou o ato contra as insurreições? Outro aspecto que não se soma a tudo isso é o destacamento massivo de forças militares em Washington DC, que hoje é a cidade mais militarmente ocupada do mundo.

Há cerca de 30.000 soldados da Guarda Nacional na cidade e uma cerca não escalonável com mais de dois metros de altura foi erguida ao redor do Congresso, que as forças de segurança querem proteger com eficácia desta vez, ao contrário do que aconteceu em 6 de janeiro. Existem também vários postos de controle militares nas ruas. Tudo isso para uma inauguração de posse que não acontecerá do modo formal, mas que será realizada apenas de forma virtual.

Um ensaio técnico da inauguração de Biden também foi agendado para hoje e foi misteriosamente adiado devido a questões de segurança [um incêndio por explosão de um recipiente com gás]. Quais podem ser todas essas preocupações em uma cidade onde praticamente todos os cantos são comandados por militares, isso não foi revelado.

Em tudo isso, adicione-se que a VP Kamala Harris ainda não deixou sua cadeira no Senado e faltam apenas três dias para ela assumir a vice-presidência. É a primeira vez na história dos Estados Unidos que um deputado ou senador espera o último momento para renunciar, e isso sugere que a própria Harris deseja esperar até o último momento antes de deixar sua cadeira, talvez temendo que algo inesperado possa acontecer.


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu recentemente, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]


Mas agora devemos voltar ao ponto de partida desta análise e é aquela relativa ao motivo pelo qual o presidente não parou o mecanismo que foi acionado anteriormente. A ideia é que Trump tentou da última vez uma resolução pacífica da fraude, mas simplesmente teve que descobrir que todas as partes do sistema estão completamente infectadas pelo câncer da corrupção.

Os tribunais estão infectados, os ministérios estão infectados, os partidos e os políticos estão infectados e até a sua própria vice-presidência está infectada, pois que não exerceu as prerrogativas que a Constituição lhe atribui em termos de fiscalização da regularidade do voto. Agora, que todo o possível caminho pacífico parece ter falhado, será nessas horas finais que se descobrirá se Trump deseja prosseguir com ele ou não.

Alguns argumentam que tudo isso foi previsto e que o presidente sabia que ainda chegaria a esse ponto em que Trump já teria tomado a decisão de usar os militares para limpar um sistema profundamente podre e corrupto. Se você olhar a decisão de Trump em novembro passado quando ele decidiu renovar a liderança da defesa e retirar do conselho de defesa falcões militaristas do grupo globalista Bilderberg como o khazar Henry Kissinger e Madeleine Albright, tudo isso parece fazer sentido.

Esses movimentos não se assemelham aos de um presidente cessante. A renovação do Pentágono dá o ar de uma opção feita pelo controle de um gânglio vital da máquina militar, sem o qual não há possibilidade de se levar a cabo uma medida contra a repressão ao golpe em curso que previu precisamente o inevitável envolvimento das forças armadas.

Esta eleição, entretanto, provou ser uma evidência incontestável. É impossível mudar o status quo com os sistemas democráticos, porque a democracia não foi feita para entregar o poder ao povo, mas antes para garantir o domínio absoluto da elite financeira do globalismo SOBRE o povo.

Em uma democracia domina quem tem capital, que é o meio para ter controle sobre a mídia e os partidos e os políticos. Trump conseguiu quebrar o falso duopólio democrático / republicano com o qual os lobbies de Washington controlaram o país por décadas, apenas porque ele próprio tinha o poder de se financiar e participar da disputa.

Ele foi e É um bug do sistema que o próprio sistema vinha tentando desesperada e freneticamente eliminar desde o início de sua campanha em 2016. Tornar a América grande novamente é completamente incompatível com a agenda do globalismo que, em vez disso, visa tornar grande a tão desejada ditadura global, e para isso a América DEVE CAIR.

Um jogo fraudulento não pode ser vencido por meios burocráticos pacíficos. A “banca” sempre vence inevitavelmente. Se você quer vencer o dealer, você precisa mover o jogo para outro nível e prender aqueles que violaram as regras e cometeram crimes muito graves. Na “democracia liberal socialista desejada pelo globalismo, não há outra possibilidade de se fazer isso.

Trump tem uma oportunidade histórica de fazer isso e, se não o fizer agora, entregará a América nas mãos daquele poder que a tornará o país uma província da China comunista e, assim, abrirá definitivamente o caminho para a Nova Ordem Mundial. A iniciativa “The Great Reset” não terá mais nenhum obstáculo e passará por uma forte aceleração, como disse John Kerry, ex-secretário de Estado dos EUA e membro da sociedade secreta Skulls and Bones do Deep State.

O tempo está, portanto, se esgotando. Trump tem uma grande responsabilidade sobre seus ombros. O que ele fizer não apenas mudará o destino da América, mas também marcará o destino do mundo inteiro. Se os EUA retornarem sob a asa do globalismo, se os EUA cair a Nova Ordem Mundial virtualmente não terá mais obstáculos.

Nesse ponto, apenas a Rússia de Putin permanecerá isolada e cercada pela China comunista e pelo bloco euro-atlântico recomposto sob o senil Joe Biden. Trump não apenas abrirá o caminho para uma ditadura mundial que escravizará a América e o mundo se ele não fizer nada, ele também destruirá a si mesmo.

Não há futuro como empresário para Trump e sua família. A máfia financeira globalista está fazendo uma terra escaldante em torno dele , e o promotor de Washington DC ameaça prendê-lo e a seu filho . Se o mecanismo não for interrompido agora, a Grande -Greta Reset – Restauração ativará e dominará tudo e todos.

São horas terríveis e decisivas. Talvez Trump possa encontrar a resposta para o que fazer nas cartas que Monsenhor Viganò lhe enviou em mais de uma ocasião. Lá, o presidente pode compreender a importância do que está em jogo novamente. Lá o presidente encontra inspiração para esmagar a cabeça da serpente venenosa de uma vez por todas.


Sua contribuição é fundamental para manter o site funcionando e independente. Somos censurados pelas gigantes de TI [Big Techs] em relação ao material por nós publicado, com consequente impacto e completa suspensão dos anúncios. Considere fazer uma pequena contribuição mensal (valores entre $ 10 e $ 50 reais, ou qualquer outra moeda e valor) se utilizando do mecanismo  PayPal disponibilizado pelo site. Para pgto único, entre em contato pelo e-mail Thoth3126@protonmail.ch e solicite os dados de nossa conta bancária. Sem a ajuda imediata de nossos assíduos leitores não conseguiremos arcar com todos os custos inerentes à manutenção do Blog e iremos encerrar o nosso trabalho em março.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

4 Responses to Inevitável Golpe nos EUA, ou com Trump [Militar], ou Joe Biden [NWO]

  1. Silvio J B Maia

    Realmente estamos nas turbulências transicionais….

  2. Gerty Rosane Matter

    Lúcifer está na reta final para introduzir o seu Anti-Cristo…. portanto como Jesus falou… “o mundo jaz no poder do iníquo” e é Ele que comanda o cenário mundial… portanto tudo será de acordo com a sua vontade e ninguém poderá interferir no rumo que o sistema satânico está conduzindo. Somente depois de todas as profecias se cumprirem haverá interferência de Jesus. Até lá preste atenção nas palavras de Jesus… “quem está de pé acsutele-se para que não caia” . O mundo se deparará apenas com dois lados (Deus x Satanas) e cada um terá que fazer a sua escolha.

  3. HiddenCitiZen

    Também concordo que seja inevitável o cumprimento das profecias que levam ao governo do anti-cristo e da NOM, o que podemos fazer é nos salvar e ajudar a quem queira a ser salvo também. Estamos aqui pra isso, esse é o nosso propósito…Não tenho mais medo da morte pois encontrei meu propósito…

  4. Luis

    Então infelizmente vai ser instalada NWO a Nova Ordem Mundial pois o Biden assume o cargo de Presidente amanhã,20 de janeiro de 2021.Esse era o plano dos Alienigenas Negativos junto com a elite do Planeta.Inteligência Artificial e Transhumanismo,é a era de Lúcifer mesmo e seu Anti-Cristo,provavelmente vão perseguir todos os Cristãos,e eu como Cristão que sou vou ser morto.Morro mas não nego a Cristo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.