browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Insider revela: Voo MH-17 foi um atentado False Flag Attack visando culpar a Rússia

Posted by on 11/01/2020

O atentado que derrubou o vôo MH-17 da Malaysia Airlines , que foi abatido por um míssil em 17 de julho de 2014 na região de Donbass, no leste da Ucrânia na fronteira com a Rússia, matando todos os 283 passageiros e 15 tripulantes a bordo e que foi imediata e diretamente culpados as milícias russas voluntárias de Donbas, que lutavam contra os capangas da agitação civil da praça Maidan, do batalhão neonazista de Azov e as forças armadas ucranianas. A culpa imediatamente foi atribuída à Rússia que apoiava às milícias e, sem que ocorresse uma investigação e muitas perguntas permaneceram sem resposta … Essas perguntas foram agora respondidas pelo ex-tenente-coronel Vasily Prozorov, denunciante e insider dos Serviços de Segurança da Ucrânia, que fugiu para a Rússia, em um novo documentário condenatório intitulado ” Voo MH-17: Em Busca da Verdade “.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Denunciante e Insider ucraniano revela que a tragédia do voo MH-17 da Malaysia Airlines foi orquestrada por Poroshenko e pelos Serviços Secretos ocidentais para colocar a culpa nos rebeldes  na região separatista de Donbass apoiados pela e na Rússia

Fonte:  https://theduran.com/ukranian-whistleblower-reveals-mh-17-tragedy-was-orchestrated-by-poroshenko-and-british-secret-service/

Essas perguntas agora foram respondidas pelo insider e denunciante ucraniano, o ex-tenente-coronel Vasily Prozorov, dos Serviços de Segurança da Ucrânia, que fugiu para a Rússia, em denúncias em um novo documentário condenatório intitulado “Voo MH-17: Em Busca da Verdade“.

Destroços do voo MH-17 da Malaysia Airlines derrubado por um míssil enquanto sobrevoava território ucraniano matando todos os 283 passageiros e 15 tripulantes.

O denunciante e insider no documentário de 39 minutos deslegitima completamente as “descobertas” encontradas [fabricadas] pelos investigadores holandeses e pelos líderes mundiais ocidentais, baseando-se em documentos classificados a que ele próprio teve acesso através de sua própria posição de alto escalão no governo da Ucrânia e daqueles próximos a ele, além de relatos de testemunhas, inclusive de voluntários de Donbass.

A responsabilidade de investigar a tragédia foi atribuída a uma equipe de investigação conjunta liderada pelos holandeses com o Dutch Safety Board, que alegou que o voo MH-17 da Malaysia Airlines foi derrubado pelos voluntários do Donbass com um míssil antiaéreo Buk de superfície para ar. 

O insider Prozorov contesta essa afirmação e questiona por que a Malaysia Airlines, a dona e responsável do voo MH-17, foi empurrada para a periferia da investigação e a prioridade foi dada ao lado holandês. Isso por si só não é condenatório e não prova que os voluntários do Donbass não eram os responsáveis, mas demonstra que desde o começo da investigação existia uma agenda claramente pré estabelecida quando um país com interesse direto nessa tragédia é deixado de lado.

Curiosamente, os investigadores holandeses desconsideraram completamente as informações desclassificadas do Ministério da Defesa russo de que o míssil usado para derrubar o voo MH-17 foi enviado para a região de Lviv, no oeste da Ucrânia, perto da fronteira polonesa durante a era soviética, exatamente para o lado oposto do país a Donbass. Prozorov foi capaz de revelar o número de série do míssil (8-8-6-8-7-2-0). 

Essa revelação é complementada pelo fato de que o Regimento Antiaéreo militar ucraniano estava operando em Donbass e tinha veículos BUK em formação em serviço na região, conforme corroborado por dois entrevistados que serviram no regimento, questionando por que os investigadores holandeses ignoraram tais críticas. Isso acontece porque agora ficou provado, conforme explicado no documentário, que o suposto movimento da bateria de misseis Buk russo na Ucrânia foi falsificado,

No entanto, o Serviço de Segurança da Ucrânia que usava o Regimento Antiaéreo 156 não agiu sozinho, e houve esforços conjuntos significativos com nações estrangeiras, principalmente a Grã-Bretanha, mas também a Austrália [um país procurador (proxie) dos EUA/Inglaterra]. O documentário revela que o major-general ucraniano Valery Kondratyuk e o tenente-coronel Vasily Burba, em que Prozorov conhecia o último, estavam com dois agentes do serviço secreto britânico em 22 de junho de 2014 na zona de batalha algumas semanas antes da tragédia do voo MH-17. 

Prozorov alega que o tenente-coronel Burba permaneceu com os agentes britânicos na região e conspirou junto com os Serviços de Segurança da Ucrânia para derrubar o voo MH-17. Como isso foi liderado pela inteligência britânica, não foi surpresa que o inglês Elliot Higgins, um ex- varejista de lingeries, que não estudou política ou jornalismo, teve seu obscuro blog elevado no site Bellingcat, com apoio monetário da Open Society Foundation do khazar George Soros , poucos dias antes da tragédia.

Elliot foi promovido a tal ponto que ele começou a colaborar estreitamente com o Conselho do Atlântico , que  Edward Curtins descreve como “um think tank com laços profundos com o governo dos EUA, a OTAN, os fabricantes de guerra [warlords] e seus aliados e a National Endowment for Democracy, outra organização infame da frente do congresso dos EUA fortemente envolvida nas chamadas operações de mudança de regime das “revoluções coloridas” [fabricadas] em todo o mundo. ”Higgins também liderou campanhas de desinformação sobre alegações de uso de armas químicas pelo governo sírio”.

A tragédia do voo MH-17 da Malaysia Airlines [uma clássica operação False Flag Attack – Ataque de Falsa Bandeira]  também envolveu estranhamente a Austrália, de acordo com Prozorov, com o agente de inteligência australiano Peter Kalver, provavelmente pertencente à Organização Australiana de Inteligência de Segurança se as alegações de Prozorov estiverem corretas, com um número de telefone britânico começando com +44 e terminando com 575, apesar de estar operando na Ucrânia e sendo australiano, no qual o código telefônico nacional de seu país de origem é +61. 

Com essas revelações, Prozorov explica que “coletamos informações e documentos suficientes que nos permitem tirar uma conclusão firme sobre os responsáveis pelo atentado. O “acidente” do voo MH-17 da Malaysia Airlines [uma clássica operação False Flag Attack – Ataque de Falsa Bandeira]  foi uma provocação planejada e realizada pela alta liderança ucraniana e pelas agências de inteligência ocidentais”, visando comprometer, especialmente, a Rússia.

Prozorov lista os principais culpados nesta tragédia:

  • Petr Poroshenko, o presidente da Ucrânia na época;
  • Alexander Turchinov, secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia;
  • Viktor Muzhenko, chefe do Estado Maior;
  • Valentin Nalivaychenko, chefe do serviço de segurança da Ucrânia;
  • Vasiliy Gritsak, Chefe do Centro Antiterrorista;
  • Valeriy Kondratiuk, Chefe do Departamento de Contra-Inteligência do Serviço de Segurança;
  • Vasiliy Burba, oficial do Serviço de Segurança;
  • Tenente-coronel Lyshchenko, comandante da segunda divisão do 156º regimento antiaéreo;
  • Os agentes de inteligência britânicos que supervisionaram essa operação secreta.

Resultado da imagem para o voo MH 17 ataque de bandeira falsa

É altamente recomendável que o documentário seja visto bem como todas as informações, nas quais todas são relevantes, e que não podem ser confinadas em um único artigo. As idéias e informações fornecidas por Prozorov examinam e concluem minuciosamente que a queda de voo do MH-17 foi uma ação agressiva da Ucrânia, com o apoio de agências de inteligência ocidentais (CIA, MI6], principalmente britânicas, para desacreditar as milícias Donbass e culpar a Rússia. 

Eu argumentaria que isso também foi feito para legitimar uma intervenção ocidental na Ucrânia. Assim como a campanha de desinformação de Bellingcat contra a Síria fracassou, Higgins e a campanha de outros povos para culpar os voluntários separatistas de Donbass pela tragédia do voo MH-17 também estão desmoronando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.