Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Israel poderá acabar com o Hamas em Gaza sem Perder a sua Humanidade ?

Onde está o limite numa guerra existencial entre dizimar o inimigo e prejudicar indevidamente pessoas inocentes sob o seu controle? As atrocidades impensáveis ​​perpetradas pelo Hamas contra civis no sul de Israel deixaram o país com a sensação de que não tem outra escolha senão erradicar a organização terrorista para garantir a segurança do país.Mas será que Israel pode fazer isso sem desumanizar os cidadãos de Gaza e sem justificar a morte de inocentes?

Israel poderá acabar com o Hamas em Gaza sem Perder a sua Humanidade ?

Fonte: Jerusalém Post – Por Maayan Jaffe-Hoffman

“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


No dia 7 de Outubro, centenas de terroristas do Hamas infiltraram-se em Israel. Eles não apenas assassinaram famílias inteiras, mas, em muitos casos, torturaram as suas vítimas, decapitando pessoas e queimando-as vivas.

Num incidente, chegaram a abrir a barriga de uma mulher grávida, retirando o bebê, mostrando-lhe a criança e depois deixando os dois morrerem. O Hamas também capturou pelo menos 200 pessoas, incluindo idosos e crianças. Os contra-ataques aéreos de Israel às infra-estruturas terroristas do Hamas e o assassinato dos principais comandantes atraíram um amplo apoio internacional.

Mas as mortes de civis que acompanharam os bombardeamentos e as famílias palestinas em fuga, que representam metade da população, que não têm para onde fugir, fizeram com que os apoiantes de Israel parassem e questionassem o número de vítimas palestinas.

Poderá Israel impedir-se de causar danos indevidos aos inocentes habitantes de Gaza?

ONDE ESTÁ o limite numa guerra existencial entre dizimar o inimigo e prejudicar indevidamente pessoas inocentes sob o seu controle?

A comunidade internacional ficou particularmente impressionada com a decisão de Israel de cortar a eletricidade, o combustível, os alimentos e, inicialmente, a água. A falta de eletricidade, no entanto, significa que a água não pode ser purificada e, portanto, as Nações Unidas declararam que não têm outra escolha senão beber água suja ou morrer de desidratação.

O Dr. Michel Thieren, representante da Organização Mundial da Saúde em Israel, salientou que responder a uma catástrofe com outro desastre humanitário não é uma solução viável. Enquanto Israel luta para desmantelar o Hamas, Thieren disse que é essencial garantir que os cidadãos de Gaza continuem a ter acesso aos elementos fundamentais necessários à sobrevivência, como alimentos, água e cuidados de saúde.

A desumanização é um fenômeno psicológico em que os adversários percebem uns aos outros como carentes de humanidade básica. Isto leva a negar a consideração moral – por exemplo, a forma como os nazistas viam os judeus ou os hutus em Ruanda viam os tutsis. E a forma como o Hamas vê os israelitas [e vice versa].

Entre os cerca de dois milhões de residentes de Gaza, é injusto rotular todos eles como maus, justificando a sua perseguição. Numerosos indivíduos em Gaza, tal como nós, sofreram desumanização nas mãos do Hamas. Os israelitas, que sofreram décadas de terror do Hamas, deveriam ser os mais empáticos relativamente às suas circunstâncias difíceis, mesmo enquanto ainda tomam as medidas necessárias para nos protegermos.

O custo humano da guerra em Gaza ficou evidente na noite de terça-feira, quando um ataque fracassado de foguetes lançado em uma área civil pela Jihad Islâmica Palestina levou a pelo menos dezenas de mortes de pacientes em tratamento no hospital Al Ahli, em Gaza. Enquanto o mundo rapidamente apontava o dedo para Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu procurava voltar a centrar a atenção nos responsáveis.

“O mundo inteiro deveria saber: foram terroristas brutais em Gaza que atacaram o hospital em Gaza e não as FDI. Aqueles que assassinaram brutalmente os nossos filhos também assassinam os seus filhos”, declarou Netanyahu.

O HAMAS também impediu que os residentes se deslocassem para o sul de Gaza para escapar aos bombardeamentos israelitas. Os esforços de Israel para coordenar com o Egito e as Nações Unidas para estabelecer um corredor humanitário para civis palestinos encontraram resistência devido às preocupações do Egito de que terroristas do Hamas entrassem no seu país em meio aos civis.

Os palestinos também estão preocupados com a possibilidade de serem impedidos de retornar depois de partirem de Gaza. A Dra. Dorit Nitzan, antiga coordenadora de Emergências Sanitárias da Região Europeia da OMS, observou que os preparativos de guerra do Hamas deveriam ter incluído um plano de segurança para os seus cidadãos.

“O Hamas planejou esta guerra e deveria ter um plano para salvar o seu povo”, disse Nitzan, diretora do programa de mestrado em medicina de emergência da Universidade Ben-Gurion do Negev, em Beersheba. “Isso é culpa do Hamas e o mundo tem que admitir isso.”

Contudo, Israel não pode responder ao desrespeito do Hamas pela sua população de maneira semelhante. A nação deve manter uma abordagem militar e humanitária, garantindo que as suas ações dão prioridade à segurança e proteção dos cidadãos, hospitais, escolas e locais de culto de Gaza.

Esse é provavelmente um passo difícil na guerra, explicou Thieren. “A situação agora é que a lógica militar [e o ódio racial] não dá espaço à lógica humanitária”, afirmou Thieren. “Ninguém está dizendo para esquecer o que aconteceu em 7 de outubro – o impacto, a dor não tem precedentes.

No entanto, durante mais de 10 dias, não existe qualquer opção humanitária. Durante 180 anos, desde a batalha de Solferino [na Itália], temos direito internacional humanitário e há necessidade de proteger as pessoas feridas e os civis.” O interesse próprio de Israel também deve restringir as suas ações, uma vez que os seus passos em Gaza podem sair pela culatra e prejudicar a sua população.

As doenças não reconhecem fronteiras. A interrupção do abastecimento de água a Gaza ou do combustível essencial para a dessalinização, que obriga a população a consumir água contaminada com esgotos ou impurezas, também leva à proliferação de doenças. Os roedores nas ruas de Gaza podem migrar para Israel e representar um risco para as cidades fronteiriças que já enfrentaram dificuldades consideráveis.

E, ao mesmo tempo, Israel tem de estar preocupado com o panorama global mais amplo.

A eliminação do Hamas é fundamental para a segurança judaica e deve ser vista como um aspecto significativo da luta global contra o terrorismo. Vários analistas de segurança sublinharam que grupos terroristas em todo o mundo estão monitorando de perto a situação e que a abordagem e o sucesso de Israel na sua gestão poderão influenciar as suas ações futuras.

“Se pararmos agora, será o fim de Israel”, disse Nitzan. “O Hamas não nos quer aqui. Se não os tivéssemos detido em Ashdod e Ashkelon, eles teriam ido para Tel Aviv.” Se o Hamas for eficaz aqui, outros grupos terroristas provavelmente adotarão o seu manual. O “mundo” deveria unir-se efetivamente contra o Hamas em todas as frentes, disse ela.

Nitzan acrescentou: “Gostaria de ver a comunidade internacional unida para deter o Hamas… A Organização Mundial da Saúde tem um papel urgente a desempenhar e deve começar a cumpri-lo hoje”.

Nitzan também instou a comunidade internacional, incluindo as autoridades e organizações relevantes, a trabalhar incansavelmente para garantir a libertação imediata de todos os reféns e garantir o seu regresso em segurança às suas respectivas comunidades.

Os próprios habitantes de Gaza têm algo a ganhar aqui. Se o Hamas fosse efetivamente retirado do poder em Gaza, isso poderia abrir caminho para a comunidade internacional ajudar na sua reconstrução. Os israelitas, tal como o resto do mundo, deveriam querer que os milhões de pessoas que aí residem tenham vidas melhores.

A remoção do Hamas é a única forma de os habitantes de Gaza regressarem às suas casas sem receio de bombardeamentos e da repressão interna do Hamas. É também a única esperança de paz entre Gaza e Israel.

A escritora é vice-CEO de estratégia e inovação do The Jerusalem Post e correspondente sênior. Ela também é co-apresentadora do podcast Inside Israel Innovation.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *