‘Isso Não Está Correto’: Grandes Empresas agora Punem pessoas por Usarem Dinheiro Físico

Os torcedores que se dirigiam ao Yankee Stadium na esperança de pagar em dinheiro em espécie no icônico estádio para assistir seus jogos favoritos se depararam com um obstáculo insano: não usar dinheiro em espécie ou pagar a mais se insistir em fazê-lo.

Fonte: Zero Hedge

Conforme relatou o Wall Street Journal, Noa Khamallah, um nova-iorquino de 41 anos, descobriu da maneira mais difícil. Procurando consumir um pouco de pipoca e refrigerante durante um jogo,  Khamallah ficou chocado ao descobrir que seu dinheiro estava praticamente obsoleto.

Em vez disso, ele foi direcionado a um “caixa eletrônico reverso”, onde inseriu US$ 200 apenas para receber um cartão de débito com US$ 196,50 – depois de ser atingido por uma taxa de serviço de US$ 3,50 pela “conveniência” de não poder usar o seu próprio dinheiro em espécie.

Simplesmente isso não está correto “, Khamallah disse ao canal, ecoando os sentimentos de outros nova-iorquinos chocados que o habito de usar para economizar dinheiro – pagamentos em espécie, agora custa mais. Em alguns casos, as taxas de transação subiram mais de US$ 6 apenas pelo privilégio de gastar os seus próprios fundos.

Na verdade, locais e restaurantes sem dinheiro estão surgindo em todo o país, forçando os amantes do dinheiro a adaptarem-se ou a pagarem taxas à medida que a guerra contra o uso do dinheiro em espécie continua aumentando em todo o país.

Caixas eletrônicos reversos, como os do Yankee Stadium, agora são comuns em locais e restaurantes em todo o país que não aceitam dinheiro em espécie, como forma de atender aqueles que preferem pagar em dinheiro. Enquanto isso, as pessoas que desejam pagar suas multas de estacionamento, pedágios, impostos ou contas de telefone em dinheiro vivo muitas vezes descobrem que agências governamentais e empresas terceirizaram essa opção para empresas que geralmente cobram uma taxa.

Tudo isso pode representar uma penalidade para as pessoas que preferem pagar em dinheiro. Embora seja mais comum comprar coisas com cartões de plástico [crédito e débito] e dispositivos móveis, o dinheiro continua sendo a terceira forma mais popular de pagamento, respondendo por 16% de todos os pagamentos em 2023, de acordo com o Federal Reserve. Isso é 2 pontos percentuais abaixo do ano anterior, continuando um declínio constante que se acelerou durante a pandemia. -WSJ

E não se trata apenas de conveniência ou velocidade das transações. Os críticos argumentam que a medida deixa de lado aqueles que dependem de dinheiro vivo – muitas vezes os jovens, os idosos ou os pobres.

“Para deixar meu filho de 13 anos comprar uma raspadinha no parque de diversões, já estou sem US$ 6”, disse Prudence Weaver, 41, que disse preferir poder usar dinheiro em viagens ao zoológico e outros locais. versus pagar taxas para cartões de débito. Entendo que existe lugar para pagamento eletrônico, mas não acho que deva ser a única opção.”

Apesar do domínio digital, o dinheiro ainda é rei para uma parcela significativa dos americanos. De acordo com o Federal Reserve, 16% de todos os pagamentos em 2023 foram feitos em dinheiro, uma queda de 2% em relação a 2022 .

“É inacreditável que tenhamos de dizer aos varejistas: ‘Esta é a moeda dos EUA e é algo que deveria ser aceito'”, disse Jonathan Alexander, diretor executivo da Consumer Choice in Payment Coalition, um grupo de empresas e organizações sem fins lucrativos que faz lobby pela continuação aceitação de dinheiro.

A reação estimulou algumas ações. Estados como Colorado e Rhode Island reagiram, proibindo estabelecimentos de varejo sem receber dinheiro. No Capitólio, os legisladores estão debatendo projetos de lei que tornariam obrigatório que as empresas aceitassem dinheiro para compras abaixo de US$ 500.

Mas o futuro destes esforços pelo uso do dinheiro em espécie permanece incerto. Entretanto, empresas como a RedyRef estão lucrando, literalmente, duplicando os seus envios de ATMs reversos para acompanhar a procura de empresas que abandonam as tradicionais transações em numerário.

“Foi uma mudança bem selvagem”, disse Will Pymm, vice-presidente sênior. “Provavelmente uma das maiores que já vimos para um produto específico, em um período tão curto de tempo.”

Mesmo que as grandes empresas embolsem taxas destes novos sistemas, o debate continua sobre se esta mudança realmente serve ao público ou se apenas enche mais ainda os bolsos dos gigantes corporativos. Nos estádios, parques de diversões e muito mais, o custo de não usar dinheiro vivo continua a subir – e são os consumidores comuns que pagam a conta.

Então, da próxima vez que você for a um jogo de futebol, lembre-se: leve seu cartão de plástico ou esteja preparado para pagar uma taxa.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth