browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Klaus Schwab (WEF) é um Khazar Rothschild

Posted by on 04/05/2022

Fred Schwab nasceu em Frankfurt. Em 1935, ele conseguiu deixar a Alemanha. Sua esposa, Marianne Rothschild, veio da cidade de Bad Homburg. Após os pogroms de 1938, ela fugiu para os EUA via Grã-Bretanha. O casal visitou seu antigo país como hóspedes da cidade de Frankfurt, com a qual mantinham laços afetivos estreitos e é a cidade de origem da “dinastia judeu khazar” dos Rothschild. Ambos retornaram com frequência, conheceram ex-colegas e falaram em escolas.

Você não pode inventar isso: Klauss Schwab (cabeça do WEF) é um Khazar Rothschild através de sua mãe

Fontes: HumansAreFree

Fred Schwab: “Precisamos Olhar Para Frente”

Fred Schwab nasceu como Friedrich Ernst Schwab em uma família judeu khazar com uma história secular em Frankfurt, na Alemanha.

Nascido nesta cidade metropolitana em 1918, ele cresceu na Rheinstraße 7 no distrito Westend de Frankfurt e visitou o Goethe-Gymnasium nas proximidades. O pai de Fred era dono de uma grande empresa na Moselstraße 4 (Gebr. Feisenberger. Kurzwaren, Spielwaren, Strumpfwaren).

A família estava firmemente estabelecida entre a sociedade de Frankfurt. Seus pais se casaram no tradicional hotel Frankfurter Hof, junto com amigos cristãos e judeus. A família não era muito religiosa e frequentava a liberal Westend Synagogue. Eles celebravam “Weihnukka”: Hanukkah, bem como o Natal (“Weihnachten” em alemão).

Quando Hitler assumiu o poder na Alemanha nazista, a família nem remotamente considerou deixar o país. Na escola, Fred mal notou o antissemitismo e os nazistas no início. No entanto, em 1935, ele deixou a escola com um Certificado Geral de Educação Secundária de dez anos (Mittlere Reife) para iniciar um aprendizado comercial.

A família pensava cada vez mais em emigrar. Primeiro mandaram Fred, o membro mais novo, para os EUA, porque ele não tinha perspectivas na Alemanha. Seu pai e o irmão mais velho Hans (Hank) foram presos durante os Pogroms de 1938 e deportados para Buchenwald.

Após cerca de quatro semanas, ambos foram autorizados a deixar o campo, porque a mãe de Fred conseguiu os documentos de emigração, com a ajuda de um tio nos EUA. Em Buchenwald, o pai perdeu 30 kg e qualquer esperança de permanecer em seu país natal.

Em 1942, Fred foi convocado para o Exército dos EUA e enviado para a Alemanha, porque conhecia o idioma. Naquela época, ele já trabalhava para uma melhor comunicação. Nem todos os alemães eram nazistas para ele, e nem todos os membros do partido nazista eram antissemitas. Essa atitude lhe permitiu retomar velhas amizades e fazer novas em sua carreira posterior na indústria química. Seus contatos muitas vezes o levaram de volta à Alemanha.

Em 1995, o ex-residente de Frankfurt recebeu a Cruz do Mérito Federal (Bundesverdienstkreuz) em 1995 por suas realizações ao longo da vida e seus esforços de reconciliação. “Precisamos olhar para frente”, era seu lema de vida. Ainda assim, ele se preocupava em lembrar os crimes do regime nazista e o destino das famílias judias.

Em 1992, 55 anos depois de fugir da Alemanha, Fred Schwab voltou a Frankfurt como convidado oficial. O Projeto Vida Judaica em Frankfurt providenciou para que ele falasse em sua antiga escola, Goethe-Gymnasium. Sua esposa Marianne Rothschild e sua filha Madeleine o acompanharam. Marianne Rothschild e Friedrich Schwab se conheceram em Frankfurt e depois se reuniram e se casaram nos EUA.

Marianne Rothschild : “Sempre Sinto um pouco de Saudades de Bad Homburg”

Marianne Rothschild [mãe de Klauss Schwab] nasceu em Frankfurt em 1919. Ela cresceu na cidade de Bad Homburg, onde seu pai, Louis Rothschild, administrava. . . um banco é claro . A família morava bem no centro da Louisenstraße.

Ao contrário da família de Fred Schwab com Marianne Rothschild, os Rothschilds, eram membros muito religiosos e ativos da congregação judaica. Marianne frequentou a escola secundária de meninas (Lyzeum) em Bad Homburg (hoje Humboldtschule). Mais tarde, ela começou um aprendizado como cinesiterapeuta.

Durante os Pogroms de 1938, em 10 de novembro de 1938, ela testemunhou a destruição do apartamento de seus pais. Após essa experiência preocupante, os pais decidiram enviar seus filhos para o exterior primeiro e seguir depois. Em 17 de março de 1939, Marianne deixou a Alemanha junto com sua avó. Seu irmão, Eduard, chamado Edu, foi enviado para a Holanda. 

A partir daqui, tentou desesperadamente, mas sem sucesso, chegar também aos EUA. Marianne mantinha contato frequente por correspondência com seus pais. Seus pais foram forçados a deixar a casa em Louisenstraße em Bad Homburg. Primeiro foram morar com parentes, depois tiveram que se mudar para uma casa do gueto em Gorch-Fock-Straße.

Marianne não conseguiu tirar os pais da Alemanha. Em 28.08.1942, eles foram deportados para Theresienstadt. Um dia antes de ser levado, Louis Rothschild enviou uma mensagem à sua filha através da Cruz Vermelha. Limitou-se a 25 palavras: “Esta despedida traz saudações ardentes de seus pais. Amanhã, somos levados a Theresienstadt! Muito amor do papai e da mamãe. 27 de agosto de 1942 Pai”

Após a deportação, Marianne Schwab recebeu mais dois cartões postais de seus pais. As cartas que chegaram aos EUA através de um conhecido em Portugal trouxeram-lhe algumas notícias sobre a situação dos seus pais no campo de concentração.

“Minha mãe me deixou saber indiretamente que ela finalmente tinha uma boa figura. Ela costumava ser gordinha. Então não éramos estúpidos, sabíamos bem o que estava acontecendo.”

Marianne Schwab [Rothschild] foi a única sobrevivente de sua família. Seu pai, Louis Rothschild, morreu em 19 de setembro de 1942. Sua mãe, Melanie, morreu em 15 de agosto de 1944. Seu irmão Eduard foi preso na Holanda e morreu em Mauthausen. O Livro Memorial Alemão oficial (Gedenkbuch) indica a data de sua morte como 12 de novembro de 1942. Ele foi declarado morto, porque as circunstâncias exatas não são conhecidas.

Marianne Schwab visitou a cidade em que cresceu várias vezes ao longo da década de 1990. Ela conheceu colegas de classe e vizinhos, conversou com alunos de sua antiga escola e no Kaiserin-Friedrich-Gymnasium, a escola que seu irmão Eduard frequentou. Uma dessas visitas foi filmada. O relato de Marianne Schwab sobre os Pogroms de 1938 é particularmente impressionante.

Apesar das lembranças tristes, Marianne Schwab sentia-se intimamente ligada à sua antiga cidade natal: “Sempre sinto um pouco de saudade de Bad Homburg”, ela descreve seus sentimentos.

Marianne e Fred Schwab no Memorial dos Judeus Deportados de Bad Homburg, década de 1990, privado
Marianne Rothschild e Fred Schwab no memorial para os judeus deportados de Bad Homburg, 1990, privado

Em uma de suas viagens, ela visitou o memorial do Holocausto construído em 1988.

“Pensar nisso é triste e doloroso. Onde ficava a sinagoga, uma placa comemorativa mostra o nome do meu irmão. Estávamos lá, e vejo o nome do meu pai, Louis Rothschild, Melanie Rothschild, née Emmerich e Edu Rothschild. Tive que tocar na placa, os nomes do meu pai e da minha mãe. Eu tive que tocar seus nomes e fazer uma conexão simbólica. Afinal, não tenho cemitério para onde ir.”

Madeleine Gerrish, [Schwab] : “O Ódio envenena a Alma”

Marianne Schwab [Rothschild] passou seu amor por Bad Homburg para seus filhos. Em novembro de 2013, a cidade de Bad Homburg convidou a filha de Marianne Schwab, Madeleine Gerrish, para a inauguração de uma placa na estação central de Bad Homburg lembrando as deportações. O convite foi iniciado pela Sociedade Hochtaunus para Cooperação Cristã-Judaica (Gesellschaft für Christlich-Jüdische Zusammenarbeit Hochtaunus). Dois grandes transportes partiram de Bad Homburg: um em 10 de junho de 1942, o outro em 28 de agosto de 1942. O segundo transporte deportou os pais de Marianne Schwab – os avós de Madeleine Gerrish – para o campo de concentração de Theresienstadt.

Esta visita à Alemanha foi muito importante, mas ambivalente, para Madeleine Gerrish. Ela relatou sentir-se triste ao pensar em sua mãe correndo alegremente pelas ruas de Bad Homburg quando criança. Seu filho Michael pôde acompanhá-la por alguns dias. Eles procuraram vestígios na antiga casa de seus avós, na casa da família de seu pai em Frankfurt, no muro comemorativo ao redor do antigo cemitério de Börneplatz em Frankfurt e no Kurpark em Bad Homburg, onde a sinagoga permaneceu até ser incendiada no dia 10 de novembro de 1938. Madeleine conheceu amigos de sua mãe e visitou as escolas que sua mãe e seu tio Eduard frequentaram. Em ambas as escolas, ela falou com os alunos sobre o destino de seus ancestrais, a fuga de seus pais da Alemanha, sua nova vida nos EUA e como ela cresceu com essas experiências.

RELACIONADOS:

Os alunos ficaram impressionados com a franqueza de Madeleine Gerrish, e especialmente com Marianne e Fred Schwab ensinando seus filhos a não fomentar o ódio, apesar de todo o mal causado às suas famílias.

Uma das muitas perguntas que os alunos fizeram foi: “Como sua mãe foi capaz de desenvolver tal atitude?”

“Achei muito interessante que Madeleine dissesse que não devemos passar a vida cheia de ódio. Sua mãe não odiava todos os alemães e até voltou para cá. Acho isso notável. Eu esperava que ela tivesse uma certa animosidade em relação aos alemães.”

Outro aluno comentou que essa atitude positiva não significava esquecer, mas lidar com o passado:

“Fiquei surpreso que a Sra. Gerrish falasse tão honestamente de seus pensamentos e experiências e das histórias de seus pais. Também em sua abordagem de seguir o caminho mais difícil e lidar com o que aconteceu, em vez de suprimi-lo.”

Essas conversas escolares mostraram o quão importante é para as gerações posteriores trocarem as histórias de seus ex-vizinhos judeus e como o Holocausto é tratado na Alemanha e em outros países.”

Fonte e referência: Juedisches-leben-frankfurt.de ; EchelleDeJacob.blogspot.com


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.