browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Microsoft [Bill Gates], várias empresas de tecnologia e mídia querem destruir a privacidade online

Posted by on 01/03/2021

A Microsoft [Bill Gates] se associou a várias empresas de tecnologia e mídia para criar um sistema de rastreamento de conteúdo na Internet que poderia destruir a privacidade online e o anonimato, transformando radicalmente a natureza fundamental de liberdade de expressão da web. A combinação dessas forças cria o potencial de rastrear e identificar a origem das informações a partir do momento em que são criadas em um computador. Sinais podem ser anexados às informações para garantir que sejam censuradas e suprimidas onde quer que viajem online. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Microsoft [Bill Gates] várias empresas de tecnologia e mídia querem destruir a privacidade online

Fonte:  Breitbart.com

Contra a dura competição, a aliança de gigantes da tecnologia e da mídia elaborou um plano que pode constituir a mais ousada tomada de poder da Big Tech na área da informação e na determinação do que é verdade até então.

De acordo com o comunicado à imprensa da Microsoft, ela fez parceria com várias outras organizações para formar a Coalition for Content Provenance and Authenticity (C2PA-Coalizão para Proveniência e Autenticidade de Conteúdo).

Simplificando, o objetivo desta organização é conceber um sistema em que todo o conteúdo da Internet possa ser rastreado até seu autor. O comunicado à imprensa afirma que irá desenvolver essas especificações para “tipos e formatos de ativos comuns”, ou seja, vídeos, documentos, áudio e imagens.

Seja um meme, um remix de áudio ou um artigo escrito, o objetivo é garantir que, quando o conteúdo chegar à internet, ele virá anexado com um conjunto de sinais que permita a detecção de sua proveniência – ou seja, autoria.

Considerem as empresas que aderiram a esta iniciativa. Liderando o pacote está a Microsoft, que opera Word, Paint, Notepad, Edge e o Office Suite. Se você criar um .doc ou um .jpg, um serviço da Microsoft provavelmente está envolvido em alguma capacidade. Depois, há a Adobe, a empresa por trás do Photoshop, Illustrator, Acrobat e Premiere Pro, bem como vários outros aplicativos líderes de mercado para publicação de fotos, vídeos e documentos.

Há também a Truepic, empresa que desenvolveu tecnologia para rastrear a procedência das fotos desde o momento em que são capturadas em um smartphone.

Por fim, existe a Intel, que domina o mercado de unidades de processamento central (CPUs) para notebooks e desktops. A CPU é responsável por processar  praticamente todas as informações nos computadores. Esteja você digitando uma frase ou fazendo uma captura de tela, é a CPU que está processando esses dados.

Acessar a CPU é a forma definitiva de vigilância digital. Mesmo que você esteja desconectado da Internet, a CPU ainda vê o que o seu computador está fazendo.

A combinação dessas forças cria o potencial de rastrear e identificar a origem das informações a partir do momento em que são criadas em um computador. Sinais podem ser anexados às informações para garantir que sejam censuradas e suprimidas onde quer que viajem online. Mesmo se outra pessoa estiver compartilhando as informações, elas podem ser suprimidas simplesmente por causa de seu ponto de origem. E, é claro, os sinais poderiam ser usados ​​para identificar os criadores de conteúdo dissidente.

Em nenhum lugar do comunicado de imprensa da Microsoft há qualquer indicação de que esses não são os objetivos finais buscados. E, de fato, o comunicado de imprensa dá várias indicações de que esses são  precisamente  os objetivos finais.

De acordo com a Microsoft, a coalizão foi criada com um único propósito: impedir a disseminação da “desinformação” – que, na linguagem do jornalismo moderno, significa informação que desafia as narrativas da agenda do establishment e de membros de sua elite, como Bill Gates. A desinformação, com base na forma como a palavra é usada hoje, também pode ser chamada de informação dissidente [que pode SER MUITO REAL E VERDADEIRA, mas contrária à vontade, agenda e discurso de quem controla o establishment].

De acordo com o comunicado de imprensa da Microsoft, a coalizão foi estabelecida “para lidar com a prevalência de desinformação e fraude de conteúdo online por meio do “desenvolvimento de padrões técnicos” para certificar a fonte e história ou proveniência do conteúdo de mídia”.

Naturalmente, a grande mídia [pre$$titute], mais ameaçada por informações dissidentes, está fortemente envolvida. O precursor dessa coalizão, o Projeto Origem, incluiu o  The New York Times,  a BBC, a CBC e a Radio Canada. A declaração de missão do Project Origin declara:

A “desinformação” é uma ameaça crescente à integridade do ecossistema da informação. Ter uma origem comprovada para a mídia e saber que ela não foi adulterada durante o trajeto ajudará a manter a confiança nas notícias de “fornecedores confiáveis”.

O objetivo foi declarado desde o início. A mídia pre$$titutes do establishment deseja rastrear a origem de todo o conteúdo digital para que “provedores confiáveis” possam ser diferenciados de provedores não confiáveis.

Todos nós sabemos o que isso significa agora. A diferença é que, em vez de fazer isso por meio da censura de plataformas de mídia social online e mecanismos de pesquisa, eles agora vão fazer isso no nível de software e hardware offline, provavelmente até a unidade mais fundamental de hardware de computador – a CPU de seu computador.

Em outras palavras, não haverá onde se esconder e nem espaço para a “dissidência”.

Mesmo o comportamento descarado do Facebook, Twitter e Google a partir do ano passado – a interferência nas eleições, a censura de um presidente, a censura em massa de movimentos políticos de base – empalidece em comparação com isso.

Este é o plano mais perigoso da Big Tech até o momento. A Breitbart News entrou em contato com a Microsoft para comentar e não recebeu retorno ainda.

Allum Bokhari é o correspondente sênior de tecnologia da Breitbart News. Ele é o autor de #DE  LETED: Big Tech’s Battle to Erase the Trump Movement and Steal The Election.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informações adicionais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.