Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Militares ucranianos derrubarão Zelensky, segundo Coronel dos EUA Douglas MacGregor

O coronel reformado do Exército dos EUA, Douglas McGregor,  destacou que o número total de mortes na Ucrânia devido ao conflito já atingiu cerca de 400 mil mortos e instou Kiev a negociar a paz com Moscou. Segundo o coronel McGregor, também ex-conselheiro do Pentágono, já há até um debate interno nas Forças Armadas Ucranianas sobre a deposição do Presidente Ucraniano Volodymyr Zelensky.

Militares ucranianos vão depor Zelensky, segundo Coronel do Exército dos EUA Douglas MacGregor

Fonte: Global Research

“Há muitas discussões na Ucrânia, dentro das forças ucranianas, sobre a libertação de Zelensky. Eles perderam 400.000 mortos. Não sei o quanto você precisa aumentar isso para ficar horrorizado com isso. Já chega”, disse McGregor em um vídeo  postado  no X, antigo Twitter.

Na postagem que acompanha o vídeo, McGregor apela às autoridades de Kiev para que negociem um acordo de paz com a Rússia, escrevendo: “Façam a paz, seus tolos!”

O tweet de McGregor surge apenas dois dias depois de o ex-embaixador britânico Alastair Crooke ter dito que os países ocidentais liderados pelos EUA admitem que a ofensiva ucraniana terminou em fracasso e que não podem sobreviver a ela. 

Na entrevista ao canal do YouTube Judging Freedom, disse que os EUA podem considerar que a melhor decisão nesta situação é continuar a escalada, o que, por sua vez, não leva a nada. É com este propósito, disse Crooke, que Washington permite que Kiev ataque a Rússia com drones.

Kiev lançou uma contra-ofensiva em 4 de Junho com brigadas treinadas e armadas pela OTAN. Desde o início do contra-ataque, a Ucrânia sofreu mais de 71.500 baixas, enquanto desde o início da operação militar especial em fevereiro de 2022, 467 aviões ucranianos, 248 helicópteros, 6.426 drones, 435 sistemas de defesa antiaérea, 11.696 tanques e outros veículos blindados de combate, 1.148 lançadores múltiplos foram destruídos.

A chamada contra-ofensiva de “primavera” foi elogiada desde o final de 2022, mas só foi lançada no verão. Será lembrada como uma das piores campanhas militares do século XXI, já que os ucranianos estão a ser alimentados com o moedor de carne russo sem qualquer ganho. Portanto, não surpreende que haja discussões sobre a deposição de Zelensky para acabar com a matança.

Um indicativo do fracasso da contra-ofensiva é que o General Mark Milley, Presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, disse à BBC em 10 de Setembro que as forças da Ucrânia têm entre 30 a 45 dias restantes de combate antes que as condições meteorológicas interrompam as operações.

“Ainda resta um tempo razoável, provavelmente cerca de 30 a 45 dias e combate ao clima, então os ucranianos ainda não terminaram”, disse Milley. “Eles não terminaram a parte de luta do que estão tentando realizar.”

Recorde-se que o objetivo da operação era chegar ao Mar de Azov, uma empreitada que fracassou catastroficamente e que não será alcançada no atual conflito, muito menos dentro de 30 a 45 dias. No entanto, as reservas estratégicas tiveram de ser mobilizadas devido às pesadas perdas da Ucrânia. 

Esta reserva, composta por algumas das forças mais bem treinadas e equipadas à disposição dos ucranianos, destinava-se a explorar os ganhos obtidos pelas operações ofensivas iniciais. O fato de a reserva estratégica estar empenhada em alcançar objetivos dos quais todas as unidades de ataque não tinham alcançado apenas sublinha a futilidade do esforço ucraniano e a inevitabilidade da sua derrota final.

A operação militar especial da Rússia aproxima-se da fase final, marcada pelo colapso da coesão do Exército Ucraniano, exausto na batalha depois de ter sido beneficiário de bilhões de dólares de ajuda. O fato de os ucranianos terem sido lançados numa batalha para a qual não foram organizados nem treinados desempenhou um papel enorme no âmbito e na escala do moedor de carne que os consumiu, e é por esta razão que as discussões sobre a deposição de Zelensky não fracassarão. Isto é especialmente verdadeiro porque ele será lembrado como o presidente que supervisionou a enorme perda de vidas, de território e da dignidade da Ucrânia.

Ella Libanova, chefe do Instituto de Demografia e Pesquisa Social da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia, disse em junho que a popularidade de Zelensky sofrerá inevitavelmente após a guerra com a Rússia. “Sua classificação diminuirá significativamente. Em primeiro lugar, as pessoas vão se lembrar de tudo que deu errado. Hoje todo mundo cerra os dentes”, disse ela.

Zelensky prometeu recuperar “todos os territórios perdidos para a Rússia”, incluindo a Crimeia. Uma vez que isto não será alcançado, o presidente ucraniano pode ser usado como o bode expiatório perfeito pelos militares e outras figuras importantes da Ucrânia para atribuir toda a culpa e absolver-se da responsabilidade pela catástrofe que trouxeram ao seu país.


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante.  Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *