browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Missão Conjunta EUA-China pesquisa Arca (nave) Espacial Gigante Alien sob as águas do Oceano Atlântico

Posted by on 22/01/2022

Em 10 de janeiro de 2022, meu informante insider do Exército dos EUA, JP, revelou que participou de uma missão conjunta EUA/China classificada a uma arca espacial (espaçonave) extraterrestre localizada sob as águas do Oceano Atlântico, ao largo da costa da Flórida [antiga localização do continente de Atlântida], nas proximidades das Bermudas. Esta foi a segunda arca espacial que ele visitou em missões militares conjuntas EUA/China secretas – a primeira envolveu uma visita à arca espacial encontrada na Lua , conforme relatado em um artigo anterior.

Missão Conjunta EUA-China [mais uma] pesquisam Arca (nave) Espacial Gigante Extraterrestre sob o Oceano Atlântico

Fonte: Exopolitics.org

JP descreveu como a missão começou com um briefing oficial que recebeu na base militar onde está servindo atualmente [Base USAF MacDill AFB, na Flórida?]. Em seguida, ele foi levado por helicópteros Osprey para uma grande plataforma em forma de donut no Atlântico, que estava situada diretamente sobre uma arca espacial [espaçonave] submersa. JP estimou que a espaçonave devia ter pelo menos uma milha [1.600 metros] de comprimento em formato de ovoide.

O que se segue são extratos de nossa conversa via Skype, onde ele descreveu diferentes aspectos da missão. Aqui está o primeiro trecho em que ele descreve ser levado a algum tipo de grande plataforma flutuante colocada sobre a arca espacial:

Acho que ele foi um dos pilotos que nos levaram para as naves, essas enormes espaçonaves de que eu estava falando, que têm uma grande superfície. Elas são enormes. Chegamos lá e eles alinham todo mundo em formação.  Você pode ver a pintura no chão. Este navio é o mesmo navio que visitei há alguns anos, mas agora tinha pinturas no chão dizendo OK em chinês e depois em russo, no idioma deles. Então eu estava em uma área destinada ao pessoal dos Estados Unidos. Bem, todo mundo se forma. Há pelo menos 20 ou 30 pessoas dos EUA e há pelo menos 15 chineses….

O insider JP reconheceu a plataforma oceânica como sendo a mesma plataforma para a qual ele foi levado por uma espaçonave antigravitacional em formato triangular [TR-3B?] por volta de 2014, quando ele me contou pela primeira vez sobre a existência dessa plataforma. Em vez de ser autorizado a descer da plataforma para o que quer que estivesse abaixo, ele foi impedido de entrar por um oficial militar sênior (um general) que disse para ele sair. Na época, JP era um civil.

Em seguida, JP descreveu um elevador que transportava membros da atual missão da superfície para o interior da espaçonave submersa. O pessoal era principalmente dos EUA e da China. Aparentemente, a China teve acesso à arca espacial encontrada sob o Atlântico como um favor recíproco depois de ter permitido o acesso dos EUA à arca espacial encontrada no lado oculto da Lua pelo seu rover lunar Yutu 2, situação descrita em um artigo anterior.

O que se segue é o que JP tinha a dizer sobre o acordo dos EUA com a China e sua viagem de 2014, onde foi negada a sua entrada na plataforma:

Por causa dos chineses terem nos deixado ir à lua e porque eles nos ajudaram a investigar aquela espaçonave agora temos que deixá-los investigar essa [arca espacial] que encontramos aqui no Oceano Atlântico. É um acordo que fizemos com os chineses que todos vocês sabem, se nós fomos até a Lua, deixaremos vocês irem nesta enorme espaçonave com o qual faremos uma missão conjunta. Então havia apenas uma conversa com generais chineses e uh sobre o acordo. OK, você nos deixou ir na Lua, mas agora vamos deixá-los ir nesta nave no Atlântico, mas há coisas aqui neste local que não são iguais a situação na Lua, e que serão inovadoras. É uma loucura a tecnologia que está nesta espaçonave em particular e que está submersa no Oceano Atlântico que foi ativada como todas as outras espaçonaves [arcas] que foram encontradas.

M: OK, então esta espaçonave é semelhante a que foi encontrada no lado oculto da lua, apenas um tipo enorme de nave extraterrestre em forma de esfera.

JP: é maior. 

M: E sua localização é em algum lugar no Atlântico perto da área das Bermudas e está no fundo do oceano.

JP: Sim no leito do oceano, há um navio em que entramos exatamente onde os helicópteros Ospreys pousaram, e eles pousam lá e então há um elevador. [A plataforma] Parece uma rosquinha, mas no meio há um elevador, como uma plataforma de petróleo que parece uma coisa e então há um elevador que vai até esta enorme espaçonave que está sob as águas do Atlântico.

M: Ah, então esta nave ou nave para a qual você foi levado está flutuando acima da nave extraterrestre no fundo do oceano

JP: Sim, é assim que eu estava falando que todo mundo se ilumina, lembre-se que eu tive problemas naquele dia porque eu acho que “Shen” ou “Lovent” eu não sei quem era, mas estávamos como se eles estivessem conversando, como oh você não deveria estar aqui. Lembre-se que eu estava falando sobre o cara que estava fazendo o briefing, ele me viu, ficou bravo por eu estar lá, e eles me levaram de volta. Sim, eu não deveria estar lá naquela ocasião [2014].

M: Ele era um general certo, acho que você disse que ele era um general.

JP: Sim era um general.

MS: Sim, ele estava informando a todos e é como se ele me dissesse “o que você está fazendo aqui, você não deveria estar aqui”.

JP: Sim, exatamente.

MS: OK, então essa estrutura é como você diz que é como uma plataforma de exploração de petróleo. Foi apenas construída sobre a espaçonave [aparentemente] abandonada ou você conhece a nave ET e eles vão para o meio como uma plataforma de extração de petróleo.

J.P.: Sim.

É importante notar que a arca [espaçonave submersa no] Oceano Atlântico é muito maior do que a encontrada na Lua, ambas foram ativadas quando uma grande frota de espaçonaves [da Federação Galáctica] chegou ao nosso sistema solar e estacionou nas proximidades da lua de Júpiter, Ganimedes, que envolveu outra missão da qual JP participou.

JP explica em seguida o que aconteceu quando ele desceu o elevador com o resto dos membros da missão, que também incluía um grupo de índios [nativos] astecas do México olhando para o interior da gigantesca arca espacial:

Nós estávamos lá conversando e todo mundo estava falandor sobre a descoberta e como a espaçonave submersa foi ativada e como você ouve o zumbido porque todo mundo está realmente com medo de entrar nesta nave, porque quando você chega perto dela é como se fosse uma onda como se estivesse preso no tempo. Você olha para suas mãos e acena e pode ver sua mão em uma onda como se estivesse preso no tempo, então muitas pessoas estão realmente com medo de entrar nessa espaçonave gigante, mas um grupo de nós entramos. Você sabe que eu estava vestido de preto, nós nos trocamos, eles nos levaram para um recinto na parte de trás da parte da plataforma em formato de donut e nos colocaram em fila, e então passamos por um spray de desinfecção e tudo isso porque o que quer que estivesse nesta nave, não queríamos incomodá-la com nada que você fosse infectar ou se há algo vivo’, porque eles encontraram oxigênio realmente puro, muito puro oxigênio dentro desta nave e eles estão pensando que são plantas que ainda estão vivas. Tipo não fungos, mas como um tipo de planta de algas, e um dos cientistas que eles estavam me dizendo que esse tipo de planta de fungo brilha no escuro este brilho está preso nas paredes. Está ligado a isso ao tipo de rocha moldavita que está nas paredes e é brilhante. A nave inteira cintila com uma cor azul-esverdeada clara que liga e desliga e zumbe e não precisávamos daqueles drones que usamos na lua porque nessa nave massiva ela estava mais ativada do que a outra. e um dos cientistas estava me dizendo que esse tipo de planta de fungo brilha no escuro e esse brilho está grudado nas paredes na nave. 

MS: Então você entrou, ou o elevador da plataforma da superfície vai da superfície do oceano até a espaçonave submersa.

JP: Sim, na superfície, na nave, então, depois de trocarmos e vestirmos essas roupas pretas, eles nos colocaram no elevador e todos ficaram nervosos, todos olhando uns para os outros. Os chineses eles estavam rindo, eles estavam rindo de nós como se estivessem tirando sarro de nós. Você sabe, hein, eles estão rindo, desligue-se, lembro-me de ver pessoas com aparência mexicana [MAIA] lá também. Mas eles não falavam espanhol, eles falavam uma antiga língua asteca [provavelmente MAIA], e eles eram muito baixos, e você ainda pode ver a pintura em seus rostos, mas eles estavam vestidos com esses uniformes. Então eu acho que porque os cientistas já tinham estado na espaçonave, mas eles não conseguiram abrir certos locais, é isso que acontece e quando eles chegaram, eles estavam falando sobre oh, uau, o tempo flui diferente lá embaixo [dentro da espaçonave], você pode ver suas mãos várias vezes quando você acena como o tipo de matriz que você conhece. Como se o tempo fosse muito lento e quando você pula leva alguns segundos para cair de volta como se fosse uma loucura, e então começamos a descer, e então você olha ao redor e então quando o elevador penetra no oceano e dois ou três ou quatro segundos fica tudo preto, uh, então é assim que vai rápido. O elevador vai muito rápido e temos que apertar o cinto. 

Estamos no elevador, mas estamos em pé, não há assentos, então ficamos encostados nas paredes e você aperta o cinto e fica de pé e ele desce e você pode sentir seus ouvidos estalando, como se estivesse, muito rápido, mas e então o elevador tem isso pressurizado, ele se pressuriza e então você pode ver ele ficando pequeno por causa da pressão, mas é o tipo de metal que é realmente inquebrável, ele não amassa, então quando ele desce a pressão não aperta o elevador, mas quando ele sobe e desce você pode ver se expandindo e ficando pequeno.

Houve um efeito de dilatação do tempo que os membros da missão experimentaram dentro da nave, e o ar foi comprimido para facilitar o “passeio” ao interior da nave que teria sido pressurizada até certo ponto para suportar as enormes pressões do oceano no fundo do Atlântico.

Uma vez dentro da arca espacial, JP revelou que os mexicanos com aparência asteca [MAIA] reconheceram alguns hieróglifos e reagiram muito emocionalmente ao que estavam vendo. Ele novamente elaborou o efeito da passagem do espaço-tempo na Arca:

MS: Então, quando você está lá embaixo, o que você vê?

JP: Nós vemos as luzes das algas por todo o lugar e então os pequenos mexicanos [MAIAS] começaram a apontar para a parede neste tipo de escrita que eles conheciam. Então nós fomos lá com eles, e eles estavam tipo tocando-as e eles estavam chorando e felizes e eles estavam olhando para a escrita, e eles estavam como em extase. Eu me lembro daquela palavra em particular “A curia Marte”, “A curia Marte” e eles gostaram de tocá-lo e ficaram muito felizes. Essa é uma frase particular que me lembro, A curia Marte, A curia Marte, A curia Marte. Eles estavam chorando e dizendo essa frase. Eles estavam quase dançando porque viram essa escrita em particular. Eu acho que era uma escrita que faltava em seus templos [MAIAS] mexicanos ou uma desses escritos astecas [MAIAS] que eles eles estavam realmente procurando,

Os pequenos mexicanos [MAIAS] que procuram pessoas que tentam, os índios, eles entraram, e eles só foram autorizados a entrar lá porque eu acho que era sagrado para eles que aquela área em particular onde eles entraram e então quando eles foram não mais voltavam e todo mundo ficou tipo uau, ok, o que vamos fazer agora, o que vamos dizer lá em cima quando voltarmos e eles não regressarem conosco e nós ficamos tipo oh droga oh merda, o que vamos fazer, o que vamos dizer ,

E então os chineses começaram a andar na direção do mesmo local onde os mexicanos [MAIAS] sumiram, mas então eles começaram a ir devagar, como se tudo estivesse acontecendo parado no tempo, e então um dos chineses voltou e ele estava sem fôlego. Ele estava tipo, muito bravo por eles não poderem prosseguir, e então… eles começaram a discutir com um dos nossos caras. Dizendo: “ei, vocês nos prometeram isso… nós íamos entrar lá e investigar tudo da mesma forma que nós… vocês sabem que voces foram para a [espaçonave na] lua e aqui não estamos conseguindo acesso”.  Então eles estavam ficando bravos porque eles não estavam… tendo acesso, mas não era nossa culpa a nave em si mesma escolhia QUEM PODERIA acessar o local onde os mexicanos [MAIAS] entraram e SUMIRAM.

Esta é uma observação fascinante de JP sobre como a arca extraterrestre reagiria a diferentes visitantes. O grupo asteca mexicano [MAIA] foi autorizado a avançar muito, presumivelmente porque sua genética e/ou frequências eram aceitáveis. No entanto, quando os chineses tentaram fazer o mesmo, foram bloqueados pela nave que reconheceu alguma incompatibilidade. Isso poderia ter algo a ver com a filosofia materialista e comunista da China influenciando o comportamento e suas crenças, impedindo-os de acessar mais profundamente a espaçonave por conta própria?

JP continuou seu relato do que aconteceu enquanto os membros da missão multinacional avançavam em sua exploração da Arca espacial submersa:

Então, quando entramos, começamos a passar e tudo começou a ficar lento, tipo… em câmera lenta, e sentimos paz e felicidade. E então os chineses, depois que começamos a entrar, os chineses estavam atrás de nós, nos seguindo.  Então, estávamos indo pouco a pouco e então à distância você podia ver como luzes de certos tipos de cristais como Moldavita, brilhando nas paredes e era lindo, e você podia ver certos tipos de plantas que brilham. Incrível, é incrível a experiência, e todo mundo estava quase em uma corrente, porque estávamos como nos abraçando ao chegar a esse ponto em particular. E depois que chegamos a um determinado lugar onde havia plantas cheias que brilhavam, vimos os pequenos mexicanos [MAIAS] ao longe, mas não conseguimos alcançá-los. Nós gritamos, falamos com eles, mas eles não podiam nos ouvir,

Este desaparecimento do grupo asteca mexicano [MAIAS] foi imprevisto, mas o cientista/tradutor mexicano que os acompanhava permaneceu com a missão.

JP descreveu o reconhecimento de um dos cientistas chineses como a mesma pessoa que ele testemunhou durante sua visita à antiga arca espacial encontrada no lado oculto da Lua pelo rover chinês Yutu 2:

Então chegamos a este local e então os mexicanos que estavam lá, o tradutor mexicano ficou conosco e os outros pequenos que eram mexicanos [MAIAS] eles foram embora e nós não os vimos mais e também estávamos investigando as paredes, os escritos das paredes e aquele mesmo arqueólogo chinês que estava na lua estava lá também, eu o vi. Mas o cara com quem eu estava na lua ele não estava lá. Havia outro cara diferente, investigando os escritos e tudo isso e nós estávamos lá apenas para, você sabe, estar com ele e ter certeza de que tudo é que ele faz seu trabalho direito, e o outro cara foi instruído a vigiar os chineses porque queriam uma informação particular que não nos disseram que encontraram na Lua.

É perceptível que, embora os EUA e a China estivessem realizando uma missão conjunta para explorar a nave submersa, havia profundas suspeitas de ambos os lados de que o outro estava escondendo informações vitais para o sucesso da missão. Parece que este será um problema perene entre os EUA e a China, pois eles colaboram em missões conjuntas vitais, mas altamente secretas [ainda] para a segurança planetária.

No próximo trecho de nossa ligação pelo Skype, JP respondeu a uma das minhas perguntas:

MS: O que havia na nave submersa que foi ativada. Quero dizer, você disse que sabe que os cientistas ou os militares ficaram muito interessados ​​ou que esta nave foi ativada, então antes de chegarem eles viram e estavam dentro e não estava ativada, então quando essa espaçonave se ativou e o que aconteceu?

JP: Bem, tudo dentro começou a brilhar. Tudo o que você pode ver nas escritas brilhavam porque você conhece as escritas como elas são, elas são como esculpidas, mas por causa das algas que crescem nelas e elas brilham você pode ver, você pode ver, você pode ver a linguagem mais facilmente com o brilho da alga que está em cima da escrita.  Assim você pode vê-las com mais perfeição. Então foi isso que realmente intrigou os cientistas. Que havia algumas partes que eles não sabiam que havia escrita, havia escritos que você conhece, e eles encontraram alguma linguagem semelhante dos astecas [MAIAS].

A estranha escrita hieroglífica podia ser vista claramente brilhando sob as algas que a cobriam. Em seguida, pedi a JP que descrevesse o que ele estava sentindo quando estava dentro da nave:

MS: Então, quando você está dentro da nave você sabe que disse que se sentiu muito bem, você pode falar mais sobre seus sentimentos, sabe, o que você estava sentindo?

JP: Semelhante ao que sentimos perto de Ganimedes, naquele prédio em particular. Você sente essa felicidade, e semelhante ao que você sente na Lua, mas foi mais intenso. O que sentimos aqui nesta espaçonave submersa no Atlântico.

MS: Sim, bem, quando você diz mais intenso… apenas descreva o que estava acontecendo.

JP: Era você ver tudo passar devagar e você se sentir tão feliz que você sente vontade de chorar porque você se sente muito bem. Só as pessoas que estavam loucas eram os chineses porque não tiveram acesso, mas também dava para ver no rosto deles que eles ficaram surpresos com o que receberam. Estavam felizes, quase chorando, mas não como esses dois mexicanos [MAIAS], estavam muito felizes. Eles quase dançaram, e eles eram como você sabe, eles estavam muito felizes…. Então me lembro de olhar para esses outros escritos, lembro-me de também tê-los vistos em Ganimedes, porque parecia muito semelhante a esses escritos e senti tanta felicidade como se tudo estivesse conectado. Como se eu sentisse [quando] eu estava na lua e Ganimedes, com o mesmo sentimento.

MS: OK, apenas me lembre quando você esteve na lua, quando esteve em Ganimedes, você foi a alguns locais e pontos diferentes na superfície de Ganimedes, locais diferentes eram semelhantes como naves, naves semelhantes ou eram apenas tecnologia semelhante?

JP: Tecnologia semelhante, é… o mesmo tipo de tecnologia, mas acho que era ainda mais… mais antiga. Você pode dizer que é mais antigo, … com o desgaste . É mais velho e então acho que tem, tipo o mesmo, acho que a mesma idade

JP descreveu como ele e alguns outros indivíduos tiveram a capacidade de ativar a arca simplesmente estando fisicamente perto dela. JP descreveu como a arca se iluminou nas áreas em que ele entrou, mas esse não foi o caso de outras pessoas. 

MS: Então quando você desceu lá… seu trabalho era acompanhar ou ajudar um arqueólogo no estudo dos escritos?

JP: Algumas coisas foram ativadas quando cheguei lá.

MS: Fale-me sobre isso, bem você sabe… quando você chega as coisas começaram a se ativar.

JP: Sim, as coisas começaram a se iluminar quando eu estava, tipo com certas pessoas que não acendem as luzes, mas quando eu fui algumas luzes acenderam, e elas eram como que diabos. As pessoas eram como o inferno, você sabe, como se houvesse uma surpresa… era estranho, mas era uma sensação boa…. Havia certas luzes nas paredes que não estavam acesas e brilhavam quando cheguei.

MS: OK, tudo bem então… na verdade sua presença física é parte do processo de ativação ou talvez você tenha genes ou algo que você carregue que ativa.

JP: Além disso, com os chineses havia um cara que eu não podia ver seu rosto, ele tinha um capuz e ele estava com os chineses e ele também estava ativando… você sabe, luzes e tudo mais. E então quando eu… queria sempre ver o rosto dele, ele nunca me deixava ver o seu rosto. Nunca me deixou ver o seu rosto esse cara, como se eu não pudesse ver o rosto dele. Ele tinha um capuz e também estava trabalhando com os chineses, mas do outro lado você podia ver as luzes se acendendo quando ele acenava com as mãos. Como se ele soubesse o que estava fazendo, como ativar as luzes e ele sabia que você sabia o que ele estava fazendo. Eu não sabia. Acabei de entrar e como ligar, mas acho que há certas pessoas ao redor do mundo que têm, você sabe, que podem ativar essas ruínas

Alguns leitores questionaram sobre os papéis bastante mundanos que JP parecia desempenhar em suas missões secretas a Ganimedes e à Lua , dado seu baixo posto militar e deveres de escolta armada bastante sombrios para arqueólogos que estudam a estranha linguagem hieroglífica extraterrestres e as espaçonaves. Uma das coisas que JP compartilhou em nossas comunicações desde 2008, é que ele foi frequentemente levado por extraterrestres de aparência humana para grandes estruturas hemisféricas, que ele descreveu como arcas. Ele testemunhou plantas, animais e tecnologias antigas que estavam sendo preservadas para um tempo futuro. Ele também disse que conheceu vários outros indivíduos sendo levados para essas arcas – um dos quais era de nacionalidade chinesa.

JP disse que foi levado para essas grandes arcas para serem ativadas num tempo futuro [o nosso presente] em que elas se tornariam importantes para a humanidade lidar com contingências em todo o planeta. JP começou a compartilhar essas informações comigo por volta de 2014, e guardei essas informações para mim mesmo, já que ninguém mais estava falando sobre isso.

Agentes secretos dos EUA, no entanto, monitoram os contatos extraterrestres de JP e nossas comunicações desde 2008. Isso é melhor evidenciado em fotos de espaçonaves classificadas em forma de triângulo e retângulo que ele fotografou perto da Base da Força Aérea MacDill em 2017 que ele me enviou para divulgação pública com o ativo apoio de agentes secretos.

Isso me leva a acreditar que JP está fazendo muito mais do que simplesmente escoltar cientistas para essas arcas antigas e realizar tarefas de escolta mundanas. Devido ao seu acesso anterior ou traços genéticos inatos, ele carrega alguma frequência energética, vibração ou código que ativa partes das antigas espaçonaves que ele visita, facilitando assim a segurança e o sucesso das missões a essas antigas arcas espaciais.

MUITO RELACIONADO:

O que é intrigante sobre a missão de 10 de janeiro de JP a uma das antigas arcas extraterrestres encontradas sob o Oceano Atlântico é que ela combina com as informações divulgadas pelo extraterrestre pleiadiano Thor Han Eredyon através de Elena Danaan em 4 de janeiro . Quando perguntado por Elena onde as arcas antigas poderiam ser encontradas na Terra, Thor Han respondeu:

“Na América do Sul, Europa Central, Noroeste da Rússia… Uma sob as águas do Oceano Atlântico. Esta é a maior. Existem outras também, mas não direi nenhuma coordenada precisa, não é minha responsabilidade, mas da Aliança da Terra”.

Menos de uma semana antes da missão de JP, Thor Han já havia confirmado de forma independente que uma arca espacial estava sob às águas do Oceano Atlântico e era a maior de todas as escondidas em nosso planeta. Achei isso uma corroboração impressionante desde que JP me contou pela primeira vez sobre um local no Atlântico para o qual ele foi levado por volta de 2014, onde uma enorme plataforma em forma de círculo estava suspensa sobre o topo de “algo grande”.

Naquela ocasião ele não foi autorizado a entrar na estrutura flutuante quando foi levado para lá por agentes secretos. Resumindo, JP soube de algo escondido no Atlântico anos antes da declaração de Thor Han.

Em conclusão, a viagem de JP dentro da antiga Arca Espacial, agora ativada, localizada sob o Oceano Atlântico é provavelmente apenas o primeiro passo para a revelação dessas arcas. Sua ativação sinaliza que há um cronograma agora em jogo, e cabe à Aliança da Terra revelá-los. A localização da Arca levanta a questão de qualquer possível conexão com a antiga Atlântida, avistamentos de OVNIs na área e, claro, o famoso Triângulo das Bermudas

Espero aprender em breve com outros que possam ter uma visão do que está escondido nas profundezas do Atlântico, que a Marinha dos EUA mantém escondido dos cidadãos americanos e do mundo.

Uma versão em vídeo deste artigo está disponível no YouTube e Rumble

Podcast de áudio para Apple, Google, Anchor e Spotify disponível aqui

© Michael E. Salla, Ph.D.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“Você não é deste mundo. Você não é este corpo que habita. Você não é essas emoções, esses pensamentos, esse ego com o qual se identifica. Você nem mesmo é sua vida ou morte. Quando você é capaz de se distanciar dessas coisas, então o verdadeiro você, o você gnóstico, entra no foco de sua cognição. Mais puro que o éter, mais radiante que o sol, mais puro que a neve acumulada, cheio de vida e retirado do contexto da morte, este é o eu que você é. Para ajudá-lo a saber disso, Jesus e Buddha e todos os outros grandes mensageiros de luz vieram a este mundo, fazendo o sacrifício de vir da plenitude para o vazio para trazer isso a você. Você deve saber disso, e deve fazer isso, porque sem ele você não está realmente vivo, não está realmente consciente, mas com ele, você é todas as coisas, você tem todas as coisas, e o Tudo se tornou você. Esta é a mensagem da Gnose! ”  – Richard, Duc de Palatine (1916–1977)


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.