browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Na guerra contra Deus e a fé, o comunismo chinês queima livros, destrói igrejas e prende crentes

Posted by on 01/03/2021

O partido comunista da China continuou seu amplo ataque à fé e à Deus [de qualquer religião] durante a pandemia, queimando e destruindo livros religiosos, derrubando igrejas, enquanto prendia adeptos espirituais por posse de livros de literatura religiosa.  Embora o regime chinês comunista oficialmente ateu reconheça formalmente cinco religiões: budismo, taoísmo, islamismo, catolicismo e cristianismo, o comunismo impõe regras estritas sobre como essas organizações religiosas devem operar e muitas vezes instala membros do Partido para controlar as entidades e seus membros, forçando milhões de seguidores espirituais a viver nos  “subterrâneos”.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Na sua guerra contra Deus e a fé, o comunismo ateu chinês queima livros, destrói  igrejas e prende crentes

Fonte:  The Epoch Times – Por Eva Fu


“E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um GRANDE DRAGÃO (símbolo maior da CHINA) VERMELHO, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas“.  Apocalipse 12:3


O grupo de defesa dos direitos humanos Freedom House estimou  que pelo menos 100 milhões de pessoas – ou cerca de um terço dos crentes na China – enfrentaram níveis “altos” ou “muito altos” de perseguição em 2017. Sua situação continuou a piorar, o grupo encontrou esta situação no ano passado.

Para esses crentes – budistas tibetanos, cristãos, muçulmanos uigures ou praticantes do Falun Gong – ler, imprimir ou distribuir materiais religiosos pode resultar em penas de prisão, trabalho duro e outras formas de abuso. Muitos estão sujeitos a monitoramento de rotina e assédio por agentes do Estado, que muitas vezes invadem suas casas sem aviso para apreender e destruir seus livros.

Essas violações da liberdade religiosa levaram o Departamento de Estado dos Estados Unidos a designar o regime chinês como um “país de particular preocupação” a cada ano por mais de duas décadas.

As políticas repressivas só se intensificaram nos últimos anos. Em 2016, o regime aprovou um regulamento proibindo explicitamente seus cerca de 90 milhões de membros do Partido de terem crenças religiosas, se engajar em atividades “supersticiosas e feudais” ou apoiar extremistas religiosos ou separatistas raciais – este último termo que frequentemente evoca para descrever minorias religiosas, como Muçulmanos uigures praticantes em Xinjiang ou budistas tibetanos. Isso apesar da Constituição chinesa garantir aos seus cidadãos os direitos à “liberdade de crença religiosa” e de se envolver em “atividades religiosas normais”.

O regime comunista ateu frequentemente expressou sua aversão à espiritualidade, às religiões e a Deus por meio da mídia do partido e em documentos do governo. Há poucos dias, Pequim, em uma política de topo directiva promovendo o comunismo e a purga da “superstição” religiosa, como uma das suas principais prioridades para a modernização do campo.

Os membros do Partido Comunista Chinês (PCC) são pessoas que optaram por seguir o caminho materialista e totalitário decretado pelo Partido e, portanto, são “incompatíveis com ideologias supersticiosas assim como o fogo e a água”, declarou uma publicação controlada pelo Estado em 2016.

Queima de livros religiosos

Em outubro de 2019, uma biblioteca estadual no condado de Zhengyuan, na província de Gansu, noroeste da China, gerou protestos por conduzir uma queima de livros públicos de dezenas de publicações ou mídias ilegais com conteúdo religioso ou “tendencioso”.

Os internautas compararam a cena aos dias da Revolução Cultural [Revolução Cultural , formalmente a Grande Revolução Cultural Proletária , foi um movimento de expurgo  sociopolítico extremamente violento na China de 1966 a 1976. Lançado por [o açougueiro] Mao Zedong , então o presidente do Partido Comunista da China (PCC), seu objetivo declarado era preservar o comunismo chinês por expurgo de resquícios de elementos capitalistas tradicionais  da sociedade chinesa , e para impor novamente o pensamento de Mao Zedong (conhecido fora da China como maoísmo ) como a ideologia dominante no PCC.], quando milhões de livros foram queimados e artefatos religiosos destruídos enquanto o PCCh tentava erradicar a cultura tradicional chinesa para aumentar seu controle ideológico sobre a população.

Epoch Times Photo

Duas trabalhadores são vistas queimando livros e panfletos em frente à biblioteca do condado de Zhenyuan na cidade de Qingyang, província de Gansu, na manhã de 22 de outubro de 2019. (Site oficial do condado de Zhenyuan)

Mas a ação da biblioteca no condado de Zhengyuan dificilmente foi um incidente isolado.

Quase duas décadas após a Revolução Cultural, ainda em 1999, o PCCh ordenou uma campanha massiva para erradicar o Falun Gong, uma disciplina espiritual de meditação baseada em princípios morais de veracidade, compaixão e tolerância. Da noite para o dia, cerca de 70 a 100 milhões de adeptos do Falun Gong no país foram rotulados como inimigos do estado. Eles enfrentaram detenção, tortura, assédio e extração forçada de órgãos caso se recusassem a renunciar à sua crença e prática espiritual.

Logo após o início da perseguição, uma campanha começou a forçar os praticantes do Falun Gong a entregar seus livros e vídeos relacionados à prática. Esses materiais eram então esmagados sob uma máquina de rolo-compactador e/ou incendiados, muitas vezes em exibições públicas que mais tarde eram usadas para fins de propaganda contra seus membros.

Milhões de publicações foram destruídas dessa forma, de acordo com o M/nghui , um site dos EUA que rastreia a perseguição ao Falun Gong, que chegou a esta estimativa com base em relatos de jornalistas estrangeiros, mídia estatal e relatos de testemunhas oculares.

destruir livro falun gong
Livros, vídeos e CDs do Falun Gong sendo esmagados por um rolo compressor durante a destruição nacional de 1999 das publicações e materiais dessa prática espiritual. ( Minghui.org / CC0 1.0)

Um aviso de julho de 2019 , postado no site do governo da Liga Xilingol na região da Mongólia Interior, ofereceu recompensas monetárias que variam de 50 a 500 yuans (US$ 7,73 a US$ 77,30) para qualquer pessoa que delatar panfletos, livros, lembranças, postagens em mídias sociais ou banners relacionados ao Falun Gong e outros grupos que o PCCh considerou ilegais. Ele também ofereceu até 300.000 yuans (US$ 46.392) por pistas para “desmontá-los”.

Apesar do Budismo e do Cristianismo serem religiões oficialmente sancionadas, seus adeptos não foram protegidos da pressão do Estado. No condado de Jingdezhen, na província de Jiangxi, no sudeste da China, um abade budista contou como o governo local colocou todos os CDs dos templos locais na estrada e usou uma retro escavadeira para esmagá-los, de acordo com um relatório de dezembro da revista Bitter Winter sobre a liberdade religiosa e os direitos humanos na China. 

Em outubro passado, autoridades da província de Shanxi, ao norte, fecharam o Templo Fengci local e confiscaram cerca de 400 quilos de livros religiosos e dezenas de milhares de CDs, de acordo com o mesmo artigo.

Na província oriental de Anhui, pelo menos 250 igrejas sancionadas pelo estado tiveram suas cruzes removidas entre janeiro e abril de 2020, às vezes sob o pretexto de “serem muito altas, muito grandes, muito largas ou muito atraentes”, relatou a revista. As autoridades alegaram que a ação fazia parte de uma ampla campanha para eliminar os símbolos religiosos.

O pilar de uma igreja católica demolida é visto em Puyang, na província central de Henan, na China, em 13 de agosto de 2018. A igreja foi demolida para dar lugar a um empreendimento comercial. (GREG BAKER / AFP / Getty Images)
O pilar de uma igreja católica demolida é visto em Puyang, na província central de Henan, na China, em 13 de agosto de 2018. A igreja foi demolida para dar lugar a um empreendimento comercial. (Greg Baker / AFP / Getty Images)

Wen Weiquan, um membro de uma casa Cristã do Conselho Autônomo de Wufeng Tujia na província central de Hubei, tirou sua vida em fevereiro de 2019 depois que a polícia obrigou-o a entregar a sua Bíblia e jogar cruzes da sua casa em uma fogueira.

“O líder comunista chinês Xi Jinping e seu regime engendraram a pior perseguição religiosa desde o fim da Revolução Cultural do presidente [o açougueiro] Mao na década de 1960”, disse ao Epoch Times Bob Fu, pastor chinês-americano e fundador da organização sem fins lucrativos chinesa China Aid. em um e-mail.

‘Guerra contra a fé inocente’

Durante a pandemia, as políticas religiosas radicais do regime foram levadas a cabo, já que os fiéis da China continuam a sofrer represálias do governo pelo mero ato de manter, produzir ou distribuir materiais de suas crenças espirituais e religiosas.

“O regime comunista de Xi Jinping usa constantemente a pandemia como pretexto para mais repressão contra qualquer fé ou religião independente na China”, disse Fu. Ele apontou para o encerramento de cultos virtuais em uma igreja doméstica no sudoeste de Sichuan, e o caso do pastor Li Juncai na província de Henan, no centro da China, que recebeu uma sentença de 5 anos e meio de prisão em janeiro por tentar evitar a instalação de uma bandeira do PCC e faixas de propaganda comunista a serem colocadas dentro da sua igreja.

Epoch Times Photo
Mulher lê a Bíblia na igreja Christian Glory em Wuhan, uma cidade na província chinesa de Hebei, em 23 de setembro de 2018. (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)

Chen Yu, dono de uma livraria cristã online da cidade chinesa de Taizhou, no leste da província de Zhejiang, foi sentenciado a sete anos de prisão em outubro de 2020 e multado em 200.000 yuans (US$ 29.450). Seus clientes de três províncias relataram invasões domiciliares pela polícia que apreendeu seus livros religiosos. O suposto crime de Yu foi vender livros religiosos não aprovados importados de outros países.

Em setembro passado, um tribunal de Xangai sentenciou 16 pessoas por operar um negócio “ilegal” que imprimiu mais de 200.000 livros com temas religiosos sem licença, incluindo a escritura budista “Sutra do Diamante”.

Em dezembro do ano passado, a praticante do Falun Gong Guo Suling, que tinha 77 anos na época, foi condenada a três anos de pena suspensa por supostamente pendurar três faixas do Falun Gong em locais públicos, a terceira pena de prisão que recebeu desde 2007. Sun Qian , um adepto que possui um passaporte canadense, foi condenado na China a oito anos de prisão em junho passado. A polícia prendeu Sun depois de invadir sua casa em Pequim e encontrar livros do Falun Gong.

2015-5-14-minghui-denglong-dafahao
Lanternas com as palavras “Falun Dafa é bom” penduradas na árvore em um local não revelado na China continental, em maio de 2015. (Cortesia de Minghui.org)

Outro praticante, Sun Zhongqin, da província de Liaoning, no nordeste, foi condenado a três anos e meio de prisão em novembro por distribuir calendários e livretos relacionados ao Falun Gong, segundo o Minghui .

Não desejando que seus livros caíssem nas mãos das autoridades, alguns muçulmanos do Cazaquistão na região ocidental de Xinjiang selaram seu Alcorão com sacolas plásticas e jogaram os livros no rio Ile, na esperança de que pudessem ser transportados para o vizinho Cazaquistão e serem preservados, declarou a Radio Free Asia, relatando em outubro de 2020.

Para fugir da censura na internet, dois grupos cristãos aprovados pelo governo substituíram termos religiosos por abreviações em sua livraria online, por exemplo, mudando “Cristo”, pronunciado como “Ji Du” em chinês, por “JD” e “Bíblia” por “SJ , ”A forma abreviada do termo em chinês,“ Sheng Jing ”, de acordo com a China Aid .

“Esta é uma guerra contra a fé decente”, disse Fu. “A história nos disse que esta guerra está fadada ao fracasso.” [como sempre, a “justiça tarda mas não falha”]


“E foi precipitado o GRANDE DRAGÃO, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na Terra, e os seus anjos (extraterrestres) foram lançados com ele. E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.  Apocalipse 12:9,10 }

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  Mateus 24:6-8


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

2 Responses to Na guerra contra Deus e a fé, o comunismo chinês queima livros, destrói igrejas e prende crentes

  1. Keanu Reeves

    Hoje foi lindo como O Fantástico [Gramscista] tratou a China como um país lindo e como lidou bem com o Covid-19, e olha que país legal, a população é todo viajada, para o seu bem, claro. E os campos de concentração, que lindo, agora são hospitais.

    • Thoth3126

      Grandes “veículos de mídia [pre$$titute$] tem que encontrar NOVAS FONTES DE RECEITAS …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.