browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“Não existe Estado (DEEP STATE) Profundo nos EUA” ! … bem, parece o contrário…

Posted by on 04/11/2019

Bem, eu não sei sobre vocês, mas estou convencido de que o DEEP STATE é real Na semana passada, a New Yorker, e ontem a revista Salon, publicaram editoriais argumentando contra a própria existência de um “American Deep State”. Os argumentos apresentados são muito … interessantes. Ambos os casos são, talvez, casos clássicos de “protestar e argumentar” demais sobre algo que “sequer existe”!

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“Não existe Estado (DEEP STATE) Profundo Americano” … bem, ele apenas parece que existe !

Fonte: https://off-guardian.org/2017/03/21/there-is-no-american-deep-state-it-just-looks-like-there-is/

Por Kit Knightly

Este artigo, publicado no New Yorker num domingo, propõe-se a dizer aos seus leitores que não existe um “Estado (Deep State) Profundo” americano, repetidamente e repetidas vezes a mesma ideia enquanto, ao mesmo tempo, essa atitude é um argumento convincente para o exato oposto.

Para começar, o autor, David Remnick, relata uma história muito animadora sobre a jornada transformadora de um jovem, de oficial da marinha júnior dos EUA a jornalista contundente depois famoso. Vou relatá-lo em pontos de bala, por uma questão de brevidade:

  • Em 1970, o oficial submarino naval Bob Woodward, formado em Yale e membro da sociedade secreta Book and Snake, vai para a sala de Situação da Casa Branca. À noite.
  • Enquanto lá, ele conhece um funcionário do FBI chamado Mark Felt, um veterano da inteligência e fiel de longa data de J. Edgar Hoover.
  • Por razões desconhecidas, os dois discutem as perspectivas de carreira do jovem Sr. Woodward. Felt dá conselhos a Woodward sobre a busca de “único emprego que lhe interessa”.
  • Mais tarde naquele ano, Woodward deixa a marinha e se candidata a um emprego no jornal The Washington Post. Ele não consegue, graças a uma completa falta de experiência jornalística . Ele passa um ano trabalhando em um jornal local menor, antes de ser contratado pelo WaPo em 1971.
  • Durante todo esse tempo, Woodward e seu novo amigo do FBI estão em contato constante, Woodward pensando em Felt como um “conselheiro de carreira”.
  • Felt confidencia a Woodward que ele vê o governo Nixon como “corrupto, paranoico e tentando infringir a independência do FBI” .
  • Em 1973, Felt, sob o pseudônimo de “Garganta (Deep Throat) Profunda”, vaza informações sobre a invasão de Watergate – e Woodward por procuração de Felt – derruba o governo Nixon.

Como essa história é vista por você? Existem inquestionavelmente conotações da Operação Mockingbird criada pela CIA, certo?

Bem, não de acordo com Remnick. Ele nos diz que a “reunião foi acidental”, a amizade “natural”, os conselhos de carreira “sinceros” e o vazamento “oportunista”. Ele faz a pergunta retórica:

O informante e insider “Garganta (Mark FeltProfunda” fazia parte do Estado Profundo? ”

Como se a única resposta lógica fosse “não, claro que não”, quando na verdade qualquer resposta que não seja “Sim, quase certamente” mostra um nível de cegueira voluntária ou ingenuidade crônica que provavelmente merece medicação.

Espera-se que acreditemos que um jovem oficial da marinha, sem nenhum interesse ou experiência anterior em jornalismo, receba conselhos de carreira de um agente sênior do FBI após uma reunião (“acidental”), saia da marinha, torne-se repórter e, finalmente, atue como uma engrenagem importante no que representou um “golpe de estado suave” (soft coup) nos Estados Unidos.

Isso é claramente um grande absurdo.

Como eu disse antes, o que é apresentado como um caso contra a existência de um Estado Profundo Americano, apresenta um argumento muito forte para a sua existência e o seu poder, de longa data.

Bco Central da Holanda admite: “Se todo o sistema entrar em colapso, será necessário ouro para recomeçar”

Em seguida, Remnick nos fornece um pouco de história sobre o “Deep State”:

O termo “Deep State” vem do Derin Devlet turco, uma rede clandestina, incluindo oficiais militares e de inteligência, juntamente com aliados civis, cuja missão era proteger a ordem secular estabelecida, em 1923, pela figura paterna da Turquia pós-otomana, Mustafa Kemal Atatürk. Esteve por trás de pelo menos quatro golpes de estado e vigiava e assassinava repórteres, dissidentes, comunistas, curdos e islâmicos. O Deep State assume uma forma semelhante no Paquistão, com seu poderoso serviço de inteligência, o ISI, e no Egito, onde o establishment militar está vinculado a alguns dos maiores interesses comerciais do país.

Veja bem, ele não está argumentando que as estruturas de poder do Deep State não existem – ele admite de bom grado que existem – apenas que elas “não existem” na América . Seu argumento para isso é simples … ou pelo menos, provavelmente seria se ele tivesse qualquer um.

O que ele realmente FAZ é simplesmente descrever como os estados profundos funcionam em outros países e, em seguida, deixar uma elipse que deveria transmitir o conceito de “é, claro, nada disso é verdade nos EUA”, quando na verdade – novamente – faz exatamente o contrário e afirma o oposto.

O que ele faz é fornecer uma lista curta de qualidades que definem um “Estado (Deep State) Profundo”:

  1. Clandestino e secreto
  2. Envolvendo oficiais militares e de inteligência
  3. aliados civis
  4. Protegendo o status quo
  5. golpes
  6. vigilância
  7. assassinatos
  8. laços com interesses de grandes empresas

Isso não soa nem um pouco familiar para mais alguém?

Os dois primeiros ítens são dados que não precisam de explicação nenhuma.

Aliados civis? Bem, eu imaginaria que um jornalista (um ex militar) plantado e / ou manipulado seria um bom “aliado civil”. Essa pessoa poderia ser usada para “vazar” informações que derrubam inimigos do Estado Profundo.  Ou, de fato, escrever editoriais desajeitados sobre como o Deep State nem sequer existe.

Chegou a hora de Trump acabar com a ilegalidade, a insurreição e a rebelião? 

Protegendo o status quo. A proteção da “ordem secular” na Turquia poderia ser facilmente traduzida como a proteção da ordem neoliberal nos Estados Unidos. É essencialmente um programa para proteger os que estão no poder de qualquer tipo de mudança. De fato, da maneira que Remnick escreve sobre essa missão, é quase como se ele estivesse argumentando que os nobres fins justificam meios ignóbeis. Esse é um subtexto interessante para incluir.

Golpes, vigilância e assassinatosDerin devlet da Turquia estava por trás de apenas quatro golpes? Isso seria apenas uma manhã movimentada na CIA. Vigilância? Bem, ultimamente, convém aos MSM-Mainstream Midia fingir que não nos disseram tudo sobre o nível de vigilância em que operamos todos os dias. Mas todos nós sabemos. 

Assassinatos? Sim, existem alguns exemplos famosos e alguns não tão famosos. Explodir a cabeça do presidente dos EUA no meio de uma praça pública provavelmente conta.

Ligações com os interesses de grandes empresas ? Eisenhower admitiu e alertou contra isso publicamente há setenta anos. A Fundação Soros  Open Society (do judeu khazar George Soros) frequentemente colabora com o Departamento de Estado, assim como a Fundação Bill e Melinda Gates. Os laços do Pentágono com a Boeing e a Lockheed Martin estão bem documentados, assim como o envolvimento de Dick Cheney com a Halliburton. A lista não tem fim.

Como uma definição de oito pontos de um “estado profundo”, as estruturas de poder da América certamente parecem permanecer como um modelo perfeito para acobertar …. o Deep State..

A Grande Conspiração (é tão “grande” que passa despercebida)

Agora chegamos à parte boa. A parte em que Remnick é forçado a incluir muitas informações que ele prefere fingir que não é verdade, porque – se ele não mencionasse – ele se abriria para uma enorme quantidade de correção e / ou ridículo … então ainda mais, do ridículo que ele já passou.

Não é preciso “ignorar os abusos” da CIA – ou a história, em geral – para rejeitar a ideia de um Estado profundo americano. Os presidentes anteriores sentiram resistência, ou pior, a elementos das burocracias federais: Eisenhower alertou para o “complexo industrial militar”; LBJ sentiu pressão do Pentágono; A política de Obama na Síria foi repreendida pelo Departamento de Estado através do seu “canal de dissidência”.

Você vê, sem dúvida, existem poderosas organizações secretas de inteligência ligadas a grandes empresas e militares.

Sim, você pode apontar para o registro público incontestado de literalmente dezenas de crimes – internacionais e domésticos – realizados por essas agências (chamar golpes e guerras de “abusos”, é uma linguagem apologética estupida e covarde).

Sim, é perfeitamente verdade que muitos presidentes (de ambos os partidos) enfrentaram oposição doméstica dessas agências, até sua eventual ruína em alguns casos. Sim, alguns dos presidentes – incluindo Truman, Eisenhower e Kennedy – alertaram publicamente contra a influência desses atores e agências não eleitos … mas – MAS – isso não significa que a América tenha um “Estado (Deep State) Profundo. Porque:

… usar o termo usado na Turquia, Paquistão ou Egito é assumir que todas essas instituições fazem parte de uma rede subterrânea de propósitos comuns e nefastos, ao governo e aos interesses do povo.

O que implora a resposta: “E então?”

Por um lado, David, não é para supor isso, é para argumentar que … com base em evidências (incluindo todas as evidências que você fornece de maneira útil em seu próprio artigo). Foi sua tarefa auto-designada fornecer um contra-argumento para essa leitura das evidências … e você falhou. Miseravelmente.

Innovation B.I.S. 2025: um trampolim para uma ‘Nova Ordem Mundial’ econômica

No entanto, David Remnick não está sozinho em sua afirmação ineficaz de que “não existe um estado profundo, apenas parece que existe”.

Outros argumentos de que não existem “coletivos militares e de inteligência secretos” que promovam suas agendas por meio de “aliados civis” foram publicados no Salon . É um editorial sobre o mesmo assunto, publicado no mesmo dia, com quase o mesmo título.

O autor, Ryan Bohl, argumenta (com aparente seriedade) que estados profundos são definitivamente reais, que o Egito tem um, mas que o americano não pode ter um … porque os Estados Unidos e o Egito são diferentes.

Suas afirmações de que os Estados Unidos “não têm um estado profundo” provavelmente reteriam mais água se ele demonstrasse algum tipo de entendimento sobre o que o termo realmente significa. Em vez disso, ele, de maneira verdadeiramente orwelliana, redefiniu a frase para apresentar um contra-argumento … e, mesmo assim, mal consegue juntar um.

… Uma falha importante da teoria americana do Deep State é que um estado profundo precisa de um “estado fraco” para sobreviver…

Não sei de onde Bohl conseguiu essa declaração. Eu suspeito que ele inventou. Isso não significa nada e nunca é apoiado por qualquer tipo de fonte, análise ou evidência. É um factóide infundado, inventado para permitir ao autor usar o truque retórico de mudar o argumento.

Tendo “estabelecido” que um Estado Profundo não pode existir dentro de uma nação forte, o autor não precisa mais refutar a existência do Estado Profundo nos EUA … mas agora pode se concentrar em provar que a América é forte. Infelizmente para ele, ele também é igualmente ruim nisso.

Como é um estado fraco? Por um lado, é terrivelmente ineficaz: não é um incômodo “não acredito que eles me fizeram esperar 45 minutos pela minha carteira de motorista quando havia apenas seis pessoas na minha frente”, mas “não acredito que precisei gastar 2 anos, US$ 4000, e conhecer um funcionário do Ministério dos Transportes através de um parente para obter minha minha licença usando o estilo de corrupção. Um estado fraco é um estado que não fornece água, eletricidade, segurança, escolas e estradas em grande escala todos os dias.

A lógica é obviamente terrível. Seu argumento de que um estado (Deep State) profundo só pode existir dentro de uma infraestrutura fraca e corrompida de governo? Uma suposição a priori completamente injustificável. Um que nunca é estabelecido com qualquer tipo de evidência.

Ex-chefe da CIA admite em público: “Graças a Deus pelo Deep State”! Voce ainda acha que é uma teoria da conspiração?

… mas vamos supor, por uma questão de argumento, que ele está certo – a América não tem uma infra-estrutura em falha?

Se um estado é rotulado como “fraco” por causa da qualidade de sua infraestrutura e desenvolvimento, qualquer observador objetivo deve aceitar que a América é fraca. Em muitos casos, é praticamente uma nação do terceiro mundo .

As manchetes da MSM sobre a não existência do DEEP STATE e a negação da sua existência, nos principais veículos MSM. É “apenas um MITO”.

Mas Bohl tem uma resposta:

Pode parecer que os Estados Unidos estão em um estado fraco quando você compila muitas anedotas de estradas ruins, pontes, escolas, suprimentos de água e outros serviços públicos barulhentos. Mas isso é enganoso: só porque você conhece muitas histórias sobre um tópico não significa que você sabe alguma coisa sobre sua escala social.

Você vê, muito parecido com o Estado Profundo, pode parecer que a América está desmoronando … mas não esta realmente. Basta olhar para as estatísticas que ele cita. Obviamente, essas estatísticas são “índices”, com uma fórmula secreta inteiramente inventada por ONGs americanas que quase certamente fazem parte do estado profundo americano (inteiramente “fictício”).

As 5 grandes corporações mais maléficas do mundo

Há também outro argumento crítico contra um estado profundo da América: a transferência regular de poder pelas eleições.

Outro argumento falho. A própria teoria contra a qual ele está argumentando é que os funcionários eleitos possuem muito pouco poder e, como tal, o poder nunca é transferido. Em vez disso, o “boneco” (marionete) é substituído.

O que frustra Trump e seus aliados não é uma conspiração de uma cabala da CIA / Departamento de Estado / jornalistas / Democratas / Obama / Pentágono, orientada pela agenda para impor alguma ordem mundial secreta aos Estados Unidos. Em vez disso, eles encontram as arestas duras dos “interesses geopolíticos” da América.

Veja bem, não há um estado profundo com uma agenda, é apenas que os EUA têm “interesses” concretos e inatos que “não podem ser ameaçados” por funcionários eleitos sem encontrar resistência maciça das agências cujo trabalho é proteger esses “interesses”.

… não é do interesse dos EUA se alinhar com a Rússia, assim como não é necessário, especialmente sob o governo Putin. Enquanto a Rússia tiver uma política externa “independente”, será uma ameaça para a OTAN e a “ordem mundial” liderada pelos (Deep State dos) EUA; apenas (a Rússia) trazer sua política externa para o sistema de alianças liderado pelos Estados Unidos acabará com essa condição.

É contrário aos “interesses” inquestionáveis ​​e inesgotáveis ​​dos EUA manter relações amistosas com a Rússia, tão naturalmente se os representantes eleitos do povo tentarem melhorar essas relações, então a CIA / Departamento de Estado / FBI / a mídia e outros órgãos não eleitos trabalharão juntos na oposição a esses planos.

Mas isso não significa que a América tenha um estado profundo…

Revolução Global: onda de violentos protestos em ESCALA planetária

Os Estados Unidos com “interesses geopolíticos” que se estendem além do poder das autoridades eleitas do povo norte americano NÃO são evidências de um “Estado Profundo” … porque? Bem…

À medida que crescem as acusações de existência de um Estado Profundo, caberia a alguns visitar o Egito, ficar um pouco e tentar obter uma carteira de motorista. É assim que realmente se sente um lugar com um estado profundo.

… você já tentou obter uma carteira de motorista no Cairo? *

Então dois veículo MSM publicaram de que o Deep State não existe nos EUA …  espera, eu disse dois? Na verdade eu quis dizer trêsquatro  cinco seis sete veículos defenderam a não existência do Deep State…

Sete não membros do não existente Estado Profundo estão tão enfurecidos com a ideia de que as pessoas possam pensar que o Deep State americano totalmente falso pode ser real, que publicaram acidentalmente ataques aparentemente coordenados contra a própria ideia. Sob títulos muito semelhantes. Tudo dentro dos mesmos dias. Citando os mesmos “exemplos contrários” do Egito e da Turquia. Todos agindo com raiva simétrica.

Como a C.I.A. criou a “Teoria da Conspiração” para ridicularizar a busca pela verdade

Isso é quase tão improvável quanto esbarrar em um agente sênior do FBI na Casa Branca por acaso, seguindo seus conselhos imediatos sobre uma mudança de carreira e depois acidentalmente quebrando a história que resulta na remoção de um presidente (Nixon após Watergate) que eles consideravam uma ameaça para sua influência, quando você pensa sobre isso.

Deixa pra lá. Eu sou apenas paranoico. Os Estados Unidos não têm um Estado (Deep State) Profundo.

Às vezes, realmente parece que sim… e há MUITO TEMPO!


“Nos indivíduos, a loucura é rara, mas em grupos, partidos, nações e ÉPOCAS, é a regra”.  –  Friedrich Nietzsche


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

2 Responses to “Não existe Estado (DEEP STATE) Profundo nos EUA” ! … bem, parece o contrário…

  1. Silvio J. B. Maia

    [ Consideramos perfeitamente dedutível a existência, na medida em que por ordem natural das coisas a tendência de uma associação de interesses assim é expandir-se para aumentar seu poder.

    Contrasenso seria que estagnasse. ]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.