browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

NASA e o Planeta Nove, uma Super Terra que falta no sistema solar 

Posted by on 16/07/2018

O Planeta Nove está lá fora, e os astrônomos estão determinados a encontrá-lo, de acordo com uma nova declaração da NASA. 

De fato, evidências crescentes sugerem que é difícil imaginar nosso sistema solar sem esse novo mundo até então invisível e desconhecido. Acredita-se que o planeta hipotético seja cerca de 10 vezes mais maciço do que a Terra e esta localizado numa zona escura, no limite externo do nosso sistema solar, aproximadamente 20 vezes mais distante do que Netuno.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

De acordo com uma nova declaração da NASA. Um nono Planeta poderia ser uma Super Terra que falta no sistema solar 

Embora o mundo misterioso ainda não tenha sido encontrado, os astrônomos descobriram uma série de características e anomalias estranhas do nosso sistema solar que são melhor explicadas pela existência de um nono planeta, de acordo com a declaração da NASA . 

“Existem agora cinco linhas diferentes de evidências observacionais que apontam para a existência do planeta Nove”, disse Konstantin Batygin, um astrofísico planetário do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) em Pasadena. “Se você fosse remover essa explicação e imaginar que o Planeta Nine não existe, então você gera mais problemas do que você resolve. De repente, você tem cinco enigmas diferentes, e você deve apresentar cinco teorias diferentes para explicá-las”. [ A Evidência de ‘Planeta Nine’ em Nosso Sistema Solar (Galeria) ] 

Os pesquisadores dizem que uma anomalia nas órbitas dos objetos distantes do Cinturão de Kuiper aponta para a existência de um planeta desconhecido orbitando o sol. Aqui está o que sabemos deste potencial “Planet Nine”. Crédito: de Karl Tate, artista de informação

Os pesquisadores dizem que uma anomalia nas órbitas dos objetos distantes do Cinturão de Kuiper aponta para a existência de um planeta desconhecido orbitando o sol. Aqui está o que sabemos deste potencial “Planet Nine”. Crédito: de Karl Tate, artista de informação

Em 2016, Batygin e o co-autor Mike Brown, um astrônomo da Caltech, publicaram um estudo que examinou as órbitas elípticas de seis objetos conhecidos no Cinturão de Kuiper, uma região distante de corpos gelados que se estendem desde Netuno para fora em direção ao espaço interestelar. Suas descobertas revelaram que todos esses objetos do Cinturão de Kuiper possuem órbitas elípticas que apontam na mesma direção e estão inclinados cerca de 30 graus “para baixo” em comparação com o plano em que os oito planetas oficiais circulam o sol, de acordo com a afirmação. 

O uso de simulações computacionais do sistema solar com um planeta Nove, Batygin e Brown também mostrou que deveria haver ainda mais objetos inclinados 90 graus em relação ao plano solar. Uma investigação posterior revelou que cinco desses objetos já eram conhecidos por esses parâmetros, disseram os pesquisadores. 

Desde então, os astrônomos encontraram novas evidências que sustentam ainda mais a existência do planeta Nove. Com a ajuda de Elizabeth Bailey, uma cientista astrofísica e planetária da Caltech, a equipe mostrou que a influência do Planeta Nove poderia ter inclinado os planetas do nosso sistema solar, o que explicaria por que a zona em que os oito grandes planetas orbitam o sol é inclinado em cerca de 6 graus em relação ao equador do sol.

Um possível “Planeta Nine” no sistema solar da Terra orbitaria muito além da órbita de Netuno (visível como um anel brilhante ao redor do sol na ilustração desse artista). Crédito: Tom Ruen / nagualdesign / ESO

“Durante longos períodos de tempo, o Planeta Nove fará com que todo o plano do sistema solar prossiga, ou vá bamboleando, como um pião em uma mesa”, disse Batygin na declaração.  Finalmente, os pesquisadores demonstram como a presença do Planeta Nove poderia explicar por que alguns objetos do cinturão de Kuiper orbitam na direção oposta de todo o resto no sistema solar. 

“Nenhum outro modelo pode explicar a estranheza dessas órbitas de alta inclinação”, disse Batygin na declaração. “Acontece que o Planeta Nove fornece uma avenida natural para sua geração. Essas coisas foram retorcidas do plano do sistema solar com a ajuda do Planeta Nove e depois espalhadas para dentro por Netuno”Mais à frente, os pesquisadores planejam usar o Telescópio Subaru (Plêiades em japonês) no Observatório Mauna Kea no Havaí para encontrar o Planeta Nove, e depois deduzir de onde veio esse mundo misterioso

O tipo mais comum de planetas descobertos em torno de outras estrelas em nossa galáxia tem sido o que os astrônomos chamam de “Super Terra” – mundos rochosos que são maiores do que a Terra, mas menores que Netuno. No entanto, nenhum desses planeta ainda foi descoberto em nosso sistema solar, o que significa que o Planeta Nove poderia ser a nossa “super-terra” faltando, disseram os pesquisadores. 

Nota do Editor: Este artigo foi atualizado para esclarecer que alguns objetos do Kuiper Belt inesperadamente orbitam na direção oposta ao resto do Sistema Solar, mas nem todos eles.

Siga Samantha Mathewson @ Sam_Ashley13. Siga-nos @SpacedotcomFacebook e Google+  Artigo original no Space.com.


A seguir a tradução da notícia publicada no jornal Washington PostMISTERIOSO E MASSIVO CORPO CELESTE foi descoberto:  Por Thomas O’Toole, da equipe de redação – sexta-feira dia 30 dezembro, 1983; Página A1

“Um corpo celeste possivelmente tão grande como o gigantesco planeta Júpiter e, possivelmente, tão perto da Terra que seria parte deste sistema solar foi encontrado na direção da Constelação de Órion por um telescópio em órbita a bordo do satélite astronômico infravermelho dos EUA (Infrared Astronomical Satellite-IRAS). Tão misterioso é o objeto que os astrônomos não sabem se ele é um planeta, um cometa gigante, uma “proto-estrela” próxima que nunca ficou quente o suficiente para se tornar uma estrela, uma galáxia distante tão jovem que ainda está em processo de formação de suas primeiras estrelas ou uma galáxia tão envolta em poeira que nenhuma das suas estrelas ainda é visível.

“Tudo o que posso dizer é que não sabemos o que é”,

disse em uma entrevista, o Dr. Gerry Neugebauer, o cientista chefe do IRAS para o JPL-Laboratório de Propulsão a Jato da Califórnia e diretor do Observatório Monte Palomar, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a explicação mais fascinante deste misterioso corpo, que é tão frio que não lança luz e nunca foi visto por telescópios ópticos na Terra ou no espaço, é que ele é um planeta gigante gasoso tão grande como Júpiter e tão perto da Terra em 50 trilhões de quilômetros. Embora isso possa parecer uma grande distância em termos terrestres, é uma curta distância em termos cosmológicos, tão perto, de fato, que seria o corpo celeste mais próximo da Terra além do mais externo planeta Plutão. “Se ele esta realmente tão perto, seria uma parte do nosso sistema solar”, disse o Dr. James Houck do Centro de Rádio Física da Universidade Cornell.

Saiba MAIS: 


dinokraspedonA seguir citamos passagem de um livro (Contato com Discos Voadores, de Dino Kraspedon, páginas 33 a 37) publicado ainda em 1957, sobre encontros com extraterrestres vindos das luas de Júpiter, Ganimedes e Io, em que são feitas referências (há 59 anos atrás) à chegada deste SEGUNDO SOL ao nosso sistema solar:

“Em breve os terrestres terão outros problemas a resolver. Se até agora não tem solução para o problema dos três corpos, brevemente haverá maior dificuldade com a inclusão de um outro sol no vosso sistema. Agora são três; depois serão quatro corpos, representados pela Terra, dois sóis e o centro magnético”.

P.— Não estou compreendendo bem o que você se está referindo. Que outro sol é esse que fará parte do nosso sistema?

— É o que lhe estou afirmando: um outro sol penetrará, dentro em breve, no vosso sistema planetário, e teremos um invejável sistema de sóis duplos Aliás, essa é uma das razões porque aqui nos (os ETs) encontramos, além de vir preveni-los contra os perigos a que estão expostos com o advento da era atômica e de vir saudá-los.

P— Sim, eu quero saber quais os perigos a que estamos expostos com o advento da idade atômica, mas primeiro seria interessante ouvir mais a respeito desse novo sol.

— Esse corpo é um monstro, que em breve poderá ser visto na direção (da Constelação) de Câncer, de luz apagada. A luz de um sol só passa a brilhar quando penetra num campo magnético secundário como o vosso. Penetrando no sistema, toma um movimento de rotação, deforma o espaço e gera correntes que lhe darão brilho. Se viesse luminoso, sua luz provocaria forte repulsão e seria desviado da sua rota. Sem brilho, ele sofre a pressão do vosso sol mas o seu momento cinético lhe garantirá a penetração no sistema solar.

De inicio será uma luz avermelhada, depois azul. Após vencer a zona das grandes massas planetárias (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), terá a oposição solar pela frente, mas na retaguarda terá o peso das grandes massas a impulsioná-lo por uma ação repulsiva. A repulsão contra os planetas gigantes, pela sua retaguarda, a sua luz brilhando e o volume de sua massa descomunal fará o nosso sol atual deslocar-se das proximidades do centro magnético, situando se mais longe. Então os dois sóis demarcarão as suas órbitas, ficando o de maior massa e menos luz mais próximo do centro (E sucederá naquele dia, diz o Senhor, que farei que o sol se ponha ao meio dia, e a Terra se entenebreça em dia de luz. (Amos: 8-9). 

Nota: A penetração desse novo corpo gigantesco foi predita por Nostradamus nas suas célebres Centúrias, II, quadra 41, onde se lê: “La grande estoille par sept jours bruslera. Nuee fera deux soleils apparoir”. 

Traduzido, significa: “Por sete dias a GRANDE ESTRELA brilhará, nuvem fará dois sóis aparecer”.

Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto já dentro do sistema solar.

— Dois sóis no sistema criarão problemas MUITO difíceis. Todos os planetas terão as suas atuais órbitas modificadas. Mercúrio cairá na zona hoje compreendida entre Vênus e a Terra. Vênus irá para o lugar que medeia entre a Terra e Marte. A Terra sentirá o efeito, antes que o novo sol  se coloque no seu lugar definitivo. À medida que esse corpo começar a brilhar, a pressão da sua luz fará com que a Lua se desloque da sua órbita e vá situar-se num ponto que passe à categoria de planeta. Com esse deslocamento conduzirá uma quantidade da massa etérea da Terra, que lhe garantirá uma estabilização de movimento. A Terra, por sua vez, sob a pressão combinada de dois sóis, irá se situar na zona hoje ocupada pelo cinturão de asteroides (entre Marte e Júpiter).

As imagens abaixo são fascinantes e mostram um gigantesco e até então, invisível objeto visto pelo SECCHI (Sun Earth Connection Coronal and Heliospheric Investigation)  e que ainda estava sendo visível. É verdade que as câmeras do telescópio do SOHO teriam perdido mais de 12 horas de gravação? Por que será?

— Em suma, haverá um deslocamento geral de todos os corpos planetários que povoam o vosso atual sistema solar. Plutão será lançado para fora, e vagará errante pelo espaço, até que um seio acolhedor o recolha. Um dos satélites de Marte será arrancado da sua atual posição e será projetado no espaço. De massa bastante densa, em vez de repelido será atraído para o interior.

— Sua trajetória será de tal forma que viria a constituir-se em novo satélite da Terra. Depende do sentido em que ele tomar contato com este planeta. Se isso se der contra o sentido de rotação da Terra, o choque provocado pelo encontro da sua massa com o éter fá-lo-á em pedaços; se for a favor, ficará ligado ao planeta.

— A Terra não sofrerá com um choque contra, pois a sua camada etérea (Atmosfera?) oferece proteção. Pelos nossos cálculos, apenas cairá uma grande chuva de pedras (meteoros) sobre a superfície deste globo, principalmente na zona compreendida pelo sul europeu, norte da África, Ásia Menor, o norte da América do Sul e o sul da América do Norte. O impacto transformará o atual esplêndido satélite marciano em pedacinhos de uns 20 kg cada um, que devastará as zonas acima descritas. Depois tudo se normalizara. Nós teremos um novo céu onde viajar, e vocês uma nova Terra para viver.

P— Quando será isso? Ainda levará muito tempo?

— Será muito em breve, no fim deste século XX. A Terra começará o seu novo milênio com uma nova fonte de luz a iluminar os seus prados. Muitos desaparecerão para sempre do cenário terrestre, mas um pequenino rebanho restará, obediente às leis de Deus, e não haverá mais as lágrimas que aqui existem hoje. Haverá paz e abundância, justiça e misericórdia. As almas injustas terão o castigo merecido, e só os bons terão guarida. Nesse dia o homem compreenderá o triunfo dos justos, e verá porque Deus não puniu imediatamente os maus. O Sol, que há de vir, será chamado o “SOL DA JUSTIÇA”.  O seu aparecimento nos céus da Terra será o sinal precursor da vinda d’Aquele que brilha ainda mais que o próprio Sol.

P— Quando será isso? Ainda levará muito tempo?

Foto batida recentemente, em 24 dezembro de 2015, em infravermelho, do sol e do seu novo companheiro que ainda não esta completamente visível em nossa realidade tridimensional

P— E que tem a ver a vinda dos discos voadores (extraterrestres) à Terra com o Sol que há de vir?

— Estudamos todos os efeitos que o seu aparecimento trará AO SISTEMA SOLAR. Se nos fosse permitido, podíamos enviar, por meio de aparelhos apropriados, pulsações eletromagnéticas contra ele, e evitaríamos a sua entrada, fazendo que a sua luz acendesse fora do sistema. Mas evitar a sua Vinda seria querer nos opor contra à vontade de Deus e deixar que a injustiça aqui se perpetuasse. Quem está com a sua consciência tranqüila e em paz com o seu Criador nada precisa temer. Deixemo-lo vir.

— Viemos com finalidade de estudos e também, para fazer um supremo apelo ao homem para que evitem a catástrofe e vivam em paz. A Terra não é o centro do sistema planetário, como antes pensavam, mas é o centro do mal. Se os homens e as mulheres se tornassem bons, talvez que o Criador tivesse ainda mais compaixão. Evitem a guerra, porque pode dar-se o caso de que o homem destrua o seu planeta com as suas próprias mãos evitando assim, que as forças da natureza o façam (em 2018). Não é difícil ser bom; é o bastante não fazer o mal.    O restante Deus suprirá.” (Fim de citação)


countdown-contagem-regressiva

Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos (os inconscientes e ignorantes), e Cristo te esclarecerá. Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios*, mas como sábios”  –  Efésios 5:14-15

{Nota: Significado de Néscio: adjetivo, Característica de quem não possui (não desenvolveu) conhecimento, capacidade, sentido ou coerência. s.m. Sujeito ignorante, estúpido, incompetente, burro, incoerente, inepto e sem discernimento. (Etm. do latim: nescius.)}


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

3 Responses to NASA e o Planeta Nove, uma Super Terra que falta no sistema solar 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.