Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Netanyahu retorna, mas cenário Político e Militar de Israel e Oriente Médio mudou

Bibi [o açougueiro]] está de volta, liderando o governo mais direitista e extremista de Israel, mas também enfrentando resistência palestina sem precedentes e turbulência global generalizada. Enquanto a Cúpula Árabe na Argélia afirmou sua adesão à chamada ‘Iniciativa de Paz Árabe’ como solução final para a questão palestina, a resposta de Israel veio rápida e resoluta com o retorno ao poder de Benjamin Netanyahu e do bloco religioso anti-árabe Likud.

Netanyahu retorna, cenário Político e Militar de Israel mudou

Fonte: The Cradle

Nas eleições legislativas de 1º de novembro, os israelenses votaram em grande número nos partidos anti-árabes, racistas e religiosos, que abraçam abertamente uma política de matar e expulsar palestinos de toda a Palestina ocupada e promover uma identidade exclusivamente judaico-sionista do país. .

O partido “Poder Judaico”, que conquistou 15 cadeiras e é liderado pelas duas figuras mais racistas da curta história do estado judeu sionista, Bezael H. Cherish e seu vice Itamar Ben Gvir, será a espinha dorsal do governo de coalizão de Netanyahu.

O líder deste partido, que será o parceiro mais proeminente dos monarcas árabes que assinaram acordos de paz com Israel, pediu a morte dos árabes, a sua expulsão e o envolvimento dos corpos dos mártires em pele de porco “em homenagem” a eles.

Normalização a nova norma

No entanto, é provável que sejam colocados tapetes vermelhos para Ben Gvir e Netanyahu nas capitais árabes, onde eles desfrutarão da hospitalidade árabe e beberão de suas taças douradas. De fato, não há diferença entre a coalizão israelense vencedora e a derrotada (Lapid-Gantz).

Ambos convergem em sua mútua hostilidade e ódio a árabes e muçulmanos. O general Benny Gantz, ministro da Defesa israelense no governo anterior, costumava se gabar de ter sido o israelense que matou o maior número de árabes – e isso é verdade, pois seu governo matou 166 palestinos desde o início deste ano.

Há um lado positivo, no entanto: este governo racista irá acelerar o fim de Israel e levar ao seu fim inevitável, não nas mãos dos exércitos árabes agredidos, mas nas mãos da resistência palestina e seus aliados regionais, seus mísseis e drones.

Há três passos que o governo Netanyahu e sua coalizão extremista podem tomar ao assumir o poder:

Primeiro, um retorno para reviver o “Acordo do Século” da era Trump, a anexação da Cisjordânia e a deportação da maioria de seus residentes palestinos para a Jordânia como uma “pátria alternativa”.

Segundo, a escalada de incursões na Mesquita de Al-Aqsa[o Domo da Rocha], a consolidação do controle judaico sionista sobre Jerusalém Oriental e a obliteração de sua identidade árabe e islâmica. O primeiro passo pode ser dividi-la no modelo da Mesquita Ibrahimi em Hebron, depois demoli-la e erguer o suposto “3º templo” sobre as suas ruínas.

Terceiro, o cancelamento ou congelamento do acordo de demarcação de fronteiras marítimas com o Líbano , semelhante ao que aconteceu com os acordos de Oslo com os palestinos. Netanyahu anunciou sua intenção de fazê-lo abertamente em sua campanha eleitoral.

Esta opção parece especialmente provável tendo em conta que a extração de gás e petróleo do campo de Karish já começou , enquanto o campo de Qana, que foi “parcialmente” reconhecido como libanês, permanece intocado, sem pesquisas ou explorações realizadas até o momento.

É provável que os campos de gás libaneses fiquem inativos no futuro próximo. Os mesmos mediadores dos EUA não garantiram a implementação de nem 1% dos Acordos de Oslo e provavelmente não garantirão os direitos do povo libanês.

Renovada resistência armada palestina

Mas Netanyahu deve assumir o controle de um estado de coisas muito diferente, tanto nacional quanto internacionalmente. Para começar, Israel está enfrentando um conflito interno crescente e, mais importante, uma intifada revivida na forma de resistência armada na Cisjordânia.

Não podemos falar sobre a resistência da Cisjordânia sem discutir o fenômeno da Cova dos Leões, cuja influência política e militar está se expandindo, enquanto a adesão do público palestino ao movimento está crescendo. Não passa um dia sem testemunhar uma operação de comando em várias partes da Cisjordânia; em Nablus, Jenin e Hebron – mais tarde em Ramallah, e depois nos territórios palestinos ocupados pré-1948.

Netanyahu pode conseguir incluir mais um ou dois governos árabes nos Acordos de Abraham, que foram assinados durante seu último mandato. No entanto, tais acrobacias políticas não terão valor à luz do “despertar” do povo palestino e seu retorno à resistência armada.

O retorno de Netanyahu não esquecerá a batalha de maio de 2021 da “Espada de Jerusalém” que o humilhou e seus mísseis que isolaram o estado de ocupação por mais de 11 dias, forçando milhões de colonos-colonizadores israelenses a abrigos e bunkers.

Esses mísseis ainda estão presentes e prontos, junto com centenas de drones armados. Talvez também valha a pena lembrar ao novo primeiro-ministro israelense como ele encerrou uma reunião eleitoral na cidade de Ashdod (cidade natal de meus ancestrais) e fugiu aterrorizado dos 400 mísseis lançados pelo movimento Jihad Islâmica Palestina (PIJ) em retaliação por o assassinato de seu líder, Baha Abu al-Atta.

Apenas mais um dia no escritório?

O “Israel” para o qual Netanyahu retorna não é o mesmo Israel que ele deixou, e o mundo que ele conheceu quando esteve no poder pela última vez não é o mesmo mundo de hoje. Seu apoiador dos EUA está atolado em uma guerra de atrito sem precedentes com a Rússia na Ucrânia, onde seu correligionário, o judeu khazar Volodymyr Zelensky, até agora perdeu cerca de um quinto do território de seu país e o mergulhou na escuridão e no desespero.

Embora Netanyahu seja visto como próximo do presidente russo Vladimir Putin, essa amizade se aprofundou antes da guerra na Ucrânia. A situação agora mudou dramaticamente, e ele será forçado a escolher entre Washington e Moscou em uma era de multipolaridade .

Quanto à Cova dos Leões, eles efetivamente mudaram todas as equações e regras de engajamento na Palestina ocupada – e talvez no mundo árabe também – e dentro deste contexto vão realmente “dar as boas-vindas” ao retorno do linha-dura de Netanyahu ao poder.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *