Nova Rússia de Putin: Conheça o Novo Chefe… Ele não é o mesmo que o Antigo Chefe.

Vladimir Putin tomou posse para o seu quinto mandato como presidente da Rússia. Os principais “especialistas” do Hospício Ocidental da Rússia sempre pintaram Putin como um autocrata corrupto que governa um sistema e uma nação falidos. A “realidade” que esses “especialistas” pintam não poderia estar mais longe da verdade.

Nova Rússia de Putin: Conheça o Novo Chefe… Ele não é o mesmo que o Antigo Chefe.

Fonte: Global Research

Em sua resenha de 27 de julho de 2020 do livro de Catherine Belton, “Putin’s People: How the KGB Took Back Russia and Then Took on the West“, no The Atlantic, a judeu khazar Anne Applebaum concluiu que após sua reeleição como presidente da Rússia na primavera de 2018, Vladimir Putin e seus comparsas haviam “mais uma vez criado um país calcificado”, num sistema político autoritário na Rússia”, incluindo “uma economia corrupta que desencoraja a inovação e o empreendedorismo”.

Anos de liderança presidencial de Putin, observou Applebaum, deixaram a Rússia na miséria. “Em vez de experimentar a prosperidade e o dinamismo político que ainda pareciam possíveis nos anos 90”, declarou o autor vencedor do Premio Pulitzer, “a Rússia está mais uma vez empobrecida e apática”. Mas, concluiu ela, “Putin e o seu povo estão prosperando – e esse foi o objetivo mais importante o tempo todo”.

Applebaum é uma oradora muito procurada sobre a Rússia pós-Guerra Fria, onde se especializou em desmembrar o passado soviético da Rússia enquanto lamentava a ascensão ao poder de Vladimir Putin, a quem ela caracteriza como um autocrata, no final da década de 1990. Em defesa de Applebaum, ela não está sozinha neste aspecto de difamar Vladimir Putin.

Na verdade, ela se encontra na companhia de ex-embaixadores (Michael McFaul), especialistas em segurança nacional (Fiona Hill e Angela Stent) e oficiais de inteligência (Andrea Kendall-Taylor, Steve Hall e John Sipher), todos os quais usaram seus currículos carregados de russo para se insinuarem no que se passa por um diálogo nacional nos principais meios de comunicação social [as PRE$$TITUTA$] sobre a verdadeira natureza da Rússia e da sua liderança, e o que isso significa para os Estados Unidos e os seus lacaios aliados europeus [a Besta do G-7/OTAN]. Sem exceção, o elenco de personagens reunidos acima, grandes expoentes de psicopatas do Hospício “acordado” do ocidente, ecoou o resumo da khazar Applebaum sobre o legado e o futuro de Putin como líder da Rússia.

Há uma diferença importante, no entanto: embora Applebaum tenha sido uma observadora dos acontecimentos russos, os outros eram todos jogadores do jogo, participantes ativos na formulação e implementação da política americana em relação à Rússia no período imediatamente a seguir ao colapso da União Soviética.

Eles ajudaram a propagar políticas destinadas a explorar as fraquezas políticas, econômicas e de segurança russas em benefício exclusivo e hegemônico dos EUA e, quando a assimilação inesperada de Putin à presidência russa ameaçou desfazer tudo o que tinham conseguido durante a década de governação ruinosa sob Boris Yeltsin, um marionete do ocidente, estes mesmos atores trabalharam ativamente para minar a Rússia na esperança de derrubar Putin.

Qualquer analista e “especialista” que fale dos anos catastróficos da década de 1990 em termos de “prosperidade e dinamismo político” não pode ser descrito como um “especialista” russo, mas sim como um propagandista anti-russo. O mesmo deve ser dito de quem compara a condição social e econômica da Rússia por volta de 1999 com a Rússia em 2020, e opta por descrever a atual condição em termos de “empobrecimento apático”.

O fato da judeu khazar Applebaum e companhia articularem a atual situação económica da Rússia como corrupta e carente de inovação e empreendedorismo pode explicar porque é que todos erraram 100% ao defenderem a imposição de duras sanções econômicas contra a Rússia no rescaldo da invasão russa da Ucrânia em Fevereiro de 2022, acreditando que a economia russa entraria em colapso, apenas para testemunhar a sua sobrevivência, renascimento e expansão explosiva.

Existem hoje duas palavras que descrevem o ambiente econômico russo da atualidade: inovação e empreendedorismo. O fato de estas palavras não estarem no léxico destes antigos “especialistas” da Rússia ao descreverem a realidade econômica russa hoje diz muito sobre a brutal ignorância deste coletivo de psicopatas e especialistas do hospício ocidental.

Applebaum e a sua turma compreendem muito bem “as raízes” da corrupção política russa e da calcificação – construíram propositadamente este sistema sob a liderança do antigo Presidente Boris Yeltsin e casaram-no com um esquema econômico que viu os reformados serem roubados enquanto os barões ladrões prosperavam.

A classe dos oligarcas da Rússia [coincidentemente, judeus khazares em sua maioria] foi parteira pelos atuais “especialistas” russos que explicam a Rússia a um público americano infectado com a doença da russofobia e que estes especialistas ajudam a transmitir para a corrente dominante.

O casamento dos oligarcas russos [coincidentemente, judeus khazares em sua maioria] com o poder político russo foi parte integrante de um esquema abrangente liderado pelos EUA, concebido para destruir, e não para reviver, a nação russa. Foi a personificação viva da calcificação social.

E quando a ascensão de Vladimir Putin ao poder ameaçou desvendar o seu grande plano, estes especialistas viraram-se contra ele, projetando os seus pecados no novo presidente à moda orwelliana clássica, invertendo o rumo de modo que o alto era o baixo, a esquerda era a direita e o certo era o errado.

A classe Applebaum de antigos “especialistas” russos nunca poderá dizer a verdade sobre a Rússia, porque fazê-lo exigiria que refletissem honestamente sobre os seus próprios erros quando se tratou de destruir a Rússia, para começar, e procurar mantê-la destruída nas décadas a seguir. Eles construíram carreiras e criaram sinecuras com base nestas mentiras, e a sua própria existência depende da sua capacidade de sustentar a divulgação destas mentiras ao público americano.

A Rússia que Vladimir Putin herdou de Boris Yeltsin era uma nação fundamentalmente quebrada. A classe da oligarquia russa insinuou-se no próprio tecido da sociedade econômica e política russa, e o povo russo perdeu a fé na sua própria história e cultura, procurando em vez disso uma fortuna ao estilo ocidental que obrigou-os a rebaixar-se no altar da suposta superioridade cultural ocidental [“acordada”, Transgênero, DEI, ESG, Transhumanista, LGBTQ+, Emissão Zero CO², etc…]

Uma nação tão distante da sua verdadeira natureza é quase impossível de governar – nenhum político poderia sobreviver à terapia de choque necessária para reverter o curso. Putin teve de dar prioridade às partes da Rússia que precisavam de ser corrigidas primeiro, forçando-o a tapar o nariz à podridão que tinha de ser deixada de lado por enquanto, uma vez que fornecia o quadro que mantinha unido o que se passava pela Rússia.

Imagem: Boris Yeltsin, um marionete dos interesses do Ocidente

Ao longo dos anos, Putin foi capaz de acabar com a corrupção da classe oligarca [coincidentemente, judeus khazares em sua maioria], reparando os danos causados ​​pelas décadas de negligência, corrupção desenfreada e encorajando lentamente o processo de cura necessário para reanimar a nação russa e o povo russo.

Mas a mancha residual dos anos Yeltsin ainda se apegava ao corpo russo, a infecção era demasiado profunda para ser eliminada sem desfazer muitas das realizações que tinham sido alcançadas em relação ao rejuvenescimento social. A resposta do Ocidente à invasão russa da Ucrânia, contudo, deu a Putin um impulso inesperado neste aspecto. Primeiro, centenas de milhares de opositores políticos, os seguidores de Alexi Navalny, fugiram do país.

Em segundo lugar, o Ocidente sancionou a classe oligarca, paralisando-a financeiramente e enfraquecendo-a em termos da influência que poderiam exercer na Rússia. E, finalmente, o Ocidente pressionou pelo divórcio quase total da Rússia em termos econômicos e, ao fazê-lo, desligou uma classe politicamente poderosa de empresários russos que se tinham tornado inextricavelmente entrelaçados com a corrupta elite empresarial ocidental.

Em suma, a resposta à análise ocidental à invasão da Ucrânia pela Rússia, influenciada por Anne Applebaum e sua turma de psicopatas do hospício ocidental, saiu pela culatra dramaticamente. As sanções ocidentais não só destruíram a viabilidade política da classe oligarca russa e das elites empresariais, como também repercutiram sobre o Ocidente, num retrocesso clássico que paralisou a economia europeia. Vladmir Putin conseguiu aproveitar a necessidade de impulsionar a economia de defesa russa para perseguir o tipo de inovação e empreendedorismo que Applebaum et. al. alegou que não existia na Rússia hoje.

A guerra com a Ucrânia e o Ocidente coletivo também conseguiu algo mais: despertou um sentimento adormecido de patriotismo entre o povo russo. Este renascimento patriótico fez com que os russos se apaixonassem novamente pela Rússia e a sua cultura e conservadorismo, redescobrindo a sua cultura, a sua história, a sua religião e os seus valores. 

Vladimir Putin e sua equipe tem sido a força motriz da renovação russa, aproveitando este novo sentimento de orgulho nacional para redefinir o papel da Rússia na cena internacional como uma grande nação com uma cultura única, capaz de se auto-sustentar e, como tal, nunca mais dependente sobre o Ocidente para qualquer coisa. Esta nova Rússia pode manter-se sozinha e proteger-se de qualquer inimigo que possa surgir.

O problema desta realidade atual, porém, é o grau em que a Rússia se tornou dependente da liderança de Vladimir Putin. Putin recentemente foi reeleito ao garantir 88% dos votos, com uma participação de 77% entre os eleitores elegíveis. Este é um mandato para o tipo de mudança que Putin anteriormente não podia considerar por medo de destruir o tecido da sociedade civil e econômica russa.

Com a classe oligarca e as elites econômicas pró-ocidentais efetivamente neutralizadas pelas sanções, Putin pode promulgar reformas econômicas abrangentes e reestruturantes destinadas a revigorar a economia russa com base no reinvestimento maciço de recursos que anteriormente tinham sido retirados da Rússia.

A guerra com a Ucrânia libertou Putin de outra forma, talvez ainda mais importante. A podridão residual dos anos Yeltsin, na forma de políticos regionais que estavam mais preocupados com a sua riqueza individual do que com o coletivo russo, ainda existia e, no seu número, ainda era um poder formidável.

Ao fazer com que a guerra com a Ucrânia deixasse de ser uma guerra entre dois povos eslavos irmãos, à qual muitos russos se opunham, e se transformasse numa luta existencial pela sobrevivência com e contra o Ocidente coletivo, Putin aproveitou um poço de patriotismo como nunca se viu desde então, desde a segunda Guerra Mundial. O patriotismo russo está agora diretamente ligado ao apoio e ao serviço na Operação Militar Especial na Ucrânia.

Vladimir Putin baseou-se neste novo patriotismo e no mandato conferido pela sua vitória eleitoral para redefinir a classe política russa moderna e, ao fazê-lo, pôs em marcha o tipo de mudanças estruturais necessárias para que a Rússia continue a crescer e a prosperar num mundo pós- Era Putin.

“Diz-se frequentemente aqui”, afirmou o Presidente Putin no seu discurso inaugural, “que o chefe de Estado na Rússia responde e sempre responderá por tudo. Este ainda é o caso. Mas hoje”, observou Putin, “embora eu tenha uma profunda consciência da minha responsabilidade pessoal, quero, no entanto, sublinhar que o sucesso e a prosperidade da Rússia não podem e não devem depender apenas de uma única pessoa ou de um partido político, ou de uma força política. Precisamos de uma base ampla para desenvolver a democracia no nosso país e para continuar as transformações que iniciámos. É minha convicção”, continuou ele, “que uma sociedade civil madura é a melhor garantia de que este desenvolvimento continuará. Somente pessoas livres num país livre podem ser genuinamente bem-sucedidas. Esta é a base tanto para o crescimento econômico como para a estabilidade política na Rússia. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que todos aqui possam realizar os seus talentos e capacidades, para garantir que se desenvolva um sistema genuinamente multipartidário e que as liberdades pessoais sejam reforçadas.”

O “sistema político calcificado e autoritário” que a judeu khazar Anne Applebaum denunciou é apenas uma invenção da sua imaginação e um testemunho da sua ignorância, e daqueles que, como ela, passaram a odiar tudo e qualquer coisa associada à Rússia que Vladimir Putin reconstruiu a partir das ruínas do Década de Yeltsin.

Ela e os seus colegas “especialistas” russos erraram feio em relação à Rússia e à sua liderança, e continuarão a fazê-lo no futuro. Esperemos que aqueles que ocupam posições de responsabilidade compreendam o preço que foi pago por dar crédito a análises tão distorcidas de mentes e corações sombrios e comecem a ouvir as avaliações daqueles que procuram compreender a realidade da Rússia tal como ela é, e não a ficção perpetrada por aqueles que que estão presos às políticas fracassadas do passado.

Só desta forma poderá ser superada a doença da russofobia que tomou conta da psique do público americano. E quando esse momento chegar – e ele chegará – poderemos todos reconhecer a realidade daquilo que Vladimir Putin já realizou e apreciar aquilo que está atualmente empenhado em realizar em prol e em benefício de sua pátria e do seu povo, a Rússia.

Conheça o novo chefe. Ele não é o mesmo que o antigo chefe.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth