Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Globalismo é a Verdadeira Pandemia e os Globalistas o seu vírus

Contrariamente aos seus objetivos declarados, as soluções centralizadas e o Globalismo estão preparados para aumentar o risco de desastres, minar a produção de conhecimento, impedir o crescimento econômico, a produção de alimentos, a matriz energética [zero emissão CO²] e sua guerra santa contra o petróleo e seus derivados, as mudanças climáticas e dificultar o progresso científico. Devem também ser rejeitados por razões éticas. As desvantagens da centralização extensiva (globalismo das elites) foram discutidas anteriormente, incluindo o fato de capacitar os indivíduos errados e colocá-los em posição de comando. 

O Globalismo é a Verdadeira Pandemia e os globalistas os seus vírus

Fonte: Affarsvarlden.se

No entanto, à medida que os proponentes da centralização global continuam a avançar as suas posições – ver, por exemplo, as discussões em torno do novo tratado pandêmico da OMS, é tempo de nos lembrarmos mais das desvantagens associadas à centralização.

Neste texto, apresento três razões adicionais pelas quais a agenda de soluções centralizadas e em grande escala deve ser rejeitada. Aumentam o risco de catástrofes, prejudicam a produção de conhecimento, o desenvolvimento econômico, a descoberta científica, etc. Eles também deveriam ser rejeitados por motivos éticos.

Risco de catástrofes

Uma sociedade constitui um sistema complexo. Sistemas complexos exibem propriedades que surgem devido a dependências e interações entre suas partes. Isto torna impossível compreender o todo apenas examinando suas partes. 

Os efeitos borboleta são uma consequência – um pequeno evento localizado pode ter consequências de longo alcance e imprevisíveis. Tal sistema pode ser comparado a um emaranhado de arbustos de amoras-pretas. Tudo está interligado com todo o resto, e a única certeza é que você encontrará consequências indesejadas ao tentar alcançar as frutas. Estas consequências são muitas vezes dolorosas, pois pode haver “espinhos”. 

Dado que os especialistas de hoje tratam a sociedade como se fosse um sistema complicado e não complexo, não é surpreendente que sejam frequentemente surpreendidos por consequências não intencionais [ou o seu oposto, INTENCIONALMENTE impondo agendas ocultas], como a inflação dos últimos anos.

Em sistemas complexos, as soluções não podem ser calculadas; em vez disso, é preciso experimentar em pequena escala. Mesmo que as experiências em pequena escala produzam resultados positivos, pode não ser prudente expandi-las. Também pode ser argumentado que a centralização [das decisões, de governo] é uma condição necessária para que ocorram catástrofes.

As consequências da experimentação em grande escala são bem ilustradas pelo Grande Salto à Frente da China, onde cerca de 30 milhões de pessoas morreram devido à fome criada pela mente de um psicopata como Mao. Menos pessoas teriam morrido se a China tivesse se envolvido primeiro em experiências em pequena escala. 

No entanto, é isto que a IMPOSIÇÃO das “soluções” planejadas centralmente e em grande escala impedem. Em vez de consolidar mais poder em organizações, cada vez mais sob suspeição, como a ONU, a UE, OTAN, G-7, FMI, Bco Mundial ou a OMS, é mais sensato não colocar todos os ovos no mesmo cesto.

Minaram a produção de conhecimento e a estagnação económica

A centralização em grande escala, soluções de “tamanho único”, tem implicações significativas para a produção de conhecimento em todo o mundo e no setor empresarial. Afinal, os insights sobre a natureza das coisas não se originam em planilhas; eles surgem quando hipóteses são testadas na realidade e os resultados são observados. 

Quanto mais hipóteses [e ideias] puderem ser testadas, mais conhecimento será gerado. Os sistemas centralizados [comumente socialistas e de esquerda] de grande escala testam menos hipóteses e, como resultado, sofrerão estagnação em termos de conhecimento em comparação com os sistemas descentralizados. 

Dado que o desenvolvimento econômico depende do engenho humano, a centralização conduzirá a um menor crescimento sustentável, levando possivelmente à estagnação total. Os biólogos reconhecem que pequenos grupos isolados sofrem uma rápida evolução, e o mesmo conceito se aplica neste contexto.

Além disso, quando todos os indivíduos ou grupos estão sujeitos a regras idênticas, a existência de grupos de controle é eliminada. Sem grupos de controle, torna-se impossível fazer afirmações cientificamente válidas sobre eficiência ou causalidade. Consequentemente, a centralização mina os fundamentos da ciência.

“Socialismo [comunista] significa principalmente manter o CONTROLE de tudo”, disse Lenin , e ele provavelmente estava correto com o comunismo. No entanto, é lamentável para ele e para outros burocratas do planejamento central que isso simplesmente não seja viável. As informações necessárias para um planejamento bem-sucedido estão dispersas e não podem ser coletadas nem por um comitê de planejamento nem por uma IA. Acreditar no contrário indica falta de compreensão do problema do conhecimento local.

No mundo dos negócios, a descentralização é amplamente reconhecida como uma força potente. As grandes empresas resistem à mudança e estagnam, o que as tornam menos competitivas do que as suas congéneres mais pequenas quando se trata de explorar novos nichos e mercados através de experiências em pequena escala. Esta observação aplica-se também a organizações governamentais, supranacionais e globais.

É antiético

O princípio da subsidiariedade é uma diretriz ética originária da Igreja Católica, que sugere que as decisões devem ser tomadas ao nível de autoridade mais adequada e mais baixa. O interesse da Igreja não reside no risco de desastres, na produção de conhecimento ou na economia, mas [no controle e manipulação das] nas almas dos indivíduos.

A Rerum Novarum, emitida em 1891 pelo Papa Leão XIII, abordou os conflitos sociais surgidos na sequência da revolução industrial. A Igreja Católica posicionou-se a favor da subsidiariedade com base em razões relacionadas com a comunidade, a dignidade, a justiça e o autogoverno. 40 anos depois, o Papa Pio XI emitiu Quadragesimo Anno, na qual descreveu os perigos significativos para a liberdade e a dignidade humanas decorrentes do capitalismo desenfreado, do socialismo e do comunismo. 

O Papa Pio XI se manifestou contra alguns indivíduos que controlam as forças financeiras e defendeu o princípio da subsidiariedade. Seria intrigante saber o que estes papas diriam sobre a Quarta Revolução Industrial globalista em curso dos psicopatas de Davos do WEF de Klaus Schwab.

Para os países que formaram a União do Carvão e do Aço, que mais tarde evoluiu para a UE, a subsidiariedade era da maior importância. Hoje, este princípio parece ter desaparecido. Em vez de respeitarem a singularidade das nações, as entidades de nível superior envolvem-se em bullying e de impor sanções aos dissidentes.

Em vez disso, vamos almejar um novo renascimento

Em vez da centralização, da globalização e do controle em grande escala, deveríamos lutar exatamente pelo oposto.

A investigação sobre complexidade indica que quando um sistema encontra o “ponto crítico” entre a ordem e o caos, apresenta qualidades notáveis ​​de adaptabilidade, inovação e gestão de perturbações.  Não é precisamente esse equilíbrio que deveríamos procurar como sociedade, como mundo? Um regresso a sistemas mais descentralizados reduziria os riscos de catástrofes, promoveria um desenvolvimento econômico mais forte e, segundo a Igreja, criaria uma sociedade mais decente e ética.

“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, seus hipócritas! Vocês fecham a porta do reino dos céus na cara das pessoas. Vocês mesmos não entram, nem deixarão entrar aqueles que estão tentando”Mateus 23:2-18 .

Quanto ao reino dos céus, o meu conhecimento é limitado, mas começo a suspeitar que são os proponentes da centralização e os seus muitos soldados de infantaria que estão bloqueando o nosso caminho em direção a um novo renascimento e ao acesso da abundância natural, que como espécie, merecemos. Qualquer CARÊNCIA é fruto da ação humana egoísta.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *