Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os políticos começam a exigir Controles de Preços, Racionamentos e a implantação de CBDCs vêm em seguida

No mês passado, no meio do hype surreal da “Bidenomics”, publicamos um artigo intitulado ‘Nada acabou: a inflação está prestes a voltar com força total’. Nele descrevemos equívocos em torno do IPC e como ele não é um modelo preciso para os efeitos da inflação. Notei também que o índice tinha sido manipulado para baixo pelos manipuladores de ‘Dementia’ Joe Biden enquanto inundava o mercado com petróleo das reservas estratégicas dos EUA. Como muitos elementos do IPC estão ligados à energia, Biden criou uma queda artificial no IPC usando esta “estratégia”.

Os políticos começam a exigir Controles de Preços, Racionamentos e a implantação de CBDCs vêm em seguida

Fonte: Alt-Market.us – De autoria de Brandon Smith

Argumentamos que, à medida que as reservas estratégicas se esgotassem e Biden perdesse a sua influência, o IPC subiria novamente e os preços de uma série de bens de primeira necessidade subiriam.  Isto está acontecendo agora, com o maior salto no Índice de Preços ao Consumidor-IPC em 14 meses e os preços dos combustíveis derivados de petróleo e gás a regressarem aos máximos históricos.

A inflação não irá desaparecer tão cedo, mas a maior pergunta em questão é quem se beneficia mais com a inflação e o aumento dos preços? A resposta pode ser óbvia para alguns, mas muitas pessoas ignoram a causa raiz da disfunção inflacionária e muitas vezes vêem-na como uma consequência do caos econômico aparentemente aleatório e não como um produto de uma engenharia inteligente

A verdade é que os oligarcas bancários e as autoridades políticas deleitam-se com a onda inflacionária porque é uma oportunidade perfeita para instituir suas agendas de controles socialistas de longo alcance sobre todos os recursos da sociedade, desde alimentos aos combustíveis e energia.

Na maioria dos casos, os banqueiros centrais são os principais culpados por trás da criação de um evento inflacionário, e a palavra “criação” aplica-se melhor porque é quase impossível que a inflação evidente ocorra sem eles. 

Embora a oferta monetária não seja o único fator quando se lida com a inflação (desculpem, puristas, mas existem de fato outras causas), é o mais importante. Mais dinheiro em busca de menos recursos desencadeia instabilidade do lado da oferta e os preços sobem. Os bancos centrais têm uma série de desculpas para “precisarem” de fabricar mais dólares, pesos, libras ou marcos, mas não há dúvida de que eles sabem qual será o resultado final, porque é exatamente este resultado que eles querem.

Já aconteceu muitas vezes antes para eles não saberem os resultados

Estes eventos inflacionários desencadeiam um conjunto previsível de queda de dominós na sociedade, bem como na economia e nas finanças. Picos de generalizados de aumento de preços, diminuição da poupança, aumento da pobreza, aumento da criminalidade e aumento das taxas de juros – Isto é seguido, na maioria dos casos, por aumentos fracassados ​​das taxas, mais inflação, depois mais aumentos, diminuição do investimento estrangeiro em dívida, dumping de moeda estrangeira (causando mais inflação) , diminuindo os gastos do consumidor e a eliminação de empresas e a perda de empregos.

Este mesmo padrão sendo implantado intencionalmente foi testemunhado desde a Alemanha de Weimar dos anos 1920, até à América dos anos 1970, à Jugoslávia dos anos 1990, à Argentina e Venezuela dos anos 2000 e mais além. Mas o que acontece a seguir? Em cada caso, a tendência leva primeiro a controles de preços sobre produtores e distribuidores, que acabam por fracassar. Depois vem o racionamento governamental generalizado de produtos e a completa tomada de posse das necessidades, incluindo o fornecimento de alimentos. A dialética de Hegel sendo implantada: fabrico de uma crise, a reação e a implantação da agenda desejada.

Acham que isso não pode acontecer nos EUA? Já aconteceu. Em 1971, Richard Nixon emitiu a Ordem Executiva 11615 (ao abrigo da Lei de Estabilização Econômica que foi criada em 1970); a ordem exigia um congelamento de salários e preços por 90 dias para conter a inflação. Foi uma ação extremamente rara fora de uma guerra mundial e ocorreu convenientemente durante o ciclo eleitoral. Tenha em mente que a verdadeira crise inflacionária ainda não tinha acontecido, mas os controles de preços deram aos mercados um impulso a curto prazo e deram a Nixon uma vitória eleitoral.

Pressionado por seus eleitores e também por um cenário macro desfavorável, Nixon estabeleceu uma série de medidas econômicas que ficaram conhecidas como “O Choque Nixon” e envolviam, entre outras coisas, o congelamento de preços e também congelamento de salários, com o objetivo de “conter a inflação”.

O Choque Nixon também envolveu uma sobretaxa de 10% sobre todas as importações, com o objetivo de proteger a economia interna do país, dificultando a importação e acabando, em uma canetada, com a concorrência aos produtos produzidos nacionalmente.

As consequências seguintes foram devastadoras, mas eram “necessárias” para a principal medida econômica do Choque Nixon, que pode ter sido um dos maiores golpes financeiros da história humanacriando uma das maiores fraudes financeiras: A moeda fiduciária, com o fim do padrão ouro.

Em 1973, os controles retornaram durante o Embargo Árabe do Petróleo. Eles falharam e resultaram na inflação do preço dos combustíveis a longo prazo. Gerald Ford apelou então às empresas americanas para instituírem controles de preços no âmbito da sua campanha “Whip Inflation Now”; foi objeto de ridículo e até ridicularizado por um então jovem Joe Biden (que agora afirma falsamente ter resolvido o seu próprio problema de inflação com a sua inútil Lei de Redução da Inflação [!!).

Finalmente, Jimmy Carter introduziu “diretrizes” (controles) de preços e salários que recompensavam as empresas que aumentassem os preços abaixo de uma determinada percentagem. Quaisquer empresas que aumentassem os preços acima da percentagem e obtivessem um lucro antes de impostos superior aos dois anos anteriores seriam penalizadas. Em nenhum caso uma empresa poderia aumentar o seu lucro em dólares em mais de 6,5%, a menos que o excesso fosse atribuível ao aumento do volume de vendas unitárias. Este plano, claro, também não conseguiu deter a inflação.

Em última análise, a Fed teve de aumentar as taxas até cerca de 20% em 1980-1981 para travar a inflação exponencial, o que levou a perdas empresariais consideráveis ​​e a um elevado desemprego.

O problema é simples: os controles de preços levam a incentivos à perda de lucros, o que leva a menos produção. Menos produção leva a menos oferta e menos oferta leva ao aumento dos preços. Isto se soma à raiz do câncer que é a criação de moeda fiduciária pelo sistema de banco central. Os políticos raramente ou nunca abordarão a causa real de uma crise inflacionária: os gastos do governo e os bancos centrais. Em vez disso, tentam culpar os mercados livres, as empresas “gananciosas” e a realização de lucros em tempos de crise.

Infelizmente, o padrão está se repetindo novamente hoje, pois afinal sempre deu certo e agora está a tornar-se claro para o público que os aumentos das taxas de juros do banco central não estão tendo um efeito significativo e o público ainda está pagando entre 25%-50% mais na maioria dos bens que compra em comparação com há três anos. E agora passa a ser um movimento coletivo, à medida que a inflação avança em vários países (OTAN, G-7), vários governos de esquerda discutem agora abertamente a implantação dos controles de preços, como as primeiras medidas.

Recentemente, o pusilânime Davos Boy Justin Trudeau, do Canadá, ordenou às principais cadeias de mercearias do país que reduzissem os preços, ao mesmo tempo que as advertia por obterem lucros mais elevados, insinuando que elas são a causa da inflação. No Canadá, as margens de lucro entre os comerciantes de mercearias são, na verdade, estáveis ​​devido ao aumento dos custos. Se olharmos apenas para os lucros brutos, sem ter em conta a inflação nos custos de produção, bem como os transportes, a distribuição e os salários, então poderá parecer que estas empresas estão ganhando dinheiro. Não há nenhuma evidência para apoiar esta afirmação.

O que Trudeau está fazendo é fingir ser estúpido enquanto se envolve numa estratégia muito inteligente de usar bodes expiatórios seguindo o roteiro dado pelos seus manipuladores globalistas. São o governo e os banqueiros centrais que são a causa fundamental da inflação, mas ao culpar setores empresariais individuais ele prepara o terreno para controles de preços impostos pelo governo. 

Quando estes falharem e criarem uma crise no abastecimento, ele introduzirá então o racionamento, e uma vez que o governo tenha condicionado o público a aceitar o racionamento, as elites controlarão então o acesso de toda a população aos alimentos e às necessidades básicas. Crise, Reação, solução desejada implantada.

Algumas pessoas podem dizer “Bem, isso é o Canadá, e os EUA?” A mesma agenda está em curso na América, mas está a ser prosseguida a nível municipal e estadual. Por exemplo, o presidente socialista do partido democrata de Chicago, Brandon Johnson, acaba de anunciar um plano para a cidade (utilizando fundos fiscais estaduais e federais) para construir  mercearias geridas pelo governo  em “desertos alimentares”. Estes são locais onde uma combinação de inflação e furtos em lojas forçou os comerciantes a abandonar certas áreas da cidade.

O programa de Chicago incluiria medidas de controle de preços e há amplas oportunidades para estas instituições recorrerem ao racionamento no futuro. Projetos semelhantes também estão sendo considerados em outras cidades “democratas” do país. Por outras palavras, as cidades de esquerda estão assustando as empresas enquanto planejam substituir “serviços essenciais” por operações geridas pelo governo.

Escrevemos sobre a inevitabilidade do racionamento governamental após os controles de preços no ano passado em meu artigo  “A armadilha da estagflação levará à implantação da renda básica universal e ao racionamento de alimentos”.   O racionamento geralmente ocorre quando os controles de preços falham. Já faz muito tempo que os EUA não enfrentam este tipo de condições, mas é provável que isso aconteça num futuro próximo. Desta vez, acredito que se for dado ao establishment o poder de racionamento, nunca mais eles o abandonarão.

O racionamento também poderia ser usado para atrair o público a aceitar a Renda Básica Universal (UBI) e implantação das Moedas Digitais do Banco Central (CBDCs). Os centros alimentares administrados pelo governo podem facilmente restringir as compras de bens a uma lista limitada de itens e também exigir o pagamento através de métodos específicos (como moedas digitais). Num curto espaço de tempo, o dinheiro em espécie seria retirado de circulação porque os varejistas, pressionados pelo governo, se recusariam a aceitá-lo para forçar o uso do CBDC.

É difícil dizer o que o futuro trará em termos políticos, dado que a próxima campanha presidencial parece um completo circo lotado apenas de palhaços, burros e elefantes. Historicamente, porém, tanto os presidentes Democratas como os Republicanos tentaram controles de preços no passado. Deve ser aplicada pressão pública (no mínimo a nível estatal) para impedir que isto aconteça. 

Por mais conveniente que possa parecer culpar os produtores e distribuidores de produtos, a verdadeira ameaça vem dos governos e dos bancos. Não podemos permitir que as pessoas que causaram a crise também se beneficiem dela, dando-lhes ainda mais poder ao abrirmos mão do resto de nossos direitos e liberdades.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *