Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O papel de Henry Kissinger no Encobrimento de Extraterrestres e UFOs como membro Majestic-12

O falecimento do khazar Henry Kissinger em 29 de novembro terá um impacto importante no processo de divulgação de OVNIs. Ele foi uma figura influente no gerenciamento do encobrimento de vida Extraterrestre e seus OVNIs desde a II Guerra Mundial, quando fazia parte das operações do Corpo de Contra-Inteligência do Exército dos EUA na Alemanha Ocupada e depois trabalhou sob Nelson Rockefeller na criação do Grupo de Estudos Especiais PI 40 na administração Eisenhower que estava intimamente associado ao Grupo Majestic-12 [o embrião do Deep State].

O papel de Henry Kissinger no Encobrimento de Extraterrestres e UFOs como um membro do Grupo Majestic-12, o embrião do Deep State

Fonte: Exopolitics.org

Kissinger foi, portanto, uma parte fundamental do encobrimento de vida extraterrestre, o contato alien com o governo/militares dos EUA e o seu falecimento significa que a verdade sobre a visitação extraterrestre pode finalmente ser revelada, mais um empecilho foi removido.

Incluí uma longa seção sobre Kissinger em um artigo de estudo de 2003 intitulado “Gestão Política da Presença Extraterrestre: O Desafio à Democracia e liberdade na América”. O artigo foi incluído em meu livro de 2004, Exopolítica: As Implicações Políticas da Presença Extraterrestre No artigo eu descrevi:

“Há fortes evidências de fontes de denúncias de que o estrategista mestre do Grupo de Estudos Especiais que compunha a camada externa do MJ-12/PI-40, era um protegido chave de Rockefeller, Dr. Henry Kissinger, cuja experiência no gerenciamento da presença de ETs foi além daquilo que é comumente apreciado.

Aqui está a seção completa sobre Kissinger em meu estudo e trabalho de 2003. Livro de 2004.

A proeminência de Henry Kissinger como estrategista mestre do Majestic-12 e PI-40

Há evidências significativas de que a Alemanha nazista teve sucesso na engenharia reversa de naves extraterrestres abatidas que foram descobertas pelas autoridades nazistas em meados da década de 1930. [38] Os esforços parcialmente bem sucedidos dos principais cientistas nazistas na compreensão e engenharia reversa desta tecnologia ET foram um fator importante no programa de desenvolvimento de tecnologias de armas avançadas da Alemanha nazista e no prolongamento do esforço de guerra, a fim de implantar plenamente estes novos sistemas de armas.

Durante e após o final da Segunda Guerra Mundial, um esforço ultra-secreto para repatriar os mesmos cientistas nazistas, a fim de utilizar os seus conhecimentos, foi iniciado pelo Corpo de Contra-Inteligência do Exército dos EUA. A Operação Paperclip, como foi chamado esta operação secreta, envolveu a remoção de centenas de cientistas nazistas da Alemanha para laboratórios científicos militares dos EUA bem financiados, criados para produzir armas para o esforço de guerra. [39] Uma figura pouco conhecida na Operação Paperclip foi um jovem oficial de inteligência do Exército dos EUA, de origem judaica khazar alemã – Henry Kissinger.

Relacionado: Operação Paperclip, o nazismo invadiu os EUA

Cientistas nazistas levados para os EUA pela Operação Paperclip

Kissinger nasceu numa família judeu khazar em Fuerth, Alemanha, em 27 de maio de 1923, e serviu no Corpo de Contra-espionagem do Exército de 1943 a 1946. No final da Segunda Guerra Mundial, ele permaneceu na ativa na Alemanha Ocidental ocupada. Ele foi designado para o 970º Destacamento do Corpo de Contra-Inteligência, entre cujas funções “oficiais” incluíam o recrutamento de ex-oficiais de inteligência nazistas para operações anti-soviéticas dentro do bloco soviético. [40]

O destacamento de Kissinger, na realidade, estava desempenhando um papel fundamental na Operação Paperclip – um papel que o destacaria nos círculos de inteligência militar como alguém que tinha o intelecto aguçado e habilidades de pensamento estratégico que poderiam lidar com a política estratégica na questão mais importante enfrentada pelos EUA – qual a melhor forma de responder à presença de Extraterrestres no planeta. [41]

Kissinger retornou aos Estados Unidos e, em 1947, iniciou seus estudos universitários como estudante de graduação na Universidade de Harvard. Kissinger, no entanto, manteve seus laços com os militares, como capitão da Reserva de Inteligência Militar. Isto permitiu-lhe continuar a desempenhar um papel em questões relativas à presença de ETs à medida que a exopolítica ao mais alto nível da administração Truman estava sendo desenvolvida.

Em 1950, Kissinger era agora um estudante de pós-graduação e trabalhava meio período para o Departamento de Defesa. Ele viajava regularmente para Washington – como consultor do seu Escritório de Pesquisa Operacional, que estava sob o controle direto do Estado-Maior Conjunto. O Gabinete de Investigação Operacional conduziu “oficialmente” estudos altamente confidenciais sobre tópicos como a utilização de antigos agentes alemães e apoiantes partidários nazistas em atividades clandestinas da CIA.

As funções oficiais de Kissinger eram mais uma vez um disfarce para o seu papel na coordenação do recrutamento e utilização de antigos cientistas nazistas em projetos clandestinos envolvendo a engenharia inversa da tecnologia ET feita na Alemanha, e no tratamento de uma série de questões estratégicas e de inteligência em torno da presença ET na Terra.

Em 1952, depois de concluir o seu doutorado, Kissinger tornou-se consultor do diretor do Conselho de Estratégia Psicológica, um braço operacional do Conselho de Segurança Nacional para operações psicológicas e paramilitares secretas. Assim, o papel de Kissinger expandiu-se para lidar com as extensas questões políticas que rodeiam a presença ET no planeta. O conhecimento interno de Kissinger sobre a Operação Paperclip e a presença de Extraterrestres, combinado com suas habilidades de pensamento estratégico, marcaram-no como alguém que rapidamente assumiria uma posição de destaque na hierarquia de tomada de decisões em torno da presença de Extraterrestres. Como membro do Conselho de Relações Exteriores, Kissinger teria, sem dúvida, chamado a atenção dos seus membros mais proeminentes como alguém que poderia fornecer liderança sobre como responder à presença alienígena na Terra.

Em 1954, o Presidente Eisenhower nomeou Nelson Rockefeller como seu Assistente Especial para o Planejamento da Guerra Fria, uma posição que envolvia oficialmente a “monitorização e aprovação de operações secretas da CIA”. Este foi um disfarce para o verdadeiro papel de Rockefeller como chefe do Grupo Majestic-12 (MJ-12); e o mais importante, para conduzir a política externa dos EUA na sequência de um “tratado secreto” assinado entre uma raça de ETs da constelação de Órion e os EUA. [42] O “tratado” tem sido fonte de muita especulação, mas a sua existência e conteúdo foram revelados por vários antigos insiders e “denunciantes” da inteligência militar e governamental. [43]

Em 1955, Kissinger tornou-se consultor do Conselho de Coordenação de Operações do Conselho de Segurança Nacional – o mais alto órgão de formulação de políticas para a implementação de operações clandestinas contra governos estrangeiros. As capacidades analíticas e estratégicas de Kissinger foram utilizadas não só para coordenar a política dos EUA em operações clandestinas contra governos estrangeiros, mas também para operações clandestinas contra raças de Extraterrestres. [44]

O comitê secreto de cientistas, líderes militares e funcionários do governo, formado em 1947 [o embrião do Deep State] por uma ordem executiva do presidente dos Estados Unidos, Harry S. Truman, para facilitar a recuperação e investigação de espaçonaves alienígenas e o contato com raças de extraterrestres

O papel de Kissinger nas operações clandestinas, a sua estreita relação com Nelson Rockefeller, as suas capacidades intelectuais, tudo combinou para levar a um aumento constante da sua influência dentro do governo. Rockefeller e outros que dirigiam as organizações clandestinas compreenderam o perigo de não coordenar a política clandestina em relação às raças de Extraterrestres e à engenharia inversa de sua tecnologia, especialmente a de propulsão de suas espaçonaves, com as questões de política externa mais convencionais que eram o foco da atenção pública.

Coordenar a extensa gama de questões e problemas exigiria alguém com capacidade de pensamento estratégico para coordenar estas duas áreas. As capacidades de Kissinger marcaram-no na mente de Rockefeller, do Comité Executivo do Conselho de Relações Exteriores e da inteligência militar, como a pessoa mais qualificada para este papel crítico. Rockefeller foi fundamental na nomeação de Kissinger como um dos dois Diretores do PI-40, o Grupo de Estudo que forneceria aconselhamento político ao MJ-12 em resposta ao Tratado assinado com a raça Extraterrestre de Orion em particular, e a presença Alien em geral.[45]

RELACIONADOS:

Como Diretor e estrategista chave do PI-40, Kissinger certamente estaria ciente da necessidade de administrar politicamente a presença dos Aliens, garantindo a autonomia do Majestic-12 e do PI-40 e de tornar ineficazes os esforços de supervisão executiva. Mais importante ainda, o MJ-12/PI-40 tinha crescido constantemente em autoridade e poder institucional [o Majestic-12 foi o embrião do Deep State], ao ponto de poder agora “exercer influência política” sobre [controlar] o ramo executivo do governo. Influenciar fortemente, se não controlar completamente, os membros das sucessivas administrações presidenciais foi visto como uma parte crítica de como a presença ET tinha que ser gerida politicamente, desmantelando efetivamente a supervisão executiva do governo que era uma característica tão proeminente das administrações Roosevelt e Truman.

O que contribuiu para esta necessidade do MJ-12 controlar, influenciar futuras administrações foi a ironia de que, embora a maioria dos responsáveis ​​políticos pela segurança nacional, os políticos, os meios de comunicação social e o público, acreditassem que a União Soviética era a principal ameaça à segurança dos EUA, sendo que na verdade os EUA estavam secretamente cooperando extensivamente com a União Soviética na resposta à presença de Extraterrestres na Terra.

Isto significava que, por baixo da retórica oficial da Guerra Fria com a URSS e dos conflitos armados que consumiam a atenção e os recursos públicos, ocorria uma cooperação clandestina contra o que era considerado uma ameaça comum. [46] Em suma, os EUA e a URSS eram aliados estratégicos no que diz respeito à abordagem da presença de ETs, ao mesmo tempo que eram concorrentes estratégicos na geopolítica da Guerra Fria.

Isto significava que grande parte da animosidade que caracterizou a Guerra Fria era uma farsa que ajudou a desviar o público em geral do que realmente estava acontecendo. Tal charada só poderia funcionar se os funcionários mais graduados da administração presidencial estivessem familiarizados com a presença dos ETs, de modo a moderar os decisores políticos mais belicosos que acreditavam que a Guerra Fria era real e estivessem totalmente prontos para usar armas nucleares contra a União Soviética em resposta a ameaça de um suposto ataque da URSS.

Eisenhower, foi o primeiro presidente dos EUA a manter contato formal com Aliens

Influenciar [controlar desde os bastidores] sucessivas administrações presidenciais dos EUA poderia ser alcançado através da incorporação de membros-chave do PI-40 em posições políticas seniores das novas administrações presidenciais, de modo a garantir a não divulgação da presença dos Extraterrestres e moderando as hostilidades da Guerra Fria. Para as administrações Kennedy e Johnson, este indivíduo foi McGeorge Bundy, um dos membros originais do PI-40, que ao tornar-se Conselheiro de Segurança Nacional teria se tornado o presidente do Grupo Majestic-12 (MJ-12). [47] No caso da futura administração Nixon, isto seria conseguido incorporando nela um membro PI-40 ainda mais proeminente que pudesse controlar o Presidente Nixon quando necessário.

Para a administração Nixon, esta pessoa não seria outra senão Henry Kissinger, que foi arrancado da obscuridade pública em 1968 para ser nomeado Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente eleito Nixon. A figura fundamental na nomeação de Kissinger foi Nelson Rockefeller, que tinha perdido para Nixon na convenção republicana de 1968, e posteriormente providenciou para que o seu protegido se tornasse parte da equipe de Nixon. [48] ​​Kissinger pretendia centralizar a elaboração da política externa na Casa Branca e no Conselho de Segurança Nacional, garantindo-lhe assim um papel central na definição não só da política externa dos EUA, mas também da política clandestina em relação às raças Extraterrestres, no seu novo papel como Diretor do Grupo Majestic-12 (MJ-12). Dada a sua longa história como Diretor do Grupo de Estudos Especiais/PI-40 desde a sua formação, Kissinger teria sido o chefe mais experiente e poderoso do MJ-12 desde Nelson Rockefeller. [49]

Na biografia crítica de Seymour Hersh sobre o estilo de gestão política de Kissinger durante a era do Vietnam, o que emerge é que Kissinger tinha a intenção de acumular tanto poder quanto possível na gestão de assuntos internacionais. [50] Kissinger minou sistematicamente as posições de outros que poderiam representar uma ameaça ao seu controle dos assuntos internacionais, especialmente o do novo Secretário de Estado, William Rogers, e de outros decisores políticos importantes na administração Nixon. [51] Kissinger surge na biografia de Hersh como uma figura política paranóica em ceder o poder a outros que, na sua opinião, não tinham sutileza e perspicácia para lidar com questões críticas de política externa. O estilo de gestão de Kissinger consistia em garantir que todas as informações passassem por ele como o principal filtro para definir as prioridades e o pensamento de Nixon sobre a política externa. Uma passagem de um ex-assessor de Kissinger, Morton Halperin, revela o estilo de gestão política de Kissinger:

Em 25 de janeiro de 1969, cinco dias após o início da administração Nixon, o NSC foi convocado para sua primeira reunião. A questão era o Vietnam, e Halperin, agora claramente o principal assessor de Kissinger, foi designado para resumir todos os documentos e preparar um memorando de cobertura para o Presidente. Ele listou cuidadosamente as diversas opções no resumo de duas ou três páginas, deixando caixas para o Presidente rubricar suas escolhas.

A ideia era “reduzir” a carga de trabalho do Presidente: se Nixon decidisse não ler os documentos anexos, poderia simplesmente rever o resumo de Halperin (que, claro, veio com o imprimatur de Kissinger) e tomar a sua decisão. Henry adorava resumos e achava-os fantásticos. Mas, ‘Mort’, disse ele, ‘você não disse ao presidente quais opções deveríamos escolher’”.

“Pensei comigo mesmo”, lembra Halperin, “não deveríamos dar posições; devemos apenas enviar resumos das opções.” Anos mais tarde, Halperin perceberia o quão ingênuo havia sido: “Henry dizia publicamente que íamos apenas resolver os problemas para o presidente. Eu não sabia que Henry queria dar a ele as decisões que ele deveria tomar. Fiquei surpreso, porque ainda acreditava no que Henry havia dito.” Os resumos de Kissinger, com as suas recomendações, tornar-se-iam os documentos mais secretos da Casa Branca de Nixon. [52]

O estilo de gestão política de Kissinger enquanto estava no governo é muito significativo, uma vez que fornece uma visão sobre como a tomada de decisões no PI-40 foi conduzida sob Kissinger como diretor do grupo de estudo, e mais tarde no Grupo Majestic-12 (MJ-12), quando ele se tornou seu chefe durante as administrações Nixon/Ford. [53]

O papel de Kissinger na condução da política externa dos EUA foi ditado pela sua filosofia de “realpolitik”. A Realpolitik foi modelada a partir do seu estadista internacional favorito, o chanceler alemão do século XIX, Otto Von Bismark, que geriu habilmente alianças internacionais e guerras limitadas para transformar a Prússia e Alemanha numa grande potência sem provocar uma aliança internacional contra a Alemanha. [54] Para Bismark, a política internacional era um grande tabuleiro de xadrez onde a moralidade e o sentimento desempenhavam, na melhor das hipóteses, um papel secundário, e o que realmente importava era o uso hábil dos recursos próprios para alcançar o objetivo estratégico de maximizar o poder. [55]

A ‘Realpolitik’ dominou a abordagem de Kissinger à política internacional, como evidenciado em lugares como Laos, Camboja, Chile e Timor Leste, onde a moralidade e o sentimento não desempenharam nenhum papel no tratamento desses países como peões no grande jogo de xadrez internacional onde os EUA competiram com a União Soviética para maximizar o seu poder geopolítico, ao mesmo tempo que coopera secreta e estrategicamente na resposta à presença extraterrestre.

Pouco conhecido do público em geral, no entanto, Kissinger adotou o mesmo papel na orientação da política dos EUA na forma como responderia à presença dos ETs. A moralidade e o sentimento desempenhariam, na melhor das hipóteses, um papel secundário, à medida que os EUA melhoravam gradualmente os seus recursos, a fim de aumentar a sua posição estratégica face às raças Aliens que visitam a Terra regularmente, há milênios. A orientação moral destas raças ETs que interagiam com a humanidade e as organizações clandestinas que estavam cientes das suas atividades não receberam grande ênfase na realpolitik de Kissinger relativamente à presença extraterrestre. O que importava era até que ponto as raças ETs forneceriam recursos para as organizações clandestinas dos EUA melhorarem a sua tecnologia de armas e, assim, melhorarem a posição estratégica dos EUA face às diferentes raças alienígenas.

A realpolitik de Kissinger era a forma como as complexas questões políticas, sociais, econômicas e ambientais seriam geridas face à presença dos extraterrestres. O papel de Kissinger seria semelhante ao de seu herói do século XIX, Bismark. Kissinger desempenharia um papel fundamental na transformação dos EUA na potência global dominante que poderia lidar com as raças ETs como iguais, sem desencadear uma guerra interplanetária prejudicial com uma ou mais das inúmeras raças de extraterrestres que perambulavam pela Terra a seu bel prazer, o que significaria o fim da soberania e da liberdade dos EUA. A estreita associação de Kissinger com a família Rockefeller garantiu que a América Corporativa continuaria a desempenhar um papel proeminente e secreto na gestão política da presença extraterrestre na Terra.

Com Kissinger, durante a administração Nixon, desempenhando simultaneamente papéis proeminentes na política externa dos EUA e na sua ‘política extraterrestre’ [Exopolitica] clandestina através do Grupo Majestic-12 (MJ-12), o que emerge é que a gestão política da presença Alienígena na Terra foi dominada por alguns indivíduos com a intenção de acumular tanto poder institucional quanto possível [ao ponto de tomar o poder efetivo do executivo dos EUA, se transformando no Deep State], e em não delegar autoridade àqueles fora do Grupo Majestic-12 (MJ-12) que eram vistos como carentes da experiência necessária, “sofisticação” política e “intelecto” para lidar com as “complexidades” da presença Extraterrestre. O aviso de Eisenhower de que a gestão política da presença ET “não estava nas melhores mãos” parecia agora profético.

OBSERVAÇÃO: o excerto acima com todas as notas finais está disponível on-line em:  https://exopolitics.net/Study-Paper-5.htm


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na CEF, Agência: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *