Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Perigoso Caminho para o Despertar da Consciência Espiritual (7)

Capítulo VII – Sinceridade e auto-honestidade radical: Para aqueles de nós que continuam trabalhando em si mesmos com sinceridade e auto-honestidade radical – enfrentando as mentiras que estamos dizendo a nós mesmos (decorrentes da mente / personalidade /ego e do condicionamento social / cultural, aumentadas por injeções de pensamento das forças hostis ocultas), percebendo a futilidade da “vontade pessoal”, etc. – e, como resultado, tivemos vislumbres de nossa verdadeira natureza e direito de nascimento, que estão escondidos atrás de quem “pensamos” que somos, os presentes começam a se revelar de maneiras maravilhosamente maravilhosas. 

O perigoso caminho para o despertar da Consciência Espiritual

Fonte:  Veilofreality.com

As expressões entre [ ] são de autoria do tradutor.

Por Bernhard Guenther

Capítulo VII – A vida como um catalisador e principal professor

Começamos a ver, sentir e alinhar-nos cada vez mais com o fluxo natural da vida (a intuição, a Vontade Divina), que é “mais simples” do que “pensamos”. Como Adyashanti disse: “ Esse tipo de fluxo está sempre disponível para nós, mas a maioria de nós está muito perdido e “distraído” nas complexidades de nosso pensamento para sentir que há um fluxo simples e natural na vida. Mas, sob o tumulto do pensamento e da emoção, e sob o apego da vontade pessoal, existe de fato um fluxo. Há um simples movimento da vida

Como resultado, também começamos a simplificar nossas vidas e desacelerar. Não mais movidos pela ambição do ego (com seus efeitos colaterais da competição / comparação), pelos desejos condicionados / vitais, pela necessidade de “tornar-se” e pela busca externa de amor e felicidade, nos rendemos ao simples movimento da vida. O comportamento e a reatividade compartimentados, de vontade plena, são substituídos por uma chamada e resposta incorporada à própria vida. Ao mesmo tempo, não evitamos nada que a vida nos trás, nem nos vemos como melhores / piores /vítimas do que qualquer outra pessoa. Reconhecemos (em um nível corporificado) a unidade e a inter-relação de tudo o que existe. Não é um estado de constante “felicidade” e “reverência”, mas um estado de ser sóbrio e fundamentado [consciente], que abraça totalmente a vida, o que quer que possa vir.

Também reconhecemos que a própria vida é nosso maior professor e catalisador do nosso despertar. Não projetando mais mecanicamente / externamente nossa fragmentação interna, percebemos a função e a oportunidade de ensino de tudo em nossa vida cotidiana. Não usamos “espiritualidade” para evitar a vida, nem buscamos “experiências de pico” – nos envolvemos na vida cotidiana mais plenamente no momento presente, pois essa é a verdadeira experiência de “pico” (quando estamos totalmente sintonizados vida em um nível corporificado). Não há necessidade de “mais” que isso.

Começamos a confiar na vida cada vez mais (e, como resultado, confiamos cada vez mais em nós mesmos,em nossa orientação interior), não porque esperamos que a vida ou o espírito nos dê tudo o que “queremos”, mas porque conhecemos essa vida (como o movimento do Divino) está nos apoiando e nos ajudando a lembrar de nós mesmos, ajudando em nosso processo de despertar. Instintiva e intuitivamente, compreendemos que a vida e o espírito nos guiarão essencialmente para o que “realmente queremos” e precisamos (incluindo lições que precisamos aprender) a partir de uma perspectiva da alma, não baseada nos caprichos, direitos e desejos condicionados do ego.  Curiosamente, essa rendição (e aspecto de deixar ir) é a parte mais difícil para a maioria das pessoas aceitar, pois elas não gostam de ouvir que o controle é uma ilusão; na maioria das vezes, igualam renunciar à vontade pessoal com “derrota” ou “fracasso” e temem que, sem assumir o “controle” de suas vidas, eles não encontrarão felicidade, satisfação, prosperidade etc., ou entrarão em caos total, tudo isso é programação da Matrix de Controle para manter a humanidade presa nessa frequência de medo pela mera sobrevivência, pois viver real e plenamente é ESTAR CONSCIENTE..

Mas nada poderia estar mais longe da verdade. O processo de renúncia / desapego (em alinhamento com a jornada do despertar / encarnação) leva-nos eventualmente à verdadeira alegria, amor, contentamento, relacionamentos satisfatórios; abre o caminho para a nossa vocação, propósito e missão de vida, bem como abundância que não pode ser medida em termos materialistas (no entanto, isso não significa que você precise ser “pobre” nem rejeitar completamente o materialismo para ser “Espiritual”, que é outro equívoco do caminho da espiritualidade). Mas também requer fé e confiança, saindo da zona de conforto e abraçando o desconhecido e o imprevisível. Os “contra-argumentos” desse processo são as vozes do ego ou da mente predadora (forças ocultas), reforçadas pelo culto matricial que adora a personalidade sobre a essência. O ego não gosta de desistir de seu reinado (e não desiste facilmente), pois isso significaria o fim de seu governo. Essas injeções de pensamento não são decorrentes do verdadeiro “eu” / do seu verdadeiro “SER”.

Sabemos, então, que quaisquer dificuldades e situações desafiadoras que possam surgir são oportunidades para o aprendizado e um despertar mais profundo, geralmente resultando em “choques” que são necessários para nos sacudir e nos tirar da ilusão. Apesar desses momentos de “graça feroz”, também experimentamos uma eqüanimidade cada vez mais bela e momentos de felicidade, realização e alegria que não dependem de fatores externos.

Ficamos com menos medo do desconforto e do desconhecido, percebendo em um nível mais profundo que a vida não é “ganhar” ou “perder”, mas tudo o que há são lições e que estamos sendo guiados e ajudados a todo momento, se pudermos sintonizar em nossa própria magnificência interior. Conseqüentemente, estamos entrando mais em contato com nossa intuição, nossa orientação interna, conectada ao espírito [o Divino] interior (e essencialmente com a Vontade Divina), que são expressas exclusivamente através de nós soberanos como indivíduos integrados  corporificados à alma. A vida então se torna realmente mais sem esforço, pois não tentamos combater a corrente, o fluxo da vida (o Tao), mas confiamos que o rio da vida nos leva aonde precisamos ir para estar e nos entrega o que precisamos experimentar, com base em nossas lições e talentos exclusivos da nossa própria alma.

“Enquanto medimos nosso próprio sucesso em termos de conforto e segurança pessoal, o “universo” mede nosso sucesso pelo quanto aprendemos. Enquanto usarmos o conforto e a segurança como critérios para o sucesso, recearemos nossa própria orientação intuitiva, porque, por sua própria natureza, ela nos direciona para novos ciclos de aprendizado que às vezes são desconfortáveis. Ao desenvolver sua habilidade [da intuição] em sua própria vida, você deve confiar em suas respostas intestinais – um fato que não posso enfatizar o suficiente. ” –  Caroline Myss

De uma perspectiva mais ampla, é assim que transcendemos a Matrix de Controle, mesmo que ainda vivamos neste mundo (já que não fomos a lugar nenhum fisicamente), mas começamos a experimentar a “realidade” e a vida em um nível totalmente diferente ( “Estar neste mundo, mas não pertencer mais a ele”). Basicamente, percebemos que o “céu” está aqui, agora e sempre esteve dentro de nós, embora essa impressão possa parecer ignorante, ridícula ou “escapista” para quem não teve essa experiência e continua apontando para o sombras na parede, em um esforço para provar o que ele / ela percebe como é o [seu] “mundo real”.

No entanto, está longe de ser algo parecido com “escapista”, porque também não há negação da “escuridão”; de fato, há uma “visão” e compreensão mais profundas do “mal” (além de sua manifestação 3D) e seu papel dentro da dualidade da experiência 3D, como visto à luz da consciência evolucionária com todas as “diferentes faces de deus”. Mas nenhuma palavra ou “argumento” pode convencer uma pessoa assim, e não há necessidade ou pressão para fazer isso de qualquer maneira, uma vez que todos precisam perceber que, para si próprio, uma realização interna, está além da linguagem e das palavras.

Ninguém pode mostrar ou trazer para nós algo de real valor. Ninguém está nos “salvando”, nem líderando, nem sendo um salvador, nem autoridade, até respondermos ao chamado da nossa PRÓPRIA voz divina interior, que está oculta por trás das construções ilusórias da identificação da personalidade. É um estado superior de ser, uma experiência incorporada que a mente e o intelecto não podem chegar perto de compreender. 

Os diferentes estados da realidade-experiência que se manifestam dentro (e entre) os seres humanos durante esse período de transição também estão se tornando cada vez mais aparentes, e se relacionam com a linha do tempo-realidade derramada (explorada em uma  ensaio anterior), para algumas pessoas que reforçam e caem mais profundamente em um estado de sonho (enquanto sonham em estar acordados, confundindo realidade com ilusão e ilusão com realidade), sendo apanhados na Matrix com todas as “armadilhas de acordo” estabelecidas pelas forças ocultas que nos manipulam.

Enquanto isso, outros começam a despertar cada vez mais (e corajosamente) a sua verdadeira natureza, tornando-se transdutores conscientes da Vontade Divina, à medida que a frequência ancora no desenrolar do “plano cósmico” para a evolução de nosso planeta e humanidade.  Também não há julgamento sobre essas diferentes jornadas, porque a “divisão” de uma perspectiva mais alta também reflete o equilíbrio cósmico e a vasta diferença nas lições da alma para cada ser humano incorporado nos dias de hoje.

Essencialmente, todo ser humano está destinado a despertar, cada um no seu “tempo” e no seu próprio modo (e ao longo da vida, em algum planeta …), enquanto representamos o drama / comédia cósmica. No entanto, estamos longe de experimentar qualquer noção de um despertar “coletivo” em qualquer “futuro” próximo. Então, embarque no caminho, cuidado com as armadilhas, não tenha medo do escuro e, o mais importante, aproveite o passeio. A única saída é através do caminho, e há luz no fim do túnel … de fato, o túnel é feito de Luz.

“Esta não é uma jornada para se tornar algo. Trata-se de não ser quem não somos, de nos enganar. E assim, um dos passos mais importantes é entrar em acordo com sua vida para que você não se afaste de maneira alguma do caminho. E o mais surpreendente é que, quando não estamos mais nos afastando, encontramos uma grande quantidade de energia, uma grande capacidade de clareza e sabedoria, e começamos a ver tudo o que precisamos ver. ” –  Adyashanti, o fim do seu mundo


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber [o conhecimento] as minhas palavras. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp