Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O que impede a humanidade de ‘Enfrentar as Forças’ determinadas a destruir-nos?

Um grande engano está sendo perpetrado sobre uma humanidade em grande parte não resistente, por “escravizadores das trevas”, de acordo com Julian Rose. que, como diz Julian, “farão qualquer coisa para alcançar os seus objetivos”. Os seus “fins” são uma agenda de despovoamento global e controle totalitário sobre os que restarem vivos. Sabemos que estamos sendo governados por agentes desde os bastidores não eleitos do Estado Profundo que têm uma agenda nefasta, e eles já sabem que grande parte de nós agora sabemos de sua existência e de suas agendas. Está na hora de dar um basta e levantarmo-nos.

O que impede a humanidade de ‘Enfrentar as Forças’ determinadas a destruir-nos?

Fonte: The Exposé News – Por Julian Rose

E todos os dias há um forte lembrete de que este culto das trevas ainda está avançando com o que planejaram para o nosso futuro, e nós ainda estamos de joelhos. O fato de ainda não ter havido uma revolta é um “presente para os escravizadores das trevas”, segundo Julian que explora o tema.

A guerra, em qualquer outro nível que não seja um nível de disputa localizado, é um evento inventado e pré-planejado baseado com inúmeras segundas intenções ocultas.

Na era da globalização, a guerra é usada para criar uma distração para longe de algo de significado mais duradouro e abrangente [e normalmente oculto] que os protagonistas querem introduzir sob o manto de fumaça e do fogo que dominam as imagens de destruição generalizada e a retórica do campo de batalha. Algo que escravizará ainda mais uma grande parte da humanidade para se conformar com o jogo final desejado – e a um ritmo muito mais rápido do que seria possível de outra forma.

A guerra também é motivada pela conveniência de uma recuperação econômica para a $orte dos grandes fabricantes de armas e munições do Complexo Industrial Militar e, claro, como um prenúncio do caos.

O caos é um fator vital para induzir populações traumatizadas a clamar por um irmão mais velho salvador para pôr fim ao conflito. Em primeiro lugar, o conflito que estes mesmos agentes de controle da elite promovidos a “salvadores” tiveram um papel importante no início.

Dado que os acontecimentos mundiais são manipulados política e economicamente para dar cada vez maior poder a cada vez menos pessoas, instituições e àqueles que as dirigem, os “inimigos do povo” são facilmente identificados. Contudo, a diferença entre um inimigo do século XXI e um inimigo de épocas anteriores é que a versão do século XXI utiliza a manipulação psicológica avançada como a principal arma de um arsenal cada vez mais virtual.

Portanto, o inimigo público de hoje número 1 – é um mestre do engano. Compreender isto significa reconhecer que temos uma nova dimensão a enfrentar, a fim de desenvolver uma estratégia capaz de desnudar este engano e de explodir o seu domínio psicológico [controle mental] sobre a maior parte da humanidade.

Isto só pode ser feito por aqueles que possuem a visão e a consciência que lhes permitem identificar os padrões de comportamento e as motivações comuns aos principais agentes por detrás do processo de escravização humana coletiva. Inclui o reconhecimento dos principais elementos causais por trás da hipnose em massa da humanidade. A indução de um estado de espírito (e de ser) que leva as pessoas decentes a “não agir” quando tudo ao seu redor exige instintivamente uma ação imediata.

Ao examinar mais detalhadamente esta terrível situação, torna-se evidente que há algo que bloqueia o instinto de sobrevivência mais amplo de uma grande parte da população humana.

Por “estado de sobrevivência” quero dizer mais do que conseguir, de alguma forma, apenas permanecer vivo numa crise em que o ser físico de alguém está em risco. O “estado de sobrevivência” que está bloqueado não é este, ele está no nível psíquico e espiritual. Aquele estado que instintivamente dá à pessoa uma noção daquilo que é certo do que é errado – e uma ligação com os outros, bem como com o ambiente natural que nos nutre.

Quando este estado conectado é saudável, sentimo-nos instantaneamente indignados por qualquer parte desta entidade viva coletiva da qual fazemos parte estar sob ameaça dos atos flagrantes de disrupção praticados por outros seres humanos.

Mas quando não está saudável – quando está doente – esta indignação instintiva não consegue intervir. Em vez disso, a emoção predominante é a de retraimento e autopreservação passiva. E é este recuo para um beco sem saída egoísta de ignorância e indiferença ao destino da família humana e da natureza – que é a verdadeira pandemia do nosso tempo.

Descrevi em artigos anteriores como o deus tecno-industrial digitalizado da abstracção em massa, juntamente com a sua promessa de “uma cultura de conveniência”, desempenhou um grande papel no afastamento da humanidade de qualquer esforço para se conectar à sua natureza mais profunda, para responder ao chamado de uma existência com objetivo superior e de ouvir a sua alma orientadora.

Uma preocupação egoísta com a preferência pessoal é acompanhada por uma indulgência em preocupações essencialmente cosméticas e sem sentido. E isto acontece precisamente no momento em que o mundo está sendo dilacerado por divisões pré concebidas e severamente aplicadas que estão a vampirizar os valores humanos e a preparar o terreno para que o sistema de controle central e total se torne completamente despótico.

Aqueles que são capazes de se permitir o falso luxo do interesse próprio egoísta num momento como este, destacam-se brutalmente como excelentes exemplos de um colapso completo das sensibilidades humanitárias, morais e espirituais que proporcionam à vida a sua verdadeira ressonância e o seu verdadeiro significado.

O que temos de fazer, a fim de chegar a algum lugar iluminado no tratamento desta crise generalizada, é identificar a fonte e a natureza deste grande engano perpetrado contra uma humanidade em grande parte não resistente. Não apenas a tecnologia – mas aquilo que está por detrás da tecnologia e que hipnotizou os seres vivos para que sigam o seu venenoso programa de vigilância e controle.

Aqui, uma vez que olharmos profundamente, encontramos a agenda anti-vida que pertence à categoria de doenças humanas que conhecemos como psicóticas, psicopáticas e sádicas. Tal estado de morte humana sustenta que Deus não existe. Que é o homem quem está no comando do universo – ou deveria estar – e que quaisquer que sejam as forças que existam “lá fora”, apenas vale a pena envolver-se com aquelas que ajudam a alcançar as ambições grosseiras dos superegos da Terra.

Esta é uma persuasão de culto . É a posição predominante ocupada hoje pelos restantes “líderes” mundiais. Seu estado de ser predominante, nada menos. Os mais jovens foram treinados por Klaus Schwab e seus capangas de Davos para serem impenetráveis ​​e imunes aos sentimentos humanos. Isto é considerado um imperativo na causa da plena tomada tecno-digital total no controle da vida quotidiana.

Portanto, nosso trabalho é entender isso. Não consigná-lo numa caixa com o rótulo “doença dos 2%” e colocá-lo no parapeito da janela para ser esquecido. Cabe a nós reconhecer a nossa parte em aceitar e permitir este cerco de culto à vida na Terra.

Nós, o povo, somos pelo menos 90% do problema para eles. Em cada ponto histórico, quando as condições ofereciam a oportunidade de quebrar o feitiço sombrio, optamos por sair. Falhamos em agir e em assumir o controle dos nossos destinos como seres humanos que valorizam a verdade, a sabedoria e a justiça acima de tudo.

Em vez disso, permitimos que o tapete vermelho fosse estendido para que os “jovens líderes” do WEF e outros psicopatas acordados, transgênero, LGBTQ+ em busca de poder fizessem o seu pior. Ajudado por maníacos bilionários, reis corporativos, rainhas e banqueiros abutres.

E se um grupo corajoso se levantar e bloquear o centro do poder repressivo, como no Canadá, por exemplo, então os aplausos de “nós, o povo” serão entusiásticos. No entanto, individualmente, a maioria diz “Muito bem!” mas, no entanto, revertem para um estado impassível de isolamento, relegando o evento potencialmente transformador de vida para a mesma caixa no consolo da janela, enquanto lamentam a oportunidade perdida de se levantarem como um só e mudarem a maré da história.

É indubitável que cada uma destas “não-revoltas” é um presente para os nossos escravizadores sombrios. Pois que cada nova repressão que se segue é mais generalizada e mais brutal que a anterior. O medo, a ansiedade e a confusão subsequentes que acompanham isto são o combustível que o culto das trevas necessita para manter o seu regime satânico.

Isto não é conversa fiada. Aqueles que adoram no altar de Baphomet prometem garantir que seu mestre monstro estará bem alimentado. Existem templos maçônicos dentro da Câmara do Parlamento Britânico. Sempre que a ambição envolve atropelar os outros para alcançar os objetivos desejados, estão envolvidas forças demoníacas.

Washington DC, Canberra (capital da Austrália) e o Vaticano em Roma, não por acaso, mas premeditadamente, são arquitetonicamente projetados de acordo com o simbolismo satânico que abraça e adora o dinheiro e o poder como o objetivo supremo da vida. A “milha quadrada” da cidade de Londres adota esta mesma obsessão e, sem dúvida, Wall Street também o faz com o seu “Bezerro de ouro” – e outros centros semelhantes de adoração desenfreada de Mammon.

O local no planeta mais abertamente construído dentro desta premissa é Astana [um anagrama de SATAN], no Cazaquistão, uma cidade que parece ter sido construída para ser a capital do Anticristo quando ele se revelar. Saiba mais AQUI.

Os agentes do Estado Profundo não poderiam alcançar o seu regime de aplicação global sem uma ligação direta aos centros de energia das trevas. Aqueles mais determinados a ser os líderes farão qualquer coisa para alcançar seus objetivos.

É por isso que se recorre à pedofilia e ao sacrifício de crianças nos círculos políticos e de “elite”, nas catacumbas do Vaticano, no Bosque Bohemian Grove, na Califórnia, cujo modo de vida calculado depende de recorrer sempre ao poder inocente de outros. De vampirizar a energia pura de crianças inocentes e transformá-la em atos obscuros de repressão global.

Então, o que é que mantém a humanidade de joelhos diante daqueles que se entregam livremente a contínuos atos de assassinato? Temor? Incredulidade? Medo paralizante? Muito conforto? Satisfação cínica com a “escravidão barata da época”?

Um pouco de cada, mais a ignorância generalizada, sem dúvida. Mas, mais do que tudo junto, acredito que a chave é a falta de autoconfiança e de amor próprio. E autoconfiança não significa “um grande ego”, muito pelo contrário. Significa saber que estamos respondendo àquilo que oferece orientação no nível mais profundo do nosso ser.

As ações que provêm desta fonte são as únicas que irão finalmente destruir os perpetradores do mal profundo. Não há outra resposta para alcançar a emancipação da humanidade. Não há outra força capaz de esvaziar e derrotar os vagabundos satânicos cuja vida manifesta, odiando a vilania, se espalha – quase sem controle – por todo um mundo devastado pela guerra hoje.

Nosso verdadeiro trabalho, aqui e agora, é fortalecer esse vínculo que cada um de nós tem com nosso Criador e, assim, nos tornarmos guerreiros espirituais devidamente preparados, preparados para o confronto com aquilo que pretende nos destruir, corromper e com todos os vestígios daquela Centelha Divina que agita nossas almas e nos transforma em verdadeiros Seres Humanos.

Alimentar esta centelha para que se transforme num fogo em expansão que nunca se apaga – este é o nosso verdadeiro desafio hoje. O apelo a todos nós será o verdadeiro catalisador para expulsar os parasitas e provocar o nascimento de uma Nova Civilização.

Coragem, queridos amigos, coragem. A vitória é nossa se realmente a quisermos –  e estivermos prontos para lutar por ela.

Julian Rose é um dos pioneiros da agricultura orgânica no Reino Unido, escritor, locutor e ativista internacional. É autor de três livros, sendo o mais recente ‘Overcoming the Robotic Mind’. Acesse o site dele para mais informações  www.julianrose.info


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Uma resposta

  1. EM MINHA OPINIÃO, DUAS COISAS SÃO FATOS: É EXTREMAMENTE DIFÍCIL LUTAR CONTRA UM INIMIGO QUE SEQUER SABEMOS COMO É SEU ROSTO, E POR FIM, E NÃO MENOS DIFÍCIL É LUTAR CONTRA UM INIMIGO O QUAL DINHEIRO NÃO É PROBLEMA, MAS SIM, SOLUÇÃO, POIS O MESMO O FABRICA EM QUANTIDADE INFINITA EM SEU PRÓPRIO QUINTAL! MAS APESAR DISSO, SE O POVO ACORDASSE EM QUANTIDADE E PARTISSE PARA AS VIAS DE FATO CONTRA ESTES CANALHAS, OS MESMOS NÃO TERIAM A MENOR CHANCE!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *