Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Surpresa de Setembro: Miclelle Obama substituirá (‘Dementia’ Joe) Biden

O que os democratas devem fazer? – Os números das pesquisas do presidente Biden parecem estar em queda livre. Agora, a justificativa do procurador especial para não processar Biden por ter “retido e divulgado intencionalmente documentos confidenciais” é contundente: a cognição de (‘Dementia’ Joe) Biden tem tantas “limitações significativas” que o procurador especial acreditou que não poderia convencer um júri de que Biden tem um “estado mental” saudável para acusá-lo de um crime grave (mas pode continuar sendo presidente).

A Surpresa de Setembro: Michelle Obama substituirá (‘Dementia’ Joe) o senil Biden

Fonte: RealClear Wire  – De autoria de Heather Higgins

A salvação está nas regras do DNC. Lembre-se do “Switcheroo” de Nova Jersey em 2002, quando os democratas transformaram uma perda certa de uma cadeira no Senado em uma vitória, trocando o candidato derrotado no último minuto, anulando uma lei estadual que dizia que era tarde demais no ciclo para tal mudança?

Aposte que os Democratas farão a mesma “troca”, mas num nível ainda mais elevado, mas muito sujo e corrupto – e ainda mais tarde do que se espera – possível, mas mais provavelmente cerca de duas semanas após a sua convenção nacional, dando-nos uma “Surpresa de Setembro”

Joe Biden é um cadáver ambulante e senil substituível que reprime a concorrência atual por uma futura aposta muito melhor – Michelle Obama – mesmo a tempo de transformar uma derrota certa em 2024 numa potencial vitória surpreendente.

“Tosh!” você diz. “Ela(e) disse que odeia política, que não quer concorrer.” Ah, ela(e) fez cada uma dessas declarações antes de ver Biden redefinindo o trabalho e as expectativas para a presidência. Agora ela(e) sabe que quando a mídia quer um presidente no poder, uma semana de trabalho de quatro dias, composta por uma obrigação social por dia, e todo o resto delegado [ao Deep State], será suficiente. E isso sem um “Primeiro Cavalheiro” altamente experiente.

“Pura loucura! ” disse Karl Rove falando ao apresentador Stuart Varney na Fox sobre a possibilidade de uma candidatura de Michelle Obama em substituição à (‘Dementia’ Joe) Biden. “As pessoas diriam: ‘Quer saber, esse é Barack Obama indo para um terceiro mandato’. Eles não aceitariam isso.” 

Ah, sim, eles aceitariam. Lembremo-nos de que o conhecimento recebido pela classe profissional do Partido Republicano era que Obama não conseguiria a nomeação democrata em 2008, ou que, uma vez conseguida, não poderia vencer e perderia em 2012. Aparentemente, essa subestimação persiste.

RELACIONADOS:

Trocar candidatos tão perto de uma eleição não é algo tão raro quanto você imagina. Nesse mesmo ciclo eleitoral de 2002, por exemplo, os Democratas do Minnesota tiveram de substituir o seu candidato ao Senado, o titular Paul Wellstone, depois de este ter morrido num acidente de avião poucos dias antes da eleição.

Tucker (Carlson) parece sugerir que Obama é GAY. Quem pensa que Michelle Obama é realmente um homem?

E quase exatamente dois anos antes, os democratas do Missouri tiveram de substituir o governador Mel Carnahan, o seu candidato ao Senado dos EUA, no final de Outubro, quando este também morreu num acidente de avião.

Como o caso de Nova Jersey provou, quanto mais perto você chegar do dia da eleição antes de fazer a mudança, maiores serão as chances. Menos tempo para o outro lado realizar novas pesquisas sobre a oposição, fazer algumas pesquisas, descobrir uma nova estratégia e criar campanhas publicitárias. Menos tempo, também, que o candidato substituto precisa para realmente fazer campanha.

A mudança Michelle por Biden poderia ser feita na convenção dos democratas – mas isso requer 300 assinaturas de delegados e abriria a porta a muita política durante várias semanas por parte de outros potenciais candidatos. Isso faria com que 1968 parecesse um piquenique e potencialmente colocaria Michelle na posição suja de buscar apoio como todo mundo.

Mas se (‘Dementia’ Joe) Biden for incentivado a declarar repentinamente um novo problema de saúde que o leve a anunciar, uma ou duas semanas após a convenção, que continuará o seu mandato, mas não irá concorrer à reeleição, de repente teremos uma daquelas crises que não devem ser desperdiçadas. 

Elevando-se acima de tudo, dos demais postulantes e reprimindo a negociação, Michelle – com a sua popularidade de 91% entre os Democratas e 68% a nível nacional quando deixou a Casa Branca, e com a angariação de fundos de Obama, a rede política e a experiência profissional – pode aderir quando pressionada, para “o bem do país”, para aceitar graciosamente a nomeação como candidata à presidência dos EUA do seu grato partido.

Decisões legais anteriores parecem indicar que 27 de agosto não é um problema, mas 1º de outubro pode ser tarde demais (embora pareça improvável a probabilidade de qualquer tribunal ter a coragem de dizer a metade do país que seu candidato não pode estar nas urnas). Imagine que mais de duas semanas após a convenção serão a última oportunidade segura para mudar a candidatura.

As regras do DNC aplicáveis ​​são, na verdade, bastante simples. O Artigo Três, Seção 1 (c) da Carta e Estatutos do Partido Democrata diz que “O Comitê Nacional Democrata terá responsabilidade geral pelos assuntos do Partido Democrata entre as Convenções Nacionais… Esta responsabilidade incluirá o preenchimento de vagas nas nomeações para o cargo do Presidente e do Vice-Presidente.” O presidente conversa com a Liderança Democrática do Congresso e a Associação dos Governadores Democratas e decide que todos os 483 membros do DNC votam.

Já foi feito antes. Em 1972, os democratas perceberam, semanas após a convenção de nomeação, que o homem que nomearam para vice-presidente, o senador do Missouri Thomas Eagleton, havia sido submetido a uma terapia de choque uma década antes. Eagleton desistiu da chapa – criando assim uma vaga – e deixou para o DNC a escolha de um substituto. McGovern finalmente conseguiu que o sogro de Kennedy, Sargent Shriver, concordasse com o que se tornou uma missão suicida.

A troca Eagleton/Shriver foi uma coisa mal gerida, do tipo “pega-pega”, com o candidato presidencial sempre a correr um dia atrás das notícias. A entrada de Michelle Obama na campanha de 2024 como substituta de Joe Biden será tratada de uma forma muito mais profissional e intencionalmente bombástica.

Por que Michelle? Não faria sentido que Biden se retirasse da chapa para simplesmente elevar a vice-presidente Kamala Harris. O objetivo de todo o exercício é vencer Trump. Michelle Obama é a única candidata potencial que poderia substituir com segurança uma mulher negra na chapa democrata, sem causar uma grande perturbação política dentro de um grupo central de eleitores democratas. Além disso, Michelle é Teflon: uma celebridade popular com pouco histórico – e a garantia de que qualquer crítica provocará um coro de acusações de “racista!” e “sexista!”. Ela é de longe a candidata mais difícil de ser derrotada por Trump [se a “verdade” sobre a sua “identidade” de gênero NÃO VIER À TONA….]

A Sra. Obama tem agido há vários anos como se estivesse reformulando a marca para o cargo. O lançamento de seu livro não se pareceu em nada com uma turnê de livro, mas com uma reintrodução, completa com outdoors e performances esgotadas em entrevistas com celebridades, da nova Oprah, sorridente, com a namorada da América, a amorosa Michelle. 

NEW: O senador Ted Cruz acredita que Biden não será o candidato democrata de 2024 e acha que os democratas vão [cair de] “pára-quedas” em… espere… Michelle Obama. “Os governantes democratas [irão] descartar Joe Biden e saltar de pára-quedas em Michelle Obama.” “E então, quando vejo a mídia se voltando contra Joe Biden agora, acho que as chances de Michelle Obama saltar de pára-quedas em agosto de 2024 aumentaram dramaticamente e isso deveria assustar qualquer um que esteja insatisfeito com a direção que este país está tomando.”

Há algumas semanas, ela disse publicamente que estava “aterrorizada” com os potenciais resultados das eleições, dizendo que os seus receios dos possíveis resultados a mantinham acordada à noite.

E recentemente uma edição especial inteira da revista Life sobre a “inspiradora” Michelle Obama foi estacionada por US$ 14,99 no caixa do supermercado mais próximo. A capa pode dizer “O Fenômeno Pós-Casa Branca”, mas tudo o que é pós-Casa Branca está confinado a cinco parágrafos nas primeiras páginas introdutórias – enquanto o resto das 112 páginas brilhantes são um terço da história de fundo e dois terços de Michelle na Casa Branca, parecendo presidencial. A última página mostra Michelle no palco da convenção de 2016, sozinha, parecendo ter acabado de receber a indicação – e sob o título “Crowd Pleaser”. Na contracapa estão os Obama em seu segundo baile de posse – com o presidente Obama fazendo uma reverência à “imponente” Michelle.

Porém, não basta que a senhora esteja disposta e preparada. O terreno deve ser assentado. No final de 2022, previ na segunda parte de um tweet, que estranhamente não aparece mais quando pesquisado, que em 2023 veríamos pre$$tituta$ da esquerda, como o Washington Post e outros meios de comunicação iguais, de repente deixarem de tratar os problemas de Hunter Biden como um sonho febril do Partido Republicano para um problema real, junto com outras críticas a Biden. Isso aconteceu na hora certa. Agora temos um relatório do conselho especial que lembra o ataque de Comey a Hillary.

É claro que a execução deste cenário exige incentivos e castigos suficientes para que Biden desista do seu lugar na chapa. No Verão, é provável que as suas sondagens sejam tão más que uma derrota em Novembro pareça uma conclusão precipitada. Seu legado não seria o de ter sido o homem que removeu Donald Trump da Casa Branca, mas o de ter sido o homem que permitiria que Trump voltasse para processá-lo e à sua família. Até Jill enfrentará a realidade e, como Bob Torricelli antes deles, optará pela troca.

Em Londres, onde apostar na política americana é legal, recentemente foram feitas mais apostas na chegada de Michelle Obama à presidência do que em Biden, e ela permanece em segundo lugar na média de probabilidades de apostas da RealClearPolitics para a nomeação democrata. 

O que esses apostadores sabem que os “especialistas” americanos não sabem?

Heather R. Higgins é CEO da Independent Women’s Voice.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *