Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Estado Profundo Global: Uma Nova Ordem Mundial Fascista Financiada pelo Contribuinte (do Hospício) Ocidental

O  debate sobre a ajuda externa dos EUA  é uma distração. Isto não quer dizer que a quantidade de dinheiro dos contribuintes que flui para países estrangeiros sob a forma de assistência militar e econômica seja insignificante. Mesmo com menos de 1% do orçamento federal, os Estados Unidos ainda  gastam mais em ajuda externa (enchendo os cofres dos conglomerados do Complexo Industrial Militar) do que qualquer outra nação do planeta.

O Estado Profundo Global: Uma Nova Ordem Mundial Fascista Financiada pelo Contribuinte (do Hospício) Ocidental

Fonte: Rutherford InstituteDe autoria de John & Nisha Whitehead

A última lei de despesas com ajuda externa do orçamento dos EUA inclui  95 bilhões de dólares  para a Ucrânia, Israel e Taiwan. Desde a Segunda Guerra Mundial, os EUA concederam mais ajuda externa a Israel [o Povo “Eleito”] do que qualquer outro país  (318 bilhões de dólares ), sendo a maior parte desses fundos destinada aos esforços militares de Israel.

Mesmo assim, mais de  150 países em todo o mundo recebem assistência financiada pelos contribuintes dos EUA .

Como  relata a Forbes,a ajuda externa dos EUA supera os fundos federais gastos anualmente por 48 dos 50 governos estaduais.  Apenas os governos estaduais da Califórnia e de Nova Iorque gastaram mais fundos federais do que os que os EUA enviam ao exterior todos os anos para países estrangeiros.”

Quer alguma dessa ajuda externa seja ou não utilizada para fins legítimos, o próprio sistema de segurança social global está repleto de corrupção e desperdício. Como pergunta Adam Andrzejewski, com razão: 

“Os contribuintes sabem instintivamente que estão financiando diretores de corais no Turquemenistão, cineastas no Peru, ajuda aos criadores de aves na Tanzânia e oficinas de educação sexual para prostitutas na Etiópia?”

O problema não é tanto que os contribuintes não tenham consciência de como o seu suado dinheiro está a ser gasto. Em vez disso, “nós, o povo”, continuamos a ser informados de que não temos nenhuma palavra a dizer sobre o assunto.

Não temos nenhuma palavra a dizer sobre como o governo funciona, ou como os fundos dos nossos contribuintes são usados, mas isso não impede que o governo nos espolie a cada passo e nos obrigue a pagar por guerras intermináveis ​​que contribuem mais para financiar o complexo industrial militar do que nos proteger, projetos de barril de porco que produzem pouco ou nada, e um estado policial que serve apenas para nos aprisionar dentro dos seus tirânicos muros.

Esta tirania financeira persiste quer tenha um democrata ou um republicano no comando, pois ambos partidos, democratas e republicanos são controlados pelos membros não eleitos do Deep State.

Numa altura em que o governo gasta dinheiro que não tem em programas que não pode pagar, a dívida nacional continua a crescer, as nossas infra-estruturas continuam a deteriorar-se e as nossas fronteiras continuam a ser violadas. O que está acontecendo?

O “governo do povo, pelo povo, para o povo” foi ultrapassado e sequestrado por um governo paralelo – uma  burocracia GLOBAL corporativa, militarizada e entrincheirada controlando o poder nos principais países ocidentais – que está totalmente operacional e governa esses países.

Esta poderosa conspiração internacional composta por agências governamentais e corporações internacionais – vamos chamá-la de Estado Profundo Global – é tão real quanto o Estado Profundo Americano corporativo, militarizado e industrializado, e representa uma ameaça tão grande aos nossos direitos quanto os indivíduos sob a Constituição dos EUA, se não maior.

Já é muito evidente, para os mais conscientes e com discernimento, que já entramos numa Nova Ordem Mundial: o fascismo dos oligarcas e das elites numa escala global.

Ainda não está claro se o Estado Profundo Americano (“um aparelho de [in]segurança nacional que exerce influência mesmo sobre os líderes eleitos supostamente responsáveis ​​por ele”) responde a esse Estado Profundo Global, ou se o Estado Profundo Global apenas dá poder ao Estado Profundo Americano. No entanto, não há como negar até que ponto eles estão intrincada e simbioticamente emaranhados e interligados.

Consideremos até que ponto as nossas vidas e liberdades são afetadas por esta convergência internacional de interesses governamentais, oligárquicos e empresariais com fins lucrativos no estado de vigilância, no complexo industrial militar, na indústria prisional privada, no setor da inteligência, no setor da segurança, no setor da tecnologia, o setor das telecomunicações, o setor dos transportes e, nos últimos anos, principalmente o setor farmacêutico saúde, visando a despopulação do planeta.

Todos estes setores são dominados por mega-corporações que operam à escala global e trabalham através de canais governamentais para aumentar as suas margens de lucro. As políticas orientadas para o lucro destes gigantes empresariais globais influenciam tudo, desde as políticas legislativas à economia, às questões ambientais e aos cuidados médicos.

Doença Global

A pandemia da COVID-19 impulsionou-nos para uma fronteira global totalmente nova, na qual aqueles que esperam navegar neste mundo interligado e altamente tecnológico de rastreio de contatos, passaportes de vacinas e passes digitais se vêem confrontados com questões que tocam questões morais, políticas e religiosas profundamente arraigadas. e questões pessoais para as quais pode não haver respostas claras.

A nossa capacidade de aceitar, envolver-se e movimentar-se no mundo tornou-se agora dependente do campo em que nos enquadramos: aqueles que foram vacinados contra o que quer que os poderes constituídos considerem ser a mais recente  Doença X  versus aqueles que não se espetaram com veneno.

Isto é o que Ramesh Raskar, professor do MIT, se refere como a nova “moeda para a saúde”, um apelido adequado dado o papel potencialmente lucrativo que as grandes empresas (grandes farmacêuticas e Big Techs, especialmente) desempenharão no estabelecimento deste mercado pay-to-play [pay to DIE]. A indústria aérea tem trabalhado em um Travel Pass. A IBM está desenvolvendo um Digital Health Pass. E o governo dos EUA tem ficado muito satisfeito por  permitir que o setor empresarial assuma a liderança .

“É o mais recente símbolo de status para a maioria de zumbis. Mostre-o para as pessoas e você terá acesso a shows, arenas esportivas ou mesas de restaurantes há muito proibidas. Algum dia, pode até ajudá-lo a cruzar uma fronteira sem precisar ficar em quarentena”, escreve Heather Murphy para o  New York Times . “O novo cartão platina da era Covid é o certificado de vacina.”

Vigilância Global

Liderado pela Agência de Segurança Nacional [DHS], que tem demonstrado pouco se importar com os limites constitucionais ou com a privacidade, o estado de vigilância passou a dominar o nosso governo e as nossas vidas.

No entanto, o governo não opera sozinho. Ele não consegue. Requer cúmplices. Assim, as necessidades de segurança cada vez mais complexas do nosso enorme governo federal, especialmente nas áreas de defesa, vigilância e gestão de dados, foram satisfeitas dentro do setor empresarial, que se tem mostrado um poderoso aliado que depende e alimenta o crescimento da burocracia governamental.

Veja a AT&T, por exemplo. Através da sua vasta rede de telecomunicações que atravessa o mundo, a AT&T fornece ao governo dos EUA a infra-estrutura complexa de que necessita para os seus programas de vigilância em massa. De acordo com o The Intercept :

“A NSA considera a AT&T um dos seus parceiros mais confiáveis ​​e elogiou a ‘extrema disposição para ajudar’ da empresa. É uma colaboração que remonta a décadas.  Pouco se sabe, porém, que seu escopo não se restringe aos clientes da AT&T. De acordo com os documentos da NSA, ela valoriza a AT&T não apenas porque “tem acesso às informações que transitam pelo país”, mas também porque mantém relacionamentos únicos com outros provedores de telefonia e internet. A NSA explora estas relações para fins de vigilância, comandando a enorme infra-estrutura da AT&T e utilizando-a como uma plataforma para explorar secretamente as comunicações processadas por outras empresas.”

Agora, amplie o que o governo dos EUA está fazendo através da AT&T em escala global e você terá o “Programa 14 Olhos”, também conhecido como “SIGINT Seniors”. Esta agência de espionagem global é composta por membros de todo o mundo  (Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Dinamarca, França, Holanda, Noruega, Alemanha, Bélgica, Itália, Suécia, Espanha, Israel, Singapura, Sul Coreia, Japão, Índia e todos os Territórios Britânicos Ultramarinos).

Contudo, a vigilância é apenas a ponta do iceberg quando se trata destas alianças globais.

Lucrativos da Guerra Global

A guerra tornou-se um enorme empreendimento lucrativo, e a América, com o seu vasto império militar e a sua relação incestuosa com uma série de empreiteiros internacionais de defesa, o Complexo Industrial Militar, é um dos seus maiores compradores e vendedores de suas armas e munições.

O Complexo Industrial Militar, americano ergueu um império insuperável na história na sua amplitude e âmbito, dedicado a conduzir guerras perpétuas em todo o mundo. Por exemplo, ao criar um estado de vigilância de segurança nos EUA, o Complexo Industrial Militar perpetuou um império militar mundial com tropas americanas estacionadas em 177 países em cerca de 800 bases militares (mais de 70% dos países em todo o mundo).

Embora o governo federal obscureça tanto os seus gastos com defesa que é difícil obter números precisos, sabemos que desde 2001, o governo dos EUA gastou mais de 1,8 Trilhões de dólares nas guerras no Afeganistão e no Iraque ( isto é, 8,3 milhões de dólares  por hora ). Isso não inclui guerras e exercícios militares travados em todo o mundo, que deverão  elevar a conta total para mais de 12 Trilhões de dólares até 2053 .

A fusão ilícita da indústria global de armamento e do Pentágono, contra a qual o Presidente Dwight D. Eisenhower nos alertou há mais de 50 anos, passou a representar talvez a maior ameaça à frágil infra-estrutura do país hoje. Os gastos com o império militar em expansão da América está sangrando o país a uma taxa de mais de 15 bilhões de dólares por mês  (ou 20 milhões de dólares por hora) – e é exatamente isso que o governo gasta em guerras estrangeiras. Isto não inclui o custo de manutenção e pessoal das  mais de 800 bases militares dos EUA espalhadas por todo o mundo .

Incrivelmente, embora os EUA constituam apenas 5% da população mundial, a América ostenta quase 50% da despesa militar total do mundo, gastando mais nas forças armadas do que as próximas 19 nações com maiores gastos juntas. Na verdade, o Pentágono gasta mais na guerra do que todos os 50 países juntos  gastam em saúde, educação, bem-estar e segurança. Há uma boa razão pela qual  o  “inchado”, “corrupto” e “ineficiente” estão entre as palavras mais comumente aplicadas ao governo , especialmente ao Departamento de Defesa e aos seus contratantes. A manipulação de preços  tornou-se uma forma aceita de corrupção dentro do império militar americano.

Infelizmente, não é apenas a economia americana que está sendo prejudicada.

Impulsionada por um setor de defesa ganancioso, a pátria americana foi transformada num campo de batalha com polícia militarizada e armas mais adequadas a uma zona de guerra. O Presidente Biden, marchando em sintonia com os seus antecessores, continuou a expandir o império militar da América no exterior e internamente, numa clara tentativa de agradar aos poderosos interesses financeiros (militares, empresariais e de segurança) que dirigem o Estado Profundo e mantêm o governo nas suas garras. .

Policiamento Global

Dê uma olhada nas fotos das forças policiais internacionais e você terá dificuldade em distinguir entre a polícia americana e as pertencentes a outras nações. Há uma razão pela qual todos eles são parecidos, vestidos com o uniforme militarizado e armado de um exército permanente. Há uma razão pela qual também agem de forma semelhante e falam uma linguagem comum de força: pertencem a uma força policial global.

Por exemplo, Israel – um dos aliados internacionais mais próximos da América e um dos principais beneficiários anuais de  mais de 3 bilhões de dólares em ajuda militar estrangeira dos EUA – tem estado na vanguarda de um programa de intercâmbio pouco divulgado que visa treinar a polícia americana para atuar como ocupante com suas forças em suas comunidades. Como resume oThe Intercept, a polícia americana está “ essencialmente aprendendo com as agências que impõem o regime militar em vez do direito civil”.

Esta ideia de policiamento global é reforçada pelo programa Strong Cities Network, que forma agências policiais locais em toda a América sobre como identificar, combater e prevenir o extremismo, bem como abordar a intolerância nas suas comunidades, utilizando todos os recursos à sua disposição. As cidades incluídas na rede global  incluem Nova Iorque, Atlanta, Denver, Minneapolis, Paris, Londres, Montreal, Beirute e Oslo.

O objetivo é prevenir o extremismo violento, visando a sua fonte: racismo, intolerância, ódio, xenofobia, etc. Por outras palavras, a polícia – atuando como extensões das Nações Unidas – identificará, monitorará e dissuadirá indivíduos que exibam, expressem ou se envolvam em qualquer coisa que possa ser interpretada como extremismo. É claro que a preocupação com o programa anti-extremismo do governo é que ele será, em muitos casos, utilizado para tornar potencialmente extremistas as atividades rebeldes que de outra forma seriam legais e não violentas como discordar do governo.

Tenha em mente que as agências governamentais envolvidas na descoberta de “extremistas” americanos cumprirão os seus objetivos – identificar e dissuadir potenciais extremistas – em concertação com  centros de fusão  (dos quais existem 78 a nível nacional, com parceiros no setor privado e a nível mundial), agências de recolha de dados, cientistas comportamentais, empresas, meios de comunicação social e organizadores comunitários e confiando em tecnologia de ponta para vigilância, reconhecimento facial, policiamento preditivo, biometria e epigenética comportamental  (na qual as experiências de vida alteram a composição genética de uma pessoa).

Isto é pré-crime em escala ideológica e já vem de muito tempo. Você está começando a entender agora?

O governo e os seus parceiros globais chegaram a um acordo que coloca o povo americano e ocidental na parte perdedora do acordo.

Em quase todas as frentes, seja na guerra às drogas, ou na venda de armas, ou na regulação da imigração, ou no estabelecimento de prisões, ou no avanço da tecnologia, ou no combate a uma pandemia, se houver lucro a ser obtido e poder a ser acumulado, as nossas liberdades estão sendo corroídas enquanto o Estado Profundo Global se torna mais enraizado e ativo.

Há tanto tempo que estamos perdendo as nossas liberdades de forma gradual – vendidas a nós em nome da segurança nacional e da paz global, mantidas através da lei marcial disfarçada de lei e ordem, e impostas por um exército permanente de polícia militarizada e um grupo político de elite determinada a manter os seus poderes a todo o custo – é difícil identificar exatamente quando tudo começou a piorar, mas certamente estamos nessa descida agora, e as coisas estão avançando rapidamente.

Dada a dramática expansão, globalização e fusão de poderes governamentais e empresariais, não reconheceremos este país daqui a 10 anos.

Tal como deixo claro no meu livro Battlefield America: The War on the American People  e no seu homólogo fictício  The Erik Blair Diaries , o governo dos EUA não nos salvará das cadeias do Estado Profundo Global. Está muito ocupado nos vendendo como gado pelo lance mais alto.


A Matrix , o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *