browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As raízes Ocultistas (Magia Negra) do Nazismo

Posted by on 06/09/2019

Em 1917, o ocultista Baron Rudolf von Sebottendorf, o discípulo de Gurdjeff, Karl Haushofer, o ás piloto Lothar Waisz, o prelado Gernot da secreta “Societas Templi Marcioni” (Sociedade do Templo Marcionita) e Maria Orsic, uma médium psíquica de Zagreb se encontraram em Viena. Todos haviam estudado extensivamente os ensinamentos da ordem “Golden Dawn” (Ordem Hermética da Aurora Dourada ou  Ordem Hermética do Amanhecer Dourado), seus ensinamentos, rituais e, especialmente, seu conhecimento sobre lojas secretas asiáticas. Sebottendorf e Haushofer eram viajantes experientes da Índia e do Tibete e muito influenciados pelos antigos ensinamentos e mitos desses lugares. Durante a Primeira Guerra Mundial, Karl Haushofer fez contatos com uma das sociedades secretas mais influentes da Ásia, os Chapéus Amarelos Tibetanos (Gelug-pa).

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As raízes Míticas e Ocultistas (Magia Negra) do Nazismo

Fonte: http://black.greyfalcon.us/thule.html


Em 1919, Karl Haushofer fundou uma segunda ordem secreta, o BRÜDER DES LICHTS (Irmãos da Luz), que mais tarde foi renomeada como VRIL-GESELLSCHAFT. Na sociedade VRIL, ele uniu a nova ordem templária DIE HERREN von SCHWARZEN STEIN (DHvSS – acrônimo para “Os Senhores da Pedra Negra”) que surgiu em 1917 da Ordem Teutônica e dos SCHWARZE RITTER (Cavaleiros Negros) da Sociedade Thule e da elite das S.S.- SCHWARZE SONNE (Sol Negro)

Para comparar ambas sociedades secretas, a THULE e a VRIL, é mais fácil dizer que a Thule-Gesellschaft lidou com interesses materiais e políticos, enquanto a Vril-Gesellschaft estava mais orientada para o OUTRO LADO, o “lado negro” do ocultismo e da sabedoria espiritual. Mas muitos conceitos que eles compartilhavam sobre temas míticos como a Atlântida, Hiperbórea, Agharta, Lemúria-Mu e a mítica Thule, a conexão básica entre os teutônicos e (os Anunnaki, Nephilim) a Mesopotâmia (antiga Suméria), mas também os antigos lugares sagrados na Alemanha, como o Externsteine (pedras externas) ou o Hausberg em Stronegg, eram áreas de pesquisa comum para ambas as sociedades, Thule e Vril.

polonorte-abertura.01

Duas imagens diferentes da Terra e do polo norte apresentando a mesma anomalia (destaque) no “topo do planeta” (Polo Norte), uma provável abertura para um mundo interior, por muitos conhecido como AGHARTA.

Sebottendorf e Haushofer eram viajantes experientes da Índia e do Tibete e muito influenciados pelos antigos ensinamentos e mitos desses lugares. Durante a Primeira Guerra Mundial, Karl Haushofer fez contatos com uma das sociedades secretas mais influentes da Ásia, os Chapéus Amarelos Tibetanos (Gelug-pa). Esta seita foi formada em 1409 pelo reformador budista Tsong-kha-pa. Haushofer foi iniciado nessa ordem tibetana e jurou cometer suicídio caso sua missão falhasse. Os contatos entre Haushofer e os Chapéus Amarelos levaram nos anos 20 à formação de colônias tibetanas na Alemanha.

Os quatro jovens esperavam que durante algumas reuniões em Viena eles aprendessem algo sobre os textos  secretos reveladores dos Cavaleiros Templários e também sobre a fraternidade secreta Die Herren vom Schwarzen Stein (“Os Senhores da Pedra Negra”). O Prelado Gernot era dos “Herdeiros” dos Cavaleiros Templários, a “única verdadeira” sociedade Templária. Eles alegavam ser os descendentes dos Templários de 1307 que passaram seus segredos de pai para filho – até hoje. O Prelado Gernot aparentemente lhes contou sobre o advento de uma nova era – a mudança da Era de Peixes para a Era de Aquário.

Eles discutiram que nosso ano solar – de acordo com as doze revoluções do sol pelo zodíaco – era dividido em doze meses e, portanto, a revolução do nosso sol em torno do grande sol central (o Sol Negro dos mitos antigos) também foi dividida em doze partes. Juntamente com a precessão do movimento do Equinócio da Terra em forma de cone, devido à inclinação do eixo da Terra em cerca de 23º, isso determinaria o comprimento da passagem das eras zodiacais e astronômicas. Esse “mês cósmico” tem então 2.160 anos, o “ano cósmico” 25.920 anos. Segundo os Templários, a próxima mudança não seria apenas uma mudança comum das eras astronômicas, mas também o fim de um ano cósmico e o início de um ano absolutamente novo.

A parte principal das discussões tratava dos antecedentes de uma seção do Novo Testamento,  Mateus 21:42-44Pois ali Jesus se dirigiu aos judeus:

“Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras:A pedra, que os edificadores rejeitaram, essa foi posta por cabeça do ângulo; pelo Senhor foi feito isto, E é maravilhoso aos nossos olhos? Portanto, eu vos digo que o reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos. E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.  –  Mateus 21:42-44

O texto original completo, que é mantido nos arquivos da “Societas Templi Marcioni“, diz isso ainda mais claramente. Mas o ponto é: nesse texto, Jesus realmente nomeia o “povo”, ele fala com os Teutões (soldados germânicos) servindo na legião romana e diz a eles que foi o SEU (os povos germânicos) povo que ele escolheu. Era isso que Sebottendorf e seus amigos pretendiam e queriam ter certeza: que o povo teutônico, ou seja, a raça ariana dos alemães, havia sido “contratada” por Jesus para trazer o reino da Luz sobre a Terra – na “Terra da Montanha da Meia-Noite” (Alemanha). O local onde o raio encontraria a Terra era a Montanha Untersberg, perto de Salzburgo, na Áustria.

Liderados por Ernst Schäfer (Centro) uma expedição nazista ao Tibete partiu de navio em 1937, mas encontrou obstáculos logo ao chegar a costa da Índia onde pretendia desembarcar. As autoridades britânicas desconfiavam das verdadeiras intensões da expedição e negaram acesso aos portos sob seu controle. Schäfer e Himmler (Waffen S.S.) ficaram furiosos e fizeram uma queixa formal. Temendo um incidente diplomático, o Primeiro Ministro britânico Neville Chamberlain garantiu um salvo conduto para que a Expedição prosseguisse.

Qual era a lenda da montanha Untersberg, na qual Hitler passou muitas horas observando seus estudos no Berghof? Os historiadores acham que, como o rei Arthur, Frederick Barbarossa está enterrado lá, esperando que um chamado o ressuscite dentre os mortos para ajudar o país em sua hora de necessidade. Essa não é a lenda da Untersberg, no entanto.

Em 1220, o Templário Komtur Hubertus Koch, retornando com uma pequena facção das Cruzadas, passou pela Mesopotâmia e perto da cidade antiga de Nínive, no Iraque moderno, recebeu uma aparição da deusa Isais (primeiro filho da deusa Ísis com o deus Set). Ela disse para ele se retirar para a montanha de Untersberg, construir uma casa lá e aguardar sua próxima aparição.


{ Em 1220, o templário Komtur Hubertus Koch, retornando com uma pequena facção das Cruzadas, passou pela Mesopotâmia e perto da cidade antiga de Nínive, no Iraque moderno, quando ele recebeu uma aparição da deusa Isais (primeira filha da deusa Ísis com o deus Setx). que lhe disse “constrói uma casa (comenda) na montanha Untersberg e aguarde minha próxima aparição”. É notável que Isais é dada como meia-irmão de Hórus, filho de Ísis e Osíris, associado ao princípio da Luz, enquanto Seth era a contrapartida do princípio das trevas / escuridão.}


Assim, Isais é a donzela do Graal original e as mulheres da Vril Gesselshaft a tomaram como líder espiritual, sugerindo que a adoravam e que ela era a rainha de Aldebaran. Se isso é verdade ou não, em 1221, Koch ergueu seu primeiro Komturei (comenda) aos pés de Ettenberg, perto de Markt Schellenberg. Uma segunda estrutura maior se seguiu. Acredita-se que ao longo dos próximos anos, galerias subterrâneas foram escavadas em várias áreas do Untersberg, e em uma delas um templo para Isais foi construído.

Uma segunda aparição da “deusa” Isais ocorreu em 1226 para o Templário Komtur Hubertus Koch e foi repetida em outras ocasiões até 1238. Durante esse período, os Templários receberam “Die Isais Offenbarung, uma série de profecias (recentemente publicadas) e informações sobre o Santo Graal. Os Templários em Jerusalém tinham conhecimento dessas visitas, sobre as quais a Igreja desenhou um véu de silêncio. O que se segue em nossa narrativa é apenas tradição, mas pode ser de interesse.

Untersberg.jpg

Untersberg visto de Gaisberg acima do sul de Salzburgo. O proeminente pico duplo no fundo esquerdo é o maciço de Watzmann

É tradição alemã que os Templários receberam ordens para formar uma seita ocultista secreta no sul da Alemanha, Áustria e norte da Itália, conhecida como “Die Herren vom Schwarzen Stein” – Os Senhores da Pedra Negra – ou o acrônimo DHvSS, para abreviar, e isso é dito ser o verdadeiro significado oculto por trás da criação da organização S.S. Schutzstaffel nazista.

Dizia-se que o Santo Graal (“Ghral” é pedra sagrada, em árabe-persa) era um cristal violeta-preto, meio quartzo, meio ametista, através do qual os “Poderes Superiores” se comunicavam com a humanidade. Foi entregue à guarda dos cátaros e contrabandeada para fora da última fortaleza em Montsegur, na França, e escondida por quatro mulheres cátaras na noite de 14 de março de 1244. Há uma lenda cátara que 700 anos após a destruição da fé cátara, o Santo Graal seria devolvido aos seus legítimos detentores, DHvSS ou a S.S. Schutzstaffel nazista?

Pode ser interessante notar, a esse respeito, que a Casa de Chá projetada por Hitler e construída no Mooslahnerkopf em Obersalzberg, o pavilhão de pedra ainda hoje, tem uma semelhança impressionante com Montsegur quando vista sob certos ângulos a partir do pé do afloramento da grande rocha. Se isso foi uma coincidência permanece na mente de quem vê o local.

No final de setembro de 1917, Sebottendorf se reuniu com membros dos “Senhores da Pedra Negra” em Untersberg para receber o poder da “Pedra Preto-Roxa”, após a qual a sociedade secreta recebeu o nome. Os “Senhores da Pedra Negra”, que se originaram da sociedade marcionita em 1221, liderados por Hubertus Koch, que tinham como objetivo a luta contra o mal e a construção do reino da Luz de Cristo.

Um círculo se formou ao redor do barão Rudolf von Sebottendorf, que escreveu sobre isso em um livro que foi posteriormente banido pelo partido nazista Bevor Hitler kam: Eine historische Studie (Antes da vinda de Hitler), que viu a “Teutonic Order” em 1918 em Bad Aibling se tornar a (sociedade secreta) “Thule Gesellschaft” .

Os temas que eles tentaram vincular à política foram magia científica, astrologia, ocultismo e o estudo do conhecimento dos Templários, bem como práticas da “Golden Dawn”, como Tantra, Yoga e meditação oriental. Os membros da Thule-Gesellschaft acreditavam, após as Revelações de sua “deusa” Isais, em um Salvador Vindouro (alemão: Heiland = o Santo), o “Terceiro Sargon” que levaria à Alemanha ao pináculo da glória, o domínio do mundo e uma nova cultura ariana.

Guido von List (1905): Alguns dos ensinamentos mais importantes que influenciaram a Thule-Gesellschaft foram a construção ariana-germânica da seita (Wihinei) do filósofo Guido von List, a cosmologia glacial de Hans Hörbiger e uma tendência ao cristianismo dos marcionitas, desprezando o Antigo Testamento judeu. De qualquer forma, o círculo mais interno prometeu combater o judaísmo mundial e a Maçonaria e suas lojas.

Aos olhos da Thule Gesellschaft, da qual mais tarde surgiu o DAP (Partido dos Trabalhadores Alemães), o NSDAP (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães), a organização S.S. Schutzstaffel (Tropas de Proteção, um nome apenas para consumo externo), o povo judeu que havia sido acusado pelo deus do Antigo Testamento YAHVEH de “causar estragos na Terra” foi a razão pela qual o mundo sempre esteve envolvido em guerra e discórdia.

Longe de ser uma sociedade secreta marginal, a sociedade Thule Gesellschaft tinha membros que eram oriundos da velha aristocracia alemã. Essencialmente, tinha todas as crenças expostas por Rosenberg e foi o grupo a que Hitler chegou no início de sua ascensão ao poder. Era exclusivamente a sociedade de um homem rico e atraía seus membros dos escalões superiores da Sociedade da Baviera, e não era aberta à classe média ou aos trabalhadores da Alemanha.

De fato, era preciso mostrar pertencer a linhagem ariana pura desde à Guerra dos 30 Anos (1618-1648) para se juntar à sociedade, não se podia deformar ou mesmo ser simplesmente rico, feio e velho, era preciso ser uma das “pessoas bonitas”. Foi nessa época que o primeiro-ministro do governo da Baviera, Kurt Eisner (um judeu), foi assassinado por um jovem descontente Anton Graf Arco, que havia sido recusado em sua admissão na Sociedade Thule, provavelmente porque era de ascendência judaica. Um dos principais suspeitos que a polícia questionou era o líder da Sociedade Thule. 

Aqui podemos entender que o elitismo e o racismo eram uma parte importante dos sistemas de crenças daqueles que formularam a doutrina nazista inicial. O assassinato ocorreu em uma atmosfera de medo geral entre a elite bávara de que o bolcheivismo (o comunismo, e com isso o confisco de sua riqueza) estava fazendo importantes avanços no final da guerra e que havia muita “influência judaica” no movimento comunista (no que estavam absolutamente corretos). Isso foi “confirmado” pela eleição do socialista judeu Kurt Eisner para o governo da Baviera.

Sebottendorff, o líder da sociedade Thule, era conhecido como um adepto de astrologia, magia ritualística, varetas de adivinhação, da alquimia e outras práticas ocultistas e era sua crença que os judeus estavam realmente no controle das lojas maçônicas que provavelmente levaram à sua eventual apreensão e fechamento quando os nazistas tomaram o poder. De fato, toda a ideia de fraternidade que tipificava as crenças maçônicas estava em desacordo com o que os associados de Thule acreditavam. De fato, Sebottendorff chegou ao ponto de dizer que “igualdade é morte”; assim, os maçons também foram perseguidos pelos nazistas. Ele espalhou sua propaganda pelo Der Münchener Beobachter, um jornal que ele comprou porque precisava de uma avenida para espalhar sua doutrina profana e nefasta.

À medida que as condições na Alemanha pioravam, ficou claro que grande parte da população estava pronta para uma mudança. A comida havia se tornado muito escassa e a maioria dos orgulhosos alemães estava passando fome e alguns até estavam morrendo de fome. As pessoas foram reduzidas a comer biscoitos e carne de cavalo. O marco alemão havia perdido a maior parte de seu valor e o descontentamento estava se espalhando. Foi nessa atmosfera em que muitos começaram a ansiar e ficar fanático por um mundo melhor e uma mudança fundamental na Alemanha. Houve brigas nas ruas e nas cervejarias, bem como brigas entre grupos ocultos e políticos rivais.

Uma foto de 1939 mostra Adolf Hitler fazendo um discurso durante uma reunião com altos oficiais nazistas.

Os membros desses grupos não se opuseram a usar o terrorismo para atingir seus objetivos políticos e, para resumir o mais breve possível, os associados da Thule queriam reunir todas as forças anti-semitas na Alemanha em uma ação política vigorosa, legal (eleições) e ilegal. (pelo terrorismo).

O tema comum dos grupos ocultistas mais bem-sucedidos sempre foi o de manter visões econômicas de acordo com a política e os interesses das classes mais ricas. Ao fazer isso, ricos patronos e convertidos podem ajudar a financiar o movimento e dar-lhe um ar de legitimidade. Isso foi demonstrado violentamente quando Hitler traiu as tropas da SA – Sturmabteilung (Tropas de Assalto), que eram os alemães da classe trabalhadora que ajudaram Hitler em abrir seu caminho para a tomada do poder. A elite alemã e a cúpula da S.S. queriam se livrar desse exército proletário e, assim, durante a Noite das Facas Longas, a SA (ou camisas pardas) foi eliminada por Hitler e a elitista tropa das S.S.

Os escritores Dietrich Bronder (Bevor Hitler kam: Eine historische Studie) e ER Carmin (Guru Hitler) nomearam os principais membros da Sociedade (Gesellschaft) Thule da época e seus cargos como sendo:

01. Barão Rudolf von Sebottendorf, Grão-Mestre da Ordem
02. Guido von List, Mestre da Ordem
03. J Lan Lan von Liebenfels, Mestre da Ordem
04. Adolf Hitler, “Führer”, Chanceler Alemão
05. Rudolf Hess, Vice Führer e S.S. Obergruppenführer
06. Hermann Gö ring, Reichsmarschall e S.S. Obergruppenführer
07. Heinrich Himmler, Reichsführer S.S. e Reichsminister
08. Alfred Rosenberg, Reichsminister e NS-Reichsleiter
09. Hans Franck, Dr. hc, NS-Reichsleiter e Governador Geral da Polônia
10. Julius Streicher, SA-Obergruppenführer e Gauleiter de Franken
11. Karl Haushofer, Prof. Dr., Major-General ret.
12. Gottfried Feder, Prof. Dr., Secretário de Estado ret.
13. Dietrich Eckart, editor-chefe do jornal “Völkischer Beobachter”
14. Bernhard Stempfle, confessor e confidente de Hitler
15. Theo Morell, médico pessoal de Hitler
16. Franz Gurtner, presidente da polícia, Munique
17. Rudolf Steiner, fundador do ensino antroposófico
18. W. 0. Schumann, Prof. Dr. da Universidade Técnica de Munique
19. Trebisch-Lincoln, ocultista e viajante do Himalaia
20. Condessa Westrap

e muitos outros, talvez menos ilustres.

estatua-níquel-deus-tibete-nazismo

Uma estátua budista antiga, com uma suástica no peito, recuperada por uma expedição nazista ao Tibete em 1938 foi analisada por uma equipe de cientistas liderados pelo Dr. Elmar Buchner, do Instituto de Planetologia da Universidade de Stuttgart. A estatueta, cujo minério pertencia a um meteorito que caiu a cerca de 15 mil anos na zona da atual fronteira entre a Rússia e a Mongólia, é chamada de “Homem de Ferro” e representa o Deus Vaisravana. Acredita-se que ela faça parte da cultura Bon pré-budista que surgiu no século XI. Por muito tempo a estátua ficou em poder de um colecionador privado, até ser leiloada em 2007. FONTE

Enquanto a sociedade Thule se desvaneceu na história, suas idéias e a visão oculta do mundo não. Seu elitismo ariano, a criação de um III Reich (3º Império Alemão) é claro, fundia-se de maneira bastante conveniente com os interesses econômicos das classes altas alemãs. Eles eram veementemente anticomunistas por medo do confisco de riqueza que aconteceu na Rússia e porque sua ideologia oculta (baseada em magia negra) alegava que o comunismo era realmente uma “conspiração judaica”, eles se voltaram contra os judeus (dois povos sofrendo de um enorme complexo de superioridade, os “puros arianos” alemães nazistas eleitos pelos “deuses” lutando contra o “povo eleito” dos judeus).

É digno de nota aqui o fato de que Rudolf Hess estar com Hitler desde os primeiros dias. Ele foi preso com Hitler após o fracassado golpe da Beer Hall Putsch em Munique e ajudou Hitler a escrever seu livro Mein Kampf. Ele era um estudante ardente de astrologia e outras ciências ocultas. Ele assinou as leis de Nuremberg que severamente reduziram os direitos dos judeus na Alemanha. Ele foi o ajudante mais próximo do vice-Führer Rudolf Hess e de Hitler. Ele foi provavelmente um dos ocultistas mais ardentes do Terceiro Reich, com a possível exceção de Himmler, o líder das tropas S.S. Schutzstaffel.


AS RAÍZES “MÁGICAS” DO NAZISMO

A história: Tudo começou com a sociedade aristocrática de direita Thule Gesellschaft, pagã, anti-semita e fundada por um ex maçom e místico oriental chamado Barão Rudolf von Sebottendorff. Eles se encontravam todos os sábados no Hotel Four Season de Munique para discutir coisas como as runas (um antigo alfabeto nórdico dos vikings), evolução racial, mitologia nórdica e nacionalismo alemão. Registrado sob o nome “Thule Gesellschaft” como uma “sociedade literário-cultural”, a fim de enganar o Exército Vermelho comunista que então controlava Munique, esse grupo era originalmente conhecido como Germanenorden, ou a “Ordem Alemã do Santo Graal”.

O símbolo do SOL NEGRO, adorado pelos integrantes das S.S., a elite dos alemães nazistas. FONTE

Liebenfels havia fundado a “Ordem dos Novos Templários” neopagã, que acenava com a Sswastika, no dia de Natal de 1907, seguindo linhas ideológicas semelhantes. Nesse mesmo ano, o pesquisador oculto Guido von List iniciou a The List Society, parte de um movimento “völkish” (folclórico) então em desenvolvimento, exaltando as virtudes da herança nórdica, herança que pode ser rastreada pela leitura dos Eddas, uma compilação de lendas vikings da Noruega em que Hitler se interessaria mais tarde. O próprio movimento völkish foi baseado em parte nas idéias de Madame Helena Petrovna Blavatsky, fundadora da Sociedade Teosófica famosa por seus livros Isis Unveiled e The Secret Doctrine.

Ela escreveu que a humanidade era descendente de uma série de raças imperfeitas que outrora governaram a Terra e que todas tinham uma origem atlante comum que remonta a milhões de anos, culminando na raça ariana, que em algum momento possuía poderes sobrenaturais, mas desde então os perdera. Ela também romantizou sobre o significado oculto da Suástica, de Lúcifer, “O Portador da Luz” e de uma cabala de “Mestres Escondidos” espirituais chamados Grande Fraternidade Branca, que guiaram a evolução humana desde sua morada no Himalaia e que Blavatsky pretendia canalizar durante seus muitos transes auto-induzidos.

Os Germanenorden tinham uma série impressionante de rituais iniciáticos, repletos de cavaleiros de armaduras brilhantes, reis sábios, bardos místicos e ninfas da floresta, incluindo um programa de sigilo, iniciação e cooperação mútua ao estilo maçônico. Mas eles não estavam copiando os aspectos ideológicos da Maçonaria. O que os Germanenorden se tornaram foi, essencialmente, uma anti-Maçonaria: uma sociedade de estilo maçônico dedicada à erradicação da própria Maçonaria. Seu símbolo era uma suástica no topo de uma longa adaga, e suas crenças foram influenciadas em grande parte pelos escritos de Guido von List e Lanz von Liebenfels.

E a filosofia de List e Liebenfels levou isso um pouco mais longe, na medida em que a raça ariana era a única humanidade “verdadeira” eleita até mesmo por uma deusa (Isais) e que os (também um povo “escolhido”) judeus, juntamente com uma série de outros indesejáveis, ou “minderwertigen” (“seres inferiores”) estavam minando a raça de sua força e pureza através da maquinação do catolicismo, da Maçonaria, do capitalismo e do comunismo. 

Eles acreditavam que a raça ariana tinha vindo de um lugar chamado Thule, perto do pólo norte, onde havia uma entrada para uma vasta área subterrânea povoada por gigantes (o reino de Agharta). Entre os cultos völkish, acreditava-se que – assim que os alemães purificassem o planeta da poluição das raças inferiores – esses Mestres Ocultos, esses Super-homens de Thule, se dariam a conhecer, e o elo que havia sido perdido entre o Homem e Deus seria forjado de novo.

Essas eram as crenças dos membros da Thule Gesellschaft, quando se conheceram em 9 de novembro de 1918, para discutir algo de preocupação imediata; o controle judeu comunista de Munique. Após um discurso empolgante de Sebottendorf, a Sociedade Thule começou a se preparar para uma contra-revolução, armazenando armas e formando alianças com outros grupos de idéias semelhantes, como os pan-alemães, o German School Bund e o Hammerbund.

No ano seguinte, em 7 de abril, uma República Soviética da Baviera foi proclamada em Munique, fazendo com que o Primeiro Ministro da Baviera fugisse para Bamberg, a fim de impedir uma total tomada comunista do governo.  Seis dias depois, o Domingo de Ramos organizado pela Thule Putsch não conseguiu superar os comunistas em Munique, e agora os membros da Thule estavam na lista dos Mais Procurados do Exército Vermelho. Sebottendorf se ocupou em organizar um exército de Freikorps (Exército livre) para contra-atacar. (Uma das unidades da Freikorps, a Brigada Ehrhardt, mais tarde tornou-se parte do exército alemão e, eventualmente, parte da S.S.)

Em 26 de abril, o Exército Vermelho invadiu a sede da Thule e começou a fazer prisões, incluindo o nobre e bem conectado Principe von Thurn und Taxis. Em 30 de abril, Walpurgisnacht, eles foram executados no pátio da Luitpold High School. No dia seguinte, seus obituários foram publicados no jornal de Sebottendorf, Münchener Beobachter (que evoluiria um ano depois para a publicação oficial nazista Völkischer Beobachter)

Os cidadãos de Munique ficaram indignados e apavorados.

A Sociedade Thule organizou uma rebelião cidadã, à qual as tropas Freikorps juntou-se a 20.000 membros, e eles marcharam juntos “sob uma bandeira da suástica, com as suásticas pintadas em seus capacetes, cantando um hino da suástica”. Em 3 de maio, após muito derramamento de sangue e destruição, os comunistas em Munique foram derrotados. Mas havia muito trabalho a ser feito. A ameaça soviética ainda era muito real.

Com a ajuda da polícia e das forças armadas locais, a Sociedade Thule começou a organizar uma revolta nacional em maior escala, usando conexões com sociedades de intelectuais ricos. Eles também começaram a recrutar entre a classe trabalhadora alemã, formando um grupo chamado Partido dos Trabalhadores Alemães, que se reunia regularmente em cervejarias para discutir a ameaça de judeus, comunistas e maçons. Mais tarde, esse grupo se tornaria o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – O Partido Nazista, e em novembro de 1923, eles tentariam um golpe para tomada do poder nacional, o fracassado Beer Hall Putsch, liderado por um homem que havia sido originalmente enviado pelo Exército alemão para espioná-los, isto mesmo – Adolf Hitler.

Todos sabemos o que o partido nazista realizou. O que a maioria das pessoas não sabe é até que ponto essas ações foram inspiradas pelas crenças ocultas de seus autores. Os objetivos mais extremos da Sociedade Thule acabariam se tornando uma política oficial de governo totalitário do Terceiro Reich, enquanto suas características puramente metafísicas e ocultas eram adotadas de todo o coração pela própria organização da S.S. Schutzstaffel

Hitler, fascinado pelo ocultismo (ele mesmo um mago negro da pior espécie, cuja alma encarnada em vidas anteriores já havia feito muito estrago). Enquanto estudante, começou a ler a revista de Von Liebenfels,”Ostara“.  Mais cedo, em 1909, enquanto ele vivia na pobreza em um dormitório masculino e vendia suas pinturas nas ruas, Hitler encontrou Liebenfels em seu escritório, parecendo “tão perturbado e empobrecido que o próprio Novo Templário deu a Hitler cópias gratuitas de Ostara a Hitler e o dinheiro do ônibus para voltar para casa”.

O amigo de Hitler, Josef Greiner, lembra em suas memórias como o jovem Adolf Hitler estava obcecado com astrologia, religião, ocultismo, magia e ioga. Hitler amava a obra de Richard Wagner, como sabemos, especialmente  Der Ring des Nibelungen, Parsifal, Lohengrin e Rienzi. Foi de Wagner que Hitler ganhou sua afinidade com a cavalaria, e a busca pelo Santo Graal, mas um Graal pagão, um Graal teutônico e germânico. 

hitler-spear-of-destiny

A Lança do Destino, do legionário Longinus: “Há uma lenda ligada a esta lança que diz que quem a possuir e decifrar os seus segredos terá o destino do mundo em suas mãos, para o bem ou para o mal.”  FONTE

Em 1915, Hitler estava na primeira grande guerra e, enquanto estava nas trincheiras, escreveu um poema, que “canta louvores a Wotan, o Deus Pai Teutônico, e as letras rúnicas, feitiços e fórmulas mágicas”. Portanto, não há dúvida de que o interesse de Hitler no ocultismo e no paganismo nórdico foi profundo. No entanto, há dúvidas sobre se Hitler realmente realizou alguma operação mágica. Isso não era de sua natureza, que era uma natureza muito mais inclinada à ação, fazendo coisas, realizando coisas aqui na Terra, na 3ª dimensão. Ele não tinha tempo e paciência necessários para empreendimentos espirituais reais. Hitler era paranoico, senão louco e o ocultismo possui atrações especiais para os paranoicos. Mas Hitler como um ocultista?  Todo vestido de preto, sacerdote de Satanás que realiza rituais e canta invocações? Provavelmente não.

Mas Hitler como uma ferramenta de outros ocultistas e dos próprios seres das trevas? Certamente sim.

De fato, várias pessoas profundamente envolvidas no ocultismo e magia negra teriam grande influência sobre ele e desempenhariam papéis essenciais no desenvolvimento do Terceiro Reich. Seria bom examiná-los um por um:


Dietrich EckartHitler, enquanto trabalhava como líder do Partido dos Trabalhadores na Alemanha, tornou-se amigo de Thulist Dietrich Eckart, que publicou um jornal chamado Auf Gut Deutsch (em alemão), que classifica o Völkischer Beobachter como um jornal racista com pretensões intelectuais. Eckart teve um tremendo efeito sobre Hitler, e foi ele quem apresentou a Hitler pela primeira vez a todas as pessoas ricas e poderosas de que ele precisava, possibilitando iniciar sua cruzada rumo à tomada do poder, incluindo Henry Ford, que mais tarde contribuiu com “apoio financeiro vital” ao partido nazista. Com Eckart, Hitler aprendeu muito sobre as ciências esotéricas, e diz-se que eles ocasionalmente assistiam a sessões espíritas e conversavam com fantasmas. Eckart, que morreu após o Beer Hall Putsch em Munique, é citado como tendo dito: “Hitler vai dançar, mas sou eu quem toca a música”.

Alfred Rosenberg: O protetor de Eckart, e logo Hitler também o seria, Rosenberg, um homem que mais tarde se tornaria um dos arquitetos das políticas nazistas oficiais. Uma dessas políticas era que todos os templos maçônicos em todos os territórios ocupados pelos nazistas deviam ser invadidos e os bens enviados de volta ao próprio Rosenberg. Isso foi feito por Franz Six e Otto Ohlendorf, ambos ocultistas. Rosenberg também era amigo de outro ocultista chamado Walther Darré, que se tornou ministro da Agricultura do Terceiro Reich. Juntos, eles percorreram o país reunindo apoio a uma religião oficial do estado baseada no culto aos deuses antigos, uma religião que incluía a purificação da raça ariana de elementos que estavam no processo de poluir e diluir a força de seu sangue.

Erik Jan Hanussen: Em 1932, depois que seu partido nazista perdeu muito terreno no Reichstag e sua amante Eva Braun tentou se matar na noite de Halloween, Hitler se voltou para seu amigo Erik Jan Hanussen, um conhecido astrólogo e ocultista que conhecera em 1926. Hanusen deveria ter ensinado a Hitler uma série de gestos exagerados para usar ao falar em público, que poderiam ser vistos e entendidos de longe, e que comunicariam uma mensagem através da linguagem corporal, mesmo que uma pessoa não pudesse ouvir o que ele estava dizendo. Erik Hanussen nunca havia lido as estrelas de Hitler antes, mas nessa ocasião, em 1932, a pedido, ele elaborou um mapa astrológico para o futuro Führer, e disse a Hitler que seus problemas se originavam de uma maldição que alguém lhe lançara. Além disso, ele disse que a única maneira de se livrar disso era alguém ir ao quintal de um açougue localizado na cidade natal de Hitler – à meia-noite na lua cheia – e puxar uma mandrágora para fora do terreno.

Erik Jan Hanussen (centro) conduzindo uma sessão espírita” iluminada”

Para quem não sabe, uma mandrágora é uma raiz “em forma de homem” com supostas propriedades medicinais que, segundo o folclore europeu, emitem um grito de arrepiar os ouvidos ao serem arrancadas do solo. Em algum momento, um cão seria enviado em uma missão suicida para puxar a raiz, enquanto o mago tapava seus próprios ouvidos.

Hanussen realizou o ritual ele mesmo e, em 1º de janeiro de 1933, chegou a Hitler prevendo que ele retornaria ao poder no dia 30 daquele mês, data aproximadamente equivalente ao sabá pagão de Oimelc. Obviamente, como é conhecido na história, foi exatamente isso que aconteceu. Algumas semanas depois, durante uma sessão realizada em 26 de fevereiro, Hanussen previu que os comunistas tentariam outra revolução na Alemanha, que começaria incendiando um importante edifício do governo. No dia seguinte, o Reichstag estava em chamas e Hitler teve toda a desculpa de que precisava para ir de chanceler da Alemanha a Führer do Terceiro Reich. Seis semanas depois, Hanussen foi misteriosamente assassinado.

Wilhelm Gutberlet: Havia também outro astrólogo, um acionista do jornal Völkischer Beobachter que era amigo íntimo de Hitler desde os dias do Partido dos Trabalhadores Alemães em 1919. Nas memórias de Walter Schellenberg, ele é descrito como “um médico de Munique que pertencia ao círculo íntimo em torno de Hitler”.  Gutberlet acreditava no “pêndulo sideral”, uma engenhoca astrológica, e afirmava que isso lhe dera o poder de sentir ao mesmo tempo a presença de qualquer judeu ou pessoa de ascendência judaica parcial, e apontá-los em qualquer grupo de pessoas. Hitler se valeu do poder místico de Gutberlet e teve muitas discussões com ele sobre questões raciais.

Rudolf Hess: Amigo de Hitler desde o início, ele fora preso no fracassado golpe Beer Hall Putsch em Munique, em 1923 e transcrevera o livro “Mein Kampf” de Hitler (originalmente intitulado Quatro anos e meio de luta contra mentiras, estupidez e covardia) enquanto ambos estavam na prisão. Mais tarde, ele se tornou o segundo Führer de Hitler. Ele era um “íntimo” da Sociedade Thule e estava na trilha do ocultismo. 

Rudolf Walter Richard Hess era um ocultista e político alemão e um dos principais membros do Partido Nazista da Alemanha. Nomeado Vice Führer para Adolf Hitler em 1933 Hess serviu nessa posição até 1941, quando voou sozinho para a Escócia, na tentativa de negociar a paz com o Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial e ficou preso até sua morte.

Hess apresentou Hitler a um de seus professores, Karl Haushofter, um homem interessado em astrologia que reivindicou a clarividência. Haushoffer mais tarde chegou a exercer um poder considerável na Alemanha, fundando a Deutsche Akadamie e chefiando o Instituto Geopolitik da Universidade de Munique – “Uma espécie de agência de inteligência e de informações”, de acordo com Levenda. Ele foi vital na formação das alianças nazistas com o Japão e a América do Sul e foi responsável pela adoção da política Lebensraum (“Espaço Vital” para a raça “pura” ariana evoluir), que afirmava que “uma nação soberana, para garantir a sobrevivência de seu povo, tinha o direito de anexar o território de outras nações soberanas para alimentar e abrigar a si próprio.

Himmler e os membros da nefasta e negra S.S.: O acrônimo S.S. (para consumo externo SchutzStaffel-Esquadrão de Proteção, mas  cujo significado real era SCHWARZE SONNE – SOL NEGRO, um astro invasor, uma estrela Anã Marron [ Brown Dwarf ] a quem os membros das S.S. prestavam culto secretamente…) foi originalmente formado como guarda-costas pessoal de Hitler, e numerava cerca de 300 indivíduos quando Heinrich Himmler se juntou ao grupo. 

O Obergruppenführersaal (Salão dos Generais da S.S.) no castelo de Wewelsburg com o SOL NEGRO (Schwarze Sonne-S.S.) em destaque em seu piso.

Mas quando ele subiu à liderança em 1929, as coisas mudaram um pouco.  Quatro anos depois, o número de membros subiu para 52.000. Ele estabeleceu a sede em um castelo medieval chamado Wewelsburg, onde sua ordem interior secreta se reunia uma vez por ano. De acordo com as memórias de Walther Schellenberg:

Cada membro tinha sua própria poltrona com uma placa de prata gravada e cada um tinha que se dedicar a um ritual de exercícios espirituais voltados principalmente para a concentração mental. O ponto focal do Castelo Wewelsburg, evidentemente devido à lenda do rei Arthur e dos Cavaleiros da Távola Redonda, era um grande salão de jantar com uma mesa de carvalho para acomodar doze pessoas escolhidas pelos Gruppenführers mais antigos. As paredes deveriam ser adornadas com seus brasões.

Debaixo desse refeitório, havia um chamado “reino dos mortos”, um poço circular no qual esses brasões seriam queimados e as cinzas adoradas após a morte do “cavaleiro”. (Há histórias de Himmler usando os chefes decepados dos oficiais da S.S. falecidos para se comunicar com os mestres ascensos). Além disso, cada cavaleiro tinha seu próprio quarto, “decorado de acordo com um dos grandes ancestrais da majestade ariana”. O quarto de Himmler era dedicado a um rei saxão Henrique, o Fowler, com quem o seu fantasma às vezes conversava com Himmler.

Fora da ordem interna e mais secreta, os oficiais da S.S. foram desencorajados a participar de cerimônias católicas, incluindo casamentos e batizados, e celebraram o Solstício de Inverno (21 de dezembro) em vez do Natal. O dia tradicional da troca de presentes foi mudado para o dia da celebração do solstício de verão (21 de junho). Essas cerimônias estavam repletas de fogos sagrados, procissões iluminadas por tochas e invocações de divindades teutônicas, todas executadas por arquivos de jovens super-homens arianos de cabelos loiros e olhos azuis. Embora Himmler admirasse a natureza cerimonial do catolicismo e modelasse a S.S. parcialmente na Ordem dos Jesuítas, ele também desprezava o cristianismo pelo que considerava sua natureza fraca e masoquista. Ele ressentiu-se ainda mais por causa da perseguição às bruxas alemãs durante a Inquisição levada à efeito pela igreja romana.

Himmler, junto com Richard Darré, foi responsável por absorver a Sociedade Ahnenerbe “uma espécie de escola de seminário e ensino para os futuros líderes do Reich dos Mil Anos”, na S.S.. A Ahenenerbe era dedicada a alguns estudos völkish estranhos, cada um dos quais uma subdivisão dedicada a ele: Celtic Studies, Externsteine ​​(perto de Wewelsburg), onde a árvore do mundo Yggdrasil deveria residir, pesquisa da cultura nórdica viking; pesquisa tibetana, estudos rúnicos; uma nova e estranha reviravolta na física chamada “World Ice Theory”, uma pesquisa arqueológica em um esforço para encontrar evidências da presença ariana passada em locais remotos em todo o mundo, como a América do Sul, dando origem a histórias de “arianos descobertos na América”.

Outra teoria proposta por Himmler era que os bebês que haviam sido concebidos em cemitérios herdariam os espíritos de quem estava enterrado lá, e na verdade publicavam listas de cemitérios que eram bons para procriar por causa dos heróis teutônicos que ali descansavam. Himmler era obcecado pelo conceito do Santo Graal e contratou pesquisadores para tentar provar que o Graal era realmente um artefato pagão nórdico.

A ofensiva em Ocultismo dos aliados: Himler estava obcecado com a idéia de que a Inteligência Britânica estava sendo dirigida pela ordem rosacruz e que os adeptos do ocultismo estavam encarregados do MI5. Se isso era verdade ou não, os alemães certamente não foram os únicos participantes na guerra usando o poder da magia em seu proveito. Levenda fornece os detalhes de um “Contra-ataque ao Oculto” organizado pelas agências de inteligência dos EUA e da Grã-Bretanha, um esforço centrado no “homem mais “negro” (um mago negro) do mundo”, a Grande Besta 666, Aleister Crowley.

Crowley foi morar em Nova York durante a Primeira Guerra Mundial, depois de ter sido rejeitado pelo serviço militar pelo governo britânico e começou a escrever “propaganda pró-alemã” para uma revista chamada The Fatherland , publicada por George Viereck. Crowley assumiu o cargo de editor. Mais tarde, ele alegou que estava realmente trabalhando para a Inteligência Britânica, porque seus artigos eram tão estranhos que a revista foi reduzida ao absurdo, uma caricatura de séria discussão política, que ajudaria os britânicos a causar mais do que prejudicá-lo.

Existem evidências que sugerem que Crowley estava trabalhando para o MI5 durante esse período, espionando seu colega iniciado da Ordo Templi Orientis (O.T.O.) (‘Order of the Temple of the East’ or ‘Order of Oriental Templars’), Karl Germer, um agente de inteligência alemão, então talvez sua desculpa para trabalhar para The Fatherland seja boa. Seja qual for o caso, ele foi definitivamente contratado pelo MI5 durante a Segunda Guerra Mundial.

Crowley tornou-se amigo do autor Dennis Wheatley, conhecido por vários livros de ficção e não ficção baseados no ocultismo que já haviam trabalhado para a equipe de planejamento conjunto de Winston Churchill. Ele fora apresentado a Crowley por um jornalista chamado Tom Driberg, que mais tarde se tornaria espião do MI5 e que passaria a possuir os diários de Crowley logo após sua morte em 1947. Wheatley também apresentou Crowley a outro agente do MI5, Maxwell Knight.

Knight era a verdadeira figura histórica por trás do personagem fictício “M” em todos os romances de James Bond, escritos pelo amigo de Knight no Departamento de Inteligência Naval, Ian Fleming. Crowley encontrou Knight para jantar na casa de Wheatley, e foi lá que Crowley concordou em levá-los como estudantes de magia. Mais tarde, Ian Fleming inventou uma maneira de usar a experiência de Crowley em um esquema contra os alemães.

O esquema envolvia uma organização anglo-alemã conhecida como “The Link”, uma suposta “sociedade cultural”, que esteve sob a liderança de Sir Barry Domville, diretor de inteligência naval de 1927 a 1930. O Link foi investigado por Maxwell Knight. na década de 1930, devido ao seu envolvimento nas operações de espionagem alemãs, e logo foi dissolvido depois que muitas evidências incriminatórias foram encontradas.

Wewelsburg é um castelo renascentista localizado na aldeia de Wewelsburg. O castelo tem um layout triangular – três torres redondas conectadas por paredes maciças. Depois de 1934, foi usado como sede principal pela S.S. sob Heinrich Himmler, e deveria ser expandido em um complexo que .serviria como o local central de culto para os altos iniciados das S.S. FONTE

Como Levenda descreve, Fleming “pensava que os nazistas podiam acreditar que o The Link ainda existia, eles poderiam usá-lo como isca para a liderança nazista. O objetivo era convencer os nazistas de que o The Link tinha influência suficiente para derrubar o governo Churchill e, assim, instalar um governo britânico mais flexível, que negociaria com prazer uma paz separada com Hitler “.

A sugestão veio na forma de falsos conselhos astrológicos transmitidos ao ingênuo Rudolf Hess, que já estava iludido de que apenas ele poderia convencer os britânicos a fazer a paz com a Alemanha, e que era seu destino fazê-lo. Um de seus astrólogos, Ernst Schulte-Strathaus, sob o emprego britânico, incentivou Hess a tornar sua missão na Inglaterra em 10 de maio de 1941 uma data significativa por causa de uma rara conjunção de seis planetas no signo de Touro. O duque de Hamilton também foi convocado para avisar Hess que ficaria feliz em entretê-lo, caso planejasse continuar com esse esforço. Assim, Hess, um piloto treinado, embarcou em um vôo solo bastante perigoso para as Ilhas Britânicas, saltando de paraquedas na Escócia vestido com vários símbolos ocultos, onde foi imediatamente preso pelos britânicos em espera.

Fleming tentou obter permissão para Crowley interrogar Hess, a fim de desenvolver informações sobre a cena oculta no Terceiro Reich e, em particular, a liderança nazista. Mas essa permissão foi negada, e Hess passou o resto de seus dias na prisão não sendo muito útil para ninguém. O que poderia ter sido um grande golpe de propaganda contra os nazistas foi totalmente desperdiçado, como se por um acordo tácito de ambos os lados.

Após a prisão de Hess, Hitler o denunciou como um louco enfurecido e começou a perseguir astrólogos e ocultistas em seus próprios domínios mais do que nunca. Crowley continuou tentando ajudar a causa aliada, mas a maioria de suas idéias foi rejeitada.

Uma, no entanto, embora tenha sido recusada inicialmente, foi implementada posteriormente. Isso envolveu o lançamento de panfletos ocultos no interior da Alemanha, que previam um resultado terrível para a guerra e descreviam a liderança nazista como satânica. Uma falsificação de uma popular revista astrológica alemã chamada  Zenit foi criada e lançada nos campos de batalha inimigos. Foi definido para distribuição em larga escala, mas a entrega foi interceptada pela Gestapo antes de ser concluída.

Além de Crowley, havia outros ocultistas envolvidos na luta contra o Terceiro Reich. Um dos protegidos de Crowley, Jack Parsons, chefe da Loja Agapé OTO na Califórnia e membro fundador do Cal-Tech e do JPL-Laboratório de propulsão a jato, inventou o propulsor de foguetes “Greek Fire”, amplamente utilizado pelo Marinha dos Estados Unidos entre 1944 e 1945. Era uma solução que só poderia vir de alguém com um conhecimento prático do conhecimento arcano da alquimia e da magia.

[Parsons mais tarde se matou em um acidente envolvendo fulminato de mercúrio. Ele ficou louco e se proclamou o Anticristo depois de se envolver com um “Frater H”, que na verdade era um espião enviado pela Inteligência Naval para se infiltrar na OTO. O nome desse espião era L. Ron Hubbard, que depois fundaria a Igreja da Cientologia !]

Havia também um iniciado da Aurora Dourada chamado Sam Untermyer, advogado e filantropo rico que já foi chamado de “satanista” por um jornal britânico. Untermyer iniciou a “Liga Anti-Nazista Não-Sectária para Defender os Direitos Humanos” e o “Conselho Anti-Nazista Mundial”, que promoveram o boicote aos produtos alemães. Ele também doou dinheiro para a caça de agentes nazistas que chegavam a Nova York. E com a ajuda de um homem chamado Richard Rollins, ele fundou uma sociedade secreta chamada “Conselho”, que se engajava em contra-espionagem contra grupos nazistas que estavam recrutando nos Estados Unidos.

A Segunda Guerra Mundial foi uma guerra do ocultismo, da magia negra, e uma “guerra santa”, uma guerra na qual os dois lados se consideram “combatendo as forças do mal”. Foi uma guerra operada nos bastidores por adeptos místicos, magos negros da pior espécie, usando seu conhecimento esotérico de simbolismo, astrologia, meditação, viagens astrais, clarividência, contato com seres de outros planos e controle da mente contra o inimigo.

Uma guerra inspirada em crenças milenares do passado dos deuses anciões da Europa, do Tibete, dos Vikings, dos Sumérios… et caterva, foi, principalmente uma guerra travada em planos mais sutis entre as forças da Luz contra as forças das trevas, sendo que as principais figuras humanas que participaram destes eventos foram apenas “canais” para que esta batalha se materializasse na superfície do planeta… Infelizmente esta batalha ainda continua e brevemente veremos, novamente, se manifestar em nossa “realidade”, para sua CONCLUSÃO FINAL


“Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”.  –  Mateus 24:10-13


“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum” – Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.

“A exposição à verdade muda a tua vida, ponto final – seja essa verdade uma revelação sobre a honestidade e integridade pessoal ou se for uma revelação divina que reestrutura o teu lugar no Universo. Por esse motivo é que a maioria (a massa ignorante do Pão e Circo) das pessoas foge da verdade, em vez de se aproximar dela”.  {Caroline Myss}


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

 

 

 

One Response to As raízes Ocultistas (Magia Negra) do Nazismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.