Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Sul Global cria um novo Sistema de Pagamento Internacional Revolucionário    

E no HOSPÍCIO ocidental . . .

A União Econômica da Eurásia (EAEU) está acelerando o projeto de um sistema de pagamento comum, que foi discutido de perto por quase um ano com os chineses sob a direção dO russo Sergey Glazyev, o ministro da EAEU responsável pela Integração e Macroeconomia. Por meio de seu órgão regulador, a Comissão Econômica da Eurásia (CEE), a EAEU acaba de estender uma proposta muito séria às nações do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que, crucialmente, já caminham para se tornarem  BRICS+: uma espécie de G20 do Sul Global.

O Sul Global cria um novo Sistema de Pagamento Internacional Revolucionário    

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

O sistema incluirá um único cartão de pagamento – em concorrência direta com Visa e Mastercard – fundindo os já existentes MIR da Rússia, UnionPay da China, RuPay da Índia, Elo do Brasil e outras.

Isso representará um desafio direto ao sistema monetário projetado (e aplicado) pelo Ocidente, de frente. E vem logo após os membros do BRICS já realizarem suas transações comerciais bilaterais em moedas locais, contornando o dólar americano. Esta união EAEU-BRICS estava em construção há muito tempo – e agora também avançará para prefigurar uma nova fusão geoeconômica com os países membros da Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

A EAEU foi estabelecida em 2015 como uma união aduaneira da Rússia, Cazaquistão e Bielorrússia, a que se juntaram um ano depois a Armênia e o Quirguistão. O Vietnã já é um parceiro de livre comércio da EAEU, e recentemente consagrado membro da SCO, o Irã também está fechando um acordo.

A EAEU foi projetada para implementar a livre circulação de bens, serviços, capital e trabalhadores entre os países membros. A Ucrânia teria sido um membro da EAEU se não fosse pelo golpe de Maidan em 2014 arquitetado pelo governo de Barack Obama e executado pela CIA.

Vladimir Kovalyov, assessor do presidente da CEE, resumiu tudo ao jornal russo Izvestia. O foco é estabelecer um mercado financeiro conjunto, e a prioridade é desenvolver um “espaço de troca” comum: “Fizemos progressos substanciais e agora o trabalho está focado em setores como bancos, seguros e bolsa de valores”.

Um novo órgão regulador para o proposto sistema financeiro conjunto EAEU-BRICS será estabelecido em breve. Enquanto isso, a cooperação comercial e econômica entre a EAEU e os BRICS aumentou 1,5 vez apenas no primeiro semestre de 2022.

A participação do BRICS no volume total de comércio externo da EAEU atingiu 30%, revelou Kovalyov no Fórum Internacional de Negócios do BRICS na última segunda-feira em Moscou:

“É aconselhável combinar os potenciais das instituições de desenvolvimento macrofinanceiro dos BRICS e da EAEU, em particular o Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), bem como as instituições nacionais de desenvolvimento. Isso permitirá obter um efeito sinérgico e garantir investimentos síncronos em infraestrutura sustentável, produção inovadora e fontes de energia renováveis”.

Aqui, mais uma vez, vemos o avanço da convergência não apenas dos BRICS e da EAEU, mas também das instituições financeiras profundamente envolvidas em projetos sob as Novas Rotas da Seda lideradas pela China, ou Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI).

Interrompendo a Era da Pilhagem

Como se tudo isso não mudasse o jogo o suficiente, o presidente russo, Vladimir Putin, está aumentando as apostas ao pedir um novo sistema de pagamento internacional baseado em blockchain e moedas digitais. O projeto desse sistema foi apresentado recentemente no 1º Fórum Econômico da Eurásia em Bishkek.

No fórum, a EAEU aprovou um projeto de acordo sobre colocação e circulação transfronteiriça de valores mobiliários nos estados membros e regulamentos técnicos alterados.

O próximo grande passo é organizar a agenda de uma reunião crucial do Conselho Econômico Supremo da Eurásia em 14 de dezembro em Moscou. Putin estará lá – pessoalmente. E não há nada que ele adoraria mais do que fazer um anúncio que mudaria o jogo.

Todos esses movimentos adquirem ainda mais importância à medida que se conectam ao comércio crescente e interligado entre Rússia, China, Índia e Irã: desde o esforço da Rússia para construir novos oleodutos que atendem ao mercado chinês – até a Rússia, Cazaquistão e Uzbequistão discutindo uma união de gás tanto para o abastecimento interno quanto para as exportações, principalmente para o seu principal cliente, a China.

Lenta mas seguramente, o que está surgindo é o Grande Quadro de um mundo irremediavelmente fraturado com um sistema dual de comércio/circulação: um girará em torno dos remanescentes do sistema do dólar, o outro está sendo construído centrado na associação de BRICS, EAEU, e SCO.

Avançando ainda mais na estrada, a recente metáfora patética cunhada por um chefete eurocrata espalhafatoso: a “selva” [3º mundo] está se separando do “jardim” [Europa] com força total. Que a fratura persista, pois um novo sistema de pagamento internacional – e depois uma nova moeda – terá como objetivo interromper para sempre a Era da Pilhagem centrada no ocidente.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 respostas

  1. Isso não é somente bom !
    Pode ser usado como instrumento de controle centralizado…
    Eu estudo intensamente sobre blockchain e pretendo transitar fora desses sistemas monopolitas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *