browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O “Vaticano” da Ordem dos Cavaleiros Templários, em Portugal ?

Posted by on 31/07/2021

Escondida à vista de um castelo templário inscrito pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, esta pequena igreja pode ser apenas um dos mais importantes – se esquecido – refúgio da misteriosa e poderosa Ordem dos Cavaleiros Templários em Portugal. Durante quase 900 anos, as torres elevadas e as muralhas da cidadela do Convento de Cristo, no topo da colina, guardaram a sonolenta cidade de Tomar, no centro de Portugal.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O “Vaticano” da Ordem dos Cavaleiros Templários em Portugal ?

Fonte:  BBCTravel-PORTUGAL

Construída em 1160 como quartel-general do misterioso exército católico dos Cavaleiros Templários que [pseudamente] servia ao Papa, esta ampla fortaleza românica, gótica e barroca inscrita pela Unesco serviu como uma peça central adequada do poder dos Templários em Portugal durante 400 anos.

 Mas se você olhar para baixo das altas muralhas do convento e procurar fora das muralhas da cidade por uma pequena igreja do outro lado do rio Nabão, você encontrará um dos mais importantes – se esquecido – sítios templários do mundo: a Igreja de Santa Maria do Olival .

O Convento de Cristo (século XII – século XVIII) é a denominação atribuída a um conjunto de edificações históricas situado na freguesia de São João Baptista, cidade de Tomar, Portugal. O início da sua construção remonta a 1160 e está intimamente ligado aos primórdios do Reino de Portugal e ao papel então desempenhado pela Ordem dos Cavaleiros Templários, onde tinha a sua sede portuguesa, tendo subsequentemente sido reconfigurado e expandido pela sua herdeira Ordem de Cristo.

Anterior ao castelo, esta raramente visitada igreja gótica foi construída a mando do cruzado e cavaleiro templário Gualdim Pais [foi o quarto Grão Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários em Portugal] para servir de panteão sagrado para a Ordem dos Cavaleiros Templários.

Além de se tornar um local importante para os ritos sagrados nos subterrâneos de iniciação dos Templários ao longo dos séculos, a igreja também guarda os restos mortais de alguns dos cavaleiros mais famosos de Portugal – incluindo o próprio Gualdim Pais.

E porque os Cavaleiros Templários de Tomar ajudaram a lançar a expansão marítima de Portugal no século 15, liderada por Henrique, o Navegador (um conhecido cavaleiro Templário), esta modesta igreja de pedra tornou-se o centro espiritual de todas as igrejas portuguesas construídas no exterior – levando alguns a declará-la o “Vaticano” dos Cavaleiros Templários.

Hoje, desde a estrela de cinco pontas acima da entrada principal ao fato de a própria igreja ser construída abaixo do solo, este Monumento Nacional Português permanece codificado com o simbolismo Templário oculto. Há rumores de que um sistema labiríntico de túneis conecta o castelo no topo da colina com a igreja, a cerca de 1,5 km de distância.

O Castelo de Tomar era constituído por uma cintura de muralhas e estava dividido em três espaços. Na parte sul situava-se o recinto da vila (onde hoje se encontra o laranjal). Na parte mais elevada da colina, a norte, foi estabelecida a casa militar dos Templários, ladeada pela casa do Mestre (a Alcáçova; em ruinas), com a sua torre de menagem e, a poente, o oratório dos cavaleiros templários (a Charola). Separava estes dois recintos o vasto terreiro do castelo, hoje um espaço ajardinado.

Esses túneis subterrâneos ajudaram até mesmo os templários locais a escapar de um cerco mouro em 1190. Atualmente, muitas das câmaras secretas que Gualdim Pais e os cavaleiros usaram para escapar de seus invasores ainda são visíveis nas florestas que cercam o castelo no topo da colina.

Mysteries of the Knights Templar da BBC Travel rastreia os locais secretos e cerimônias misteriosas do que já foi uma das organizações mais poderosas e ricas da Europa, a Ordem dos Cavaleiros Templários. 


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to O “Vaticano” da Ordem dos Cavaleiros Templários, em Portugal ?

  1. jedu

    Ao longo do tempo, as interpretações distorcidas provocam mais confusões nas mentes despreparadas. Obrigado e parabéns pelo texto trazido até nós.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.