Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O WEF não é uma ‘Cabala’, é uma seita para o Domínio Global de Lúcifer

“Este livro explora uma nova e estranha espiritualidade prestes a entrar em competição com outras religiões estabelecidas. Meu propósito aqui é convencê-lo de que seu surgimento é provável, se não inevitável. Começo esta exploração com uma suposição não comprovada baseada nos princípios evolutivos darwinianos: um novo predador aparecerá em nosso planeta, um protótipo evolutivo projetado para caçar seres humanos. Segue-se outra suposição: esse predador evoluirá gradual e incrementalmente da própria humanidade, assim como aparentemente evoluímos de formas inferiores para predá-los.

O WEF não é uma ‘Cabala’, é uma seita para o Domínio Global de Lúcifer

Fonte: BombThrower.com

Uma suposição adicional sugere que esses predadores já apareceram como protótipos evolutivos, como novos humanos com métodos avançados de sobrevivência e novas formas de expressão espiritual e organização religiosa projetadas para apoiar e promover sua predação”. — Robert C Tucker, An Age For Lucifer: Predatory Spirituality & The Quest for Godhood

Robert C. Tucker foi um psicólogo canadense que trabalhava para uma organização chamada COMA – Council On Mind Abuse (não confundir Tucker com seu homônimo, um cientista político americano que cobriu a União Soviética e escreveu uma biografia de Stalin).

Nosso Tucker trabalhou com “sobreviventes adultos e crianças vítimas de abuso ritual satanista e passou um tempo entrevistando autodenominados “satanistas”. Seu livro foi mais um experimento mental, que tentou identificar uma ideia impulsionadora por trás  da ideologia de um culto:

“com cultismo destrutivo, no entanto, senti algo mais animando essas histórias de atividade satânica e abuso ritual,  algo familiar, mas não dito. O satanismo era um quebra-cabeça atrás do qual se  escondia, ou um mito sob o qual vivia. Como o cultismo, o satanismo parecia apontar para algo além de si mesmo ”.

O livro de Tucker não é sobre satanismo: é sobre uma classe teórica de predadores espirituais que ele chamou de luciferianos. Nos capítulos posteriores, os satanistas são quase descartados como caricaturais, predadores de ordem inferior. Eles seriam evitados por luciferianos verdadeiramente da elite. “Primos distantes” dos satanistas, na melhor das hipóteses.

Enquanto os satanistas sucumbem à gratificação do ego desenfreado e a gratificação dos impulsos animalescos, os luciferianos jogam o jogo mais longo de todos e buscam atingir a própria Divindade. O Puro e ABSOLUTO Poder.

Tucker postula que esse tipo de impulso emergiria de imperativos evolucionários e que começaria a formar sua própria estrutura psicoespiritual entre os participantes – possivelmente em um nível subconsciente.

O COMA passou grande parte de sua existência travando batalhas legais com os cultos dos quais eles procuravam proteger o público. No entanto, após um processo prolongado da Igreja da Cientologia [Tom Cruise é membro], Tucker anunciou a dissolução do COMA em 1992.

Mas há algo no livro de Tucker, particularmente como ele ‘descreveu os objetivos de fusão de cultos e corporações :

“Temos que reconhecer que os cultos são organizações bem-sucedidas com técnicas que agora estão sendo emprestadas por outras organizações bem-sucedidas”’

Indiscutivelmente, uma das organizações mais bem-sucedidas existentes hoje é o Fórum Econômico Mundial-WEF. Os líderes mundiais são conhecidos por emergirem de conclaves anuais cantando o mesmo mantra, os estados-nação os financiam ativamente, o WEF se orgulha de ter penetrado nos governos do mundo e até a ONU parece seguir as dicas de Davos.

Em artigos anteriores, observei a fina crosta de elites que está no topo da tabela de capitalização global.

Estrutura de classes, atual e no futuro

E a história até agora é:

Embora muitos vejam as elites de Davos como uma cabala global e abrangente , que controla tudo, nunca consegui aceitar essa descrição simplista. O fato é que o mundo é inerentemente incontrolável.

Podemos estipular que pessoas e grupos podem adquirir influência descomunal e, em seguida, usá-la para fazer coisas moralmente falhas a fim de promover os seus próprios objetivos. Podemos ainda concordar que quanto mais alto na hierarquia sociopolítica de onde essas agendas se originam, mais provável é que as consequências sejam suportadas mais pesadamente pela maioria da plebe. Na maioria das vezes, aqueles cujas maquinações foram responsáveis ??por resultados catastróficos SEMPRE escapam de serem responsabilizados por isso.

Mas o mundo em que vivemos hoje é a prova positiva de uma coisa: ninguém está no controle de nada. Além disso, essas subcorrentes ocultistas que exploramos abaixo estão nos trazendo de volta a uma daquelas épocas  em que as pessoas que pensam que estão no comando não conseguem dar um passeio em público.

No entanto, como Tucker, eu olho para agendas como Stakeholder Capitalism, “The Great Reset” ou The Great Narrative (ou qualquer outra baboseira que esteja sendo nomeada atualmente) e sinto algo grande por trás disso. “Algo que aponta para além de si mesmo”.

Anos atrás, no que hoje parece ser uma outra linha de vida (também conhecida como “Antes da Covid”), eu deveria estar escrevendo um livro sobre os perigos do tecno-utopismo. Nele, eu já estava reconhecendo o transumanismo como um tipo de religião e o considerava um dos quatro pilares ideológicos do tecno-utopismo (sendo os outros três: a IA, a tecnocracia e o comunismo de luxo totalmente automatizado).

Muito cedo em meu trabalho sobre isso, concluí que o tecno-utopismo era, em última análise, uma construção luciferiana. Não necessariamente Lúcifer literalmente, mas que a aspiração de “usurpar Deus” era de caráter luciferiano (o plano era que a seção final do livro propusesse uma contra-estrutura chamada “tecno-realismo”, baseada na hiperadaptabilidade da humanidade como um abordagem superior ao planejamento central marxista e comunista).

Quando buscamos moldar o mundo por meio da tecnocracia – para não mencionar a própria realidade por meio do transumanismo e da IA ??– estamos perseguindo um evento escatológico único conhecido como “A Singularidade”: um ponto no tempo em que nossa tecnologia se torna a camada básica da realidade.

Provavelmente não é a primeira vez que pensamos que éramos capazes de alavancar nossos aparelhos para a Divindade. A lenda de Babel sugere uma interação anterior, que não terminou bem. Não sabemos ao certo onde a mitologia faz fronteira com a pré-história, mas o que quer que tenha acontecido certamente deixou sulcos profundos em nossa psique coletiva.

Quando você considera o posicionamento e a marca [da Besta] do WEF, com suas certezas e falso paternalismo, tudo faz muito mais sentido quando visto como um culto em vez de uma cabala [máfia].  Cultistas sabem de tudo, eles estão por dentro – e o mais importante, eles reivindicam autoridade moral sobre todos nós por Direito Divino.

Os objetivos declarados do Fórum Econômico Mundial:

A partir de seu relatório institucional “para as partes interessadas”, o WEF persegue três Fases de Interação:

Nossas atividades conduzem as comunidades por três fases de interação, cada uma resultando em maior impacto:
1) estimulando diálogos e gerando insights;
2) moldar agendas e desenvolver influência; e
3) catalisar iniciativas e gerar impacto.

…que naquela fala caracteristicamente banal do WEF, é um sinal de apito para dominar o mundo.

Eles não sentem nenhum escrúpulo sobre isso. Uma Era para Lúcifer postula o surgimento de um tipo de ser humano cujas crenças sustentam que os adeptos estão mais acima na cadeia alimentar espiritual do que todos os outros. Literalmente uma raça acima, do tipo semideuses, na sua maioria ‘acordados, LGBTQ+ [como Yuval Harari], transhumanistas, satanistas, pedófilos, transgênero, et caterva.

O componente chave da metafísica luciferiana é a predação.

“a realidade é dividida em camadas do físico para o espiritual. O poder puro vibra apenas nos alcances mais elevados dos domínios espirituais. O superior domina o inferior. O espírito determina a matéria, não o contrário… O elitismo é essencial aqui; apenas poderosos adeptos espirituais e mestres luciferianos merecem ocupar os reinos superiores e desfrutar dos benefícios e benesses encontrados apenas lá.

Se substituirmos todas as instâncias de “espiritual” na passagem acima por “intelectual/EGO”, então teremos um modelo preciso para a estrutura ideológica do “Homem de Davos”, porque toda a ontologia da elite (ou o que passa por ela) repousa sobre material radical reducionista.

E o materialismo, em sua essência, é puro niilismo.

Não há espírito. Não temos almas. Existe apenas matéria, e os humanos inferiores são meramente “animais hackeáveis”, conforme declarou [vídeo abaixo] o historiador judeu khazar Yuval Harari, consultor do WEF, ativista LGBTQ+ casado com outro homem, que declarou que a imensa maioria da humanidade é composta de comedores inúteis.

Todo mundo provavelmente já viu essa montagem, mas ela captura “The Essential Harari”, que eu pessoalmente acho que fala sobre tudo isso em um timbre mais descritivo do que prescritivo. Mas ele é inegavelmente um queridinho de Davos e consultor do judeu khazar Klaus Schwab, CEO do WEF e, quando você o pega, ele tem aquela alegria de psicopata pronunciada do estilo Dr. Strangelove.

Através do domínio absoluto do que é intelectualmente permissível – e com supervisão tecnocrática especializada – a matéria pode ser subjugada a modelos… e as elites ‘acordadas’ [todes] podem ascender à divindade. Tudo em um metaverso criado por eles mesmos.

Cabalas são egoístas, crueis e mundanas. E enquanto o ‘Davos Man’ é certamente isso, numa cabala está faltando aquele elemento essencial que contribui para um compromisso total – aquela coisa que “aponta para além de si mesma”. Os participantes de uma cabala irão abandoná-la no momento em que deixar de servir aos seus interesses… mas os cultistas irão dobrar. Eles se queimarão vivos e comerão os seus próprios filhos. Eles são berserkers ideológicos [Plural para Berserkr: foram guerreiros nórdicos ferozes, que estão relacionados a um culto específico ao deus Odin. Eles despertavam em uma fúria incontrolável antes de qualquer batalha]

O WEF não é de forma alguma o primeiro culto de dominação mundial. Já foi dito que os nazistas  também eram mais bem compreendidos como uma seita oculta [praticante de magia negra] do que como um partido político, conforme Peter Levenda:

o Partido Nazista [não sendo] um partido político como a maioria de nós o entenderia, mas um culto, ainda continua sendo a melhor caracterização do fenômeno nazista que posso encontrar. Também contribui muito para nos ajudar a entender como ela poderia ter sobrevivido da maneira que sobreviveu e ainda influenciar as ideias e ações de povos e líderes políticos em todo o mundo. — Peter Levenda, O legado de Hitler

O princípio organizador do culto descreve o que vemos acontecendo mais do que uma mera cabala. Se os nazistas tivessem sido apenas uma cabala, eles teriam se espalhado com o colapso do exército alemão, mas como muitos pesquisaram (Levenda, Farrell, Marrs, et al), o nazismo sobreviveu à Segunda Guerra Mundial, precisamente por causa de sua estrutura de culto:

O nazismo começou como um culto e sobreviveu como um culto. Como ideia, é vago o suficiente para atrair uma coleção de filosofias e movimentos políticos ao seu redor, cada um vendo no arquétipo nazista uma versão de seu próprio sistema de crenças; como culto, tem o poder de se comunicar visceralmente com seus seguidores por meio de um símbologismo elaborado

Mas como iremos explorar agora – ser estruturado como um culto é apenas um lado disso. O culto tem que ter algum tipo de ‘molho secreto’ que lhe dê poder, algo que, mais uma vez, aponte para além de si mesmo…

“O demônio da dominação mundial falou. Ele proclamou um grande segredo: o mundo pode ser dominado… A sociedade moderna está carregada de uma corrente mágica que cria em todos os homens os mesmos pensamentos. As massas esperam grandes coisas de seus governantes. E por isso grandes coisas são fáceis”. — Konrad Heiden, Der Fuehrer, 1944

O que é essa coisa “que aponta para além de si mesma?”

Costumo dizer que a razão pela qual acho que o Bitcoin finalmente prevalece, e o planejamento central da era industrial falha, é porque o primeiro surgiu de uma ordem superior de abstração intelectual do que a hierárquica, planejada centralmente.

Tudo isso faz parte de uma progressão inexorável, um desdobramento, se preferirem. Distingue-se de uma singularidade tecno-utópica, pois não é algo que assumimos o controle e manejamos habilmente, é algo que flui através de nós. Impulsionando-nos, na verdade todos os seres vivos, para a frente.

Nunca encontrei uma boa palavra para descrever essa “coisa além de si mesma” que permeia tudo;  obviamente é a inspiração para movimentos espirituais ao longo dos tempos, para construções mitológicas. Eu sempre chamei isso de “A Grande Externalidade”. É o indescritível (“o Tao que pode ser explicado não é o Tao”), e inefável. Pode ser experimentado como o “Eu Sou”, mas se você tentar colocar isso em um Ted Talk, provavelmente ficará rígido.

Quando falo sobre como a arquitetura da abstração intelectual mudou de centralizada para em rede, isso é apenas um atributo superficial. Nunca fiz um trabalho adequado explicando a mudança fundamental no nível de abstração intelectual e como isso é importante. Jean Gebser o chamou de mundo aperspectivo em “Ever Present Origin”, seu estudo exaustivo da evolução da própria consciência.

“A condição do mundo de hoje não pode ser transformada pela racionalidade tecnocrática, pois tanto a tecnocracia quanto a racionalidade estão aparentemente se aproximando de seu ápice; nem pode ser transcendido pela pregação ou admoestação de um retorno à ética e moralidade, ou de fato, por qualquer forma de retorno ao passado. 

Temos apenas uma opção: ao examinar as manifestações de nossa época, devemos penetrá-las com amplitude e profundidade suficientes para não cairmos sob seu feitiço demoníaco e destrutivo.

 Não devemos focar nosso olhar apenas nesses fenômenos, mas sim no húmus do mundo decadente abaixo, onde as mudas do futuro estão crescendo, imensuráveis ??em seu potencial e vigor”

Gebser escreveu “Ever Present Origin” em 1949; só foi traduzido para o inglês em 1985. Ele entendia que as crises da modernidade eram provocadas não por visões políticas divergentes ou mesmo por incentivos econômicos, mas por colisões entre interações sucessivas da própria consciência. 

A humanidade, de acordo com Gebser, atravessou três fases amplas de não-perspectivas (mal podíamos diferenciar nossas próprias mentes da experiência mais ampla do mundo), perspectiva (linearidade e racionalidade) e em aperspectiva (o que vem a seguir – um nível que integra aqueles que vieram antes).

Talvez uma maneira de fazer a analogia seja enquadrá-la como camadas de ordens dimensionais:

No mundo sem perspectiva, nossas mentes basicamente se fundiram com a realidade; éramos em grande parte indiferenciados como criaturas autoconscientes. Era uma existência dimensional de zero a um:

‘A estrutura arcaica inicial é de dimensão zero; é, portanto, espacial e temporal, embora nossa mentalidade atual, se é que compreende isso, verá isso como um paradoxo. É origem; apenas em um sentido terminológico é uma “primeira” estrutura que emana daquela identidade perfeita existente “antes” (ou atrás) de toda unidade ou unidade que inicialmente poderia ter representado. É semelhante, se não idêntico, ao estado original do paraíso bíblico: uma época em que a alma ainda está adormecida, uma época de completa não diferenciação entre o homem e o universo.’

Durante a Era da Perspectiva, nos tornamos autoconscientes e passamos pela individualização, abrangendo construções bidimensionais a tridimensionais. Já mencionei antes o “Quantum Jump” de WR Clement, que descrevia o Iluminismo como um nivelamento da abstração mental. A descoberta da perspectiva na arte ao mesmo tempo impulsionou e significou esse salto.

A era fiduciária e tecnocrática é essencialmente o final dessa mentalidade perspectiva – e o que vem a seguir contém ainda outra dimensão de ordem superior, um eixo para uma construção aperspectiva… como um hipercubo.

Qual a altura da escada dimensional?

Na física teórica, a teoria das cordas postula que nosso universo existe em dez dimensões.

Um hipercubo de dez dimensões? Quem na terra vem com essas coisas?

De qualquer forma, essa coisa que aponta para além de si mesma não surge de dentro da construção 3D que os materialistas supõem formar as bordas da existência. Vem de um nível além.

Existem fenômenos nesta super-realidade maior que, quando experimentados aqui, dentro da perspectiva de nossa consciência limitada, lutamos para conter dentro de nossos sentidos. Podemos experimentá-los como egrégoras ou campos mórficos, até mesmo um zeitgeist. O conceito do místico russo Vedim Zeland de “O Pêndulo” tem aspectos de absorção e canalização da energia do pensamento.

Um pêndulo de energia é criado quando um grupo de pessoas começa a pensar [egrégora] de uma certa maneira e então:

“sua energia de pensamento finalmente se une em uma única corrente. Quando isso acontece, como se estivesse no meio de um oceano inteiro de energia, é criada uma estrutura separada e independente de informação de energia, chamada de pêndulo de energia. Eventualmente, essa estrutura começa a viver sua própria vida e a subjugar às suas leis as próprias pessoas que a criaram.

A estrutura é referida como um pêndulo porque quanto mais pessoas aderentes a alimentam com sua energia, mais poderosamente ela balança” — de ‘Transurfing’ de Vadim Zeland

Um pêndulo se autoperpetua com um único imperativo: atrair para si o máximo de energia possível. Mais importante, é agnóstico sobre a carga de energia – não importa se as pessoas estão em harmonia com o pêndulo ou se opõem a ele. Ambos os pólos criam a energia que o pêndulo deseja.

É por isso que o conselho do filósofo do Novo Pensamento Neville Goddard sobre a necessidade de  renunciar ao mal em vez de resistir a ele é tão importante.

Há uma grande diferença entre resistir ao mal e renunciar a ele. Quando você resiste ao mal, você dá a ele sua atenção; você continua a torná-lo real. Quando você renuncia ao mal, desvia sua atenção dele e dá atenção ao que deseja. Agora é a hora de controlar sua imaginação e dar sua energia para o que você deseja. Neville Goddard, O poder da consciência

Os pêndulos podem ser benignos ou malévolos – as condições que os produzem o tornam assim.

As grandes religiões do mundo podem ser vistas como superpêndulos. Movimentos e cultos podem ser menores. Em todo caso, uma vez formado o pêndulo, a oposição ativa a ele só tem um efeito: dar-lhe mais energia e amplificá-la.

O tecnocomunismo tipificado pelo WEF e o criptoanarquismo personificado pelo Bitcoin são ambos pêndulos. É por isso que pegar em armas contra o WEF não prejudica o WEF – fortalece-o. E é também por isso que o Bitcoin é um texugo de mel antifrágil.

Os pêndulos se alimentam da energia de seus adeptos e oponentes, mas seu centro de gravidade forma um eixo através de nosso mundo experiencial e os ancora na Grande Exterioridade. Em Egregores : The Occult Entities That Watch Over Human Destiny , de Mark Stavish, ele o descreve como

“mais do que uma entidade autônoma composta e influenciando os pensamentos de um grupo de pessoas, é também o lar ou canal de uma inteligência psíquica específica de natureza não humana que conecta as dimensões invisíveis com o mundo material em que vivemos. Esta, de fato, é a verdadeira fonte de poder dos antigos cultos e suas práticas mágico-religiosas”. (ênfase no original)

O pêndulo WEF é distintamente Ahrimânico. Ahriman é tradicionalmente um espírito maligno do caos do zoroastrismo, no entanto, estou me baseando no trabalho do místico austríaco Rudolf Steiner, que tentou nos alertar sobre a vinda da “Era de Ahriman” quase exatamente um século atrás.

Da palestra GA 191 proferida em 1º de novembro de 1919, Dornach (desculpe a extensão):

Sempre que a preparação estiver sendo feita para encarnações desse personagem, devemos estar atentos a certas tendências indicativas na evolução. Um Ser como Ahriman, que encarnará no Ocidente no futuro [o nosso presente atual], se prepara para esta encarnação com antecedência. Tendo em vista sua encarnação na Terra, Ahriman orienta certas forças na evolução de tal maneira que possam ser da maior vantagem possível para ele….

A posição correta só pode ser tomada reconhecendo em uma ou outra série de eventos a preparação que está sendo feita por Ahriman para sua existência terrena. E agora chegou a hora de os homens individuais saberem quais tendências e eventos ao seu redor são maquinações de Ahriman, ajudando-o a se preparar para sua encarnação que se aproxima.

Sem dúvida, seria do maior benefício para Ahriman…  se a grande maioria dos homens considerasse esses preparativos para a encarnação de Ahriman como progressivos e bons para a evolução. Se Ahriman fosse capaz de se infiltrar em uma humanidade inconsciente de sua chegada, isso o alegraria mais do que tudo. 

Aqui está a piada:

Um dos desenvolvimentos em que o impulso de Ahriman é claramente evidente é a disseminação da crença de que as concepções mecanicistas e matemáticas inauguradas por Galileu, Copérnico e outros explicam o que está acontecendo no cosmos.

Puro materialismo. Puro reducionismo. O ‘acordado’ Yuval Harari puro.

Steiner adverte que:

“A consciência daqueles seres humanos a quem chamei de devoradores de alma e espírito está em uma condição de obscuridade …; pois por não aceitarem o espiritual [Deus] em sua natureza humana, eles dirigem direto para a corrente luciférica tudo o que introduzem… O que os homens comem e bebem sem espiritualidade vai direto para Lúcifer!”

Aqui Steiner está falando sobre predação espiritual e alertando aqueles idiotas ‘acordados’ [todes] que pensam que são os predadores, na verdade eles são a presa das egrégoras a que servem. (Ahriman e Lúcifer foram duas encarnações separadas na cosmologia de Steiner, mas eles trabalharam em conjunto através dos três mil anos que separam suas encarnações físicas em termos terrenos).

Essa corrente materialista que forma a base de nosso paradigma convencional está ancorada nisso e separa nossa existência terrena de nossas almas. É de se admirar por que os impulsos redutores e tecnocráticos e a hipernormalidade permeiam cada vez mais nossas instituições de elite?

“Pouca atenção tem sido dada ao fato de que a política atrai personalidades messiânicas desordenadas para posições de poder”. — Rees-Mogg & Davidson, The Sovereign Individual 

Não é tanto a incoerência cognitiva que aflige a psique daqueles que são atraídos e enredados nos corredores do poder, quanto a loucura aperspectiva – um termo cunhado por Ken Wilber, o filósofo da teoria integral que pegou o bastão de Gebser aqui no Oeste.

Wilber usou a frase em seu ‘Trump in a Post-Truth World‘ de 2017, que é indiscutivelmente um livro da esquerda sobre o trabalho excessivo e a Síndrome de Perturbação de Trump. Estamos vendo esses tipos de infecções da psique acontecerem em ondas crescentes, sob diferentes nomes:

Hipernormalidade; TDS; … loucura apersectiva. E “Mass Formation Psychosis” sendo a mais recente. Claro, nossos “senhores especialistas” não aceitam nada disso…

Algum dia eles nos informarão que “os especialistas dizem que não existe uma realidade de ordem superior” (a teoria das cordas foi derrubada pelos verificadores de fatos das pre$$tituta$ MSM).

Mas essa doença da alma que ameaça dominar o mundo é o resultado de ignorar essas construções de ordem superior e de tentar empacotar a realidade em uma caixa materialista tridimensional, egocentrica, de preferência ‘acordada’. Tudo tem que se deformar apenas para tentar se encaixar tudo lá, inclusive as aberrações.

O Partido WEF em Davos está sendo cada vez mais considerado uma força malévola e controladora da sociedade, e com ampla justificativa. No entanto, eles aparentemente exercem tanto poder e riqueza;  como alguém pode esperar contrariar sua influência?

Ao sair ativamente e resistir ao WEF, você está dando sua energia a ele. A chave é colocar sua energia no que você quer, não no que você não quer.

O pêndulo de contrapeso para o comunismo de luxo totalmente automatizado de inspiração luciferiana do WEF é uma construção distintamente prometéica  – um impulso que vem crescendo há décadas, talvez mais, e então se revelou durante a crise financeira global.

Esse impulso emergente se manifestou no Bitcoin. Descrevi em outro lugar as circunstâncias aparentemente sobrenaturais por trás de seu surgimento e as sincronicidades alucinantes que experimentei pessoalmente em torno dele.

Essa tendência continuou.

Já recebemos alguns avisos sobre as semelhanças entre as profecias do “número da besta” do estilo CBDCs e do Apocalipse, mesmo antes da patente WIPO 2020/0 6 0 6 0 6, estranhamente numerada, que descrevia sistemas implantáveis ??de moeda digital.

Depois desse artigo anterior, acabei na Rádio Sats, onde Moisés me alertou sobre Apocalipse 2:17:

“Quem tem ouvidos para ouvir deve ouvir o Espírito e entender o que ele está dizendo às igrejas. A todo aquele que vencer darei do maná que está escondido no céu. E darei a cada um uma pedra branca, e na pedra estará gravado um novo nome que ninguém conhece senão aquele que o recebe ”.

Quer dizer que todo mundo tem sua própria chave privada? Meio que soa como isso.

Então, de um lado, temos um implante ou uma marca na mão ou na cabeça “sem a qual não se pode comprar, nem vender, nem fazer negócios de qualquer tipo” – enquanto, do outro, há esse grupo de vitoriosos que têm a posse de sua propriedade privada.

Como eu disse no outro artigo, não concordo com a profecia bíblica no sentido literal de que ela prediz o futuro. O que eu acredito é que existimos em uma realidade multifacetada que transcende o material, a redução 3-D, sobre a qual o pensamento convencional insiste. Essas mitologias tentam descrever algo vislumbrado em construções hiperdimensionais além do tempo linear.

Barra Lateral: A vida é apenas um sonho

(Aqui está uma analogia de como eu vejo esses conceitos: pense em um sonho. Meu palpite é que o que quer que esteja acontecendo neles está acontecendo na velocidade da luz. A razão pela qual eu suspeito disso é porque você pode experimentar um sonho no qual você aparentemente passa horas, ou mesmo uma vida inteira – e então sua soneca sai, novamente. Já se passaram somente dez minutos.

Quando você ainda está dormindo, digamos que algo comece a acontecer no sonho, geralmente um som, mas talvez se manifeste de outras formas. É quando você acorda que percebe que seu sonho estava reagindo a algo externo a ele, algo acontecendo em seu mundo desperto, como a campainha tocando ou um caminhão barulhento passando.

Quando acordamos, temos dificuldade em analisar o que experimentamos no estado de sonho – minha teoria é porque sonhamos em uma construção superdimensional com pelo menos um eixo extra – então é claro que seria quase impossível descompactar o que aconteceu no hipercubo de volta à experiência 3D.)

Eu fui nessa tangente porque muitas vezes suspeito que algo assim está acontecendo com as sincronicidades do cotidiano. Mesmo profecias ou premonições podem ser semelhantes a isso: uma incursão em nosso mundo desperto de algum estímulo originado de uma ordem dimensional superior fora de nosso estado convencional. Seria excepcionalmente difícil entender isso porque estamos perdendo um eixo dimensional quando tentamos pensar sobre isso.

Nossas energias de pensamento coletivo estão respondendo a impulsos de ordem superior e criamos ou unimos pêndulos. Esses pêndulos são ainda moldados por campos mórficos subjacentes maiores e agem como filtros ou pontes para a Grande Exterioridade. Gravitamos em pêndulos benignos e saudáveis ??ou em pêndulos malévolos e autodestrutivos.

Se nos envolvermos persistentemente em práticas contemplativas ou espirituais, podemos acumular autoconsciência suficiente para reconhecer essas correntes maiores e tomar decisões conscientes sobre em quais colocar nossa energia.

O reducionismo material convencional diria que nossas mentes são apenas algo que nossos cérebros estão gastando, e não há nada mais nisso. Mas há mais do que isso, muito mais – e não estamos escolhendo conscientemente o que pensar ou como conduzir nossa própria evolução, tanto quanto somos semelhantes a limalha de ferro nos organizando de acordo com um campo magnético ou outro.

Se estivermos realmente conscientes, podemos tomar uma decisão consciente sobre com qual caminho nos alinhar. A maioria das pessoas inconscientes vai simplesmente seguir o consenso de “rebanho”, seguindo a manada.

Digerindo tudo

Nunca haverá uma função de caminho em que o WEF perca seu poder ou reforme seus ideais. A única opção é a irrelevância (é por isso que sempre disse aos malucos da cultura do cancelamento e da plataforma de mídia que a verdadeira bala mágica para matar uma ideia verdadeiramente indefensável é a indiferença).

O Partido totalitário em Davos tem a impressão de que eles são a vanguarda da evolução neodarwinista – quando, ao contrário, parece que eles são funcionários de um campo mórfico mais amplo, de caráter distintamente luciferiano ou ahrimânico. Este campo engloba transumanismo, tecnomarxismo, Transgênero, LGBTQ+, Wokism, tecnocracia e crédito social.

O antídoto em nossa era é escolher um caminho de vida de individualidade soberana radical e abraçar o impulso prometeico que deu origem ao Bitcoin, à criptografia pública e à descentralização. Este campo é expresso através da cripto-anarquia e das sociedades em rede, mas com base na expressão espiritual, de práticas contemplativas, da família [que se ‘REPRODUZ’], comunidade e tribos.

Então, quando a próxima reunião do WEF de Davos chegar, não se preocupe em pegar um cartaz e se manifestar nas ruas; sente-se numa cadeira confortável e doe uma pílula laranja para seus amigos, familiares, vizinhos e colegas. É assim que venceremos.

Abordo as tensões macro entre os globalistas e o indivíduo soberano extensivamente em  The Bitcoin Capitalist Letter , juntamente com um foco tático em CBDCs, legislação pendente, ativos digitais e ações criptográficas. Obtenha a tese geral de investimento/macro gratuitamente ao se juntar à máfia Bombthrower . Siga no Twitter aqui ,  Gettr , ou junte -se ao Bombthrower Telegram


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“…mas [eles] receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro [Cristo], e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis”.Apocalipse 17:12-14

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *