browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Ofertas de dados dos “usuários” {zumbis} do Facebook estão sob investigação criminal

Posted by on 15/03/2019

Os procuradores federais do DoD estão conduzindo uma investigação criminal sobre os acordos de dados que o Facebook fechou com algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, intensificando o escrutínio das práticas de negócios do gigante de mídia social ao tentar se recuperar de um ano de escândalos e retrocessos em que viu expostos todas as suas práticas subreticias e subliminares em relação aos seus bilhões de {zumbis} usuários. Não está claro quando começou a investigação do grande júri, supervisionada por procuradores do gabinete do procurador dos Estados Unidos para o Distrito Leste de Nova York, ou exatamente no que ela está se concentrando. O Facebook já estava sendo examinado pela Federal Trade Commission (FTC) e pela Securities and Exchange Commission (SEC). 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Ofertas de dados dos “usuários” do Facebook estão sob investigação criminal

Fonte:  https://www.nytimes.com/

Um grande júri em Nova York submeteu à análise os registros de pelo menos dois importantes fabricantes de smartphones e outros aparelhos de comunicação, segundo duas pessoas que estavam familiarizadas com os pedidos e que insistiram no anonimato para discutir questões legais confidenciais. Ambas as empresas haviam firmado parcerias com o Facebook, obtendo amplo acesso às informações pessoais de centenas de milhões de usuários {zumbis} .

As duas empresas estavam entre as mais de 150, incluindo gigantes como a Amazon, Apple, Microsoft e Sony, que cortaram acordos de compartilhamento com a plataforma de mídia social dominante do mundo. Os acordos,  relatados anteriormente no The New York Times, permitem que as empresas vejam os amigos dos usuários do Facebook, informações de contato e outros dados, às vezes sem o seu consentimento. O Facebook eliminou a maioria das parcerias nos últimos dois anos.

“Estamos cooperando com os investigadores e levamos essas sondas a sério”, disse um porta-voz do Facebook em um comunicado. “Fornecemos testemunho público, respondemos a perguntas e prometemos que continuaremos a fazê-lo”.

Leia a história de Brian Chen sobre o que ele encontrou quando baixou seus dados no Facebook . ]

Não está claro quando começou a investigação do grande júri, supervisionada por procuradores do gabinete do procurador dos Estados Unidos para o Distrito Leste de Nova York, ou exatamente no que ela está se concentrando. O Facebook já estava sendo examinado pela Federal Trade Commission (FTC) e pela Securities and Exchange Commission (SEC). 

Também a unidade de fraude de valores mobiliários do Departamento de Justiça (DoD) começou a investigar depois que relatórios da Cambridge Analytica, empresa de consultoria política, obtiveram indevidamente os dados do  Facebook de 87 milhões de pessoas e os usaram para construir ferramentas que ajudaram a campanha eleitoral do presidente Trump. O Departamento de Justiça e o Distrito Leste se recusaram a comentar este artigo.

A investigação sobre a Cambridge Analytica, ainda ativa, está sendo realizada por promotores do Distrito Norte da Califórnia. Um ex-funcionário da Cambridge disse que os investigadores o questionaram recentemente em fevereiro. Ele e três outras testemunhas no caso, falando sob condição de anonimato para não irritarem os promotores, disseram que uma linha significativa de investigação envolveu as alegações do Facebook de que teria sido enganado pela Cambridge Analytica.

Leia mais sobre as 5 maneiras como o Facebook compartilha seus dados]

Em declarações públicas, executivos do Facebook disseram que a Cambridge disse à empresa que estava coletando dados apenas para fins acadêmicos. Mas a boa impressão que acompanhava um aplicativo de questionário que coletava as informações dizia que ele também poderia ser usado comercialmente

A venda de dados de usuários teria violado as regras do Facebook no momento, mas a rede social não parece ter verificado regularmente se os aplicativos estavam em conformidade. O Facebook excluiu o aplicativo de teste em dezembro de 2015.

As divulgações sobre o caso da Cambridge no ano passado colocaram o Facebook na pior crise de sua história. Em seguida, surgiram notícias de junho e dezembro de que o Facebook havia dado aos parceiros de negócios – incluindo fabricantes de smartphones, tablets e outros dispositivos – acesso profundo às informações pessoais dos seus usuários {zumbis}, permitindo que algumas empresas efetivamente substituíssem as configurações de privacidade dos usuários.

Os acordos de compartilhamento permitiram que o mecanismo de busca Bing da Microsoft mapeasse os amigos de praticamente todos os usuários do Facebook sem o seu consentimento explícito, e permitiu que a Amazon obtivesse nomes de usuários e informações de contato através de seus amigos. A Apple conseguiu esconder dos usuários do Facebook todos os indicadores de que seus dispositivos estavam até mesmo pedindo dados.

Os defensores da privacidade individual disseram que as parcerias pareciam violar um acordo de consentimento de 2011 entre o Facebook e a FTC, decorrente de alegações de que a empresa compartilhava dados de maneiras que enganavam os seus {usuários/zumbis} consumidores. Os acordos também pareciam contradizer as declarações de Mark Zuckerberg e outros executivos de que o Facebook havia reprimido vários anos atrás em compartilhar os dados dos amigos dos usuários com desenvolvedores externos.

Funcionários da FTC, que passaram o ano de 2018 investigando se o Facebook violou o acordo de 2011, agora estão pesando os acordos de compartilhamento enquanto negociam uma possível aplicação de multa multibilionária à gigante de mídia social.  Essa seria a maior penalidade desse tipo já imposta pelo regulador dessa área de negócios.

O Facebook tem defendido agressivamente as suas parcerias comerciais, dizendo que elas foram permitidas sob uma cláusula do contrato da FTC que cobria provedores de serviços – empresas que atuavam como extensões da rede social.

A empresa tomou medidas no ano passado para combater o uso indevido de dados e desinformação sobre os seus usuários. Na semana passada, Zuckerberg revelou um plano que começaria a desviar o Facebook de uma plataforma para compartilhamento público e colocar mais ênfase nas comunicações privadas.

Nicholas Confessore, Alan Feuer e Rebecca R. Ruiz contribuíram com reportagem.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.